Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 13 janeiro 2009

Vejam os gols de Pato contra a Roma

13 de janeiro de 2009 1

Pato comemorando o segundo gol com Beckham/Pier Paolo Cito, AP

Muito se falou, mas pouco se viu. Vejam aqui no Almanaque Esportivo os dois gols de Alexandre Pato contra a Roma. Eles foram marcados neste domingo, no empate de 2×2 do Milan pelo Campeonato Italiano, partida que marcou a  estréia de David Beckham no time de Milão.

No primeiro gol, uma bela jogada e passe de Kaká, enquanto no segundo, o assistente foi Ronaldinho deixando Pato de frente para o gol. Aliás, o segundo gol foi típico de Pato: condução de bola em velocidade e um chute de alta qualidade.

Pato tem 8 gols em 18 jogos no Campeonato Italiano, e mais dois gols em cinco partidas na Liga dos Campeões. Já reassumiu a titularidade, ele que foi o maior artilheiro do Milan na temporada passada.

Vale ressaltar ainda os dois gols do montenegrino Mirko Vucinic, um excelente jogador que a Roma tem no ataque. Sem ele, e sem Francesco Totti, o poderio ofensivo da equipe giallorossa é próximo à força naval da Bolívia…

Curtam os lances:

 

Postado por Perin, evidentemente um fã confesso de Pato

A falência do futebol carioca, parte II

13 de janeiro de 2009 20

Ontem iniciamos esta série de artigos sobre os motivos pelos quais o futebol do Rio de Janeiro deixou de ser hegemônico e passou a ser coadjuvante no cenário brasileiro após o ano de 2000. As razões são diversas e serão aprofundadas ao longo desta semana.

River Plate 4x2 Botafogo - 2008, mais um fiasco em jogo  decisivo...


A análise de hoje é focada em Botafogo e Fluminense, os times que menos conquistaram títulos desde 2000. Então, vamos lá:

BOTAFOGO

O Alvinegro padece hoje por ter ficado quase 20 anos sob comando do dinheiro do jogo do bicho, através de seu presidente Emil Pinheiro. Depois, o clube de Mané Garrincha, Didi entre outros errou pelo total e absoluto desleixo com as categorias de base e contratações marqueteiras de dirigentes despreparados, ou descontrolados como Mauro Ney Palmeiro e Carlos Augusto Montenegro.

Vocês lembram qual foi o último grande jogador formado em Marechal Hermes? Pois é, fica difícil lembrar já que o último atleta botafoguense convocado foi o então veterano Bebeto na Copa do Mundo da França em 1998.

Lembrar de um ótimo nome lançado dos juniores para o profissional nos remete há quase 15 anos, quando o polêmico meia Beto, ex-Grêmio, Vasco e Flamengo, que chegou ao Botafogo aos 17 anos vindo de Cuiabá-MT , foi lançado no time de cima.

Após a saída dos ‘patrocinadores’ fortes, o Botafogo namorou a Segundona entre 1999 e 2001, caindo finalmente em 2002. Voltou no ano seguinte, mas quase caiu novamente em 2004.

Entre 2005 e 2008, o Fogão alternou bons e maus momentos, mas ao menos ficou longe do do pesadelo da Série B. Conquistou apenas um título, o Estadual de 2006, e ficou marcado pela sina de fracassar nos momentos decisivos. Além de Estaduais, o Botafogo desmanchou boas campanhas nos últimos 2 Brasileiros, caiu nas retas finais das Copas do Brasil de 2007 e 2008 e ainda jogou fora uma partida incrível contra o River Plate em Buenos Aires, quando vencia por 3×1 e levou a virada com dois jogadores a mais.

O ex-presidente Bebeto de Freitas deixou o time em janeiro, seis anos no cargo mas um clube quase falido, com as categorias de base desmanteladas. O novo presidente, Maurício Assunção, ficou horrorizado com o estado de Marechal Hermes, sede das divisões de base 

Mato crescendo, sem campos utilizáveis, sem estrutura de musculação. Um nada absoluto. Agora, não me perguntem como os incompetentes dirigentes do Atlético-MG contrataram Bebeto como “diretor executivo de futebol”… Pedem, né… O cara afundou o próprio time do coração, e vai contratado como se fosse a salvação da lavoura no já enrolado Galo??? Vai entender!

Sem dinheiro, mas com um bom técnico (Ney Franco) e um time razoável, o Botafogo tem tudo para não fazer feio em 2009. Mas nada mais além disto.

FLUMINENSE

O Fluminense, no período entre 1985 e 1995, não ganhou rigorosamente nada! Foi quebrar o jejum com um time organizado, de boa qualidade e como principal destaque Renato Gaúcho…

E foi justamente ele quem, com um gol de barriga no finalzinho, acabou com o título estadual para o Flamengo em seu Centenário. No Brasileiro, o Flu embalou e caiu somente nas semifinais contra um Santos mediano mas contando com uma atuação mítica de Giovanni… Em 1996, tudo pronto para o salto à frente, porém…

1996 e 1998 o Tricolor foi tri… rebaixado!!!! Caiu para a Segundona em 96, subiu no tapetão em uma virada de mesa ridícula. Justiça Divinacaiu de novo em 97.

Manteve a sina de fiascos e caiu para a TERCEIRA DIVISÃO em 98 (sendo o primeiro time campeão brasileiro na Série C). Comandado por Parreira, subiu em campo para a Segunda em 99. No ano seguinte, a CBF deu outra mãozinho e o Flu no tapetão voltou para a primeira em 2000.

Na Série A, o Flu alternou anos bons (2000 a 2002, 2004 a 2005 e 2007) com anos terríveis (como 2003, 2006 e 2008) quando flertou fortemente com o rebaixamento.

Nos últimos dez anos, o time recebeu o forte aporte financeiro da Unimed-RJ, que tem bancado contratações e salários altíssimos, bem acima da média brasileira como Romário, Edmundo, Roger, Felipe e Petkovic. Recentemente, o excepcional zagueiro Thiago Silva ganhava incríveis 400 mil reais mensais.

Dentro de campo, o resultado de todo este investimento foi apenas razoável.  Além de um desvalorizado Carioca de 2002, o Flu foi campeão estadual em 2005, desta vez com louvor.

O dinheiro retornou na Copa do Brasil de 2005 (quando perdeu na final para o Paulista) e 2007, quando superou a todos os rivais com alguma facilidade e foi campeão, batendo o Figueirense na decisão. Fazendo do limão uma limonada, o Flu aproveitou-se bem da ausência de times como São Paulo, Santos, Grêmio e Internacional, que estavam na Libertadores.

Com um elenco milionário, o Fluminense foi muito bem na Libertadores 2008, passando com folga na primeira fase, superando o favorito São Paulo na terceira e batendo o quase imbatível Boca Juniors nas semifinais.

Porém, na decisão, o Flu levou um vareio de bola na altitude de Quito e tomou 4×2 da LDU. No jogo de volta, contando com três gols de Thiago Neves, venceu por 3×1 e levou para os pênaltis, quando enfim foi derrotado pelo modesto time equatoriano.

O sonho da Libertadores e de ser campeão mundial terminara. Lanterna do Brasileiro (de tanto jogar com os reservas), o Flu desmantelou seu elenco no meio da competição , trocou de treinador e lutou para não cair. Agora, com a serena mão de Renê Simões, o time se ajusta após uma mudança radical de fotografia.

O futuro? Bem, hoje é o time que tem a melhor estrutura para as categorias de base. Nada espetacular como o CT do São Paulo em Cotia ou a Toca da Raposa II do Cruzeiro, mas uma bela sede em Xerém, que agora possui um hotel para os profissionais.

Além disto, o Flu tem formado jogadores de alto potencial, como os jovens gêmeos Rafael e Fábio, hoje no Manchester United, o meia Carlos Alberto (hoje no Vasco da Gama), o lateral-esquerdo Marcelo (no Real Madrid), o volante Arouca, entre outros. Regularmente cede jogadores para as Seleções Brasileiras de base, e aproveita vários no elenco principal.

Porém muito desta estabilidade vem do patrocínio da Unimed. Quando a parceira resolver “parar de brincar de futebol”, quem irá sustentar os salários?

Corinthians (MSI), Flamengo e Grêmio (ISL) pagaram um amargo preço por contratos milionários sem receitas. E o Flu?


SÉRIE COMPLETA:

A falência do futebol carioca, parte I

A falência do futebol carioca, parte II – Botafogo e Flu

A falência do futebol carioca, parte III – Flamengo e Vasco da Gama

A falência do futebol carioca, parte IV – Os erros

A falência do futebol carioca, final – O futuro