Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

A falência do futebol carioca, parte II

13 de janeiro de 2009 20

Ontem iniciamos esta série de artigos sobre os motivos pelos quais o futebol do Rio de Janeiro deixou de ser hegemônico e passou a ser coadjuvante no cenário brasileiro após o ano de 2000. As razões são diversas e serão aprofundadas ao longo desta semana.

River Plate 4x2 Botafogo - 2008, mais um fiasco em jogo  decisivo...


A análise de hoje é focada em Botafogo e Fluminense, os times que menos conquistaram títulos desde 2000. Então, vamos lá:

BOTAFOGO

O Alvinegro padece hoje por ter ficado quase 20 anos sob comando do dinheiro do jogo do bicho, através de seu presidente Emil Pinheiro. Depois, o clube de Mané Garrincha, Didi entre outros errou pelo total e absoluto desleixo com as categorias de base e contratações marqueteiras de dirigentes despreparados, ou descontrolados como Mauro Ney Palmeiro e Carlos Augusto Montenegro.

Vocês lembram qual foi o último grande jogador formado em Marechal Hermes? Pois é, fica difícil lembrar já que o último atleta botafoguense convocado foi o então veterano Bebeto na Copa do Mundo da França em 1998.

Lembrar de um ótimo nome lançado dos juniores para o profissional nos remete há quase 15 anos, quando o polêmico meia Beto, ex-Grêmio, Vasco e Flamengo, que chegou ao Botafogo aos 17 anos vindo de Cuiabá-MT , foi lançado no time de cima.

Após a saída dos ‘patrocinadores’ fortes, o Botafogo namorou a Segundona entre 1999 e 2001, caindo finalmente em 2002. Voltou no ano seguinte, mas quase caiu novamente em 2004.

Entre 2005 e 2008, o Fogão alternou bons e maus momentos, mas ao menos ficou longe do do pesadelo da Série B. Conquistou apenas um título, o Estadual de 2006, e ficou marcado pela sina de fracassar nos momentos decisivos. Além de Estaduais, o Botafogo desmanchou boas campanhas nos últimos 2 Brasileiros, caiu nas retas finais das Copas do Brasil de 2007 e 2008 e ainda jogou fora uma partida incrível contra o River Plate em Buenos Aires, quando vencia por 3×1 e levou a virada com dois jogadores a mais.

O ex-presidente Bebeto de Freitas deixou o time em janeiro, seis anos no cargo mas um clube quase falido, com as categorias de base desmanteladas. O novo presidente, Maurício Assunção, ficou horrorizado com o estado de Marechal Hermes, sede das divisões de base 

Mato crescendo, sem campos utilizáveis, sem estrutura de musculação. Um nada absoluto. Agora, não me perguntem como os incompetentes dirigentes do Atlético-MG contrataram Bebeto como “diretor executivo de futebol”… Pedem, né… O cara afundou o próprio time do coração, e vai contratado como se fosse a salvação da lavoura no já enrolado Galo??? Vai entender!

Sem dinheiro, mas com um bom técnico (Ney Franco) e um time razoável, o Botafogo tem tudo para não fazer feio em 2009. Mas nada mais além disto.

FLUMINENSE

O Fluminense, no período entre 1985 e 1995, não ganhou rigorosamente nada! Foi quebrar o jejum com um time organizado, de boa qualidade e como principal destaque Renato Gaúcho…

E foi justamente ele quem, com um gol de barriga no finalzinho, acabou com o título estadual para o Flamengo em seu Centenário. No Brasileiro, o Flu embalou e caiu somente nas semifinais contra um Santos mediano mas contando com uma atuação mítica de Giovanni… Em 1996, tudo pronto para o salto à frente, porém…

1996 e 1998 o Tricolor foi tri… rebaixado!!!! Caiu para a Segundona em 96, subiu no tapetão em uma virada de mesa ridícula. Justiça Divinacaiu de novo em 97.

Manteve a sina de fiascos e caiu para a TERCEIRA DIVISÃO em 98 (sendo o primeiro time campeão brasileiro na Série C). Comandado por Parreira, subiu em campo para a Segunda em 99. No ano seguinte, a CBF deu outra mãozinho e o Flu no tapetão voltou para a primeira em 2000.

Na Série A, o Flu alternou anos bons (2000 a 2002, 2004 a 2005 e 2007) com anos terríveis (como 2003, 2006 e 2008) quando flertou fortemente com o rebaixamento.

Nos últimos dez anos, o time recebeu o forte aporte financeiro da Unimed-RJ, que tem bancado contratações e salários altíssimos, bem acima da média brasileira como Romário, Edmundo, Roger, Felipe e Petkovic. Recentemente, o excepcional zagueiro Thiago Silva ganhava incríveis 400 mil reais mensais.

Dentro de campo, o resultado de todo este investimento foi apenas razoável.  Além de um desvalorizado Carioca de 2002, o Flu foi campeão estadual em 2005, desta vez com louvor.

O dinheiro retornou na Copa do Brasil de 2005 (quando perdeu na final para o Paulista) e 2007, quando superou a todos os rivais com alguma facilidade e foi campeão, batendo o Figueirense na decisão. Fazendo do limão uma limonada, o Flu aproveitou-se bem da ausência de times como São Paulo, Santos, Grêmio e Internacional, que estavam na Libertadores.

Com um elenco milionário, o Fluminense foi muito bem na Libertadores 2008, passando com folga na primeira fase, superando o favorito São Paulo na terceira e batendo o quase imbatível Boca Juniors nas semifinais.

Porém, na decisão, o Flu levou um vareio de bola na altitude de Quito e tomou 4×2 da LDU. No jogo de volta, contando com três gols de Thiago Neves, venceu por 3×1 e levou para os pênaltis, quando enfim foi derrotado pelo modesto time equatoriano.

O sonho da Libertadores e de ser campeão mundial terminara. Lanterna do Brasileiro (de tanto jogar com os reservas), o Flu desmantelou seu elenco no meio da competição , trocou de treinador e lutou para não cair. Agora, com a serena mão de Renê Simões, o time se ajusta após uma mudança radical de fotografia.

O futuro? Bem, hoje é o time que tem a melhor estrutura para as categorias de base. Nada espetacular como o CT do São Paulo em Cotia ou a Toca da Raposa II do Cruzeiro, mas uma bela sede em Xerém, que agora possui um hotel para os profissionais.

Além disto, o Flu tem formado jogadores de alto potencial, como os jovens gêmeos Rafael e Fábio, hoje no Manchester United, o meia Carlos Alberto (hoje no Vasco da Gama), o lateral-esquerdo Marcelo (no Real Madrid), o volante Arouca, entre outros. Regularmente cede jogadores para as Seleções Brasileiras de base, e aproveita vários no elenco principal.

Porém muito desta estabilidade vem do patrocínio da Unimed. Quando a parceira resolver “parar de brincar de futebol”, quem irá sustentar os salários?

Corinthians (MSI), Flamengo e Grêmio (ISL) pagaram um amargo preço por contratos milionários sem receitas. E o Flu?


SÉRIE COMPLETA:

A falência do futebol carioca, parte I

A falência do futebol carioca, parte II – Botafogo e Flu

A falência do futebol carioca, parte III – Flamengo e Vasco da Gama

A falência do futebol carioca, parte IV – Os erros

A falência do futebol carioca, final – O futuro

Comentários (20)

  • Alexandre Magno Barreto Berwanger diz: 2 de março de 2009

    Só um comentário: a tal “virada de mesa ridícula”, não saiu para beneficiar o Fluminense, mas Atlético-PR e Corinthians, pegos em um esquema de corrupção, intitulado “Escândalo Ives Mendes”, com imagens e gravações colocadas para o Brasil inteiro pelo Jornal Nacional.

    Estude o assunto e coloque um Post aqui sobre isto, para exclarecer a todos os leitores.

    Na verdade, quando assumiu a FFERJ em 1986, Eduardo Vianna, o Caixa D`Água, anunciou que “acabaia com o reinado dos coloridos” e aí…

  • Fernando diz: 13 de janeiro de 2009

    A decadencia do futebol carioca encontra paralelo na decadencia do Estado do Rio de Janeiro.A quanto tempo o rio não produz mais boas do que más noticias.Os dirigentes nefastos só fizeram o que fizeram com a anuência, conivência ou omissão da sociedade e da imprenssa cariocas. Se formou assim um futebol de atletas maus profissionais,dirigentes mau carater.Tudo num clima de oba oba.Os clubes cariocas são grifes valorizadissimas,mas não aproveitadas.

  • Paulo diz: 13 de janeiro de 2009

    cara, como esse cidadão de codinome tricolor viaja… Bom, todos os tricolores são assim!!

     

    EDITADO: não concordei com tudo que ele falou, mas concordei com a maioria. Temos que saber respeitar, né Paulo?

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    Esqueceram que o Flu tem caprichado desde que voltou em 2000. Em 2008, ficou comprovado que o time foi garfado en 10 a 12 pontos. Se não fosse a priorização da Libertadores e os erros de arbitragem, o Fluminense estaria entre os 2 primeiros colocados com toda a certeza…

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    Quanto ao meu Flu, não sei o que o futuro reserva, mas só um tricolor sabe o orgulho que é vestir esse manto, essa camisa que nunca é festejada pela grande mídia, geralmente mais “populista”. Legal é festejar o Mengão, o Timão. Pra ser Fluminense, tem que ter personalidade. Como dizem por aqui, “jamais nos matarão”.

  • jonathan diz: 13 de janeiro de 2009

    Boa materia.. axo q clubes mal estruturados como fluminense, botafogo, atletico-mg.. e com pessimos dirigentes como palmeiras, vascoda gama e flamengo..tendem a ficar pra tras dos outros grandes clubes.. creio q depois da copa do mundo no Brasil e varios clubes com seus estadios prontos.. poucos times ainda vao ser considerados gigantes do futebol brasileiro.. aposto em GREMIO, INTER, SAO PAULO, CRUZEIRO como os mais bem estruturados hj.. e com uma visao mais ampla do futuro.

  • Fernando diz: 13 de janeiro de 2009

    Continuando.Apesar de toda a tradição dos clubes cariocas quantos sócios teem? Será que uma campanha nos moldes feitos pela Dupla resultaria lá em 50.000 e 80.000 sócios para alguém.Duvido.Alguém aqui entregaria seu suado dinheiro para os cartolas do Rio.Eu não.Sou sócio Colorado porque acredito na lisura da Direção, da mesma forma que os sócios gremistas também devem acreditar. Uma pena para quem gosta de bom futebol.Zico,Roberto Dinamite,Paulo Cesar Caju,Junior,LeandroZanatta, saudades….

  • Robbie Fowler diz: 14 de janeiro de 2009

    Sim jovem, decadencia social no RJ, queira você ou não queira; não é nenhuma novidade. Ou você acha que os proliferantes favelados, os narcotraficantes e os bandidos estão apenas brincando? Voltando ao futebol, acerta quem fala em PROFISSIONALIZAÇÃO. Enquanto os clubes cariocas seguem com dirigentes estilo “paizão”, clubes organizados e bem administrados empilham títulos. Clubes são empresas, empresas tem que obter resultados positivos, é simples assim. E segue o SPFC dando de relho na rapa…

  • Ednei diz: 13 de janeiro de 2009

    Boa tarde.
    Vou comentar somente a última mensagem do nosso tricolor em virtude das demais já serem passado, assim como um Mundial (em outros moldes, antes…), em 1952, vingando os brasileiros… o Peñarol, tem a Taça Olímpíca, em 47, e o Campeonato Brasileiro de 1970… E o povo esquece sim a história pelos exemplos citados, mas principalmente quando se tem a falsa idéia de ser o melhor, de ser superior aos demais, frutos de uma administração pifia e de uma midia hipócrita, que só da atenção..

  • Ednei diz: 13 de janeiro de 2009

    …. só mostra oque é moda, como foi o futebol carioca nas décadas citadas….
    E por pura falta de caráter não procura ver coisas positivas feitas em outros locais, só vê o fiasco dos clubes do RJ, protegidos pela cbf, que mais parece uma sucursal dos próprios clubes cariocas, com o sr. Ricardo Teixeira eterno, e assim manter suas histórias vivas, e mesmo assim, como disse o sr. Tricolor, suas histórias colossais são esquecidas… culpo só do povo, ou dos próprios???

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    Assim como o Bota, sofreu com maus dirigentes e também c/Federação do RJ. Quando o falecido e nada saudoso Caixa d´Água assumiu, o Flu era tricampeão estadual reinante. O funesto dirigente campista afirmou: “A partir de agora, só Flamengo e Vasco”. Deu no que deu. A tentativa de bipolarização de um futebol que foi construído por 4 grandes clubes (para não falar em América e Bangu, que brilharam longe da era da internet, ou seja, para os novatos, representam nada).

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    Em 1996, quando começou o fiasco, o time estava entregue aos empresários. O plantel tinha 61 jogadores, e a fiel torcida tricolor pagou caro (fiel, sim, pois já colocou 80.000 em jogo de Série B, e ano passado lotou o Maracanã com 92 mil pessoas – mais que o badalado Flamengo). O Flu depende, sim, da Unimed, e isso pode ser temerário.

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    Entretanto, o que tranqüiliza a torcida tricolor é o sucesso ABSOLUTO das categorias de base, campeoníssima de diversos campeonatos estaduais, nacionais e internacionais. Inclusive, o Fluminense é campeão MUNDIAL em diversas delas. Quanto aos últimos anos, ganhamos muito mais do que o Vasco da Gama, que só levou um Estadual (2003). Viu o que faz a mídia bipolarizante?

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    Aliás, quanto ao Inter, time de muitos amigos meus (sou Flu, mas sou gaúcho), só uma observação: o que seria do clube se não fossem Aparecido de Oliveira (92) e Carlos Torres (2006)? Coloca na conta a Copa do Brasil, a Libertadores, Mundial e Recopa. E tudo de bom que isso traz.

  • Ednei diz: 13 de janeiro de 2009

    E mais uma, por na conta os nossos titulos de 2006/2008 por culpa de juiz, é muita falta de competencia. Terminando, parabens pela excelente matéria e pelo blog, muito legal. Sou colorado, com orgulho, e sempre fui atras da história do meu time, não pela mídia, somente pela paixão que sinto por ele e por suas glórias. pode até ser bairrista, mas só no RS pra termos dois clubes gigantes, campeões mundiais, da libertadores, do brasil e por ai vai sem depender da midia CarioPaulista ou PauliCarioca

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    O Fluminense é patrimônio do futebol brasileiro. Construiu o primeiro estádio para que a Seleção Brasileira pudesse jogar. Tem uma história colossal, mas esquecida. É que o povo que esquece a história… assiste BBB, vota sempre nos mesmos… mas voltando ao Fluzão, gostaria de lembrar que o time tem um Mundial (em outros moldes, antes que comece a gritaria), em 1952, vingando os brasileiros a derrotar, entre outros, o Peñarol, tem a Taça Olímpíca, em 47, e o Campeonato Brasileiro de 1970…

  • fernando colorado diz: 13 de janeiro de 2009

    O Futebol Carioca está recém percebendo a ligação entre uma boa administração e bons resultados. Times como Flamengo teriam potencial pra ser ponta do Brasil e da América, mas quando abre uma vantagem já faz festa, daí não ganha nada.
    São times que recém estão se PROFISSIONALIZANDO e de 2000 para cá poderíamos ter uma série A livre de cariocas, não fosse a grande mãe CBF e seus juízes da discórdia.
    A tendência é equilibrar aos poucos.

  • Luiz Paulo Massa diz: 14 de janeiro de 2009

    Decadencia do estado do Rio ? Meu caro , sua ignorancia ultrapassa o futebol. Voce deveria ler mais sobre os dados do IBGE , pois verá que o municipio de Duque de Caxias , na baixada fluminense , contribui mais para o país que Porto Alegre. O estado e a cidade vivem uma euforia economica puxados pelo petróleo , quimica , siderurgia , telefonia , mineração , seguros e mercado financeiro. Até a paulista Record já tem 605 dos seus funcionarios por aqui.

  • TRICOLOR diz: 13 de janeiro de 2009

    Gostaria de fazer algumas observações que me dei conta depois que um colorado me disse: “O Flu perdeu pra LDU porque não tinha experiência de Libertadores”. Ora… o Flu fez 2 gols fora, a LDU 1. Regulamento esdrúxulo, juiz mal intencionado (Baldassi)… e a culpa é do Flu? Pagamos caro por Quito, é bem verdade… Mas o Flu teria mais experiência em Libertadores se, em 1992, José Aparecido de Oliveira não tivesse inventado aquela Copa do Brasil para o Internacional. Isso, ninguém diz aqui…

  • Luiz Paulo Massa diz: 13 de janeiro de 2009

    O Grêmio viveu uma fase de ouro entre 1995 e 1997 , quando ganhou um brasileirão , duas copas do Brasil e uma Libertadores. Não vou nem ficar de 2000 para cá , mas sim de 1998 para cá. O que o Grêmio fez ? Ganhou uma Copa do Brasil , foi vice uma vez da Libertadores e vice do Brasileirão em 2008. E foi rebaixado no brasileirão ? No que esse time é melhor ?

Envie seu Comentário