Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 23 janeiro 2009

A `maldição do CenteNADA`: quem se deu mal!

23 de janeiro de 2009 3

Grêmio em 2003: nada no Centenário/Gianfranco Spolaore, site `Coleção do Gianfranco`

Neste ano, dois times do futebol brasileiro comemoram seus centenários: Internacional e Coritiba. Com um elenco forte (e caro), o Colorado disputará seis competições e tem ótimas chances de conquistar algum título. Porém a pressão será fortíssima para não repetir o rival Grêmio, um vexame em seu centésimo ano (2003). As chances do Coxa são menores, mas o Paranaense aparece como obrigação para o time dos Altos da Glória.

Aqui no Almanaque Esportivo vamos abordar pela manhã os times que foram mal em seus respectivos centenários (apontando as causas), e à noite aqueles que ganharam títulos importantes (e que significativamente foram menos que os da primeira lista).

Em um esporte que tem pouco mais de 100 anos de grande popularidade, o Centenário dos principais clubes é motivo de muita festa, alguma contratação bombástica e planos audaciosos. Até hoje, entretanto, a maioria dos clubes não ganhou rigorosamente nada nestes anos, muito por se planejar mal para esta temporada, misturando festa fora de campo com pouca organização dentro dos gramados…

Alguns fatores em comum marcaram a maioria dos fracassos: excessiva pressão por resultados da mídia e da torcida, contratações mais marqueteiras que de fato eficientes, além de alguns azares em jogos decisivos.

O centenário mais famoso do futebol brasileiro foi o do Flamengo em 1995. Na época, o recém empossado presidente Kléber Leite contratou ninguém menos que Romário, o melhor do mundo e craque da Copa de 1994 na conquista do tetracampeonato mundial pela Seleção Brasileira. De quebra, juntou o “Baixinho” com Sávio, estrela das categorias de base rubro-negra, e Edmundo, ídolo no Palmeiras e no arquirrival Vasco da Gama.

O resultado foi um horror: perdeu o título do Carioca no finalzinho para o Fluminense (o lendário gol de barriga de Renato Gaúcho), a Supercopa para um fraco time do Independiente diante de mais de 130 mil pessoas no Maracanã, e foi uma vergonha no Brasileiro. Virou `pior ataque do mundo`…

Na lista dos micos centenários, o Grêmio tem um lugar de destaque. O time do presidente Flávio Obino estava sem dinheiro, com o time se esfacelando por salários atrasados e com um vestiário desgastado.

Foi eliminado em último no Gauchão 2003 com quatro derrotas e dois empates, caiu na terceira fase da Libertadores para o modesto Independiente de Medellín (para completar, ainda contratou o pior zagueiro do time, o panamenho Baloy de triste lembranças em 2004). E no Brasileirão escapou da Segunda Divisão na última rodada. Mas ia piorar, pois o ano seguinte seria ainda mais desastroso…

Em 2008, o Atlético-MG foi mais uma vítima da “maldição do CenteNADA”. O Galo não ganhou rigorosamente nada, deu vexame em todas as competições que disputou (com direito a levar 5×0 na final do Mineiro para o arquirrival Postado por Perin, aguardando o centenário colorado…

Máxi López não vale 235 mil reais mensais!

23 de janeiro de 2009 9

Máxi López: o do River, de 5 anos atrás, serve. Os seguintes...

Li hoje que o atacante argentino Máxi López deve ser o novo reforço gremista. De acordo com a Rádio Gaúcha, o salário de Máxi López no Olímpico ficaria entre 100 e 110 mil DÓLARES mensais. Algo próximo a 235 mil reais a cada 30 dias.

Sinceramente, acho uma contratação (ainda mais por empréstimo) com uma relação custo-benefício arriscadíssima. Máxi López despontou como promessa no River Plate no início da década. Mas depois nunca se afirmou.

É versátil, como disse o Márcio Gomes no blog Preleção hoje. Mas é ruim tecnicamente, usa mais a força que a técnica e tem um péssimo aproveitamento em conclusões. Para um atacante, seus números são muito fracos.

A partir de 2001, ainda com 17 anos, “La Barbie” como é conhecido na Argentina se tornou jogador do grupo principal do time de Nuñez. Em 42 jogos oficiais, fez somente 12 gols e sua melhor média foi 1 gol a cada 3 jogos em 2003 e 2004.

Vendido pela boa quantia de 7 milhões de euros para o Barcelona, Máxi López fez gol logo em seu primeiro jogo pela Liga dos Campeões, justo contra o Chelsea, mas depois decepcionou (e muito).

Desde fevereiro de 2005 até junho de 2006, López não fez mais nenhum gol pelo Barcelona. No início da temporada, foi emprestado ao Mallorca, aonde fez somente dois gols em 29 jogos.

Sem mercado, quase foi para o Sporting mas acabou vendido ao FC Moscow, um time médio da capital russa, em agosto de 2007 por menos de 1/3 do valor original (2 milhões de euros). Lá, alternou períodos como titular e outros como reserva.

Começou embalao e fez 6 gols em 9 jogos, uma marca excelente pelo Campeonato Russo de 2007 (que ele só jogou um turno). Porém no ano seguinte o futebol caiu drasticamente, com apenas três gols em 13 partidas (oito delas como titular).

Para completar, ficou três meses parado por lesão, só voltando na reta final do Campeonato Russo do ano passado. Seu time ficou em 9° lugar entre 16 participantes.

Sinceramente? Atacante bom tem bastante no mercado. E por 200 mil mensais, conseguimos jogadores de alto nível.

Com este valor, o Grêmio poderia ter contratado Washington em dezembro. Ou Kléber Pereira. O retorno era infinitamente mais garantido que com Máxi López.

Muita raça.
Esforço.
Espirito de luta.
Mas futebol e gol que é bom?

Muito pouco…

Postado por Perin, indo dormir…