Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de janeiro 2009

A falência do futebol carioca

22 de janeiro de 2009 1

A falência do futebol carioca, final

22 de janeiro de 2009 5

Durante quatro dias, analisamos profundamente causas dos equívocos que resultaram na queda violenta de resultados, representação e prestígio do futebol carioca a partir do ano de 2000. A maioria das causas já vem de longa data, mas nos últimos anos estão sendo cada vez mais notórias.

Flu acerta: a bela infraestrutura do Hotel Telê Santana em Xerém
Bela sede do Fluminense em Xerém: categorias de base com infra-estrutura

Recebi muitas críticas coerentes, algumas nem tanto, colocaram contrapontos com relação ao assunto. Com a organização do Planeta Atlântida SC 2009 em relação à recursos de T.I., não tive muito tempo para escrever, mas hoje encerro esta série com o que eu acredito que os clubes do Rio devam fazer.

Nada muito extravagante, são questões simples mas que resultam em renúncias de impacto, que mudam com a maneira de enxergar o futebol. Cada lugar tem uma história, um estilo de jogar, uma maneira de atuar diferente. Porém nada disto tem a ver com organização fora de campo. Isto, todos DEVEM ter.

O FUTURO

Antes de quaisquer medidas bombásticas, o futebol carioca tem que fazer uma profunda auto-reflexão. Uma profissionalização de todos níveis administrativos do clube, foco nas categorias de base, redução drástica em funcionários e despesas, maior controle financeiro, fiscal e forte auditoria ao final de cada ano fiscal.

Folhas salariais enxutas são vitais para a saúde financeira. Isto dura algum tempo e todos, rigorosamente TODOS, os clubes brasileiros hoje organizados passaram por este estágio por uma ou duas temporadas. O São Paulo e Cruzeiro no início desta década, o Internacional em 2003 e 2004, e o Grêmio nos últimos anos penaram com times mais modestos enquanto revelavam (e vendiam) jogadores apenas para acertar as contas de gastos exorbitantes do passado.

Até onde vale a pena depender tão somente do dinheiro de parcerias? Se a Unimed largar o futebol, o Fluminense vira do dia para a noite um time sem nenhum jogador de talento, dependendo exclusivamente das categorias de base e com quase nenhuma receita ordinária. Flamengo (ISL) e Vasco da Gama (Bank of America) já são exemplos mais que suficientes, e bem pertinho…

Em situações financeiras dramáticas, Vasco da Gama e Botafogo precisam reativar suas categorias de base urgentemente. O Vasco não forma jogadores de talento há tempos, e o Botafogo já nem lembra mais o que é isto… E imaginar que o Fogão é o time que mais cedeu jogadores para a Seleção Brasileira em Copas do Mundo… Neste ponto o Fluminense está bem à frente, com uma sede de ótima qualidade em Xerém (muitos me indicaram e eu peguei mais informações) enquanto o Flamengo conta com uma boa estrutura de categorias de base.

Agora, talvez o ponto mais difícil: fim das contratações bombásticas, por puro marketing e sem planejamento completo dentro de campo. É evidente que se for possível, e compatível com as finanças, um grande jogador pode ser contratado em um negócio de ocasião.

Recentemente, o Flamengo fez isto com Íbson, que veio por um valor acessível emprestado pelo Porto. Mas contratações empilhadas como Alex, Denílson, Petkovic na temporada 2000 não fazem o menor sentido, a não ser dar marketing para os dirigentes e uma conta enorme para o diretor financeiro…

Cabe aos torcedores um papel mais participativo. Afinal, foram eles que levantaram a história dos 11 títulos brasileiros, três Copas do Brasil, duas Libertadores, uma Copa Intercontinental para o futebol carioca.

Então são eles devem exigir mais seriedade na condução de seus clubes. Em caso de negativa, façam como fizeram no Vasco: derrubem o ‘status quo’.

Dêem uma chance para novos dirigentes. Se eles forem ruins: REPITAM A OPERAÇÃO, despachem todos!

Exigir mais, cobrar mais mas acima de tudo: se organizar melhor.

O futebol carioca forte é mais um degrau para um futuro mais brilhante do esporte brasileiro.

SÉRIE COMPLETA:

A falência do futebol carioca, parte I

A falência do futebol carioca, parte II – Botafogo e Flu

A falência do futebol carioca, parte III – Flamengo e Vasco da Gama

A falência do futebol carioca, parte IV – Os erros

A falência do futebol carioca, final – O futuro

Barcelona: hoje o melhor time do mundo

21 de janeiro de 2009 3

Para mim, hoje o Barcelona é disparado o melhor time do mundo. Tem um futebol vistoso, competitivo, bem organizado taticamente e ainda está sendo referendado pelos números na temporada 2008/09.

Após 19 rodadas, com incríveis 50 pontos em 19 jogos (16 vitórias, dois empates e uma mísera derrota), o time treinado pelo novato técnico Josep Guardiola detém a melhor campanha desde 1994, quando passou a adotar três pontos por vitória.

Nem parece o decadente clube da temporada passada, envolvido em confusões diárias com Ronaldinho Gaúcho e Samuel Eto`o. O time-base do Barcelona de “Pep Guardiola”, uma lenda no Camp Nou, tem sido: Valdes; Daniel Alves, Puyol, Rafa Márquez (Piqué) e Abidal; Touré, Xavi e Iniesta (Keita); Messi, Eto`o e Henry.

A única derrota foi na primeira rodada, 1×0 para o Numancia, seguido por um 1×1 com o Racing Santander. Nas 17 rodadas seguintes foram 16 vitórias e 1 empate. Goleadas expressivas sobre o Sporting Gijón (6×1 fora), Atlético de Madrid (6×1), Basel (5×0 fora), Almería (5×0), Valladolid (5×0), Sporting (5×2 fora), Sevilla (3×0 fora), Valencia (4×0) e Deportivo (5×0 no último sábado) deixam claro o potencial do time que tem jogadores da estirpe de Thierry Henry, Samuel Eto`o, Xavi e Lionel Messi, o melhor talento individual do mundo hoje.

Comandado por um futebol simplesmente monumental de Messi, o Barça vem patrolando na Liga dos Campeões (aqui favorecido pelos medianos Sporting Lisboa e fracos Basel e Shaktar Donetsk) e na Liga Espanhola. Isto além de arrasar o bom time do Atlético de Madrid nas quartas-de-final da Copa do Rei (com direito a aplausos de pé da torcida adversária para Messi, que fez três gols em pleno estádio Mestalla).

A defesa ainda não é nenhuma solidez absoluta, mas já possui um bom padrão tático, sendo a melhor da competição com 13 gols sofridos. Não está no nível da formidável defensiva do Manchester United (atual campeão europeu e mundial) e Juventus (que levaram poucos gols nos nacionais e mantiveram o nível na Liga dos Campeões), mas já não é a peneira dos últimos meses de Frank Rikjaard.

Mas, como é tradicional nos clubes espanhóis, é o ataque que chama a atenção: incríveis 59 gols marcados, mais de três gols por jogo. Messi já fez 21 gols (doze na Liga, cinco na Liga dos Campeões e outros quatro na Copa do Rei), enquanto Eto`o tem 18 no Espanhol e  um na Liga, e Henry já está com 11 no Espanhol e um na Liga dos Campeões. O brasileiro Daniel Alves tem gastado a bola na lateral-direita, enquanto o talentoso Xavi é o armador da maioria das jogadas do time catalão.

Na próxima fase da Liga dos Campeões, o time espanhol pega o decadente Lyon, e é o favorito para passar de fase. Com as potências se enfrentando(Internazionale vs. Manchester United; Real Madrid vs. Liverpool; Chelsea vs. Juventus), o Barça tem tudo para se tornar o principal candidato ao título europeu, que seria o terceiro após as conquistas de 1992 e 2006.

Tricolor busca recuperar a hegemonia no Gauchão

21 de janeiro de 2009 0

Alex Mineiro, o principal reforço do Grêmio em 2009/Reprodução site oficial do Grêmio

OBS: post atualizado em 18/03 – Confira elenco atualizado aqui

Em 2009, o Grêmio quer a América. Quer o Mundo. Mas antes de qualquer coisa, quer conquistar títulos, e ganhar o Gauchão em cima do arquirrival Internacional não será desprezado.

Na estréia contra o Internacional de Santa Maria, Celso Roth irá atuar no 3-5-2, depois de muitos treinamentos no 4-4-2 na pré-temporada. De ótimas atuações em Bento Gonçalves, Souza vai começar como titular jogando no meio-campo. Assim, Tcheco vai jogar mais recuado e sai Diogo do time.

Em outra configuração, o 4-4-2 será utilizado com a entrada de Diogo; Tcheco e Souza como meias e a saída do zagueiro Rafael Marques. Como a diretoria do Grêmio está abertamente buscando um novo atacante, Reinaldo é o jogador com a titularidade mais ameaçada. Um lateral-direito e outro volante devem ser contratados para fechar o grupo de 2009.

Em 2008, o time base Tricolor no Gauchão foi: Victor; Paulo Sérgio, Léo, Pereira e Anderson Pico; Eduardo Costa, William Magrão, Júlio dos Santos (André Luís) e Roger; Perea e Reinaldo. Cinco jogadores continuam no elenco: Victor, Léo, William Magrão (destaque no Gauchão do ano passado), Perea e Reinaldo.

Melhor campanha da primeira fase, o Tricolor deu adeus à competição logo na segunda, quando venceu o Juventude fora de casa por 2×1, mas levou 3×2 em pleno Olímpico e ficou de fora, em um dos dois vexames do time em menos de uma semana (quatro dias depois, foi eliminado da Copa do Brasil pelo Atlético-GO).

ELENCO GRÊMIO 2009

GRUPO REMANESCENTE
Victor, Marcelo Grohe, Matheus, Hélder, Réver, William Thiego, Héverton, Willian Magrão, Makelele, Adílson, Maylson, Tcheco, Orteman, Souza, Douglas Costa, Perea, Reinaldo, Morales

CONTRATADOS
Ruy (Náutico), Fábio Santos (Cruzeiro), Alex Mineiro (Palmeiras), Fabio Ferreira (Corinthians), Rafael Marques (Goiás), Diogo (Figueirense), Jadílson (São Paulo)

PROMOVIDOS
Alessandro (goleiro), Wellington (lateral-direito), Julio Cesar (volante), Paulinho (volante), Mithyuê (meia), Isael (meia), Roberson (atacante), Rafael Martins (atacante)

RESUMO POR POSIÇÃO<

Postado por Perin, analisando o elenco tricolor para 2009

Decacampeonato: missão do Brasil no Sub-20

20 de janeiro de 2009 0

Douglas Costa, a maior estrela do Brasil no Sub-20/site oficial do Grêmio

O Brasil inicia nesta terça-feira a busca pelo decacampeonato Sul-Americano Sub-20 contra o Paraguai. Maior campeão com nove títulos, a Seleção Brasileira é a favorita para a competição, que seria disputada no Peru mas foi transferida para a Venezuela.

A competição  terá interesse em especial dos gaúchos, pois nada menos que seis atletas jogam na Dupla Gre-Nal, incluindo a principal estrela da competição, o gremista Douglas Costa (apontado semana passada como a 5° maior promessa do futebol mundial em uma lista altamente discutível).

Todavia, é o Internacional é o time com mais jogadores entre todos os 20 convocados: o volante Sandro, os meias Giuliano e Tales e o atacante Wálter. Destes, somente Tales não é titular. No Grêmio, além de Douglas Costa, o meia Maylson é outro convocado.

A seleção brasileira Sub-20 está sendo treinada pelo inexperiente técnico Rogério Lourenço (meu pai disse e eu confirmei, o ex-zagueiro do Flamengo e Cruzeiro…) e tem outros destaques: Renan Oliveira (Atlético-MG), Dentinho (Corinthians) e Alan Kardec (Vasco da Gama). O Brasil está no grupo B, composto também por Paraguai, Chile, Bolívia e Uruguai

Particularmente, eu gosto em especial de Sandro, Douglas Costa, Renan Oliveira e Dentinho. Acredito que estes jogadores serão a base do time titular, que deverá ser muito ofensivo: Renan; Douglas, Wellinton, Rafael Tolói e Everton; Sandro, Giuliano, Douglas Costa e Renan Oliveira; Dentinho e Wálter.

Na fase de preparação, o Brasil venceu amistosos contra times cariocas: 2×1 no Boavista (Wálter e Tales), 3×1 no Olaria (Wellinton Sousa, Wálter e Alan Kardec) e 1×0 no Friburguense (Renan Oliveira).

O Brasil foi campeão em 1974, 1983, 1985, 1988, 1991, 1992, 1995, 2001 e 2007. No último torneio, o ex-colorado Alexandre Pato foi o artilheiro brasileiro ao marcar cinco gols, um a mais que o ex-gremista Lucas, o melhor jogador do torneio.

O ex-colorado Luís Adriano (que deve ir para o Palmeiras em 2009) também fez gols importantes (assim como os atleticanos Tchô e Danilinho) para o time do contestado técnico Nélson Rodrigues. Outro destaque foi o ex-goleiro gremista Cássio, que barrou o colorado Muriel e se tornou um dos principais jogadores na competição

Além de quatro vagas para o Mundial Sub-20 (Brasil, Argentina, Chile e Colômbia), a competição

Postado por Perin, que sempre acha péssimos os técnicos Sub-20

Inter quer bicampeonato estadual em 2009

20 de janeiro de 2009 6

Atual campeão, Inter busca o bicampeonato/site oficial do Internacional

OBS: post atualizado em 18/03 – Confira os dados atuais aqui.

Nesta terça-feira, o atual campeão gaúcho Internacional inicia a busca pelo bicampeonato estadual contra o Santa Cruz, no estádio Beira-Rio. É a primeira das seis competições do Colorado no ano de seu Centenário.

O Inter começa com nada menos que dez dos onze titulares campeões da Copa Sul-Americana 2009: apenas o ex-capitão Edinho deixou o Beira-Rio, apesar de especulações envolvendo Alex, Nilmar e Guiñazu, em especial. Nenhum das estrelas coloradas deve sair na janela de janeiro. Sendo assim, o time-base do técnico Tite está muito próximo disto: Lauro; Bolívar, Índio, Álvaro e Marcão; Paulinho (Sandro), Magrão, Guiñazu e D`Alessandro; Alex e Nilmar.

Em 2008 o Internacional foi campeão gaúcho com um time bem diferente. Sem Edinho e Renan por causa da hepatite, o Colorado enfiou um inesquecível 8×1 sobre o Juventude e levantou o caneco.

Foi uma vingança avassaladora sobre o time de Caxias do Sul, que vinha de três vitórias seguidas sobre o Inter, incluindo um 1×0 no primeiro jogo da final. Mas três gols de Fernandão, um de Alex, outro de Nilmar, mais um de Índio, um de Danny Morais e o último do goleiro Clemer (`le coup de grace`, cobrando pênalti a la Panenka) acabaram com a `touca verde` que assombrava o Beira-Rio.

O time-base campeão foi: Clemer; Wellington Monteiro/Bustos, Índio, Orozco e Marcão; Edinho, Magrão, Guiñazu e Alex; Nilmar(Iarley) e Fernandão. A mudança na fotografia foi grande: Clemer ficou mas é reserva, enquanto Índio, Marcão, Magrão, Guiñazu, Alex e Nilmar continuam no clube. O capitão Fernandão, o ídolo Iarley deixaram o time depois daquela conquista, assim como 21 outros jogadores que não estão sendo aproveitados.

ELENCO INTERNACIONAL 2009

GRUPO REMANESCENTE
Clemer, Lauro, Agenor, Muriel, Índio, Bolívar, Álvaro, Sorondo, Danny Moraes, Danilo Silva, Marcão, Sandro, Gustavo Néry, Rosinei, Magrão, Guiñazu, D`Alessandro, Alex, Andrezinho, Taison, Nilmar, Walter, Talles Cunha

CONTRATADOS
Leandrão (sem clube), Giuliano (Paraná), Marinho (Fluminense), Diego Manfio (Cianorte), Marcelo Cordeiro (Vitória), Michel Alves (Juventude), Glaydson (São Caetano), Arílton (Coritiba)

PROMOVIDOS
Paulinho (volante), Wagner Silva (zagueiro), Wagner (meia), Éder (atacante)

RESUMO POR POSIÇÃO
Goleiros (5): Lauro, Michel Alves, Clemer (lesionado), Agenor, Muriel
Laterais (5): Danilo Silva, Bolívar, Arílton, Marcelo Cordeiro, Marcão
Zagueiros (6): Álvaro, Índio, Danny Morais, Wagner Silva, Diego Manfio, Sorondo (les

Postado por Perin, aguardando o início do Gauchão hoje

Que golaço do Julio Baptista!!!!

18 de janeiro de 2009 1

Golaço, heinhô Julio Baptista???/reprodução: site oficial da Roma

A Roma enfrentou hoje o Torino pela última rodada do primeiro turno do Campeonato Italiano. Empatava em 0×0 fora de casa contra o fraco time grená, na zona de rebaixamento mais uma vez.

Então o brasileiro Júlio Baptista, que chegou ao time da capital este ano, marcou um golaço, com direito a matada no peito e chutaço de bicicleta. Vejam o golaço que garantiu a vitória dos visitantes aos 47 do 2° tempo:

“La Bestia”, como ficou conhecido nos tempos de Sevilla, já marcou cinco gols em 14 jogos na atual temporada. Depois de um início catastrófico, a Roma já está a cinco pontos da zona de classificação na Liga dos Campeões da Europa, em 8° lugar. Já o Torino é o antepenúltimo colocado, com míseros  17 pontos ganhos em 19 jogos.

Postado por Perin, feliz com uma vitoria giallorossa!

1985: o ano que não terminou para os Xavantes

16 de janeiro de 2009 3

Brasil de Pelotas em 1985: eliminou o Flamengo de Zico e ficou em 3º no Brasileiro

Texto originalmente publicado em 16 de maio de 2008, republicado como homenagem aos xavantes após esta marcante tragédia. O post original foi o com maior número de comentários na história do Almanaque Esportivo:

Iniciando a série de %22grandes feitos do futebol do interior gaúcho%22, a inesquecível campanha do Brasil de Pelotas no Brasileirão de 1985. Na próxima semana, o assunto será o título gaúcho do Caxias, de Tite, na temporada de 2000. E ainda na semana que vem, a vez da histórica conquista da Copa do Brasil pelo Juventude em 1999.

Então comandado por Walmir Louruz (que seria campeão com o Juventude da Copa do Brasil), o Brasil terminou em um incrível terceiro lugar na então Taça de Ouro do Campeonato Brasileiro. É a maior conquista da mais fanática torcida do Rio Grande do Sul desde o longínquo Gauchão de 1919 (o primeiro da história).

O Brasil, que tinha o centroavante Bira (EDITADO: não é o %22Bira Burro%22, ex-Inter, obrigado aos que apontaram o erro) e os zagueiros Hélio (Vieira) e Silva como principais destaques, foi passando de fase na complicada fórmula da competição.

A antepenúltima fase era um quadrangular e se classificaram: Bahia (melhor campanha até então), Ceará, Brasil de Pelotas e o mítico Flamengo de Zico, Andrade, Adílio, Mozer, Leandro e Fillol. O curioso é que no ano anterior, o Brasil já havia vencido o Flamengo por 1×0 no Bento Freitas, também pelo Brasileiro.

O Brasil começou vencendo o Bahia, enquanto o Fla tropeçou contra o Ceará. Depois, 0×0 entre Ceará e Brasil, Bahia e Flamengo. Na terceira rodada, goleada tricolor sobre o Ceará e o Fla bateu o Brasil no Maracanã, gol de Bebeto (iniciando a carreira).

No final do primeiro turno, o Flamengo tinha quatro pontos, o Brasil e o Bahia três e o Ceará só dois. No início do returno, o Fla e o Brasil golearam Bahia e Ceará, respectivamente. Então, o jogo da história do Brasil.

Com 25 mil pessoas na Baixada, o Brasil bateu o Flamengo por 2×0. Um gol em uma trombada de Fillol e Mozer, deixando livre para Bira fazer. E o outro em um erro da zaga rubro-negra, que Júnior Brasília não desperdiçou. Veja os melhores momentos deste jogo:


Carnaval em pleno inverno na cidade de Pelotas. Porém em nada adiantava se na última rodada, o Brasil caísse para o Bahia em Salvador e o Fla vencesse o Ceará no Rio. Porém o time cearense arrancou um empate, e o Brasil virou sobre os baianos com dois gols de Bira Burro e um de Júnior Brasília

Nas semifinais, os Xavantes foram eliminados pelo então %22milionário%22 Bangu (patrocinado pelo dinheiro do %22Jogo do Bicho%22 do finado bicheiro Castor de Andrade). Superior tecnicamente, o time carioca venceu no Olímpico (o estádio do Brasil não tinha a capacidade mínima) e no Maracanã

Jogo de ida, Brasil 0×1 Bangu no Olímpico, Porto Alegre em 24 de julho de 1985

Jogo de volta, Bangu 3×1 Brasil no Maracanã, Rio de Janeiro em 28 de julho de 1985

O time base do Brasil era: João Luís; Valdoir, Silva, Hélio e Jorge Batata; Doraci, Lívio e Andrezinho; Júnior Brasília, Bira e Zezinho. Técnico Walmir Louruz. Bira foi o artilheiro com 15 gols.

Semana que vem, a dupla Ca-Ju!

AS MAIORES FAÇANHAS DO FUTEBOL GAÚCHO

Escudo do Internacional para o Centenário

15 de janeiro de 2009 16

Novo símbolo para o Centenário e depois? Gostei!/Reprodução

Aposto alguns cafés que será este o escudo do Sport Club Internacional para o Centenário. Por algumas informações e outros fatos como o indicado hoje no Clube da Bolinha

Opinião pessoal: excelente! Ficou simples, bonito e ainda funcional (explico abaixo).

Objetivo: Isto faz parte de uma estratégia de longo prazo de consolidação da imagem do Internacional no mercado. Como o Inter, e nenhum time brasileiro, tem a visibildade de um gigante europeu, nada melhor que deixar o nome claramente indicado em qualquer representação oficial.

O fato de ter um símbolo simples, que não sofra alterações radicais todo o ano e que, principalmente, tenha SEMPRE o nome por extenso, facilita a exposição e identificação do clube.

P.S. De quebra remove aquela estrela da Copa do Brasil, que ficava antigamente junto com as outras três estrelas. Sempre achei um casuísmo político gerado pelo ex-presidente José Asmuz em uma vã tentativa de se igualar aos ícones colorados Frederico Arnaldo Ballvê, Eraldo Hermann e Marcelo Feijó.

Postado por Perin, que gostou muito do símbolo novo

A falência do futebol carioca, parte IV

15 de janeiro de 2009 25

AS CAUSAS DA CRISE NO FUTEBOL CARIOCA

Hoje é a vez de aprofundarmos a análise dos erros cometidos pelos gigantes do futebol do Rio de Janeiro, e darmos espaço para os leitores opinarem. Segunda falamos em linhas gerais sobre os problemas dos times cariocas na última década, terça citamos Botafogo e Fluminense, enquanto ontem foi a vez de Vasco da Gama e Flamengo.

Marechal Hermes, sede das divisões inferiores no Botafogo. Como vão  formar craques AQUI?
sede das categorias de base do Botafogo. Preciso falar algo?

O fato é que existe uma permissividade dentro dos principais times cariocas que não se aplica no profissionalismo de hoje no esporte. Dirigentes pouco profissionais, ambientes muito abertos e sem organização, imprensa permissiva (e muitas vezes ‘patrocinada’ por clubes) e fortemente influenciados por torcidas organizadas (muitas com facções criminosas), liberalidade com mau comportamento de jogadores. Assim podemos resumir a média geral dos mandatários dos principais times do Rio de Janeiro.

Uma condição muito em voga no Rio é a política do: “se eu não pago em dia, não posso cobrar profissionalismo” dos dirigentes para os atletas. E vice-versa, diga-se de passagem, pois atletas relapsos minaram muitas vezes elencos de boa ou ótima qualidade. Isto sem contar a excessiva utilização do marketing em ‘grandes lances’ em detrimento de ações menos espalhafatosas como investir na base ou a ‘garimpagem’ de talentos em centros menores.

Vale ressaltar que a maioria dos jogadores chamados de ‘chinelinho’, aqueles passam muito tempo no departamento médico por lesões estranhas e treinam muito pouco, são jogadores com profundas raízes no Rio, como Fábio Baiano, Romário, Felipe, Edmundo, Roger e Carlos Alberto. Antigamente, quando a condição física era muito menos importante do que hoje, jogadores que passavam seus dias em noitadas podiam treinar em um turno e estarem disponíveis em boas condições.

Hoje, isto é impossível com a exigência corporal que cada atleta deve suportar. Em todo o Brasil se percebeu isto, e os clubes passaram a adotar cartilhas mais rígidas de comportamento. Eventualmente, algum treinador aplica as mesmas em um dos quatro grandes. Mas isto dura até o primeiro salário atrasado, e aí voltamos ao início deste ciclo…

A influência de alguns bandidos, travestidos de “diretores” de organizadas tem que ser sumariamente expurgada do clube. Impressiona a força de organizadas especialmente no Flamengo e Vasco da Gama, e conivência dos “dirigentes tradicionais”, ‘liberando treinos’, deixando jogadores ‘conversar’ com líderes de organizadas’, ou simplesmente cedendo às suas exigências de maneira servil.

A Federação Carioca de Futebol é outra calamidade. O finado Eduardo Vianna, nacionalmente conhecido como “Caixa D’Água“, foi um dos mais nefastos dirigentes da história do futebol brasileiro. Virou tantas e tantas vezes a mesa no futebol carioca, beneficiou escandalosamente por décadas o Americano de Campos, seu time do coração.

Ele virtualmente extinguiu o rival do Americano, o Goytacaz e direta ou indiretamente prejudicou todos os times que se atravessaram em seu caminho. Foi processado diversas vezes, acusado de administração fraudulenta, criou ligas amadoras fantasmas que mantinham o mesmo por 20 anos no comando da FERJ. Bem, se foi em 2006 e enfim, deste mal o futebol carioca já não mais sofre.

Finalizando, um ponto crucial: categorias de base. Hoje apenas Flamengo e Fluminense seguem formando jogadores. O Vasco tem tido dificuldades, enquanto a base do Botafogo simplesmente não existe.

Este foi o caminho da recuperação do Cruzeiro, São Paulo e da dupla Gre-Nal. Sem ele, os recursos para reestruturação dos times e pagamento de dívidas se tornarão quase impossíveis de serem obtidos.

ESPAÇO PARA RESPONDER OS LEITORES

Sempre imaginei que este assunto causaria polêmica, e estou abrindo espaço para todos que contestaram meus argumentos. Lamento que muitos não perceberam que eu desejo, a evolução de todos os times do Brasil para patamares compatíveis com a grande e qualidade do nosso futebol. Esta sempre foi uma postura coerente neste blog: prezar pelo profissionalismo.

Administrações honestas e profissionais, clubes estruturados são uma necessidade imprescindível no milionário futebol de hoje. Os times cariocas, o Atlético-MG, Santos, Corinthians (não acreditem que o clube se organizou, continua a mesma baderna) ainda precisam evoluir consideravelmente nestes aspectos.

Palmeiras, Fluminense e Grêmio estão em um patamar intermediário, com vícios antigos e muito personalismo. O Tricolor já se estruturou mas ainda tem sérios problemas financeiros decorrentes dos antigos descalabros administrativos. A humildade em reconhecer isto será o primeiro passo para um futuro melhor. Para todos.

A todos que citaram o assunto “virada de mesa”, como se eu ‘escondesse’ que isto ocorreu em 1992/1993 com o Grêmio, estão enganados. Procurem nos arquivos deste blog e irão encontrar um post de junho sobre o assunto.

Aos que apelaram para uma abordagem ‘inveja dos cariocas’, nem vou entrar em maiores detalhes. Conheço o Rio, já passei meses na cidade e gosto de passear, apesar de não querer morar lá nunca por questões de segurança e clima.

Tenho dezenas de amigos do Rio e a maioria que leu os artigos concorda com todos os textos, com uma ou outra ressalva. Especialmente os de seus respectivos times. Reparem neste artigo, do rubro-negro Carlos Henrique Oliveira. Alguma diferença? Não percebi… 

Aos que afirmaram que ‘criticar os times cariocas gera IBOPE’. Não se preocupem, não sou jornalista e não preciso disto. Meu trabalho é baseado em métricas que nada tem a ver com a popularidade ou não deste blog (sou responsável por muitas atividades na infraestrutura de Tecnologia da Informação na área Online do grupo RBS). Portanto, não tem nada a ver.

Finalizando  e o mais importante, é a mensagem:

Pessoal, quanto mais forte TODOS os clubes brasileiros, melhor. A concorrência estimula a excelência! Evidentemente quero que o time do meu rival fracasse miseravelmente em todas as competições, quanto mais feio melhor. Porém isto não vai adiantar nada se além disto o rival estiver falido, quase fechando, sem estrutura alguma.

Naturalmente ocorrerá uma acomodação da minha equipe (como já aconteceu), e a médio prazo isto é negativo. Eventualmente alguns times poderão mudar de patamar (para melhor ou pior, independentemente do tamanho da torcida), mas cabe aos seus torcedores este papel. Se associando, entrando no Conselho Deliberativo, mudando estatutos casuísticos e buscando uma maior democracia e transparência na administração do clube de seu coração.

Agora o espaço para a opinião de todos! Mandem suas opiniões!

 


SÉRIE COMPLETA:

A falência do futebol carioca, parte I

A falência do futebol carioca, parte II – Botafogo e Flu

A falência do futebol carioca, parte III – Flamengo e Vasco da Gama

A falência do futebol carioca, parte IV – Os erros

A falência do futebol carioca, final – O futuro