Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 18 fevereiro 2009

Diretor do Real Madrid, Jorge Valdano elogia Inter

18 de fevereiro de 2009 6

Valdano marcando na final da Copa de 1986 e hoje como dirigente do Real Madrid/Montagem Alexandre Perin sobre Getty Images

O ex-craque argentino Jorge Valdano, de passagem no Brasil para o lançamento de uma escola de administração esportiva do Real Madrid, mostrou estar atento à situação dos clubes na América do Sul. O lendário atacante da Seleção Argentina, autor de um dos gols na final da Copa do Mundo de 1986 (vitória de 3×2 sobre a então Alemanha Ocidental) e multicampeão pelo Real Madrid, é hoje um dos mais poderosos dirigentes do futebol europeu, responsável pela direção de futebol do mesmo time espanhol que defendeu com tanto talento.

Valdano deu entrevista no programa “Por Dentro da Bola” da BandSports, e Valdano citou diferenças entre clubes sulamericanos bem organizados, como o argentino Boca Juniors e os brasileiros São Paulo e Internacional, e times com administrações catastróficas, como a do também argentino River Plate.

Outro ponto sensacional é da última pergunta, na qual ele fala sobre a comemoração após o título mundial na Copa do México de 1986.

Vejam trechos da entrevista, retirada do quase sempre polêmico blog do Cosme Rímoli:

P: Por que os clubes brasileiros e argentinos são tão atrasados e pobres?

Valdano:  É uma mistura de corrupção, maneira familiar e antiquada de administrar. O fato de a América Latina ter saído há poucos anos da ditadura militar também contribui. As administrações não são transparentes. Não se administra os clubes como empresas.

Sei que o São Paulo e o Internacional trabalham bem por aqui. O Boca Juniors também. Em compensação, o River Plate é um desastre. Foi o clube que mais vendeu jogadores importantes na Argentina e está quebrado. Não há explicação que me convença.

P: O que o Real Madrid faz para ser o clube mais rico do mundo?

Valdano:  Administrar o dinheiro e usar toda a força que o Madrid tem no mundo. A administração é voltada 50% para o marketing. Repito: 50%. Não se perde dinheiro ou chance de divulgar o nome doReal por onde quer que se vá. O alvo é o mundo inteiro. Nada acontece por acaso. Somos conhecidos no planeta porque sabemos vender a nossa marca. E investir.

Temos rádio, televisão, museu, quatro restaurantes, estádio. Tudo. A cobrança também é muita. Nós temos essa escola de pós-graduação em administração de clubes no Real Madrid. Estamos trazendo para o Brasil porque é um país de grande potencial.

Como você vê a Copa no Brasil? É possível organizá-la sem corrupção?

Valdano: Caberá à imprensa brasileira um papel significativo, investigativo. Muito dinheiro internacional circulará no País. É missão dos jornalistas cobrarem que o dinheiro seja bem aplicado. Que a Copa reverta de verdade para o bem do Brasil e não de alguns. O mundo vai parar para ver o Brasil em 2014. Isso não tem preço. E vale para o bem e para o mal.

A crise econômica já atingiu o futebol europeu?

Valdano: Sim. Já é possível sentir isso. A televisão já

Postado por Perin, que achava o Valdano um grande sortudo