Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de maio 2009

"Camino a Roma" - Barcelona

26 de maio de 2009 0

O Barcelona chega pela sexta vez à decisão da Liga dos Campeões da Europa, e de novo como favorito. Apesar do adversário ser o atual campeão europeu e mundial, cabe ao Barça o fato de ter mostrado o futebol mais espetacular desta Liga.

O trio de ataque de Lionel Messi, Samuel Eto’o e Thierry Henry é o mais letal da Europa em 2008/09, com mais de 100 gols marcados. Foram cinco goleadas, mas contra si o retrospecto apenas regular como mandante: 4 vitórias, 2 empates e 1 derrota.

Por ter ficado em terceiro no último espanhol, o time catalão teve que jogar a fase pré-classificatória, aonde eliminou facilmente o polonês Wisla Krakow vencendo por 4×0 em Barcelona e perdendo por 1×0 em Cracóvia.

Na primeira fase, o Barça passou fácil por um grupo fraco, com Sporting Lisboa, Shakthar Donetsk e Basel. Venceu os três primeiros jogos, empatou com o Basel em casa em 1×1 e depois ganhou do Sporting fora de casa por goleada: 5×2. Classificado, jogou com reservas e levou 3×2 do Shakthar em pleno Camp Nou. Aliás, o time ucraniano, que ficou em terceiro, na semana passada conquistou a Copa da UEFA.

Nas oitavas-de-final, o Barça empatou com o decadente Lyon fora por 1×1, e surrou o adversário no Camp Nou: 5×2. Nas quartas, o adversário seria o Bayern de Munique, que havia enfiado históricos 12×1 no Sporting após os dois jogos. Mas o confronto terminou ainda na primeira partida: 4×0 no Camp Nou, seguido por um formal 1×1 na Alemanha.

Porém o drama viria nas semifinais, quando o Barcelona foi amarrado pelo Chelsea em casa: 0×0. O time do técnico Pep Guardiola, lenda do clube nos anos 90 e que tem valorizado jogadores da base catalã, simplesmente não conseguiu jogar.

No jogo de volta, em Stamford Bridge, a segunda partida mais dramática de toda a competição, um jogo épico que só perdeu para o, talvez inigualável, Chelsea 4×4 Liverpool (aqui os gols: http://www.youtube.com/watch?v=cjy19c56cMw&hd=1). O Chelsea saiu na frente com um golaço de fora da área no início do jogo marcado pelo ganês Michael Essien. O Barcelona passou a pressionar, assim como o time inglês, que reclamou muito de quatro pênaltis claros (dois então, escandalosos) não marcados pelo árbitro norueguês Tom Henning Øvrebø:

O panorama se manteve o mesmo na etapa final, com a equipe catalã lutando desesperadamente pelo gol da classificação e o Chelsea nos contra-ataques e reclamando do juiz. No finalzinho dos acréscimos, Andrés Iniesta pegou um passe de Messi após furada de Essien e meteu no ângulo, 1×1. O time da casa quase empatou aos 50 minutos, mas o placar se manteve: Barcelona na final depois de três temporadas (foi o campeão europeu de 2006).

Com um futebol ofensivo, o Barça aposta no talento do trio de ataque, sobretudo pelo futebol superior de Messi, favorito disparado ao título de melhor do mundo em 2009. Eles jogam auxiliados pelos talentosos Xavi e Iniesta no meio, ao lado da grata revelação Sergi Busquets (filho do goleiro reserva dos anos 90). Porém Guardiola não terá o brasileiro Daniel Alves, suspenso pelo segundo amarelo.

Os números: 14J, 7V, 5E, 2D, 34GP, 14GC
Artilheiros: Messi (8 gols, artilheiro do torneio) e Henry (5 gols)
Assistências: Xavi (6 passes, líder do torneio) e Messi (5 passes)
Desfalques para a decisão: Daniel Alves (suspenso), Henry (dúvida)
Brasileiros na decisão: Sylvinho (banco)
Campeão: 1992 e 2006
Vice-campeão:
1961, 1986 e 1994

Time provável: Victor Valdéz; Carles Puyol, Gerard Piqué, Yayá Youré e Eric Abidal; Sergi Busquets, Xavi Hernández e Andrés Iniesta; Lionel Messi; Samuel Eto’o e Thierry Henry. Técnico: Pep Guardiola

Liga dos Campeões - Finais de 2005, 2006 e 2007

26 de maio de 2009 1

2005 – Gerrard recoloca o Liverpool no topo da Europa – Liverpool (4) 3×3 (3) Milan

Desacreditado, o Liverpool conquistou a Europa pela quinta vez da maneira mais espetacular deste século XXI. Isso ao superar o Milan na final da Liga dos Campeões 2005/06, disputada no estádio Ataturk, em Istambul. O time treinado por Rafa Benítez perdia por 3×0 do Milan no segundo tempo, mas conseguiu empatar e depois vencer nos pênaltis. O Liverpool atropelou o Bayer Leverkusen nas oitavas, bateu a Juventus nas quartas e o, agora sim bilionário, Chelsea nas semis. Já o Milan bateu Manchester United, Internazionale (de novo!) e PSV antes da final.

O jogo: Antes de dois minutos, já estava 1×0 para os italianos, gol da lenda Paolo Maldini. O pesadelo inglês continuaria com dois gols do argentino Hernán Crespo, aos 38 e 44 minutos. Game, set and match para o Milan? Que nada, comandado por uma soberba atuação do capitão Steven Gerrard, o Liverpool conseguiu uma histórica reação. O próprio Gerrard descontou aos 6 minutos, o tcheco Smicer aos 11 e o espanhol Xabi Alonso, em rebote de pênalti, fechou a reação aos 15 minutos. Em seis minutos, três gols e a igualdade! Muito cansados e nervosos, os dois times pouco criaram até a prorrogação. No tempo extra, o Milan teve duas chances incríveis, mas a sorte do goleiro polonês Jerzy Dudek estava em dia. Nas penalidades, John Arne Riise errou para o Liverpool, enquanto o brasileiro Serginho, o italiano Andrea Pirlo e o ucraniano Andriy Shevchenko desperdiçaram e deram o título para os ingleses mais uma vez. Sem sombra de dúvida, a mais saborosa de todas.


LIVERPOOL – MILAN 3-3 ( 3-2 penalties… por sylar335

2006 – Ronaldinho é o dono da Europa! – Barcelona 2×1 Arsenal

Favorito, o Barcelona acabou confirmando o seu segundo título europeu ao derrotar por 2×1, de virada, o Arsenal no estádio Stade-de-France. Neste ano, os gaúchos em especial acompanharam atentamente a final da Liga dos Campeões, pois o Internacional fazia boa campanha na Libertadores e podia pegar (como de fato ocorreu), o Barcelona no Mundial FIFA de Clubes. O time catalão tinha o melhor jogador do mundo disparado de então: o brasileiro Ronaldinho, além de jogadores como Deco e Eto em excepcional fase. Depois de um passeio na primeira fase, o Barça pegou o poderoso Chelsea nas quartas e arrancou a classificação fora de casa. Nas quartas, o Barça superou a surpresa Benfica, e despachou o vice-campeão Milan nas semis. Enquanto isto, o Arsenal tinha um caminho mais duro: Real Madrid, Juventus e, de forma dramática, o Villarreal nas semis. O time inglês contava com muito conjunto, uma grande fase do francês Thierry Henry e do jovem espanhol Césc Fábergas.

O jogo: a partida foi bastante atípica. Considerado azarão, o Arsenal do excepcional técnico Arséne Wenger ainda perdeu o goleiro Jens Lehmann, expulso no 1° tempo aos 18 minutos. Mesmo assim, o zagueiro Sol Campbell fez 1×0 de cabeça aos 37 minutos, deixando os londrinos (em busca de um título inédito) em vantagem. Dali em diante, o jogo foi o seguinte: o Barcelona fazia uma blitz e o Arsenal especulava em contra-ataques com Henry, que inclusive perdeu um gol feito. Muito mal no jogo, Ronaldinho viu o show ser roubado pelo veterano sueco Henrik Larsson. O reserva entrou e deu o passe para os dois gols da virada catalã: Samuel Eto’o aos 31 e o brasileiro Belletti aos 36 minutos, dando o título ao Barcelona, que repetia 1992. E, de novo, enfrentaria um brasileiro no Mundial mas esta é uma outra história…


FC Barcelona – Champions Final 2006 FC… por danielrn5

2007 – “La vendetta dei rossoneros” – Milan 2×1 Liverpool

A vingança italiana demorou dois anos, mas o Milan se sagrou heptacampeão europeu ao bater o Liverpool por 2×1 na final disputada no estádio Olímpico de Atenas, na Grécia. Foi o troco de 2005, quando os dois times também decidiram a competição. E, mais uma vez, os gaúchos assistiram com atenção a partida pois o Grêmio brilhava na Libertadores e poderia pegar o campeão europeu no Mundial da FIFA de Clubes. Depois de uma primeira fase tranquila, o Milan bateu apertado o Celtic Glasgow, passou fácil pelo Bayern de Munique e ganhou com sobras do então favorito Manchester United (em um show especial de Kaká e Seedorf no 2° jogo). Já o Liverpool ganhou do então campeão Barcelona, dos holandeses do PSV e do rival Chelsea nas semis (assim como em 2005). Tudo parecia encaminhar-se para um repeteco.

O jogo: Porém a partida não foi do jeito que os ingleses esperavam. Mesmo com um time até superior ao de 2005, o Liverpool não conseguiu superar o esquema defensivo do Milan e foi dominado no meio-campo. Seedorf e Kaká tiveram outras atuações soberbas, assim como o veterano centroavante Filippo Inzaghi. Este fez 1×0 aos 45 do 1° tempo, e repetiu a dose em um contra-ataque aos 39 do 2° tempo. Quase no final, o grandalhão holandês Dirk Kuyt descontou mas isto foi insuficiente para evitar o título italiano. Pela sétima vez, o Milan conquistava a Europa.


2007 (May 23) AC Milan (Italy) 2-Liverpool… por sp1873

Amanhã: os caminhos de Chelsea e Manchester United até a decisão em Moscou

Invasão de treino: rotina no Rio de Janeiro...

26 de maio de 2009 2

Diguinho, sendo covardemente agredido no treino/Julio Cesar Guimaraes, Lancepress

Ano passado escrevi após torcedores do Flamengo invadirem um treino na Gávea e jogarem uma bomba dentro do gramado:

Terça-feira, 05 de agosto de 2008

Opinião: A baderna do futebol no Rio e SP

Quarta-feira, 06 de agosto de 2008

Violência no treino do Fla: consequências

Agora os torcedores foram ainda mais longe: marginais da Força Flu agrediram o jogador Diguinho, do Fluminense nesta tarde.

Até quando isto vai continuar? Os torcedores envolvidos deveriam ter sido PRESOS por desordem e lesões corporais!

Dirigentes comprometidos e de rabo preso com organizadas deveriam ser demitidos sumariamente.

Postado por Perin, revoltado

Liga dos Campeões - Finais de 2002, 2003 e 2004

26 de maio de 2009 0

2002 – Zidane e Casillas: supremos! – Real Madrid 2×1 Bayer Leverkusen

Real Madrid e Bayer Leverkusen chegavam à decisão no lindíssimo Hampden Park, em Glasgow, vivendo momentos diferentes. O Bayer era líder do Alemão, finalista da Copa da Alemanha e da Liga dos Campeões, mas conseguiu perder as decisões domésticas e só a Liga poderia salvar uma derrocada final do time do zagueiro brasileiro Lúcio, do meia Michael Ballack e do atacante Oliver Neuville. Nas quartas, o Bayer eliminou o Liverpool. E nas semifinais, em um jogaço, bateu o Manchester United. Já o Real, octacampeão europeu, vinha embalado por ótima campanha na Liga, no primeiro ano dos ‘Galáticos’ de Florentino Pérez. Jogadores do quilate de Zinedine Zidane, Figo, Raúl, Roberto Carlos e Fernando Morientes defendiam o time merengue. Nas quartas, o Real superou o então campeão Bayern e nas semis, o arquirrival Barcelona, com sobras.

O jogo: foi um jogaço! Para compensar a chatice de 2001, Real e Bayer fizeram uma partida fenomenal, de alta ofensividade e muitas conclusões a gol. Logo no início do jogo, Raúl fez 1×0 para os madrilenhos. Mas o brasileiro Lúcio empatou logo depois, 1×1. Então, no final do primeiro tempo, o momento mágico: Zidane pega de sem-pulo, da entrada da área e acerta o ângulo do goleiro Hans Butt. O francês assina uma obra-prima e faz o gol mais bonito das finais de Liga deste milênio. No segundo tempo, o goleiro espanhol César sai machucado, entrando o então jovem Iker Casillas, ainda se firmando no time principal. Com três defesas monumentais, o garoto segura a pressão dos alemães e garante a vitória do Real Madrid, campeão europeu pela nona (e até agora, última), vez.

Gol antológico de Zinedine Zidane, garantindo o título:


2002 (May 15) Real Madrid (Spain) 2-Bayer… por sp1873


Casillas fechando o gol após entrar no Segundo tempo:

2003 - Mais italiano (e chato), impossível! - Milan (4) 0×0 (3) Juventus

Pela primeira vez na história, dois times italianos decidiram o título da Liga no Old Trafford, em Manchester. Milan e Juventus fizeram um dos jogos mais chatos de todos os tempos, um 0×0 murrinha decidido somente nas penalidades. O Milan começava naquela temporada a base da equipe que seria vice-campeã européia em 2005 e campeã da Europa e do Mundial em 2007. Já a Juventus não estava tão forte tecnicamente, e dependia muito do talento do eterno Alessandro Del Piero,do tcheco Pavel Nedved e da sólida defesa bianconera. Nas quartas, os “rossoneri” bateram o Ajax e a arquirrival Internazionale nas semis, enquanto a Juventus superou a dupla espanhola Barcelona e Real Madrid

O jogo: a decisão foi tão ruim que eu só vou por os melhores momentos da disputa de pênaltis. Durante 120 minutos, Milan e Juventus alternaram um “catenaccio” horroroso, ambos com medo de perder. Nas penalidades, um show do brasileiro Dida, que pegou as cobranças de Trezeguet, Birindelli e Montero. Pelo Milan, Seedorf e Nesta desperdiçaram, mas o ucraniano Andriy Shevchenko converteu a quinta cobrança e selou a conquista. Milan, campeão europeu pela sexta vez. Seedorf e Ancelotti comemoraram de maneira especial: o craque holandês foi o 1º a conquistar a Europa por três times diferentes (havia vencido por Ajax e Real Madrid), enquanto o treinador sentiu-se vingado, pois havia sido demitido da Juventus dois anos antes.


2004 – O que está acontecendo aqui? – Porto 3×0 Monaco

Quando terminou o ano de 2004, a pergunta era: até quando vão continuar as zebras? Afinal, a Grécia era campeã européia, o Santo André campeão da Copa do Brasil, o Once Caldas era campeão da Libertadores. Mas tudo isto havia começado lá na Liga dos Campeões, quando as surpresas foram muito longe. Já na primeira fase, caíram Internazionale e Lazio. Nas oitavas, o Porto e o Deportivo La Coruña eliminaram Manchester United e Juventus. Nas quartas, o Monaco, o La Coruña e o Chelsea (então ‘pobre’) se classificaram sobre Real Madrid, Milan (de maneira incrível, revertendo um 4×1 para 4×0) e Arsenal. Nas semis: Porto x La Coruña e Monaco x Chelsea. Portugueses e franceses se classificaram para a final na Arena AufSchalke, em Gelsenkirchen. E deu a ‘menos’ zebra, o Porto.

O jogo: Treinado pelo estrategista José Mourinho, o Porto não deu nenhuma chance para o Monaco, do novato treinador Didier Deschamps. Ainda no início do jogo, Ludovico Giuly (o principal jogador do time francês ao lado de Fernando Morientes) saiu de campo com lesão muscular. O Porto, que tinha o zagueiro Ricardo Carvalho e o meia Deco como principais destaques, fez 1×0 com o também brasileiro Carlos Alberto aos 39 do 1º tempo. Na etapa complementar, o Monaco se atirou para o ataque e foi castigado em dois lances: Deco fez 2×0 aos 26 minutos, e o russo Dmitri Alenichev fechou o placar quatro minutos depois. Reprisando 1987, a Europa era lusitana novamente. E do Porto.


2004 (May 26) Porto (Portugal) 3-AS Monaco… por sp1873

Ainda hoje – Finais de 2005, 2006 e 2007

Liga dos Campeões - Finais de 1999, 2000 e 2001

25 de maio de 2009 0

1999 – A mais dramática de todas as finaisManchester United 2×1 Bayern de Munique

Com campanhas irretocáveis, Manchester United e Bayern de Munique chegaram à decisão no Camp Nou, em Barcelona. De um lado, o experiente time do Bayern, treinado por Ottmar Hitzfeld e com estrelas do porte de Lothar Mattheus, Mario Basler, Steffan Effenberg e Oliver Kahn. Do outro, a “Class of 92″ de Alex Ferguson (então sem o Sir no nome), de David Beckham, Peter Schmeichel, Ryan Giggs, Roy Keane (suspenso na final), Andy Cole e Dwight Yorke. O Manchester superou a Internazionale e uma poderosa Juventus nas fases de mata-mata (o segundo jogo em Turim foi uma antológica virada de 3×2 depois de sair perdendo por 2×0). Já o Bayern superou o fraco rival Kaiserslautern e a zebra Dínamo Kiev (na qual surgia o ucraniano Andriy Shevchenko) antes de chegar à final.

O jogo: Aos cinco minutos de jogo, o Bayern fez 1×0 com um gol de Mario Basler, de falta contando com desvio na barreira. Os 85 minutos foram de puro nervosismo dos dois times, com duas bolas no travessão pelo Bayern e uma pelo Manchester. Anulados pelo quase impecável sistema defensivo alemão, Cole e Yorke foram substituídos por Teddy Sheringham e Ole Solskjaer. Aos 45 do 2º tempo, Sheringham desviou chute de Giggs e empatou. E, mais incrível: o norueguês Solskjaer virou dois minutos depois, para desespero dos alemães e júbilo eterno dos ingleses. Era a Tríplice Coroa: Campeonato Inglês, Copa da Inglaterra e Liga dos Campeões.


Champions League Final Manchester United Vs… por f100000727806511

2000 – Um passeio merengue – Real Madrid 3×0 Valencia

Desproporcional. Assim podemos resumir a decisão de 2000 entre o multicampeão Real Madrid e o aspirante Valencia, no monumental Stade-de-France, em Saint Denis, França. O caminho: O Real Madrid era um time em absoluta crise em janeiro de 2000. O treinador Vicente del Bosque, visto como um interino, estava demissionário tendo em vista uma péssima campanha no Espanhol (em 15 jogos só tinha vencido cinco até janeiro). Na segunda etapa da temporada, reagiu e conseguiu bater o então campeão Manchester United nas quartas, o vice-campeão Bayern nas semis. Já o Valencia superou a Lazio e o Barcelona até a decisão, time no qual brilhavam o meia Gaizka Mendieta, o goleiro Santiago Cañizares e o atacante argentino Cláudio López.

O jogo: Foi um massacre imposto pelos madrilenhos. O Real dominou o jogo do início ao fim contando com uma soberba atuação do argentino Fernando Redondo, e o gol de Fernando Morientes aos 39 minutos, foi consequência disto. No segundo tempo, o inglês Steve McManaman ampliou aos 22, e Raúl, em jogada do brasileiro Sávio, fechou o placar no finalzinho. Real Madrid, campeão europeu pela oitava vez, uma reviravolta impressionante depois de um primeiro semestre desastroso. Del Bosque ainda ficaria mais duas temporadas, conquistando de novo a Europa em 2002 e sendo inexplicavelmente demitido no dia seguinte. Desde então o Real Madrid só deu vexame na Liga…


2000 (May 24) Real Madrid (Spain) 3-Valencia… por sp1873

2001 – Pênaltis e mais pênaltis – Bayern de Munique (5)1×1(4) Valencia

Em um jogo morno, o Bayern de Munique se sagrou tetracampeão europeu ao bater o Valencia nos pênaltis, decisão disputada no estádio San Siro, em Milão. O time espanhol amargou o segundo vice-campeonato consecutivo, enquanto os alemães sumiram com os fantasmas de Barcelona. Ainda com a base de 1999 e comandado por Ottmar Hitzfeld, mas já com o talento do brasileiro Élber (decisivo nos mata-mata contra o Manchester United e Real Madrid, campeões nos dois anos anteriores) e do bósnio Hasan Salihamdzic, o Bayern era o favorito e confirmou a conquista contra os espanhóis de Héctor Cúper.

O jogo: todo ele se resume a pênaltis, pênaltis, pênaltis… O Valencia saiu na frente logo a três minutos, com um gol de Mendieta cobrando…pênalti. O alemão Mehmet Scholl errou um pênalti para o Bayern quatro minutos depois, defendido por Cañizares. O Bayern empatou no início do segundo tempo, adivinhem como? Pênalti cobrado por Stefan Effenberg. Os times, com muitos veteranos, não atacaram depois disto, alternando algumas chances boas com outros momentos enjoados. O jogo foi para uma inevitável disputa de penalidades. O brasileiro Paulo Sérgio e o sueco Patrik Andersson erraram pelo o Bayern, enquanto o esloveno Zlatko Zahovic, o italiano Amedeo Carboni e o argentino Mauricio Pellegrino erraram seus chutes pelo Valencia, dando o título ao Bayern depois de 17 pênaltis no jogo.

REPORTAGEM SOBRE O JOGO

DISPUTA DE PÊNALTIS
http://www.youtube.com/watch?v=aj1odaaP-lU&feature=related
Ainda hoje: Finais de 2002, 2003 e 2004

Especial - Final da Liga dos Campeões 2009

25 de maio de 2009 4

Cristiano Ronaldo vs. Lionel Messi: um sairá dono da Europa/Montagem TI RBS


A Liga dos Campeões 2008/09 terá sua decisão nesta quarta-feira entre Manchester United e Barcelona, no estádio Olímpico de Roma, na Itália. Será o confronto do atual campeão europeu, mundial e tricampeão inglês contra o campeão espanhol, dotado do melhor ataque do planeta e que vive uma fase espetacular.

Será ainda o confronto entre os dois maiores craques da atualidade: o português Cristiano Ronaldo, eleito o Melhor do Mundo da FIFA em 2008, e o argentino Lionel Messi, favorito destacado para o título de “Melhor do Mundo da FIFA” nesta temporada.

Feliz com a possibilidade do tetracampeonato do Manchester United na Liga dos Campeões, recauchutei o especial feito na temporada passada. Vai que dá sorte

Finais de 1999 a 2001
Finais de 2002 a 2004
Finais de 2005 a 2008
Final de 2008: Manchester United tricampeão
Os caminhos de
Barcelona e Manchester United até a final

Vitória de Hélio na Indy 500 marcada por acidentes

25 de maio de 2009 1

Helinho e sua já carismática comemoração `homem-aranha` em Indianápolis: tricampeão!

Hélio Castro Neves se tornou o primeiro brasileiro a vencer três vezes nas 500 milhas de Indianápolis, a prova mais famosa do planeta. Ele se recuperou de um drama pessoal, acusado (e depois inocentado) de sonegação fiscal pela Justiça dos Estados Unidos, e 34 dias após o veredicto, repetiu as vitórias de 2001 e 2002 após largar da pole-position.

Vencendo mais uma vez, ele se iguala às lendas do automobilismo norte-americano A.J. Foyt, Al Unser Sr. (valeu, Natanael!). e Rick Mears, cada um com quatro conquistas em Indianápolis. Além de Helinho, Émerson Fittipaldi venceu duas vezes (1989 e 1993) e Gil de Ferran conquistou a vitória em 2003.

Porém a corrida foi marcada por vários acidentes envolvendo pilotos brasileiros. Todos os outros quatro pilotos abandonaram em batidas, sendo que dois deles se envolveram em dois incidentes. Logo na primeira volta, o jovem brasileiro Mário Morais foi atingido por Marco Andretti e bateu forte no muro da curva três.

Na volta 98, um dos favoritos à vitória, o brasileiro Tony Kanaan bateu sozinho na saída da curva três. Logo depois, o brasileiro Victor Meira viu seu carro pegar fogo no pit-stop, enquanto Raphael Matos ficou sem uma roda de maneira ridícula por erro da equipe.

Ambos perderam muito tempo e estavam no pelotão de trás quando Matos cometeu um erro e acertou em cheio Meira no final da reta de chegada. Confiram:

Postado por Perin, que adora a Indy 500

GP DE MÔNACO: e dá-lhe Brawn GP de novo!

24 de maio de 2009 2

Monaco, lindo, charmoso e sacal...

Em Mônaco é sempre assim: ou é sensacional, ou é um saco. Este ano foi… um saco!

Mais um absoluto domínio da Brawn GP e de Jenson Button, virtual campeão mundial de 2009. Para Rubens Barrichello, a quarta vez em segundo lugar no GP de Mônaco, algo realmente a se lamentar.

Boas corridas da Ferrari, sobretudo de Kimi Raikkonen que largou na primeira fila depois de meses e fez uma bela corrida. Vamos aos prêmios

Lista completa de prêmios aqui:
ALMANAQUE ESPORTIVO – PREMIAÇÕES ESPECIAIS F-1 2009

Troféu Jim Clark: Para Kimi Raikkonen. Jenson Button tem o melhor carro e é melhor que o companheiro Rubens Barrichello. Mas meu voto vai para Kimi, que finalmente fez uma corrida digna de um campeão mundial e piloto da Ferrari. Menção honrosa para o pressionado Sebastien Bourdais, que largou lá atrás, só parou uma vez (se o Galvão Bueno prestasse atenção teria visto que ele era o carro mais pesado do grid) e chegou em oitavo lugar.

Troféu “Rouge & Blanc”: Lewis Hamilton, que mesmo com uma tartaruga ambulante chamada McLaren combateu a corrida inteira e mereceu subir tantas posições (de 19° para 12° lugar).

Troféu “Chris Amon”: Para Giancarlo Fisichella, que fez uma magnífica corrida e terminou em nono lugar, uma posição atrás do que precisava para marcar pontos em favor da Force India.

Troféu Fiofó de Ouro: Para o Cameraman da corrida da GP2 de ontem. Vejam aonde ele estava no instante 00min30s destas imagens.

Troféu Dick Vigarista: Andreas Zuber, da GP2. Motivo, ver aqui.

Troféu Didi Mocó Prize For Technical Achievements: Sebastien Buemi, por uma ridícula batida em Nelsinho Piquet. Menção desonrosa para as Toyotas, que largaram na última fila e ficaram por lá boa parte do GP…

Porquê Não Fiquei Com Minha Boca Fechada: Para Nelsinho Piquet, de novo. Cara de pau ouvir isto após o acidente causado por Sebastien Buemi (sim, foi culpa do jovem suíço): “É isso que dá colocar pilotos sem experiência na Fórmula 1. O Buemi acertou com tudo atrás de mim”. Ah, claro, entendi: experiente é você, que já rodou sozinho mais de 15 vezes em menos de dois anos na F-1. O Buemi em quatro provas já fez pontos duas vezes com um carro bem pior que a Renault 2008… Tá devendo pra cantar de galo…

E que venha o instigante GP da Turquia, daqui a duas semanas!

Irresponsabilidade quase causa desastre na GP2 em Mônaco

23 de maio de 2009 0

O tosco piloto austríaco Andreas Zuber por muito pouco não proporcionou uma tragédia na segunda prova da GP2 disputada hoje no circuito de Monte-Carlo. Ao disputar posição com o líder do campeonato, o franco-suíço Romain Grosjean após a chincana do Porto e antes da Piscina, Zuber trocou de trajetória três vezes, o que é proibido.

Na última mudança, Zuber tocou na roda de Grosjean, que decolou e encheu o muro. A batida foi forte e deixou o carro pendurado em cima do guard-rail. Grosjean e os comissários próximos nada sofreram, mas as imagens provam que o ato de Zuber foi, no mínimo, irresponsável:

A corrida foi encerrada faltando duas voltas, sob bandeira vermelha, resultado ótimo para o venezuelano Pastor Maldonado, vencedor da prova.

Destroços do carro de Romain Grosjean

Em 2007, o mesmo Andreas Zuber largava do lado de Timo Glock (hoje na F-1) na primeira fila do GP da França na GP2. Ele simplesmente tirou os dois da prova antes de 50m de prova em Magny-Cóurs. Logo depois, o venezuelano Ernesto Viso nasceu de novo. Vejam os dois acidentes:

Como cinéfilo, não pude deixar de recordar da batida fictícia no GP de Monaco disputado no filme Grand Prix, de 1966. O principal personagem Pete Aron, interpretado por James Garner, bateu em Scott Stoddart, interpretado por Brian Bedford e que tinha Jackie Stewart como dublê. Este foi um acidente parecido com o do australiano Paul Hawkins (1965) e do italiano Alberto Ascari (1955), no mesmo lugar do porto.

O filme por si só é um prazer aos amantes da velocidade, percorrendo as antigas pistas de Spa-Francorchamps, Zandvoort, Brands Hatch e Monza, ainda com a curva inclinada. Dirigido por John Frankenheimer, ganhou três Oscars: Melhor edição (simplesmente genial), melhor som e melhores efeitos especiais

Vejam o GP monegasco na íntegra dentro do filme:

Postado por Perin, direto do túnel do tempo…

GP de Mônaco - Especial Almanaque Esportivo

22 de maio de 2009 0

Monte-Carlo: o mais charmoso GP da F-1 em todos os tempos

Está pronto! Especiais do GP de Mônaco aqui do Almanaque Esportivo. São textos já publicados aqui no blog e ainda impressões sobre a corrida no ano passado, vencida pelo inglês Lewis Hamilton, atual campeão da Fórmula-1.

Como todos estão carecas de saber, isto é algo do passado.

Vamos então aos artigos!

Postado por Perin, direto do Túnel do Tempo