Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 21 junho 2009

Autuori representa quebra de paradigmas gremistas

21 de junho de 2009 18

Paulo Autuori, uma mudança de perfil no Olímpico/Agência RBS

A contratação de Paulo Autuori pode dar certo. E, evidentemente, pode não dar certo. Seu período no Olímpico pode ser reduzido devido a resultados ruins, desgastes com diretoria, pressão da torcida, etc.

Porém é inegável que sua contratação representa um marco, uma ruptura no futebol do Grêmio depois de 15 anos ligados a “Era Felipão”, com raros períodos de exceção, em especial o período comandado por Tite entre 2001 e 2003.

O Grêmio historicamente se forjou em times muito raçudos, que aplicavam o `futebol direto` de poucos toques de bola e muita objetividade. Eventualmente grandes jogadores qualificavam estas equipes, mas o “estilo direto” de jogar, quase ao estilo do “kick-and-run” britânico de antigamente, por muito tempo passou a privilegiar jogadas aéreas e exaustivamente a bola parada.

Treinadores como Celso Roth, Mano Menezes tiveram sucesso total ou parcial jogando sempre assim. Outros fracassaram miseravelmente e nem merecem ser citados. Talvez os dois únicos técnicos com sucesso jogando com a bola no chão foram Evaristo de Macedo e Tite.

Autuori é desta mesma escola, que privilegia passes e jogadas de aproximação em detrimento do jogo acelerado dos tempos de Roth e Mano. Seus times privilegiam a posse de bola, formatações táticas ortodoxas.

O problema é que o elenco do Grêmio não foi planejado para isto. O time ainda segue a política dos tempos de Paulo Pelaipe, já que André Krieger quase nada de diferente o fez de seu antecessor.

O time tricolor é composto de jogadores brigadores no ataque, sem espírito no meio-campo e muito dependente das criações. Falta qualidade. Para piorar, as laterais são deficientes e o Grêmio precisará remontar o elenco para ter um time com “a cara de Autuori”. Só que isto não é papo para agora.

Mas faltam só quatro jogos para conquistar o título da Taça Libertadores. O Grêmio vai ter que dar um jeito assim mesmo. Remodelação do elenco é para depois. 

Autuori já teve a experiência de pegar uma equipe destroçada, fraca tecnicamente, e levar ao topo da América, superando inclusive um rival de mais qualidade técnica, coincidentemente o próprio Grêmio. Sim, em 1997 foi campeão da Libertadores com um horrível time cruzeirense. Para mim, talvez pior até que o Grêmio atual que patina no Brasileirão.

Então, é acreditar. Afinal, são quatro jogos.
O Tri da América está próximo.

Postado por Perin, dizendo que é fã de Autuori.