Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 21 junho 2009

Autuori representa quebra de paradigmas gremistas

21 de junho de 2009 18

Paulo Autuori, uma mudança de perfil no Olímpico/Agência RBS

A contratação de Paulo Autuori pode dar certo. E, evidentemente, pode não dar certo. Seu período no Olímpico pode ser reduzido devido a resultados ruins, desgastes com diretoria, pressão da torcida, etc.

Porém é inegável que sua contratação representa um marco, uma ruptura no futebol do Grêmio depois de 15 anos ligados a “Era Felipão”, com raros períodos de exceção, em especial o período comandado por Tite entre 2001 e 2003.

O Grêmio historicamente se forjou em times muito raçudos, que aplicavam o `futebol direto` de poucos toques de bola e muita objetividade. Eventualmente grandes jogadores qualificavam estas equipes, mas o “estilo direto” de jogar, quase ao estilo do “kick-and-run” britânico de antigamente, por muito tempo passou a privilegiar jogadas aéreas e exaustivamente a bola parada.

Treinadores como Celso Roth, Mano Menezes tiveram sucesso total ou parcial jogando sempre assim. Outros fracassaram miseravelmente e nem merecem ser citados. Talvez os dois únicos técnicos com sucesso jogando com a bola no chão foram Evaristo de Macedo e Tite.

Autuori é desta mesma escola, que privilegia passes e jogadas de aproximação em detrimento do jogo acelerado dos tempos de Roth e Mano. Seus times privilegiam a posse de bola, formatações táticas ortodoxas.

O problema é que o elenco do Grêmio não foi planejado para isto. O time ainda segue a política dos tempos de Paulo Pelaipe, já que André Krieger quase nada de diferente o fez de seu antecessor.

O time tricolor é composto de jogadores brigadores no ataque, sem espírito no meio-campo e muito dependente das criações. Falta qualidade. Para piorar, as laterais são deficientes e o Grêmio precisará remontar o elenco para ter um time com “a cara de Autuori”. Só que isto não é papo para agora.

Mas faltam só quatro jogos para conquistar o título da Taça Libertadores. O Grêmio vai ter que dar um jeito assim mesmo. Remodelação do elenco é para depois. 

Autuori já teve a experiência de pegar uma equipe destroçada, fraca tecnicamente, e levar ao topo da América, superando inclusive um rival de mais qualidade técnica, coincidentemente o próprio Grêmio. Sim, em 1997 foi campeão da Libertadores com um horrível time cruzeirense. Para mim, talvez pior até que o Grêmio atual que patina no Brasileirão.

Então, é acreditar. Afinal, são quatro jogos.
O Tri da América está próximo.

Postado por Perin, dizendo que é fã de Autuori.