Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de junho 2009

As bobagens de Djalma Beltrami desde 2005

22 de junho de 2009 14

Djalma Beltrami: escudinho da FIFA? Fala sério!/Reprodução

A inacreditável lambança de ontem no jogo Santos 2×3 Atlético-MG poderia ter sido um incidente isolado na carreira do árbitro Djalma Beltrami. Mas não o foi. O ex-árbitro da FIFA (quem foi o louco que deu o escudinho pra ele), Tenente-Coronel da PM fluminense, já tem um histórico rol de confusões no futebol brasileiro. É o legítimo “pára-raios”.

Ontem ele, instantes depois de não expulsar Werley que deu uma entrada assassina no joelho de Maikon Leite (ganhou só amarelo, ridículo). O garoto felizmente não sofreu nada de mais grave, no máximo uma lesão nos meniscos…

A mais famosa confusão do pavoroso árbitro fluminense foi, é claro, a “Batalha dos Aflitos” na Série B de 2005. Foi quando inventou de forma ridícula um pênalti para o Náutico em uma falta fora da área e que foi claramente “bola na mão” e não mão na bola”. Isto minutos após não dar um pênalti escandaloso para o time pernambucano (de Gallatto sobre Miltinho).

Como resultado,  expulsou dois gremistas na confusão (Patrício e Nunes, e ainda levou um chute de Marcelo Costa, que não foi expulso), depois expulsou Domingos que fazia cera na cobrança do pênalti. Gallatto pegou a cobrança de Ademar, o alvirrubro Batata foi expulso e o jovem Anderson tratou de colocar o jogo na história do futebol brasileiro…

O curioso é que a “banca paga e recebe”. O mesmo Vágner Mancini que estava revoltado ontem foi o treinador beneficiado em 2005 nas quartas-de-finais da Copa do Brasil quando, na disputa de pênaltis entre Paulista e Internacional, o árbitro Djalma Beltrami errou. Perdigão bateu uma penalidade, a bola tocou no travessão e entrou, o bandeirinha assinalou gol mas o árbitro, que afobadamente já tinha encerrado o confronto, não teve a humildade de voltar atrás. Paulista, que seria campeão do torneio, estava nas semifinais e o Inter eliminado. Mas naquele dia, Mancini não quis comentar…

Confiram as principais trapalhadas do pior árbitro da primeira divisão brasileira:

2005 – Copa do Brasil – Paulista (4)1×0 (3) Internacional – Para o bandeirinha João Luiz Magalhães o gol de Perdigão havia sido legal, mas, depois da invasão da torcida, Djalma Beltrami não voltou atrás.

2005 – Campeonato Brasileiro Série B – Náutico 0×1 Grêmio – Não deu pênalti claro para o Náutico aos 32 minutos, aí inventou uma penalidade ridícula para o time da casa em uma falta inexistente e fora da área. Na confusão resultante, expulsou três gremistas em sequência na famosa “Batalha dos Aflitos“. Ademar, Gallatto e Anderson completariam a história…

2007 – Campeonato Carioca – Flamengo 2×2 Botafogo – Marca impedimento equivocado de Dodô, anulando o gol do título botafoguense quase nos acréscimos. De quebra, expulsa o principal batedor de penalidades alvinegro. Flamengo campeão estadual nos pênaltis.

2007 – Campeonato Brasileiro – Goiás 2×1 Internacional – Beltrami manda o Goiás cobrar três vezes uma penalidade, finalmente convertida por Élson após duas defesas do goleiro colorado Clemer. Neste lance ele acertou, mas o Corinthians reclamou muito pois o resultado rebaixou o time paulista.

Postado por Perin, dizendo: a CONAF é uma piada de mau gosto!

Por que Muricy caiu no São Paulo?

22 de junho de 2009 5

Muricy Ramalho: o fim de um ciclo após três anos e meio/Agência EFE

O assunto da semana foi a queda de Muricy Ramalho no São Paulo. “Desgaste dos Metais” e esgotamento tático do São Paulo? Boicote interno? Fim de um ciclo? Na verdade, tudo se aplica na saída do técnico tricampeão brasileiro. A derrota para o Cruzeiro na última quinta-feira e a eliminação da Libertadores, da maneira como foi, seria um motivo forte. Mas existem mais.

Foi a primeira vez em seis anos, desde a demissão de Oswaldo de Oliveira em 2002, que a diretoria do São Paulo demitiu um treinador. Todos os demais, como Cuca, Émerson Leão e Paulo Autuori, foram para o exterior em propostas financeiramente vantajosas.

O São Paulo tem atrasado direitos de imagem. Os jogadores, sobretudo os de ataque como Washington, reclamaram escandalosamente na imprensa de substituições e não foram multados. Talvez até pelo rabo preso da diretoria envolvendo os direitos de imagem.

Porém o fato é que Muricy parece ter perdido o pulso no vestiário do Morumbi. Para completar, a péssima fase de Jorge Wágner, Hernanes e de Washington, grande contratação da temporada, completam o ciclo de problemas com os atletas.

Os reforços de 2009: Eduardo Costa, Renato Silva, Wagner Diniz, Junior Cesar, Arouca, Washington, Denis, Marlos e Jean Rolt. Apenas o jovem goleiro Dênis pode ser considerado um sucesso, já que veio para ser o segundo reserva e virou titular com as lesões simultâneas de Rogério Ceni e Bosco. Marlos e Jean chegaram agora, Washington e Arouca decepcionaram bastante e os outros não mostraram estar no nível Tricolor.

Para completar o esquema tático. Isto já foi brilhantemente analisado pelo Eduardo Cecconi no Preleção, mas vou apenas pontuar algumas questões adicionais… Muricy, como nos tempos de Internacional, jamais abriu mão do 3-5-2 mesmo quando não tinha jogadores para o esquema. Improvisou volantes e meias na zaga e nas alas, sempre mantendo os três defensores. Nunca mais teve um Danilo como armador de talento, e para completar perdeu o avanço de Hernanes e Jean, destaques dos últimos dois anos.

Já no Brasileiro de 2008 o São Paulo começou a decair. Esteve 11 pontos atrás do Grêmio e só conquistou o título graças a muitas vitórias apertadas jogando um futebol eficiente, mas no limite mínimo de qualidade. Se não fossem tropeços inexplicáveis do time gaúcho, não teria conquistado o hexacampeonato.

E agora? Bem, de antemão informo que não considero Ricardo Gomes um treinador de primeira linha. Não tem comando no elenco, inventa demais e não tem títulos de relevância na carreira de treinador, exceto sucessos pontuais na França.

Muricy se foi. A vida segue.
Mas o São Paulo não conquistará o hepta em 2009 nem em sonho.

Postado por Perin, informando que o SPFC encerrou o ciclo.

Autuori representa quebra de paradigmas gremistas

21 de junho de 2009 18

Paulo Autuori, uma mudança de perfil no Olímpico/Agência RBS

A contratação de Paulo Autuori pode dar certo. E, evidentemente, pode não dar certo. Seu período no Olímpico pode ser reduzido devido a resultados ruins, desgastes com diretoria, pressão da torcida, etc.

Porém é inegável que sua contratação representa um marco, uma ruptura no futebol do Grêmio depois de 15 anos ligados a “Era Felipão”, com raros períodos de exceção, em especial o período comandado por Tite entre 2001 e 2003.

O Grêmio historicamente se forjou em times muito raçudos, que aplicavam o `futebol direto` de poucos toques de bola e muita objetividade. Eventualmente grandes jogadores qualificavam estas equipes, mas o “estilo direto” de jogar, quase ao estilo do “kick-and-run” britânico de antigamente, por muito tempo passou a privilegiar jogadas aéreas e exaustivamente a bola parada.

Treinadores como Celso Roth, Mano Menezes tiveram sucesso total ou parcial jogando sempre assim. Outros fracassaram miseravelmente e nem merecem ser citados. Talvez os dois únicos técnicos com sucesso jogando com a bola no chão foram Evaristo de Macedo e Tite.

Autuori é desta mesma escola, que privilegia passes e jogadas de aproximação em detrimento do jogo acelerado dos tempos de Roth e Mano. Seus times privilegiam a posse de bola, formatações táticas ortodoxas.

O problema é que o elenco do Grêmio não foi planejado para isto. O time ainda segue a política dos tempos de Paulo Pelaipe, já que André Krieger quase nada de diferente o fez de seu antecessor.

O time tricolor é composto de jogadores brigadores no ataque, sem espírito no meio-campo e muito dependente das criações. Falta qualidade. Para piorar, as laterais são deficientes e o Grêmio precisará remontar o elenco para ter um time com “a cara de Autuori”. Só que isto não é papo para agora.

Mas faltam só quatro jogos para conquistar o título da Taça Libertadores. O Grêmio vai ter que dar um jeito assim mesmo. Remodelação do elenco é para depois. 

Autuori já teve a experiência de pegar uma equipe destroçada, fraca tecnicamente, e levar ao topo da América, superando inclusive um rival de mais qualidade técnica, coincidentemente o próprio Grêmio. Sim, em 1997 foi campeão da Libertadores com um horrível time cruzeirense. Para mim, talvez pior até que o Grêmio atual que patina no Brasileirão.

Então, é acreditar. Afinal, são quatro jogos.
O Tri da América está próximo.

Postado por Perin, dizendo que é fã de Autuori.

Grêmio confirma saída de Tiago Dutra e Bruno Renan

18 de junho de 2009 6

Tiago Dutra e Bruno Renan: de partida para o Villarreal/Reprodução: site oficial do Grêmio

Agora é oficial: o Grêmio negociou os jovens volantes Tiago Dutra e Bruno Renan (neste manteve 20% dos direitos) com o Villarreal. O valor obtido foi de aproximadamente 1,8 milhões de euros. Sobre a negociação de jogadores que nem foram aproveitados ainda no profissional, eu já escrevi na semana passada. Cliquem aqui e confiram.

Pelas regras do condomínio de credores, 30% deste valor (ou seja, um pouco menos que 600 mil euros) irão diretamente para abater dívidas incluídas neste grupo. O lucro com a negociação será de 1,26 milhões de euros, aproximadamente 3,4 milhões de reais. Parte deste dinheiro será utilizado na aquisição, em definitivo, do meia Souza junto ao Paris Saint German.

E os garotos que saem? Bem, Tiago Dutra sempre foi apontado como promessa e jogador de presença constante nas seleções de base. Porém após completar 17 anos, seu desenvolvimento involuiu. Tiago foi preterido em relação a William Magrão, Adílson e Rafael Carioca. Neste ano jogou dois jogos e foi mal, perdendo para Júlio César um espaço no grupo do início da temporada.

Já o caso de Bruno Renan é bem diferente. Destaque em todas as competições recentes, em especial a Copa São Paulo Sub-18 e o Brasileiro Sub-20, o garoto vai embora porque seu contrato está encerrando (abril). E, claramente, os procuradores não querem renovar. Sendo assim, o Tricolor perde um grande potencial.

Algo que o Internacional já sofreu com Rodrigo Possebom, hoje no Manchester United, e que está sofrendo agora com Lucas Roggia e João Paulo. É o eterno problema do primeiro contrato profissional ter somente três anos de duração e prejudicam times de excelência nas categorias de base, casos da Dupla Gre-Nal…

Postado por Perin, lamentando saída de jovens tão cedo…

Aviso sobre comentários

18 de junho de 2009 8

Como virou uma bagunça um monte de posts sobre discussõeszinhas gremio-inter e já que ninguém sabe respeitar a opinião do outro, vamos estabelecer regras mais duras para os comentários. 

Um lembrete importante: Este blog não segue nenhuma pauta da área editorial do grupo RBS. Quem escolhe os assuntos sou eu, quem define os critérios sou eu.

Seguidamente faço posts com a pauta sugerida pelos leitores, alguma indicação, etc. Outros eu já tenho engatilhados, às vezes não consigo escrever por falta de tempo nas horas livres

Então não adianta que eu não vou fazer um especial sobre a Libertadores se o Grêmio não chegar à final. Do mesmo jeito que só fiz da Copa do Brasil porque o Inter chegou na final.

Os especiais e posts que eu faço me tiram muito tempo e só coloco no ar se for realmente legal e ficar completo.

Vejam o post de ontem sobre a Copa do Brasil: repleto de curiosidades e dados que quase ninguém publicou sobre os oito anos da Copa do Brasil de 2001 conquistada pelo Grêmio.

 

1º) Comentário provocativo que não for referente ao post ou sugestão de pauta, será sumariamente deletado.

2º) Comentário com provocações entre colorados e gremistas também serão sumariamente deletados.

3º) Comentários com palavrões ou expressões ofensivas à quaisquer times serão sumariamente deletados.

4º) Comentários sobre outros posts, com proposição de idéias e mesmo críticas ao blogueiro serão aprovados sem nenhum problema. Basta seguir os critérios de educação e bom-senso.

Conto com o apoio de vocês, gosto de escrever aqui mas às vezes fica muito cansativo ficar administrando picuinhas desnecessárias entre leitores.

Postado por Perin, tentando organizar os comentários

Há oito anos o Grêmio calava o Morumbi

17 de junho de 2009 9

Grêmio, campeão da Copa do Brasil 2001 há exatos oito anos

Em 17 de junho de 2001, o Grêmio conquistou o tetracampeonato da Copa do Brasil em uma histórica vitória sobre o Corinthians no Morumbi. No jogo de maior público do “Timão” na história da competição, e contra todos os prognósticos após um péssimo resultado na partida de ida (2×2 em casa), o Tricolor deu um “chocolate” na equipe paulista e conquistou um então inédito quarto título da competição na qual foi o primeiro vencedor.

E, por uma coincidência incrível, o técnico gremista naquele jogo era Tite, que exatos oito anos depois está decidindo a Copa do Brasil mais uma vez contra o Corinthians em São Paulo, só que desta vez pelo arquirrival Internacional.

Em sua primeira chance em um grande clube, Tite superou dificuldades nos primeiros três meses e conquistou um título de forma categórica, mostrando um futebol de nível superior especialmente a partir das quartas-de-final com vitórias incontestáveis sobre São Paulo, Coritiba e Corinthians.

Mas nem tudo foram flores. Na primeira fase, uma derrota logo de cara: 3×2 para o Villa Nova-MG em um jogo que Tite foi publicamente criticado pelo presidente José Alberto Guerreiro e pelo vice-de-futebol José Otávio Germano, mas contando com o apoio do goleiro Danrlei que criticou o dirigente.

No jogo de volta, mesmo jogando mal e saindo no primeiro tempo vaiado em um 1×1 que não servia, uma goleada na etapa complementar aliviou a pressão: 4×1 com dois gols do então reserva Luís Mário. Mesmo assim, Rodrigo Mendes reclamou de ter sido substituído por Itaqui. Tite ainda não tinha o time na mão…

Na segunda fase, mais problemas: 1×0 no Arruda para o Santa Cruz com um golaço de Joãozinho. O jogo de volta se tornou um marco para o Grêmio. Em um dia de chuva torrencial, a diretoria do Grêmio não queria jogar. Mas os atletas pediram, o jogo ocorreu conforme planejado e o Tricolor venceu de forma categórica: 3×1.

Nas oitavas-de-final, o adversário era o Fluminense, com um time limitado mas treinado pela lenda gremista Valdyr Espinosa. No primeiro jogo, o Grêmio suou para vencer a retranca carioca por 1×0, gol de Marcelinho Paraíba. No jogo de volta, um primeiro tempo no qual o árbitro Márcio Rezende de Freitas não deu penalidade clara sobre Tinga e de domínio gremista, contra uma etapa complementar que só deu Flu mas esbarrando em uma atuação espetacular de Danrlei.

Nas quartas-de-final, o temível São Paulo, vice-campeão da Copa do Brasil anterior. O Grêmio saiu na frente com um gol de Warley, mas logo depois levou o empate com França. No finalzinho, o zagueiro Marinho marcou o gol da salvação tricolor, deixando tudo para ser decidido no Morumbi.

Em uma tarde por causa do racionamento de energia, o Grêmio deu uma aula de futebol na etapa inicial. Com um show tático de Tite e individual de Marcelinho Paraíba, o Tricolor abriu o marcador com Marcelinho aos 27 minutos. Três minutos depois, Márcio Rezende de Freitas marcou pênalti inexistente e França empatou. Ainda no primeiro tempo, França ajeitou com o braço e virou para 2×1, um resultado injusto pelo amplo domínio gremista.

No início do segundo tempo, o Grêmio virou com mais dois gols de Marcelinho aos nove e doze minutos. Logo depois, o volante Alexandre empatou de novo para o São Paulo, 3×3. Marcelinho foi expulso de forma infantil e, quando o São Paulo mais pressionava, Luís Mário sofreu falta

Postado por Perin, direto do túnel do tempo

Guerrilha deve impedir Mundial Sub-17 na Nigéria

17 de junho de 2009 2

Guerrilheiro do MEND e desastre ambiental no delta do Níger: guerrilha quer evitar Mundial Sub-17/Reprodução

O alerta foi dado: tirem o Mundial Sub-17 2009 da Nigéria. E ninguém menos que a guerrilha nigeriana é o porta-voz da informação. O “Movement for the Emancipation of the Niger Delta (MEND – “Movimento pela emancipação do Delta do Níger”) alertou as autoridades do país, a imprensa internacional e também a FIFA que a competição, a ser disputada a partir de outubro, seja transferida para outro país.

De acordo com o MEND, não se pode garantir a integridade física de jogadores, turistas e da imprensa, já que atentados tem sido frequentes especialmente contra estrangeiros e instalações petrolíferas. A FIFA ainda não se pronunciou sobre o assunto, mas deve realmente transferir o torneio, previsto para o período entre 24 de outubro e 15 de novembro. O Brasil está na competição.

O grupo militar armado contesta o elevado nível de degradação ambiental na região do delta do rio Níger. Seus alvos prioritários são as multinacionais Chevron (Texaco) e Royal Dutch Shell, mas poços da italiana Eni, da norte-americana Baker Hughes. Em maio, 10% da produção nigeriana diária foi paralisada em um único ataque do MEND.

SAIBA MAIS SOBRE O CONFLITO NA NIGÉRIA:

Desde a independência da Nigéria, em meados do século passado, a exploração econômica tem causado estragos na região do principal rio do país. O movimento pacifista se intensificou na etnia Ogoni, a mais afetada pelo desastre ambiental já existente no rio Níger.

O líder educador e pacificador Ken Saro-Wiwa no início dos anos 90, foi fundador do MOSOP (Movement for the Survival of the Ogoni People – Movimento pela sobrevivência do povo Ogoni), um movimento que pregava a não-violência, o pacifismo e a democracia e apoiado por entidades internacionais.

Ele foi preso, junto com os demais líderes do MOSOP em 1993. Seu tribunal foi uma farsa condenada pela comunidade internacional, com testemunhas subornadas e depoimentos forjados acusando de ser um dos mandantes do assassinato de quatro líderes governamentais Ogoni.

Saro-Wiwa, um símbolo mundial da não-violência e democracia, foi condenado à morte em um julgamento encomendado pelo então ditador nigeriano Sani Abacha, general que comandou o país com mão de ferro entre 1993 e 1998. O ativista foi executado em novembro de 1995 junto com outros nove membros do MOSOP, fato que resultou na exclusão da Nigéria da Comunidade Britânica de Nações.

Seu legado deixou marcas em todo o mundo. Documentários e livros já foram lançados sobre a vida e obra de Saro-Wiwa. Recentemente uma estátua em sua homenagem foi inaugurada em Londres.

Postado por Perin, lamentando que isto ocorra no mundo…

Especial Copa do Brasil: 1976, 1992 e 2005

16 de junho de 2009 9

1976 – Final do Campeonato Brasileiro

Resultado: Internacional 2×0 Corinthians

Como foi o jogo: Então campeão nacional, o Internacional patrolou a maioria dos adversários ao longo da competição. Melhor ataque, melhor defesa, melhor jogador (Figueroa), Artilheiro (Dario Maravilha). Ninguém parecia páreo. Até a final foram 22 vitórias, 1 empate e só perdeu três vezes: Caxias, Coritiba e… Corinthians! Só que era justamente este último o adversário na decisão…

Assolado por um jejum de 21 anos sem título algum, o Timão tinha uma equipe limitada mas de pura raça, com talentos sobretudo nas laterais com Zé Maria e Wladimir. Nas semifinais, pegou a Máquina Tricolor do Fluminense, comandada pela lenda Didi, e segurou um 1×1 em pleno Maracanã, debaixo de uma chuva torrencial. Venceu nos pênaltis e se classificou para a final, para delírio dos mais de 70 mil corinthianos que invadiram o Rio de Janeiro na célebre “Invasão Corinthiana”.

O Corinthians e até o governador de São Paulo tentaram virar a mesa e colocar em um campo neutro, o Maracanã, mas sem sucesso graças aos esforços do presidente colorado Frederico Arnaldo Ballvê. Em Porto Alegre, foram disponibilizados apenas 10 mil ingressos para os corinthianos, que ainda assim entupiram a cidade. Lotaram todos os hotéis e pousadas, deixando a situação complicadíssima para meus pais fazerem a lua-de-mel (eles casaram no dia anterior à final!).

Dentro de campo, não teve jeito: Aos 28, Valdomiro cobrou falta no travessão, Dario pegou o rebote, ‘parou no ar’ e fuzilou de cabeça, 1×0. Aos 14 do 2º tempo, Valdomiro bateu falta no travessão, a bola quicou logo atrás da linha do gol e saiu. Os jogadores do Corinthians reclamaram muito, a torcida paulista paralisou o jogo e o caos foi instaurado.

O técnico corinthiano Duque inclusive ameaçou tirar o time de campo, quando o capitão Zé Maria (da Seleção Brasileira) disse: “Isto já é demais, chefe, e não vamos fazer”. O gol, legítimo, foi assinalado e fechou o marcador daquela final em 2×0, Internacional bicampeão brasileiro. No final do jogo, a torcida do Corinthians tentou melar a partida, jogando foguetes (então permitidos nos estádios) em direção ao gramado. O jogo ficou parado quase 20 minutos até que os ânimos se acalmassem e a partida reiniciasse até seu término. Inter, bicampeão brasileiro em 1976.

Imagens do fiasco:

INTERNACIONAL: Manga; Cláudio Duarte, Figueroa, Marinho Peres, Vacaria; Caçapava, Falcão, Batista; Valdomiro, Darío, Lula. Técnico: Rubens Minelli

CORINTHIANS: Tobias; Zé Maria, Moisés, Zé Eduardo, Wlademir; Givanildo, Russo, Neca; Vaguinho, Geraldão, Romeu. Técnico: Duque


1992 – Copa do Brasil – segunda fase

Resultado: Corinthians 0×4 Internacional

Em 1992, Corinthians e Internacional novamente se enfrentaram. O jogo era pela segunda fase da Copa do Brasil. Mal no Campeonato Paulista, o Corinthians precisava de um bom resultado para acalmar a fúria da torcida. Porém, em uma inspirada noite colorada e comandada pelo falecido (e bom jogador), centroavante Gérson, o Internacional enfiou uma histórica goleada de 4×0 em pleno Pacaembu.

Foi Gérson, maior artilheiro colorado da Copa do Brasil com nove gols, quem abriu o marcador no primeiro tempo. Em um petardo, o ex-corinthiano Márcio (Bittencourt, hoje treinador) ampliou para 2×0, o seu primeiro gol na carreira. Em dois contra-ataques na etapa complementar, Gérson e Maurício fecharam a goleada: 4×0. Vejam os lances:
O resultado derrubou o técnico corinthiano Basílio. No jogo de volta, um confiante Colorado apenas administrou a enorme vantagem, segurando o 0×0 contra o esforçado time paulistano. O Inter estava classificado e enfrentaria o arquirrival Grêmio, o Corinthians entrava em crise.

  1. gol – Gérson -> http://www.youtube.com/watch?v=k0ME88JIiA0
  2. gol – Márcio -> http://www.youtube.com/watch?v=oDqJ7JzXNRo
  3. gol – Gérson -> http://www.youtube.com/watch?v=RW6dGX3fazk
  4. gol – Maurício -> http://www.youtube.com/watch?v=ZDATWp2bphw

2005 – O jogo da polêmica no Pacaembu

40º Rodada do Campeonato Brasileiro

Resultado: Corinthians 1×1 Internacional

O Campeonato Brasileiro de 2005 foi o mais polêmico da história recente do futebol brasileiro. Um escândalo, comprovado e documentado, envolvendo o ex-árbitro Edílson Pereira de Carvalho, foi exposto no meio da competição. Além do ululante afastamento do corrupto, houve repercussão nos gramados.

Em uma medida inédita no futebol mundial e que causou muita contestação de boa parte dos clubes, todos os onze jogos que o árbitro apitou, inclusive aqueles que ele havia recebido suborno para beneficar o time derrotado, foram anulados pelo então presidente do STJD, Luís Zveiter. Medida que não foi adotada na Série B, já que o árbitro Paulo Danelon também foi acusado de corrupção, com provas documentais sobre o assunto.

O grande beneficiado com isto foi o milionário Corinthians, bancado pela empresa de investimentos MSI e que tinha craques como Carlos Tévez, Nilmar, Javier Mascherano. Ele havia perdido dois clássicos contra o Santos e São Paulo, que foram repetidos com uma vitória e um empate.

Já o Internacional, que também disputava o título, teve que vencer de novo o Coritiba. Isto, aliado a arbitragens desastrosas em dois jogos contra o Paysandú e contra o Cruzeiro e São Caetano, com decisões questionáveis beneficiando o time paulista, gerou um clima todo especial para a antepenúltima rodada do Brasileirão: Corinthians x Internacional no Pacaembu.

Três pontos atrás na tabela, o Inter precisava vencer para ter chances de ser campeão por si só. No primeiro tempo, o Inter teve poucas chances e o Corinthians foi bem melhor: acertou a trave com Gustavo Néry e teve as melhores chances antes de Tévez aproveitar rebatida de Alex e fazer 1×0 no final da primeira etapa. O segundo tempo mal começou e o Corinthians perdeu duas ótimas chances com Carlos Alberto e Tévez. Isto antes de Rafael Sóbis marcar um golaço e empatar aos quatro minutos, 1×1.

O jogo se tornou muito equilibrado até que, aos 29 minutos do segundo tempo, um lance mudaria o destino da competição: Tinga foi lançado por Perdigão, driblava Fábio Costa para marcar o gol quando foi escandalosamente derrubado pelo goleiro corinthiano. O árbitro Márcio Rezende de Freitas, que encerrava sua longa carreira naquela partida, não deu pênalti e aplicou amarelo por simulação. Como já tinha uma advertência, Tinga foi expulso. Neste momento, a torcida do Inter que lotava seu espaço no Pacaembu começou a gritar “vergonha, vergonha”.

A torcida do Corinthians, no início eufórica com a expulsão, aos poucos foi diminuindo o entusiasmo constrangida com o erro capital da arbitragem a seu favor. Cada time ainda perdeu um gol mas o placar final foi mesmo de 1×1. Após o apito final, reparem no silêncio no estádio, algo totalmente descabido em uma situação em que o Corinthians estava em ampla vantagem contra o único rival ao título:
Duas rodadas depois, o Corinthians se sagrou tetracampeão brasileiro. O Inter entraria na justiça, mas ameaças da CBF e CONMEBOL de tirar o clube da Libertadores seguinte obrigaram o clube a desistir. Isto seria a decisão mais acertada da história do clube…

Mas o Brasileirão de 2005 foi do Corinthians.

Se não de direito, de fato.

Com direito a taça e lugar na lista de campeões.

Especial Copa do Brasil: números do Internacional

16 de junho de 2009 4

Internacional, campeão em 1992 da Copa do Brasil

Se pela manhã apresentamos os números do Corinthians ao longo da história da Copa do Brasil, agora é a vez dos dados do Internacional, o outro finalista da competição em 2009.

Campeão somente em 1992, o histórico colorado é bem inferior ao do adversário na final da Copa do Brasil. O Colorado só chegou a uma semifinal e tem um largo histórico de eliminações para times de Segunda Divisão, ou que estavam na Série B naquela época. Vejam vocês mesmos:

CAMPANHAS ANTERIORES – 17 PARTICIPAÇÕES
1989 (segunda fase), 1990 (primeira fase), 1992 (CAMPEÃO), 1993 (segunda fase), 1994 (quartas-de-final), 1995 (segunda fase), 1996 (quartas-de-final), 1997 (quartas-de-final), 1998 (primeira fase), 1999 (semifinais), 2000 (terceira fase), 2001 (segunda fase), 2002 (quartas-de-final), 2003 (segunda fase), 2004 (terceira fase), 2005 (quartas-de-final), 2008 (quartas-de-final)

ÚLTIMO ADVERSÁRIO
1989 (Goiás), 1990 (Criciúma), 1992 (CAMPEÃO), 1993 (Londrina), 1994 (Ceará), 1995 (Paraná), 1996 (Flamengo), 1997 (Flamengo), 1998 (América-MG), 1999 (Juventude), 2000 (Botafogo-RJ), 2001 (Fortaleza), 2002 (Atlético-MG), 2003 (Remo), 2004 (Vitória), 2005 (Paulista-SP), 2008 (Sport)

MAIOR CARRASCO
Paraná e Flamengo, duas vezes cada

MAIOR FREGUÊS
Santos, Guarani-SP e Paraná, duas vezes cada

MAIOR PÚBLICO
Internacional 1(3) x 1(0) Grêmio, 76.207, quartas-de-final, 17/11/1992

MAIOR GOLEADA
Internacional 9 X 1 Ji-Paraná-RO, primeira fase em 06/04/1993

PIOR DERROTA
Internacional 0×4 Juventude, semifinais de 1999

MAIOR FIASCO
Defendendo o título, ser eliminado na segunda fase em pleno Beira-Rio pelo Londrina em 1993, 0×1

ARTILHEIRO HISTÓRICO
Gérson, com 9 gols

DISPUTA DE PÊNALTIS
1992 – Grêmio 1×1 Internacional/Internacional 1×1 Grêmio (3×0) – quartas-de-final – CLASSIFICADO
1997 – Santos 2×0 Internacional/Internacional 2×0 Santos (4×2) – oitavas-de-final – CLASSIFICADO
1998 – América-MG 1×0 Internacional/Internacional 1×0 América-MG (4×2) – primeira fase – ELIMINADO
2005 – Internacional 1×0 Paulista-SP/Paulista-SP 1×0 Internacional (4×3) – quartas-de-final – ELIMINADO

RETROSPECTO CONTRA PAULISTAS – 1 eliminação e 7 classificações
CLASSIFICADO: Corinthians (1992), Palmeiras (1992), São Paulo (1996), Santos (1997 e 2002), Botafogo-SP (2002), Guarani (2009)
ELIMINADO: Paulista (2005)

Ainda hoje: os grandes confrontos do passado
Amanhã: as campanhas de Inter e Corinthians até as finais

Postado por Perin, com mais dados do I.P.E.

Especial Copa do Brasil: números do Corinthians

16 de junho de 2009 4

Corinthians, campeão em 1995 e 2002 da Copa do Brasil

De hoje até amanhã, um mini-especial com dados interessantes sobre as participações de Corinthians e Internacional na história da Copa do Brasil, confrontos importantes anteriores e ainda a campanha dos dois até esta decisão.

Hoje começamos com o mandante do jogo de amanhã, o bicampeão Corinthians (vencedor em 1995 e 2002).

CAMPANHAS ANTERIORES – 16 PARTICIPAÇÕES
1989 (quartas-de-final), 1991 (quartas-de-final), 1992 (segunda fase), 1994 (segunda fase), 1995 (CAMPEÃO), 1996 (quartas-de-final), 1997 (semifinais), 1998 (segunda fase), 1999 (terceira fase), 2000 (terceira fase), 2001 (vice-campeão), 2002 (CAMPEÃO), 2004 (quartas-de-final), 2005 (terceira fase), 2007 (terceira fase), 2008 (vice-campeão)

ÚLTIMO ADVERSÁRIO
1989 (Flamengo), 1991 (Grêmio), 1992 (Internacional), 1994 (Grêmio), 1995 (CAMPEÃO), 1996 (Cruzeiro), 1997 (Grêmio), 1998 (Cruzeiro), 1999 (Juventude), 2000 (Botafogo), 2001 (Grêmio), 2002 (CAMPEÃO), 2004 (Vitória), 2005 (Figueirense), 2007 (Náutico), 2008 (Sport)

MAIOR CARRASCO
Grêmio, quatro vezes

MAIOR FREGUÊS
Cruzeiro e Sampaio Corrêa

MAIOR PÚBLICO
Corinthians, 1 x 3 Grêmio, 80.000, final, 17/06/2001 no Morumbi

MAIOR GOLEADA
Flamengo-PI 1X8 Corinthians, primeira fase em 02/05/2001

PIOR DERROTA
Corinthians 0×4 Internacional, segunda fase de 1992 e Cruzeiro 4×0 Corinthians, quartas-de-final de 1996

MAIOR FIASCO
Cianorte 3×0 Corinthians, segunda fase de 2005

DISPUTAS DE PÊNALTIS
1997 – Corinthians 2×0 Juventude/Juventude 2×0 Corinthians (5×3) – segunda fase – CLASSIFICADO
1999 – Treze-PB 2×2 Corinthians/Corinthians 2×2 Treze-PB (4×2) – segunda fase – CLASSIFICADO
2005 – Corinthians 2×0 Figueirense/Figueirense 2×0 Corinthians (3×2) – terceira fase – ELIMINADO
2008 – Corinthians 2×1 Botafogo-RJ/Botafogo-RJ 2×1 Corinthians (5×4) – semifinais – CLASSIFICADO

RETROSPECTO CONTRA OS GAÚCHOS – 6 eliminações e 2 classificações
Eliminado por Grêmio (1991, 1994, 1997 e 2001), Internacional (1992), Juventude (1999)
Eliminou Grêmio (1995), Juventude (1997)

ARTILHEIRO HISTÓRICO
Marcelinho Carioca, com 21 gols

Postado por Perin, com dados do I.P.E.