Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 14 julho 2009

Felipe Melo escolhe símbolo nazista na camiseta

14 de julho de 2009 15

Pichação nazista em cemitério judaico na Escócia, e torcida do polonês Wisla comemorando os `88` anos do partido nazista/Montagem jornal Ayrshire Post e Flickr

Li uma matéria hoje citando entrevista de Felipe Melo para o jornal italiano Gazzetta dello Sport. Na exclusiva, além do volante de Dunga dizer que foi para a Juventus para efetivamente ter chances de conquistar títulos, o brasileiro diz que quer usar a camisa `88` na Juventus, seu novo time após sair da Fiorentina.

Gafe, e das feias, do brasileiro…

O titular da Seleção Brasileira, um moreno quase negro, certamente não sabe que está fazendo uma apologia ao fascismo/nazismo, corrente política poscrita após a Segunda Guerra Mundial mas que tem inúmeros adeptos sobretudo na Europa

O número “88” é um símbolo nazista oculto. “H” é a oitava letra do alfabeto e este número pode ser lido como “HH“, a abreviatura da saudação nazista “Heil Hitler“. Seguidamente é utilizadas em pichações, como ocorreu com um cemitério judaico escocês no ano passado em Ayr.

Em 2007, torcedores do Wisla Krakow favoráveis ao nazismo fizeram um bandeirão com o número no dia do 88º aniversário de fundação do Partido Nacional Socialista Alemão, vejam a foto no post.

Em 2000, quando foi negociado do Parma para a mesmíssima Juventus de Felipe Melo, o goleiro Gianluigi Buffon cometeu o mesmo erro. Escolheu a camisa de número 88, pois representava oito bolas (de futebol). Sob protestos da comunidade judaica e dos partidos socialistas, o arqueiro mudou para 77, ano do seu nascimento.

O problema é que alguns anos depois, ele deu entrevista com uma camisa com o seguinte slogan: “Boia chi molla“, que significa: “Morte aos covardes“, um slogan típico da extrema-direita italiana sobretudo nos tensos anos 70 na região de Régio Calábria. Novamente, ira dos socialistas, judeus e homossexuais contra o goleiro titular da Itália, que de novo disse que foi um equívoco sem intenção, já que ele apenas achou a frase “forte”.

Sinceramente? Acho que Felipe Melo não vai levar adiante a idéia…

SÉRIE ESPECIAL DO ALMANAQUE ESPORTIVO SOBRE O FASCISMO NO FUTEBOL:

- Iugoslávia: Futebol e fascistas: uma relação antiga na Iugoslávia

- Inglaterra: Os ingleses e os grupos fascistas no futebol

- Itália: Ultras: uma tradição italiana de violência

STJD é uma piada, parte MCXLVIII

14 de julho de 2009 39

Dentinho deu cotovelada em Rafael Moura – AGRESSÃO CONSUMADA – Absolvido
Diego Souza deu um coice em Domingos – AGRESSÃO CONSUMADA – Absolvido
D`Alessandro corre atrás de William - TENTATIVA DE AGRESSÃO – 60 dias suspenso

Deve ser somente coincidência o fato do presidente do STJD, Rubens Aprobbato, ser corinthiano. Deve ser.

 

EDITADO: o caso do Dentinho foi julgado pelo STJD, já que alguns não pensam direito. Esqueceram que foi pela Copa do Brasil? Desde quando o Atlético-PR é julgado pelo TJD Paulista?

Mais uma lembrança, em especial para os gremistas que me criticaram sem entender que o STJD sempre prejudica os gaúchos, usando `dois pesos, duas medidas`:

Quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O Império (STJD) Contra-Ataca – E o RS que se rala

(…)Mais uma vez, três anos depois, o STJD ataca o futebol gaúcho. Depois da roubalheira vergonhosa de 2005, quando tiraram no tapetão o título brasileiro do Internacional, desta vez o alvo foi o Grêmio. (…)

Postado por Perin, mantendo a ideia de ridicularidade do STJD

As maiores barganhas da dupla Gre-Nal

14 de julho de 2009 18

Nos últimos 15 anos, os torcedores da dupla Gre-Nal cansaram de ver dezenas e dezenas de `bondes`, jogadores de times de menor expressão chegarem ao Beira-Rio e Olímpico e mostrarem, sob nenhuma dúvida, de que não tinham nada a fazer ali, nem para compor banco e servirem de opção. Tiros na água, evidentemente.

Porém existem ainda aqueles jogadores que vieram sem nenhum cartaz e se tornaram jogadores úteis taticamente, de boas respostas técnicas ou mesmos titulares absolutos e incontestáveis.  Aqueles jogadores que custaram merrecas e depois foram negociados por quantias expressivas, ou foram titulares por muito tempo em seus clubes.

Jogadores assim montaram o último time do Grêmio campeão da Libertadores em 1995: Goiano, que ia do Novorizontino para a Tuna Luso e acabou titular do meio-campo campeão da América, o veterano paraguaio Rivarola, do modesto Talleres de Córdoba-ARG ou mesmo o craque Arce, totalmente desconhecido fora do cenário paraguaio.

Recentemente, o zagueiro William veio do Ipatinga para se mostrar o defensor mais confiável do Grêmio desde os tempos de Anderson Polga. Mas ninguém melhor que o goleiro Victor, que veio para disputar posição depois de ser reserva no Paulista e hoje é, para mim, disparado o melhor goleiro do futebol brasileiro. Atrás somente do, quase sobrenatural, arqueiro chamado Júlio César, titular da Internazionale e da Seleção.

No caso colorado, os campeões mundiais Ceará e Wellington Monteiro, peças fundamentais no time de Abel Braga, vieram como obscuros jogadores do São Caetano e Caxias. Na triste década de 90, Sandoval foi um jogador neste estilo, assim como o eterno volante Fernando.

Ficando claro: a lista abaixo é de Ceará e não de Kléber, de William e não de Gilberto. De Sandoval e não de D`Alessandro… Me ajudem a preencher com outros. Não vale jogadores como Paulo Nunes, que tinha jogado em Seleções de base e veio pro Grêmio em contrapeso de Magno.

Enviem seus comentários com outros jogadores para a listinha abaixo:

2006: Wellington Monteiro (Caxias)
2005: Ceará (São Caetano) e Rentería (Boyacá Chicó-COL)
2004: Fernandão (Olympique Marseille)
2003: Sangaletti (Náutico)

2008: Réver e Victor (Paulista)
2007: Lúcio (Palmeiras), William (Ipatinga)
2006: Hugo (Flamengo)
2005: Sandro Goiano (Paysandú)

Postado por Perin, que vasculha mercados da Série B