Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 14 julho 2009

Felipe Melo escolhe símbolo nazista na camiseta

14 de julho de 2009 15

Pichação nazista em cemitério judaico na Escócia, e torcida do polonês Wisla comemorando os `88` anos do partido nazista/Montagem jornal Ayrshire Post e Flickr

Li uma matéria hoje citando entrevista de Felipe Melo para o jornal italiano Gazzetta dello Sport. Na exclusiva, além do volante de Dunga dizer que foi para a Juventus para efetivamente ter chances de conquistar títulos, o brasileiro diz que quer usar a camisa `88` na Juventus, seu novo time após sair da Fiorentina.

Gafe, e das feias, do brasileiro…

O titular da Seleção Brasileira, um moreno quase negro, certamente não sabe que está fazendo uma apologia ao fascismo/nazismo, corrente política poscrita após a Segunda Guerra Mundial mas que tem inúmeros adeptos sobretudo na Europa

O número “88” é um símbolo nazista oculto. “H” é a oitava letra do alfabeto e este número pode ser lido como “HH“, a abreviatura da saudação nazista “Heil Hitler“. Seguidamente é utilizadas em pichações, como ocorreu com um cemitério judaico escocês no ano passado em Ayr.

Em 2007, torcedores do Wisla Krakow favoráveis ao nazismo fizeram um bandeirão com o número no dia do 88º aniversário de fundação do Partido Nacional Socialista Alemão, vejam a foto no post.

Em 2000, quando foi negociado do Parma para a mesmíssima Juventus de Felipe Melo, o goleiro Gianluigi Buffon cometeu o mesmo erro. Escolheu a camisa de número 88, pois representava oito bolas (de futebol). Sob protestos da comunidade judaica e dos partidos socialistas, o arqueiro mudou para 77, ano do seu nascimento.

O problema é que alguns anos depois, ele deu entrevista com uma camisa com o seguinte slogan: “Boia chi molla“, que significa: “Morte aos covardes“, um slogan típico da extrema-direita italiana sobretudo nos tensos anos 70 na região de Régio Calábria. Novamente, ira dos socialistas, judeus e homossexuais contra o goleiro titular da Itália, que de novo disse que foi um equívoco sem intenção, já que ele apenas achou a frase “forte”.

Sinceramente? Acho que Felipe Melo não vai levar adiante a idéia…

SÉRIE ESPECIAL DO ALMANAQUE ESPORTIVO SOBRE O FASCISMO NO FUTEBOL:

- Iugoslávia: Futebol e fascistas: uma relação antiga na Iugoslávia

- Inglaterra: Os ingleses e os grupos fascistas no futebol

- Itália: Ultras: uma tradição italiana de violência

STJD é uma piada, parte MCXLVIII

14 de julho de 2009 39

Dentinho deu cotovelada em Rafael Moura – AGRESSÃO CONSUMADA – Absolvido
Diego Souza deu um coice em Domingos – AGRESSÃO CONSUMADA – Absolvido
D`Alessandro corre atrás de William - TENTATIVA DE AGRESSÃO – 60 dias suspenso

Deve ser somente coincidência o fato do presidente do STJD, Rubens Aprobbato, ser corinthiano. Deve ser.

 

EDITADO: o caso do Dentinho foi julgado pelo STJD, já que alguns não pensam direito. Esqueceram que foi pela Copa do Brasil? Desde quando o Atlético-PR é julgado pelo TJD Paulista?

Mais uma lembrança, em especial para os gremistas que me criticaram sem entender que o STJD sempre prejudica os gaúchos, usando `dois pesos, duas medidas`:

Quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O Império (STJD) Contra-Ataca – E o RS que se rala

(…)Mais uma vez, três anos depois, o STJD ataca o futebol gaúcho. Depois da roubalheira vergonhosa de 2005, quando tiraram no tapetão o título brasileiro do Internacional, desta vez o alvo foi o Grêmio. (…)

Postado por Perin, mantendo a ideia de ridicularidade do STJD

As maiores barganhas da dupla Gre-Nal

14 de julho de 2009 18

Nos últimos 15 anos, os torcedores da dupla Gre-Nal cansaram de ver dezenas e dezenas de `bondes`, jogadores de times de menor expressão chegarem ao Beira-Rio e Olímpico e mostrarem, sob nenhuma dúvida, de que não tinham nada a fazer ali, nem para compor banco e servirem de opção. Tiros na água, evidentemente.

Porém existem ainda aqueles jogadores que vieram sem nenhum cartaz e se tornaram jogadores úteis taticamente, de boas respostas técnicas ou mesmos titulares absolutos e incontestáveis.  Aqueles jogadores que custaram merrecas e depois foram negociados por quantias expressivas, ou foram titulares por muito tempo em seus clubes.

Jogadores assim montaram o último time do Grêmio campeão da Libertadores em 1995: Goiano, que ia do Novorizontino para a Tuna Luso e acabou titular do meio-campo campeão da América, o veterano paraguaio Rivarola, do modesto Talleres de Córdoba-ARG ou mesmo o craque Arce, totalmente desconhecido fora do cenário paraguaio.

Recentemente, o zagueiro William veio do Ipatinga para se mostrar o defensor mais confiável do Grêmio desde os tempos de Anderson Polga. Mas ninguém melhor que o goleiro Victor, que veio para disputar posição depois de ser reserva no Paulista e hoje é, para mim, disparado o melhor goleiro do futebol brasileiro. Atrás somente do, quase sobrenatural, arqueiro chamado Júlio César, titular da Internazionale e da Seleção.

No caso colorado, os campeões mundiais Ceará e Wellington Monteiro, peças fundamentais no time de Abel Braga, vieram como obscuros jogadores do São Caetano e Caxias. Na triste década de 90, Sandoval foi um jogador neste estilo, assim como o eterno volante Fernando.

Ficando claro: a lista abaixo é de Ceará e não de Kléber, de William e não de Gilberto. De Sandoval e não de D`Alessandro… Me ajudem a preencher com outros. Não vale jogadores como Paulo Nunes, que tinha jogado em Seleções de base e veio pro Grêmio em contrapeso de Magno.

Enviem seus comentários com outros jogadores para a listinha abaixo:

2006: Wellington Monteiro (Caxias)
2005: Ceará (São Caetano) e Rentería (Boyacá Chicó-COL)
2004: Fernandão (Olympique Marseille)
2003: Sangaletti (Náutico)

2008: Réver e Victor (Paulista)
2007: Lúcio (Palmeiras), William (Ipatinga)
2006: Hugo (Flamengo)
2005: Sandro Goiano (Paysandú)

Postado por Perin, que vasculha mercados da Série B