Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Felipe Melo escolhe símbolo nazista na camiseta

14 de julho de 2009 15

Pichação nazista em cemitério judaico na Escócia, e torcida do polonês Wisla comemorando os `88` anos do partido nazista/Montagem jornal Ayrshire Post e Flickr

Li uma matéria hoje citando entrevista de Felipe Melo para o jornal italiano Gazzetta dello Sport. Na exclusiva, além do volante de Dunga dizer que foi para a Juventus para efetivamente ter chances de conquistar títulos, o brasileiro diz que quer usar a camisa `88` na Juventus, seu novo time após sair da Fiorentina.

Gafe, e das feias, do brasileiro…

O titular da Seleção Brasileira, um moreno quase negro, certamente não sabe que está fazendo uma apologia ao fascismo/nazismo, corrente política poscrita após a Segunda Guerra Mundial mas que tem inúmeros adeptos sobretudo na Europa

O número “88” é um símbolo nazista oculto. “H” é a oitava letra do alfabeto e este número pode ser lido como “HH“, a abreviatura da saudação nazista “Heil Hitler“. Seguidamente é utilizadas em pichações, como ocorreu com um cemitério judaico escocês no ano passado em Ayr.

Em 2007, torcedores do Wisla Krakow favoráveis ao nazismo fizeram um bandeirão com o número no dia do 88º aniversário de fundação do Partido Nacional Socialista Alemão, vejam a foto no post.

Em 2000, quando foi negociado do Parma para a mesmíssima Juventus de Felipe Melo, o goleiro Gianluigi Buffon cometeu o mesmo erro. Escolheu a camisa de número 88, pois representava oito bolas (de futebol). Sob protestos da comunidade judaica e dos partidos socialistas, o arqueiro mudou para 77, ano do seu nascimento.

O problema é que alguns anos depois, ele deu entrevista com uma camisa com o seguinte slogan: “Boia chi molla“, que significa: “Morte aos covardes“, um slogan típico da extrema-direita italiana sobretudo nos tensos anos 70 na região de Régio Calábria. Novamente, ira dos socialistas, judeus e homossexuais contra o goleiro titular da Itália, que de novo disse que foi um equívoco sem intenção, já que ele apenas achou a frase “forte”.

Sinceramente? Acho que Felipe Melo não vai levar adiante a idéia…

SÉRIE ESPECIAL DO ALMANAQUE ESPORTIVO SOBRE O FASCISMO NO FUTEBOL:

- Iugoslávia: Futebol e fascistas: uma relação antiga na Iugoslávia

- Inglaterra: Os ingleses e os grupos fascistas no futebol

- Itália: Ultras: uma tradição italiana de violência

Comentários (15)

  • GIMA COLORADO diz: 14 de julho de 2009

    MAS É SÓ VER O QUE FALTA PARA MUITOS JOGADORES, DA UM LIVRO PRA ELE APRENDER, TEM UNS QUE NÃO SABEM ESCREVER O PRÓPRIO NOME… IMAGINA SABER DE 88, NÃO SABEM NEM CANTAR O HINO DO PRÓPRIO PAÍS… UMA VERGONHA PRA QUEM GANHA TANTO DINHEIRO DEPOIS PAUSEIA TUDO E FICA SEM NADA… MENDIGANDO AJUDA, NUMA “M” GRANDE… ABRAÇO

  • marcelo diz: 15 de julho de 2009

    Quanta bobagem, o numero faz parte do uniforme e pode ser escolhido ate talvez 1000, pois ja vimos exemplos diferentes ate aqui no brasil, e se tal faccao elege um simbolo, o que isso tem a ver com futebol ou outro esporte, os numeros sempre tem versoes diferetes em culturas diferentes, sendo assim deveria ser banido o numero 13, e as camisas 7 e 9 seriam as mais disputadas, ja que alguns acreditam que esses trazem sorte, esta materia esta equivocada e levantando um fato inexistente…gafe???

  • alexandre diz: 14 de julho de 2009

    que besteira! usar uma suastica é uma coisa, usar um número sem qq conhecimento sobre nazi/fascismo é outra bem diferente. Daqui a pouco será proibido até usar bigode. Coitado do Chaplin nos dias de hoje!

  • CAMPEÃO DO MUNDO 83 diz: 14 de julho de 2009

    NOSSA, TBM ACHEI QUE ELE TINHA ESCOLHIDO A SUASTICA… DEIXA O 88 EM PAZ. HEHEHEHE DAQUI A POUCO SE ALGUEM ESCOLHER O 69 VAI SER CONSIDERADO O QUE?

  • Colorado_sb diz: 14 de julho de 2009

    Aqui no RS também temos exemplo de um clube que sua torcida em grande maioria de guris de apartamento cultua esses preconceitos e é sempre acobertado pela imprensa… não preciso dizer qual é…

  • Mauricio diz: 14 de julho de 2009

    Caro Alexandre, mais cuidado não provocaria dubiedade: não é o jogador que está fazendo apologia ao nazismo, o número 88 é “usado” para significar Heil Hitler, ou seja, “ele escolheu o número 88, que é usado para fazer apologia ao nazismo”. É muito difícil que Felipe Melo seja nazista, provavelmente nem possua conhecimento de toda essa questão: joga futebol na Itália, somente isso. Símbolos não podem ser incriminados (ganham valor com o uso, daí se difundem). Seus usuários conscientes sim.

    EDITADO: concordo, tanto que deixei claro: “Gafe, e das feias, do brasileiro… “, “certamente nem sabe”, etc…

  • Roberto diz: 15 de julho de 2009

    Vai uma diferença muito grande entre gostar do número 88 e fazer apologia ao nazismo. Isso está na tua cabeça,Perin. Olha a patrulha.

    EDITADO: vou patrulhar o nazismo sempre.

  • RAFAEL PEREIRA diz: 14 de julho de 2009

    CERTO Q O COITADO NUNCA IMAGINOU ISSO…

    MAL SABE O Q SIGNIFICA NAZISMO/FASCISMO!

  • anderson diz: 14 de julho de 2009

    é verdade, concordo com o iuri, ate pq nem gafe pode ser chamado, uma vez que o proprio felipe melo nao deve ter conhecimento disto. confesso até que eu não tinha. quando li a chamada pensei ser um simbolo como a suastica, agora o numero…

  • Iuri Fiedoruk diz: 14 de julho de 2009

    Puxa, quanta bobagem ficar relacionando uma coisa a outra. Acho 88 um número bonitos, e as pessoas não deveriam ficar vendo mais do que existe – porque claro que ele não teve intenções nazistas na escolha. Triste é o mundo em que não podemos gostar de algo porque simboliza um grupo. Dali a pouco vão proibir o 13 do PT ou o 12 dos apóstolos? Ou o 3 que simboliza a trindade?

    EDITADO: no mundo ideal, tudo é possível. Mas em um país no qual existem inúmeros casos de violência vinculados ao nazi-fascismo, é capaz de Felipe Melo sofrer ameaças por ser negro (ou quase negro) e usar o símbolo máximo da ideologia nazista. Lembra das punições para a Lazio por fascismo nas arquibancadas, para o Livorno e Internazionale por racismo e as agressões sofridas por Cafú e Paulo Sérgio na Roma.

    Mas respeito tua idéia, tanto que aprovei e comentei.

  • Isabela Vieira diz: 14 de julho de 2009

    Oi, Perin, mas que absurdo essa torcida desse time polonês hein? Os poloneses, como grupo nacional, foram os mais perseguidos pelos nazistas antes e durante a Segunda Guerra Mundial. 85% dos judeus poloneses foram exterminados nessa época. E aí vem uma torcida e faz isso? Meu Deus!

    EDITADO: existe uma grande quantidade de poloneses descendentes de alemães, e parte deles defendem isto. Mas evidentemente que é um absurdo…

  • Fabrício diz: 22 de julho de 2009

    Um dia vai chegar em que número nenhum poderá ser escolhido… Isso é uma bobagem. Eu, por exemplo, nasci em 88 e na camisa do time da faculdade coloquei esse número. Como dizia minha nona: “a maldade está nos olhos de quem vê”. Não acho que seja uma gafe e se fosse eu não trocaria.

    EDITADO: aconselhado pela diretoria, felipe melo jogará com a camisa de número 4.

  • Eric diz: 3 de novembro de 2010

    Bobagem sem tamanho. Se for assim, o número 14 seria sempre considerado uma referência às 14 palavras (do White Power), e o número 18 seria sempre referência às letras A e H, de Adolf Hitler. Isso é uma bobeira sem tamanho.

  • Maurício José Melo diz: 20 de junho de 2014

    E agora Perin,o que você tem a dizer sobre o clube racista da Azenha e o seu novo camisa 88?

  • alexandre_perin diz: 23 de junho de 2014

    acho que não tem a ver, o Giuliano nem deve saber…

Envie seu Comentário