Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de agosto 2009

Avaí supera dupla Gre-Nal em ocupação no estádio

18 de agosto de 2009 8

Torcida avaiana fazendo a festa na Ressacada/Ricardo Duarte, grupo RBS

O Avaí mostra sua força na Série A do Campeonato Brasileiro também nas arquibancadas, de acordo com pesquisa realizada pela equipe de Esportes do ClicRBS de Santa Catarina.

O time da Ilha é o vice-líder em ocupação dos estádios neste Brasileirão 2009. A média de público é de 9.500 torcedores por partida, mais da metade da capacidade total do estádio da Ressacada, em Florianópolis.

O Leão tem ocupado em média 61,49% do espaço total, percentual atrás somente do Náutico. Porém o time pernambucano tem 10.000 ingressos por jogo em uma promoção “paguei, quero nota”, do Governo de Pernambuco e os três grandes times do Estado, o que certamente influencia nesta média.

A dupla Gre-Nal, com estádios maiores mas torcidas também bem superiores, está bem atrás: o Grêmio é o 9º e o Inter amarga o 15º lugar. Confiram os dados completos neste excelente levantamento do ClicEsportes SC:

Avaí é vice-líder do turno do Brasileiro em taxa de ocupação de estádio

Piloto de Rali atropela cavalo e escapa ileso

18 de agosto de 2009 3

Piloto não viu cavalos e atropelou um animal em Rali na Argentina/Reprodução: You Tube

O piloto argentino Federico Villagra e seu co-piloto Diego Curletto escaparam de um acidente impressionante na 39º edição do Rali Argentino “Vuelta de la Manzana”, disputado na Patagônia. Ele simplesmente atropelou um cavalo que passou na frente de seu carro após uma curva na localidade de General Roca.

Em quinta marcha, o piloto vinha em alta velocidade nas planícies do sul da Argentina, quando os animais apareceram na pista.Villagra acertou um deles pelas patas, o cavalo acertou o párabrisa e voou para fora da estrada.

Apesar de perder meio minuto e com alguns estragos no parabrisa de seu Mitsubishi Lancer, os dois pilotos não sofreram nada e conseguiram completar a etapa. O animal não teve a mesma sorte: morreu instantaneamente. Vejam o vídeo (menos o pessoal do blog Bicharada):

Postado por Perin, que jamais veria ralis `in loco`

FC Start: o `jogo da morte` na Segunda Guerra

16 de agosto de 2009 9

Exatamente hoje, 16 de agosto de 2009, completam-se 67 anos do último jogo do F.C. Start na ocupada Ucrânia da Segunda Guerra Mundial. Esta equipe, formada por atletas de um memorável time do Dínamo de Kiev pré-guerra, venceu sucessivas equipes organizadas pelo exército nazista do III Reich.

Talvez um dos mais impressionantes capítulos de bravura do esporte mundial, ele fala de atletas que enfrentaram um poder político e militar superior defendendo ideais de toda uma nação contra o poderio do outrora poderoso III Reich.

De pessoas que não se intimidaram com ameaças de morte e jogaram até o fim. E que pagaram com a vida. Mas que levaram consigo a esperança de toda uma nação contra o opressor.

Este texto talvez tenha sido o mais difícil de escrever aqui no Almanaque Esportivo. Cruzei informações de diversas fontes diferentes, pedi até ajuda para traduzir textos em alemão. Existiam muitos erros em textos na internet, artigos contraditórios entre si ou com a história pouco aprofundada. 

Espero que gostem, acho que vale a pena ver:

FC Start: o time que desafiou o Nazismo

FC Start: o time que venceu o Nazismo

Créditos:
1 – FC Start (esq) vs. Flakelf (dir), 09 de agosto de 1942 – Museu da Guerra Ucraniano, Kiev, Ucrânia

2 – FC Start na única foto conhecida com todos os jogadores identificados, 1942 – autor desconhecido – Domínio Público Ucraniano

País de Gales tem dois times no Campeonato Inglês

13 de agosto de 2009 5

Pouca gente sabe, mas dois times do minúsculo e pouco tradicional País de Gales estão na Coca-Cola Championship, a Segunda Divisão da Inglaterra. E com chances de subir… Mas vamos começar toda esta história…

Em 1999 conheci pela internet um galês chamado Matthew Burgess, até citado pelo Matheus Reck no Blog Colorado do site GloboEsporte.com. Torcedor do Swansea City, então na quarta divisão, Matthew é famoso por ser um fã do Internacional e autor de um blog sobre o Inter em inglês, ele me fez gostar do time da cidade dele, o Swansea, que hoje já melhorou bastante como veremos abaixo..

Com isto, por motivos que só o futebol explica, eu passei a gostar do futebol de divisões inferiores de toda Grã-Bretanha. Lá, a chamada Pirâmide tem mais de uma dezena de divisões, sendo que as cinco primeiras são de atletas profissionais. Times da Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales podem disputar o Campeonato Inglês, mas tem que começar lá embaixo.

O Swansea de lá pra cá mudou de estádio e já subiu duas vezes, estando na Segunda Divisão ano passado e quase chegou aos play-offs. Este ano começou mal a segundona, perdendo fora de casa por 2×1 para o recém-promovido e tradicional Leicester City.

Já o arquirrival Cardiff City, mais forte financeiramente e já há alguns anos na Segunda Divisão, estreou o novo estádio Cardiff City Stadium com uma bela goleada de 4×0 sobre o Scunthorpe, também recém-promovido da Terceira Divisão.

Ou seja, estamos muito perto de termos um time de País de Gales disputando o Campeonato Inglês. Pode parecer surreral, mas é verdade.

Postado por Perin, com dados das terras britânicas…

Como Grêmio tenta driblar caos financeiro

13 de agosto de 2009 16

Irany Sant`Anna em entrevista à Grêmio Rádio, dirigente exemplar/site Grêmio.Net

Ontem, fazendo o longo trajeto diário de volta para casa em Cachoeirinha, estava escutando o “Show dos Esportes” com o Pedro Ernesto Denardin. No programa, o repórter Felipe Gamba entrevisou o vice de finanças do Grêmio, Irany Sant`Anna Jr., que deu um honesto panorama sobre o equilíbrio financeiro gremista, e as ações que estão sendo tomadas para resolver ou contornar os maiores problemas.

Como um profundo estudioso de finanças dos clubes de futebol do mundo, gostei de ouvir o dirigente gremista. Seguindo a linha do educadíssimo e competente Túlio Macedo, seu antecessor no mesmo cargo, Irany deixou claro a situação delicada do Tricolor Gaúcho mas abriu o jogo com relação as finanças e sobre os investimentos no futebol. Transparência é algo vital neste assunto, e o Grêmio conduz bem sua política financeira na gestão Duda Kroeff.

Disse que, por ser um clube de futebol, o time tem que investir em futebol para ter retorno em todas as áreas, aumentando as receitas ordinárias e também as eventuais, como venda de atletas valorizados. A eventual aquisição de Leandro será com recursos próprios do Grêmio.

Também falou que o tal investidor desistiu de gastar em Souza e o time teve que antecipar algumas receitas, fazendo o investimento integral na aquisição deste atleta. “Se não tivermos competitividade o futebol, não vamos conseguir pagar as dívidas”, deixou claro Irany, filho de um ex-presidente gremista homônimo que comandou o clube na década 80.

Outra frase importante foi de que o Grêmio está com uma folha salarial de futebol superior ao que havia sido orçado. O valor do ano passado que passou pouco mais de 2 milhões no final da temporada e estava orçado em 2.2 milhões para 2009,  está próximo a 3 milhões de reais mensais. Neste ponto eu acho que o Grêmio repete o mesmo erro do Internacional em 2007, sobretudo, com um time com sérias carências em alguns setores mas com salários elevados demais para o meu gosto e com justaposição de salários mal distribuídos sobretudo com reservas.

Com a chegada de Leandro e mais um ou outro reforço com salários expressivos de seis dígitos, deve superar esta marca de três milhões de reais mensais, deixando o Grêmio no mesmo patamar de Santos, Fluminense e Cruzeiro, atrás de São Paulo, Palmeiras, Internacional, Flamengo e Corinthians.

Disse ainda que será destinado um percentual maior do que o previsto no condomínio de credores proveniente da renovação de contrato do material esportivo com a PUMA(obrigado a todos, desculpem-me!). O Grêmio já atrasou muitos pagamentos em 2009 deste assunto e por isto já antecipou totalmente as receitas de TV da temporada 2009.

Lembro que o último presidente gremista Paulo Odone aceitou uma proposta menor da Puma mas que dava mais dinheiro à vista no contrato anterior, também devido à caótica situação financeira.

Na Série B, o ex-presidente gremista assumiu publicamente em um

Postado por Perin, com dados financeiros e saudando Irany

Substituto de Massa já chorou ao vivo na F-1

11 de agosto de 2009 0

Badoer chorando após abandonar/Reprodução ITV

O piloto que irá pilotar a Ferrari de Felipe Massa enquanto o brasileiro estiver afastado já protagonizou uma cena tocante há dez anos no GP da Europa de Nurburgring. O italiano Luca Badoer, de carreira obscura antes e durante sua passagem na Fórmula-1, fazia grande corrida em uma péssima Minardi.

Surpreendentemente, Badoer estava em quarto lugar. Era o apogeu de uma carreira marcada por dois oitavos lugares (que não davam pontos na época) em terríveis Scuderias Itálias, Minardis, Forti-Corse e novamente Minardi. E que naquela mesma temporada era piloto de testes oficial da Ferrari e não foi escolhido para substituir o acidentado Michael Schumacher, sendo preterido pelo finlandês Mika Salo.

Faltavam apenas treze voltas quando sua caixa de câmbio estragou. Desconsolado, Badoer caiu em prantos e chorou ao lado do carro, sendo consolado por um bandeirinha alemão.

Era o GP de número 46 de sua carreira. Ele correria mais dois antes de sair de um cockpit oficial e tornar-se piloto eterno de testes da Ferrari. Até hoje, Badoer é o piloto com mais GP`s sem pontos na história da Fórmula-1.

Este GP da Europa foi um dos mais sensacionais daquela temporada (para mim, só inferior ao da França). Logo na largada, Alexander Wurz acertou a Sauber do brasileiro Pedro Paulo Diniz, que capotou. O que seria um acidente em `baixa velocidade` quase se tornou uma tragédia pois o `santoantonio` simplesmente se despedaçou, algo totalmente inaceitável. Com reflexo, Diniz se encolheu todo no cockpit e nao se machucou, mesmo com o carro inteiro sobre a cabeça.

A corrida seguiu emocionante, com Heinz-Harald Frentzen, David Coulthard, Mika Hakkinen e Eddie Irvine disputando o título em uma pista alternando chuva forte e pista seca. Frentzen saiu na frente até a primeira chuva começar e parar, quando a Ferrari só levou três pneus secos para Irvine, que perdeu meio minuto nesta bobagem da equipe italiana (especialidade nestes últimos dois anos). Frentzen, que liderava, teve pane elétrica em sua Jordan e abandonou, praticamente dando adeus ao título.

O estabanado Coulthard liderava quando resolveu ficar de pneus secos na chuva. Resultado? O escocês rodou sozinho e também deu adeus ao título. Neste instante o líder era o alemão Ralf Schumacher, que não tinha vencido ainda na categoria, mas deu azar, teve um pneu furado e perdeu posições. 

Rubens Barrichello fazia boa prova e sempre estava entre os primeiros. O líder passou a ser Giancarlo Fisichella, que também não havia vencido ainda na F-1. Este cometeu o mesmo erro besta de Coulthard e rodou sozinho, jogando fora a sua primeira vitória. Bom para o inglês Johnny Herbert, que não cometeu erros ao longo da prova inteira, venceu a corrida em Nurburgring, seguido por Jarno Trulli e por Rubinho.

Além do abandono de Badoer, outro instante decisivo ocorreu na disputa pelo sexto lugar com o companheiro do italiano: o espanhol Marc Gené segurou um ponto precioso e deixou rvine em sétimo lugar, depois do norte-irlandês errar e perder duas posições (para Hakkinen e o próprio Gené).

Postado por Perin, direto do Túnel do Tempo

Time faz `cera` equivocada e cai na Série D

10 de agosto de 2009 7

Um erro inacreditável de um time inteiro ocorreu na última rodada da primeira fase da Série D neste domingo. No grupo A4, o tradicionalíssimo Santa Cruz foi eliminado ainda na primeira fase da Série D ao empatar em 2×2 com o C.S.A. no estádio do Arruda, para desespero de 30 mil torcedores em Recife.


Com estes resultados, o outrora poderoso Tricolor pernambucano terminou em quarto lugar (5 pontos) atrás do líder e já classificado Central de Caruaru-PE (12 pontos), Sergipe-SE (7 pontos) e do próprio C.S.A.-AL (7 pontos).

Para se classificar, o Santa Cruz precisava vencer e torcer por uma derrota do Sergipe, em casa, para o já classificado Central. Os jogos começaram e o Santa Cruz fez 1×0, mesmo placar do Central sobre o Sergipe. Nervoso em campo, cedeu o empate antes do intervalo, enquanto em Aracajú o Sergipe empatou em 1×1. Ainda no primeiro tempo, o Santa Cruz voltou a ficar na frente: 2×1.

Com estes resultados, o Sergipe se classificava no intervalo. Com pouca luz, o jogo em Recife parou e atrasou em 13 minutos no início do segundo tempo. Então, na metade do segundo tempo, o C.S.A. empatou em 2×2, resultado que eliminava os dois times. No Batistão em Aracajú, o Central fez mais um e o resultado ainda assim classificava o Sergipe.

Então, o bizarro ocorreu: ao invés de se atirarem para o ataque (precisavam vencer para levar a vaga), o time do C.S.A. equivocadamente achava que se classificava com o empate.

Começou a fazer uma cera absurda no Arrudão, para espanto de todos. O C.S.A. ficou `amorcegando o jogo` enquanto o Santa Cruz se desesperava tentando marcar o gol da vitória.

Após o término da partida, os jogadores do C.S.A. (que achavam que um empate classificava), saíram correndo felizes e comemoraram efusivamente. Até serem informados de que o resultado tinha tirado o time da competição. “Se soubéssemos que o empate nos eliminava, nós tinhamos nos atirado para o ataque“, disse um jogador logo após o jogo.

A culpa disto foi da comissão técnica e da diretoria do time alagoano, que apontou o saldo de gols como primeiro critério de desempate, quando o correto é número de vitórias (o Sergipe tinha uma a mais que o C.S.A.).

Como disse o amigo Rafael: “Santa Cruz tem uma cabeça de cavalo enterrada no Arruda. Não é possível: tem que jogar contra um time retrancado precisando fazer gol, e o adversário só tá na retranca por um erro grosseiro de leitura do regulamento!”

Minha opinião: isto é explicado por Charles Darwin, autor da “Teoria das Espécies”.

Isto se chama “seleção natural”…

Tcheco e Autuori não falam a mesma língua

10 de agosto de 2009 66

Paulo Autuori e o capitão Tcheco: eles não conseguem se entender. /Mauro Vieira, RBS

Agora ficou escancarado: existe uma divergência de pensamentos entre o capitão gremista Tcheco e o treinador Paulo Autuori. Eles podem negar, a diretoria pode rechaçar, mas está muito claro pelas declarações das últimas semanas.

Ontem de novo: “Temos de marcar mais, não digo na defesa, mas no ataque”, declarou Tcheco após a derrota de 1×0 para o Grêmio Barueri fora de casa.

A afirmação de Tcheco foi negada por Autuori, que disse que “faltou bola“, mesma linha de pensamento de Souza. Isto poderia ser visto simplesmente como uma discordância na leitura de uma partida, porém se soma a uma série de declarações desencontradas entre os dois e de Tcheco contra algum jogador.

Na derrota contra o Avaí, Tcheco falou na mesma linha. Já semana retrasada disse que “Quando perde, o culpado é o Tcheco e quando ganha é o `bonitinho` da torcida”. Semana passada, o vice de futebol Luís Onofre Meira deixou claro que o Grêmio está buscando mais um meia. Como Souza recentemente foi contratado em definitivo e seu futebol não tem contestações, só pode ser como opção para Tcheco.

Tenho parentes e amigos bem informados no Tricolor e sei que o Tcheco sempre teve `livre passagem` entre os dirigentes. Talvez isto tenha sido reduzido agora, e o capitão não tenha se adaptado à esta nova realidade.

Desde sua primeira passagem em 2006, passando pelo ano passado e este ano, ele conviveu com três treinadores no Olímpíco: Mano Menezes, Celso Roth e Paulo Autuori. Com Paulo Pelaipe e André Krieger comandando o futebol do Grêmio, sempre teve a braçadeira de capitão e muita influência no elenco de jogadores, além de dentro de campo mostrar ser um dos principais jogadores.

Com o passar da idade, e a eterna crítica de grande parte da torcida sobre seu `sumiço` nos jogos importantes, esta importância fora de campo começou a diminuir. O pior é que na minha opinião, ele tem razão: o time do Grêmio marca a distância, sem chegada e com pouca intensidade. Ou sem “pegada“, palavra que Autuori detesta.

Agora Souza, fã confesso de Paulo Autuori, entrou em atrito forte com Tcheco. Há instantes, declarou sem maiores rodeios: “– Não sou de ficar falando de A ou B, essa não é minha índole“. Depois, perguntado se a polêmica de Tcheco, que disse faltar pegada, estaria prejudicando o elenco, ele foi definitivo: “-Se não estivesse eu não estaria aqui dando entrevista a vocês“.

Como disse na chegada do técnico gremista, sua vinda para o Olímpico seria uma `quebra de paradigmas` no estilo de jogo. Um time mais leve, ofensivo e menos aguerrido.

Resta saber se também será o fim da “Era Tcheco” como capitão e titular indiscutível do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense.

Para vocês, quem tem razão?

Tcheco ou Autuori? Opinem!

P.S. Eu acho que Tcheco tem razão, mas que ele não tem mais futebol para ser titular do Grêmio

Postado por Perin, opinando…

Como visitante, só Vasco foi pior que Grêmio 2009

10 de agosto de 2009 10

Com a derrota de 1×0 para o Barueri neste domingo, o Grêmio terminou o primeiro turno sem vitórias fora de casa. Foram dois empates e sete derrotas, pífios 7,41% de aproveitamento. Apenas Sport e Fluminense não venceram no primeiro turno, mas ainda tem jogos como visitante para disputar e o aproveitamento deles não tem como ser inferior ao Tricolor.

Nem no ano do rebaixamento em 2004 a campanha como visitante foi tão ruim: 2 vitórias e 3 empates no primeiro turno (no segundo foram 9 derrotas seguidas, precedidas de um empate e outra derrota na primeira rodada). O único time que teve aproveitamento inferior ao do Grêmio foi o Vasco da Gama, que fez 2 empates e 8 derrotas na temporada passada. Evidentemente, terminou o Brasileirão rebaixado e hoje disputa a Série B.

Se fora de casa é um horror, como mandante o Grêmio é o melhor disparado: 7 vitórias e 2 empates. Isto é o único consolo gremista, e responsável por deixar o time tão longe da zona de rebaixamento. Todos os times citados abaixo ou foram rebaixados, ou passaram sufoco até o final da respectiva temporada.

ANO – TIME – CAMPANHA – PERCENTUAL DE APROVEITAMENTO COMO VISITANTE
2009 – Grêmio – 2 empates e 7 derrotas – 7,41%
2008 – Vasco da Gama – 2 empates e 8 derrotas – 6,67%
2007 – Juventude – 1 vitória e 7 derrotas – 12,5%
2006 – Juventude – 1 vitória, 1 empate e 7 derrotas – 14,8%
2005 – Paysandú – 3 empates e 7 derrotas – 10%
2004 – Vitória – 1 vitória, 2 empates e 9 derrotas – 13,8%
2003 – Grêmio e Bahia – 3 empates e 8 derrotas – 9,09%

Postado por Perin, com dados do I.P.E.

Legendário Bobby Robson segue recebendo tributos

09 de agosto de 2009 0

Bobby Robson com Ronaldo no Barcelona em 1997/Arquivo AP

A morte do ex-jogador e treinador inglês Bobby Robson ainda é motivo de homenagens por todo o futebol inglês. Todos os times das cinco divisões profissionais de futebol da Inglaterra farão um minuto de aplausos em respeito ao multicampeão treinador, vítima de uma longa luta contra o câncer.

Ontem e hoje os times da Segunda Divisão fizeram suas homenagens, e na próxima semana será a vez dos grandes times da Primeira Divisão, que inclusive irão mostrar lances e imagens da carreira do venerável treinador inglês, enterrado na última sexta-feira.

“`Sir` Bobby Robson trouxe tanto ao esporte ao longo de sua longa e vitoriosa carreira. Ter na mente que todos os fãs do futebol no país vão ter a oportunidade de celebrar sua vida, e sua enorme contribuição ao futebol, com um um minuto de aplausos antes de cada jogo da abertura do Campeonato Inglês 2009/10″, declarou `Sir` Dave Richards, presidente da Premier League

O legendário treinador, falecido aos 76 anos, foi um jogador comum, de boa qualidade, em sua carreira pelos modestos Fulham, West Brommich Albion e Vancouver (Canadá). Porém como treinador, Bobby Robson se tornou uma lenda. Depois de iniciar no Fulham, Robson treinou o Ipswich Town por incríveis 13 anos. E, mais incrível, conquistou a Copa da Inglaterra em 1978 e a Copa da UEFA em 1981, além de duas vezes ser vice-campeão inglês com um modestíssimo time.

Para completar, Bobby Robson contratou apenas quatorze atletas em todo este período, com todo o sucesso do time baseado em jogadores lançados por ele das categorias de base. Evidentemente, existe uma estátua em tamanho natural na entrada de Portman Road, sede do Ipswich, em homenagem ao seu maior treinador.

Em 1982, assumiu a Seleção Inglesa e foi mal, sendo eliminado da Euro`84. Se recuperou com uma campanha brilhante nas Eliminatórias para o Mundial de 1986. No México, só foi eliminado pela futura campeã Argentina no histórico 2×1 do Azteca, quando Maradona fez um gol com a mão e outro driblando meio time inglês. Mal de novo na Eurocopa 1988, Robson ainda assim continuou no cargo e foi para o Mundial de 1990, na Itália. Liderando um timaço que tinha astros como Paul Gascoigne, Gary Lineker e John Barnes, a Inglaterra superou a sensação Camarões no melhor jogo da Copa. E só caiu nos pênaltis contra a nêmesis Alemanha, nas semifinais.

De volta ao futebol de clubes, Robson conquistou títulos no PSV, foi injustamente demitido no Sporting Lisboa. De castigo, empilhou títulos no rival Porto em meados dos anos 90, sempre acessorado por um iniciante José Mourinho…. De tal maneira que foi chamado pelo Barcelona, aonde conquistou títulos e ainda contratou um tal Ronaldinho, do PSV.

De volta à Inglaterra, treinou o Newcastle de 1999 até 2004, seu último trabalho como treinador. Mesmo sem conquistas expressivas, Robson lutou por melhores condições de treinamento, categorias de base, algo totalmente ignorado pelo dono Frank Sheperd.

Virou rapidamente um ídolo dos torcedores. De tal maneira que, em dezembro do ano passado, recebeu `passe livre` na cidade de Newcastle-upon-Tyne, a maior homenagem que a cidade poderia dar ao treinador. Também recebeu diversos títulos nos últimos anos pela eterna luta em prol do futebol bem jogado, do fair-play e dos jovens talentos. Vale a pena ver este tributo para o lendário técnico, mentor de tantos craques do futebol mundial: