Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 3 dezembro 2009

Inter-B no Gauchão 2010? Como não repetir 2007, final

03 de dezembro de 2009 7

Ontem resgatei o fracasso do Inter-B no Gauchão 2007. Campeão mundial, o Colorado sequer passou da primeira fase devido a um péssimo planejamento, erros de avaliação, projeto, pacote completo. Tudo que tinha direito. Hoje analisaremos os pontos errados e o que pode/deve ser feito para não repetir os equívocos. 

Curiosamente, um jogador de 2007 ainda está no Inter-B: o capitão Josimar, que depois de vários empréstimos, hoje parece maduro. Talvez ele e o meia-atacante Ytalo, grande destaque do time na temporada 2009, possam subir para o grupo principal ao longo da próxima temporada, assim como o atacante Léo, que sofreu com muitas lesões neste ano.

Para não repetir isto neste ano, o Inter terá que mudar várias questões e todas me parecem bem encaminhadas:

1°) Definição de estratégia. O projeto atual é bem claro, com jovens atletas com potencial, custo baixo e que podem ser aproveitados no elenco principal. No passado o Inter-B era formado por uma maioria absoluta de reservas afastados, jogadores sem ritmo ou juniores com idade estourada. Várias promessas como Ytalo, Wágner Silva, Léo, Leandro Damião, Lima, etc…

2°) Retorno antecipado das férias. O Inter B volta em 11 dias para fazer uma longa pré-temporada para iniciar o Gauchão . Pode parecer óbvio, mas inacreditavelmente em 2007 o Inter NÃO fez isto. A pré-temporada dos reservas foi tão curta quanto as dos titulares (e eles NÃO foram pro Japão disputar o Mundial) e o resultado foi o já citado

3°) O treinador. Osmar Loss tem longa experiência com gurizada e consegue transmitir serenidade, além de ótimo conhecimento tático. Lisca é muito instável e isto atrapalha em um projeto de médio prazo. 

4º) Esquema tático. Lisca ainda mexeu demais no time. Jogou com 3 zagueiros, 3 volantes e 1 meia fora de casa contra o Santa Cruz. Mudou esquema de jogo e escalação diversas vezes em poucos jogos, uma gororoba tática total. Nem um pseudo-entrosamento seria possível.   Em 2009, Osmar Loss jogou no 4-4-2 durante quase todo o ano e deve manter esta formação.

5°) Escalar titulares fora do planejado. O Inter, em hipótese alguma, pode mudar os planos em virtude de maus resultados do Inter-B. Os titulares tem que estrear na data prevista, jogar os jogos previstos para ganhar ritmo de jogo. Nada de cometer o erro de 2007, quando o time titular inteiro foi chamado às pressas para jogos complicados e desgaste desnecessário. Por exemplo, jogou contra o Novo Hamburgo fora de casa, virando nos acréscimos em um jogo com 40°C de temperatura. Três dias depois, levava 3×0 do Vélez Sarsfield em Buenos Aires.

6°) Não pecar pelo excesso. Contraditoriamente ao ponto anterior, o time titular do Inter não pode passar de uma semana sem jogar entre as partidas da Libertadores. Este foi um erro grosseiro do Grêmio em 2009, que jogou contra o São Luiz numa segunda em casa com os titulares e aí levou 4×0 do Caxias com os reservas na quinta, custando um Gre-Nal logo na 2° fase e posterior eliminação na Taça Fábio Koff. O jogo pela Libertadores era só na metade da semana seguinte. 

Se seguir esta linha, acredito que a utilização do Inter-B (que jogará inclusive o 1º Gre-Nal do ano) será um sucesso. Em caso contrário, o atual bicampeão estadual terá sérios problemas na competição que se inicia em janeiro e vai até maio.

Caso Juventude - FIFA diz que não pode trocar 2x de país

03 de dezembro de 2009 11

Confesso ter ficado surpreso com a decisão da FIFA de punir o Guarani pela utilização do jogador Bruno Cazarine após duas transferências internacionais no mesmo ano, o que por tabela beneficiaria o gaúcho Juventude.

Esta irregularidade tira 30 pontos (6 por cada um dos cinco jogos que o Bugre utilizou o atleta), beneficiaria a Portuguesa, que subiria para a Série A. Além disto, o Guaran seria rebaixado para a Série C, salvando o Juventude, primeiro dos rebaixados para a Terceira Divisão.

No início achava errado e escrevi um post nesta linha. Porém com uma informação adicional, já acredito que a Lusa tem sim razão. Escrevi lá embaixo sobre isto.

Esperança remota para o Juventude no tapetão

Guarani pode perder de 18 a 30 pontos na Série B

Agora, a Fifa entrou na história. Após a Portuguesa denunciar a suposta escalação irregular do atacante Bruno Cazarine, do Guarani, a entidade máxima do futebol mandou um comunicado para a CBF pedindo punição para o clube campineiro. O jogador atuou por três equipes em 2009 (Gyeongnam-Coreia, Chapecoense e Guarani), algo que é proibido pela Fifa.

O motivo da minha discordância está na própria regulamentação da FIFA sobre as transferências. A regra citada pelo Guarani, no MEU ENTENDIMENTO, só vale para duas transferências internacionais e não se aplica a este caso. Porém como o jogador estava no Brasil, foi para a Ásia e voltou, configuraria duas transferências internacionais SIM e ele estaria irregular

Este documento dá mais informações sobre o documento original (são comentários sobre cada artigo). No comentário do artigo 1.2 fica bem claro que as regras nacionais são de responsabilidade da CBF.

Justamente nos comentários do artigo 5.1 que fica a minha discordância. Olhem na página 9, artigo 1.2, letra B):

Regras da FIFA

Está bem claro, na parte em amarelo, que se as transferências internas estão OK, então não temos problemas. Ao menos entendi assim inicialmente, porém como o movimento foi: Brasil-Exterior-Brasil, configura-se aí a irregularidade.

EXEMPLOS:

O meia Diego, da Juventus-ITA não pode ser emprestado para o Palmeiras antes de agosto de 2010. Motivo?  Saiu do Werder Bremen-ALE e foi para a equipe italiana na atual temporada. Porém pode ser normalmente negociado para a Atalanta-ITA, no mesmo país.

Outra coisa que pode normalmente é emprestar um jogador logo após a compra. Exemplo: Henrique, do Barcelona-ESP, que nem jogou pelo Barça após ser comprado pelo Palmeiras e foi imediatamente emprestado para o Bayer Leverkusen-ALE. Reparem que ele em janeiro estava no Coritiba, em fevereiro no Palmeiras, foi comprado pelo Barça e repassado ao Bayer. Sem problema nenhum.

O caso do Bruno Cazarine é a mesma coisa: ele estava na Coréia foi para a Chapecoense e depois para o Guarani. Saiu de um time no exterior e depois circulou em dois times no Brasil.

OBS: O Jorge Oliveira do ClicSC me informou que o Bruno jogava na Chapecoense, depois foi para a Coréia e na metade do ano voltou ao Guarani. Isto pode mudar significativamente o entendimento, pois ele teria feito dois movimentos internacionais e aí sim não pode.

Ainda acho que o Guarani reverte a punição. Já não sei… Com a nova info, tenho dúvidas e acho que o Juventude pode escapar.

Porém fica claro que se for punido, perderá os 30 pontos. Para a FIFA não faz diferença se o jogador entrou em campo ou só ficou no banco: já pertence ao jogo como elemento da partida.

Acho agora que o Juventude pode sim escapar. O Guarani tá frito.