Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

GP da Itália de 1971: a chegada mais apertada da F-1 em todos os tempos

16 de dezembro de 2009 3

GP da Itália de 1971: Esta é, até tecnicamente falando, a vitória mais apertada da Fórmula-1. Apenas 0,010s separaram o vencedor Peter Gethin, do segundo colocado Ronnie Peterson. Mais incrível: apenas 0,61s separaram o vencedor do QUINTO colocado, Howden Ganley. Entre eles: François Cevért e Mike Hailwood. Foi também a corrida mais rápida da história da categoria, com média de 241,61 km/h, até o GP da Itália de 2003, vencido por Michael Schumacher com média de 247,58 km/h.

A corrida foi emocionante do início ao fim, pois Jackie Stewart, Clay Regazzoni e ainda Jacky Ickx também disputaram a liderança antes de abandonarem, assim como Chris Amon (o sexto colocado), que teve problemas com a viseira e superaquecimento do motor.

Faltando duas voltas, o líder era Peterson, enquanto Gethin era o quarto. Depois, Cevért saiu na frente da penúltima volta, e Gethin já estava em terceiro, separado por Peterson. Ao final daquele giro, as mudanças finais que determinaram o resultado da prova (reparem que Gethin vira líder na Parabólica, a última curva!).  Vejam um fantástico vídeo com imagens da prova, incluindo a lendária chegada:

VEJA TAMBÉM:

Chegadas sensacionais: GP da Áustria de 1982 e triunfo italiano

Chegadas Sensacionais: GP da Espanha de 1986 e vitória de Senna por 75cm

Comentários (3)

  • Flavio Jose diz: 17 de dezembro de 2009

    Sem palavras, o grupo dos 5 colados nas últimas voltas. É muito braço para brigarem assim sem acidentes. De tirar o fôlego ! Essa pista de Monza é demais também ! Espero que a FIA não extermine esta que é a última pista veloz de verdade da F1.

  • Gabriel diz: 17 de dezembro de 2009

    Atenção: 241 de média com aqueles carros de 1971, não com esses carros de hoje, que são praticamente robôs, que fazem tudo automaticamente (só não escolhem a direção a dar). Os pilotos daquele tempo tinham mesmo habilidades extraordinárias. Acho graça quando ouço dizer que este ou aquele piloto de hoje é “o melhor de todos os tempos”. Tínhamos de dar a ele um carro de 1971 e fazê-lo competir contra Stewart, Clark, Cevert, Peterson, Fittipaldi, Lauda, Reutemann… (Senna, Prost e Piquet também são deste time). Mas, infelizmente, são tempos que não voltarão jamais…

  • Dalton da Silva Dias diz: 17 de junho de 2010

    Como o Chris Amon (que era o pole) largou mal ! Será que ele era o Rubinho daquela época ?

    EDITADO: eu acho eles iguais, hehehehe

Envie seu Comentário