Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 18 maio 2010

Seleção Brasileira: Na trajetória do penta, sempre havia um jogador de Palmeiras e São Paulo

18 de maio de 2010 1

Se a Seleção Brasileira quer conquistar o hexacampeonato mundial, terá que superar uma escrita curiosa. Até hoje, em todas as cinco conquistas anteriores, o Brasil teve um jogador do São Paulo e do Palmeiras no elenco do Mundial. Curiosamente, quase sempre como reservas.

A curiosa estatística começou em 1958, com Dino Sani, De Sordi e Mauro, os dois primeiros titulares que perderam a posição e o último reserva. Em 1962, no Chile, Bellini e Jurandir, todos reservas. Em 1970, Gérson era titular absoluto do time.

No tetracampeonato, cujo capitão era justamente o atual treinador Dunga, haviam três tricolores paulistas, todos reservas: Zetti, Cafú e Muller. Mas Cafú jogou a final substituindo o lesionado Jorginho (auxiliar-técnico de Dunga hoje). Em 2002 também era um trio e igualmente de reservas: Rogério Ceni, Belletti e Kaká.

Com o Palmeiras, a mesma coisa: em 1958 o reserva Mazzola, enquanto no Chile tinhamos os titulares Djalma Santos e Vavá, mais o reserva Zequinha. Em 1970, o zagueiro reserva Baldocchi e o jovem goleiro Leão estava no banco do tricampeonato no México. Já em 1994 Zinho e Mazinho eram titulares na última partida. Finalizando, em 2002 o campeão mundial Marcos era o titular absoluto e destaque do Brasil no título do Penta.

O Botafogo é o time brasileiro com o maior número de atletas convocados para Copas do Mundo: 46 jogadores. Porém não havia nenhum botafoguense em 1994 e tampouco em 2002.

Os números da dupla Gre-Nal são pobres: o Internacional tem oito convocados (o último foi Taffarel em 1990 e antes dele Mauro Galvão em 1986).

Já o Grêmio teve sete convocados (os últimos foram Polga e Luizão em 2002). Porém o Grêmio foi o único gaúcho com campeão mundial jogando pelo clube como titular: Everaldo, em 1970 e igualmente no México. Além dele, os mesmos Polga e Luizão jogaram em 2002, mas eram reservas.

Vejam os números completos:

  1. Botafogo – 46
  2. São Paulo – 42
  3. Flamengo – 33
  4. Vasco – 32
  5. Fluminense – 30
  6. Palmeiras e Santos – 24
  7. Corinthians – 23
  8. Cruzeiro – 11
  9. Atlético-MG – 10
  10. Internacional – 8
  11. Grêmio – 7
  12. Portuguesa – 6
  13. Ponte Preta e São Cristóvão – 5
  14. Bangu – 4
  15. América – 3
  16. Americano (RJ), Atlético-PR, Goytacaz (RJ), Guarani, Portuguesa Santista e Ypiranga (Niterói-RJ) – 1

"Bebeto, o Canhão da Serra" - Lançada biografia sobre o ídolo do futebol gaúcho

18 de maio de 2010 3

O artilheiro Bebeto, que marcou época jogando no interior do Rio Grande do Sul nos anos 60 e 70, está sendo homenageado por uma biografia. Intitulada “Bebeto, o canhão da Serra”, a obra foi escrita pelo jornalista Lucas Scherer (email de contato: lucasscherer@yahoo.com) e terá lançamento hoje, às 19h30min na livraria Nobel no Bella Città Shopping Center em Passo Fundo.

Bebeto - Canhão da Serra - biografia escrita por Lucas Scherer - Divulgação

Bebeto ficou marcado na história do futebol gaúcho como um dos mais eficientes artilheiros do interior. Nos últimos anos vimos centenas de gols de Alê Menezes, Sandro Sotilli, Paulo Gaúcho e Badico, mas quem conheceu e viu Bebeto jogando diz que era um atleta de nível superior. Por algum motivo, talvez até timidez, não conseguiu aproveitar as oportunidades na dupla Gre-Nal.

Depois de levar 3 gols dele em um treino, o legendário goleiro colorado Manga declarou: “Acho que esse cara comeu sabiá. Ele chuta a bola de qualquer jeito e quando a gente vê está lá dentro do gol.”

Falecido em 2003, Bebeto era famoso pela precisão e força de seus chutes. Em 1978, já em final de carreira, conseguiu impressionar o Flamengo de Zico & Cia ao marcar um golaço em pleno Maracanã, no jogo Flamengo 1×1 Caxias pelo Campeonato Brasileiro.

A foto abaixo tem outra personalidade conhecida do futebol brasileiro, em um time do Caxias de 1977. O bigodudo alto, quinto em pé. Fácil né? Felipão, claro!

Bebeto no Caxias de 1977 (terceiro agachado). O quarto em pé é um tal Luiz Felipe Scolari - Reprodução site www.terceirotempo.ig.com.br

Um resumo sobre o livro a ser divulgado hoje:

“Finalmente, um dos principais artilheiros de clubes do Brasil tem sua história contada. Bebeto, o grande goleador do Gaúcho, Caxias, Grêmio e Internacional ficou conhecido como “O Canhão da Serra”, pela força de seus chutes. Ídolo dentro e fora dos gramados, o jogador levou o nome de Passo Fundo a todos os cantos do país.

Em 19 anos de carreira como atleta profissional, marcou 395 gols por 11 clubes. Foi duas vezes artilheiro do Campeonato Gaúcho e deixou um exemplo de esportividade.

O livro “Bebeto, O Canhão da Serra” traz todos os números, curiosidades, uma lista de 20 jogos que marcaram a carreira de Bebeto, fotos e as fichas técnicas de todas as partidas que o jogador disputou pelo Campeonato Brasileiro.”

SELEÇÃO BRASILEIRA: São Paulo lidera ranking de convocações

18 de maio de 2010 35

O São Paulo Futebol Clube é o time brasileiro com o maior número de atletas convocados e efetivamente para jogos da Seleção Brasileira. O time do Morumbi tem 932 escalações de atletas para jogos oficiais do Brasil. Ele é seguido, de longe, pelo Flamengo com 840 convocados. O Botafogo é o terceiro com 805, o Corinthians o quarto com 747 e o Santos em quinto com 742.

Brasil pentacampeão em 2002: três jogadores do São Paulo - Reprodução ZH

Curiosamente, para o Mundial de 2010 não temos nenhum são-paulino convocado. Se o Brasil for hexacampeão, será a primeira vez que não terá no elenco nenhum jogador do Morumbi.

O Internacional ocupa apenas o 11° lugar com 296 e o Grêmio vem logo abaixo, com 266 escalações. Interessante o fato da Roma ser o 1° time estrangeiro, já que o clube italiano aposta nos brasileiros desde os tempos de Falcão. Inclusive teve três convocados para o Mundial, dois deles RESERVAS da própria Roma (Doni e Júlio Baptista), enquanto Juan é titular absoluto.

Vejam o ranking com os 20 primeiros (levantamento feito pelo internauta ‘assimquetabom‘):

1. São Paulo – 932 participações

2. Flamengo – 840

3. Botafogo – 805

4. Corinthians – 747

5. Santos – 742

6. Palmeiras – 730

7. Vasco – 700

8. Fluminense – 544

9. Cruzeiro – 389

10. Atlético-MG – 376

11. Internacional – 296

12. Grêmio – 266

13. Roma – 244

14. Real Madrid – 226

15. Milan – 211

16. Internazionale – 183

17. Barcelona – 178

Portuguesa – 178

19. Bayer Leverkusen – 174

20. Bayern München – 129

Veja também em participações de atletas em jogos oficiais e não-oficiais

1. Botafogo – 1.078 participações

2. São Paulo – 1009

3. Flamengo – 945

4. Corinthians – 877

5. Santos – 867

6. Palmeiras – 833

7. Vasco – 825

8. Fluminense – 675

9. Cruzeiro – 446

10. Atlético-MG – 425

11. Internacional – 335

12. Grêmio – 291

13. Roma – 253

14. Real Madrid – 238

15. Milan – 222

16. Portuguesa – 194

17. Internazionale – 190

18. Barcelona – 187

19. Bayer Leverkusen – 182

20. Bayern Munique – 134