Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de maio 2010

Acidente espetacular no final das 500 milhas de Indianápolis; Franchitti vence!

30 de maio de 2010 1

O escocês Dario Franchitti venceu as 500 milhas de Indianápolis neste domingo, em corrida marcada por uma violentíssima batida na penúltima volta. Quando todos os pilotos economizavam combustível de maneira bastante clara, o britânico Mike Conway resolveu tudo ao arrumar uma bandeira amarela no finalzinho da prova.Mike Conway sofre grave acidente nas 500 Milhas de Indianópolis -  Reprodução: http://motorsports.fanhouse.com/

Ele tocou no carro de Ryan Hunter-Ray e decolou, acertando direto a tela de proteção. Ele sentiu dores na perna e teve uma concussão, algo quase irrisório tendo em vista a gravidade do acidente. Vejam a cena:

Dois espectadores foram atingidos pelos destroços de Conway, mas sem gravidade. Um acidente muito parecido com o de Kenny Brack há alguns anos no Texas.

Com a batida, Franchitti manteve sua posição e venceu sua segunda 500 milhas, seguido por Dan Wheldon e Alex Lloyd.O brasileiro Hélio CastroNeves, tricampeão da prova, terminou em 9° seguido pelo também brazuca Tony Kanaan em 11°.

Bruno Junqueira, Vitor Meira e Raphael Matos bateram, enquanto Bia Figueiredo (a primeira brasileira na prova), rodou para desviar dos destroços do último acidente.

COPA 2010: Italianos baseiam-se nas coincidências para repetir 1982

28 de maio de 2010 0

Os Italianos apostam mais nas curiosidades do que no (mau) futebol recente apresentado por sua seleção. Isto porque o calendário gregoriano repete sua configuração a cada 28 anos. Ou seja, em 2010 temos a mesma configuração de dias de 1982, ano que a Itália foi tricampeã mundial. Mais curioso ainda: a final da Copa do Mundo está marcada para o mesmo dia, 11 de julho.

Lembrando disto, uma empresa italiana está ‘reciclando’ calendários, com um carimbo de data e vendendo na Itália para os colecionadores. Calendário 1982 recauchutadoVejam a reprodução ao lado com os dizeres “Happy Old Year” (“Feliz Ano Velho”, em inglês)

Naquela ocasião, a Itália bateu a Alemanha Ocidental com facilidades por 3×1, viu o veteraníssimo capitão Dino Zoff levantar a taça de campeã mundial pela terceira vez no estádio Santiago Bernabéu, em Madrid. Depois da histórica vitória sobre o Brasil no Sarriá, em Barcelona por 3×2, os italianos chegaram empolgados e com extrema força na decisão.

Brincadeiras à parte, a Itália não tem sido bem cotada nas casas de apostas do Mundial. Atual campeã, a equipe de Marcello Lippi vai com um time antigo, repleto de jogadores em decadência técnica e física, e pouco capaz de repetir os momentos de brilho de 2006. Os principais jogadores ofensivos do time, os veteranos Francesco Totti e Alessandro del Piero, estão fora da Copa do Mundo da África do Sul.

Para relembrar os bons momentos, o compacto da final de 1982, apitada pelo árbitro brasileiro Arnaldo César Coelho:

OPINIÃO: As janelas de transferência no Brasil deveriam ser invertidas

24 de maio de 2010 4

Estou, a partir de agora, defendendo a tese que a Janela de Transferências para a Europa deve ser INVERTIDA. Hoje temos o período longo entre janeiro e março, e o período curto em agosto. Minha idéia é que a janela longa deveria ocorrer entre junho e agosto e a curta em janeiro, e vou apresentar minhas argumentações logo abaixo.

Li em uma matéria que o Clube dos 13 quer antecipar a abertura da janela de transferências de agosto para julho. Os motivos até são válidos (reforços trazidos da Europa Ocidental não podem jogar e os clubes sofrem um prejuízo financeiro e técnico. 

Porém ao analisarmos o documento que regula transferências internacionais da FIFA, artigo 6.1 e 6.2, fica bem claro que uma janela não pode exceder 12 semanas e a outra 4 semanas. Então, sem nenhum “jeitinho brasileiro”, é impossível que isto seja liberado.

Entretanto para resolver isto, basta mudar o período. O longo passaria a ser entre junho e agosto e o curto em janeiro. Quais seriam as vantagens:

  • Jogadores contratados no exterior nos grandes centros logo após as temporadas européias (que terminam em maio) poderiam jogar antes.
  • Não perderiam o ritmo de jogo por ficarem parados entre junho e 1° de agosto
  • Clubes não pagariam salários para jogadores sem poder atuar.
  • Clubes brasileiros ficariam mais fortes na janela mais “perigosa”, na qual os europeus investem mais porém pagam melhores valores para jogadores brasileiros, dando a chance de reforçar os times
  • Janela longa durante o Brasileiro ao invés da fase de estaduais e pouco atrativas da Copa do Brasil.

E quais seriam as desvantagens:

  • Jogadores contratados de países do Leste Europeu, Oriente Médio e Ásia só poderiam chegar até 31 de janeiro, contra final de março como ocorre hoje.
  • Clubes na Libertadores também só poderiam trazer atletas do exterior até 31 de janeiro.

E vocês, o que acham? Tem outras alternativas?

VEJA TUDO QUE SAIU NO ALMANAQUE SOBRE JANELA DE TRANSFERÊNCIAS:

O jogo mais valioso do planeta! Time de Sir Stanley Matthews volta após 39 anos

22 de maio de 2010 3

Hoje, Internazional e Bayern de Munique decidem o título da Liga dos Campeões da Europa, o torneio mais luxuoso, valorizado e glamouroso de clubes do planeta. Seria este o jogo mais valioso do futebol mundial?

A resposta é: NÃO! Já falei sobre ele ano passado mas vale a pena repetir, pois esta partida também ocorreu hoje. O Cardiff City pegou o Blackpool em Wembley, pela decisão do play-off da Segunda Divisão Inglesa. O time galês saiu na frente por 2×0, e levou a virada ainda no primeiro tempo para 3×2, placar final e Blackpool promovido!

O Blackpool subiu para a primeira Divisão depois de 30 anos! É o retorno da equipe do lendário atacante inglês Stanley Matthews (detalhes abaixo), o maior jogador britânico de todos os tempos e que brilhou nos anos 30 a 60.

Estudos econômicos indicam que o vencedor desta partida recebe entre 180 e 240 milhões de reais, dependendo muito do tamanho do estádio do time promovido. Este seria o abismo financeiro em comparação com a equipe derrotada.

O Blackpool tem um estádio diminuto, de apenas 9 mil lugares e terá que jogar em outro se for promovido. Já o Cardiff City tem um novinho em folha, com 26 mil lugares. Este valor é avaliado ao se contabilizar recursos diretos e indiretos por garantir vaga na bilionária primeira divisão inglesa, sem contar a bilheteria do próprio jogo final de play-off em si, que supera os 5 milhões de reais.

Um campeão da Liga dos Campeões recebe no total, contando bilheterias, premiações, direitos de TV, retorno de marketing, etc, em torno de 125 milhões de reais a mais do que uma equipe que não disputou a Liga dos Campeões.

SOBRE O VENCEDOR:

Sem dúvidas foi uma surpresa a vitória do Blackpool, e o clube terá dificuldades no seu retorno à elite depois de 30 anos. Sua melhor posição foi na década de 50, quando chegou em segundo lugar na temporada de 1956. Ganhou ainda a Copa da Inglaterra de 1953 com uma atuação magistral de Stanley Matthews, que antes havia marcado época no Stoke City.

Vejam matéria de época:

SIR STANLEY MATTHEWS

Fecho o post com a memória de Sir Stanley Matthews, o maior jogador inglês da história. O “Mago do Drible”, primeiro jogador de futebol a ser nomeado Cavaleiro do Império Britânico, ele defendeu a Inglaterra por absurdos 23 anos, entre 1934 e 1957. Em 1956, já veterano, enfrentava a Seleção Brasileira em Wembley. Ao ver aquele ponteiro veterano de 41 anos, a lenda brasileira Nílton Santos não conteve o riso.

Resultado? 4×2 para os ingleses com uma atuação histórica de Matthews e o reconhecimento eterno do maior lateral-esquerdo da história do futebol brasileiro. Matthews era diferenciado, criou sua fama no Stoke City mas se tornou ídolo também no Blackpool, promovido hoje em Wembley.

Aqui um tributo ao genial inglês:

Os cinco melhores comerciais de futebol da história

21 de maio de 2010 9

Comerciais de grandes multinacionais de material esportivo já se tornaram lendas do mercado publicitário e da memória do torcedor. Vi ontem no Clube da Bolinha e também indicado pelo amigo Luís Felipe dos Santos um comercial fabuloso da Nike. Então, em mais uma das minhas tradicionais listinhas, resolvi escolher os cinco que eu mais gostei (e lembrei):

1º) No último Mundial, a Adidas fez uma série fabulosa colocando seus principais craques (como Ballack, Kaká, Oliver Kahn, Frank Lampard, e, em uma sacada genial, Franz Beckenbauer e Michel Platini) jogando uma pelada de rua com dois garotos, um deles José e o seu rival o vizinho Pedro. Vale relembrar:

2º) Write the Future”: Mostra jogadas de partidas e os impactos no futuro de cada um dos protagonistas, incluindo Franck Ribery, Wayne Rooney, Ronaldinho Gaúcho, entre outros. Comercial dirigido pelo premiado espanhol Alejandro Gonzalez Inarritu. Foi este que eu vi no Clube da Bolinha, será apresentado no próximo sábado antes da final da Liga dos Campeões da Europa:

3º) “The Secret Tournament”: Um torneio de futebol de 3 contra 3 a la “Mortal Kombat”, capitaneado por Eric Cantona e com as estrelas da Nike em um futebol alternativo disputado nos porões de um navio. Estrelas como Ronaldo, Denílson, Francesco Totti e Ruud Van Nistelrooy, na máxima “o primeiro gol vence”. É de 2002:

4º) “Olé – Brasil vs. Portugal”: A clássica disputa entre Brasil e Portugal no túnel de acesso antes de um amistoso, da Nike em uma disputa entre Luís Figo, Cristiano Ronaldo, Ronaldo, Roberto Carlos, etc. Participação especial de Francesco Totti e Eric Cantona. Comercial de 2005:


5º) “Take to the next Level” –
Para mim, o melhor por ser o mais criativo. A câmera é colocada nos olhos de um jogador e mostra toda sua trajetória, desde o início da carreira em um time pequenom, sua contratação pelo Arsenal até uma Copa do Mundo pela Holanda contra Portugal, passando por duelos contra o Manchester United e Internazionale. Comercial dirigido pelo astro Guy Ritchie. Lembra muito o Van Persie. Estrelas como Wayne Rooney, Ruud van Nistelrooy, Zlatan Ibrahimovic, Wesley Sneijder e até o técnico Arséne Wenger aparecem na propaganda:

Vale ainda lembrar o comercial do Brasil no Aeroporto em 1998.

E vocês? Lembram de mais algum? Mandem suas sugestões!

Supersemana: em 2007, Grêmio superou Santos na Vila e foi à final da Libertadores

19 de maio de 2010 16

Grêmio e Santos decidem hoje quem será um dos finalistas da Copa do Brasil 2010, depois de um histórico 4×3 para os gaúchos no primeiro jogo. Há três anos, estes times também se enfrentaram em um mata-mata e igualmente nas semifinais. Será o primeiro jogo desta “supersemana” do futebol gaúcho, amanhã teremos um texto aqui sobre os embates entre Internacional e Estudiantes pela final da Copa Sul-Americana 2008.

Mas a competição era ainda mais importante: a Copa Libertadores da América. Naquela ocasião deu Grêmio: 2×0 para o time da casa no Olímpico e 3×1 para a equipe paulista na Vila Belmiro. O gol fora decidiu o desempate para os gaúchos.

Também em uma semifinal ocorreu outro encontro, em 2002. Na ocasião um experiente e talentoso time gremista não foi páreo para o jovem Santos de Diego, Robinho, Elano e Renato. 3×0 na Vila Belmiro para o Santos e 1×0 para o Grêmio no Olímpico, Santos na final e futuro campeão.

Tcheco e Patrício comemoram vitória gremista no 1º jogo - Valdir Friolin,RBS

Porém nosso assunto é 2007 e Libertadores. Na ocasião, irregular time do Grêmio treinado por Mano Menezes (que tinha passado no sufoco em todas as fases anteriores), no qual brilhavam Lucas, Diego Souza e Carlos Eduardo enfrentou a caríssima equipe santista, treinada por Wanderley Luxemburgo e com estrelas como Zé Roberto, Cléber Santana, Kléber e Maldonado.

Assim como em 2010, o primeiro jogo foi no Olímpico e o Grêmio era o azarão (até pelo retrospecto ruim naquela Libertadores). Curiosamente, Jonas jogava naquela época pelo Santos, mas teve atuação apagada nos dois confrontos.

Porém em uma atuação soberba, sobretudo nos famosos “10 minutos de pressão” entre os 29 e os 39 do 1º tempo, nos quais o Grêmio fez 2 gols e quase marcou outros tantos, a vitória por 2×0 deixou ampla vantagem para o segundo jogo. Tcheco de pênalti e Carlos Eduardo aproveitando erro de Adaílton marcaram os gols do Tricolor.

Vejam os “10 minutos de pressão” seguidos dos melhores momentos do jogo:

No jogo de volta, o Grêmio controlava bem o jogo e saiu na frente. Diego Souza marcou um golaço da entrada da área, sem chances para Fábio Costa. O Santos precisava fazer QUATRO gols e parecia tarefa impossível. Porém um erro defensiva gremista deixou Renatinho empatar ainda nos acréscimos do primeiro tempo.

No início da etapa final, o time santista precisava de três gols. Equivocadamente (na minha opinião), Mano Menezes recuou demais o time gremista. Aos 15, em outra falha da zaga gremista, Renatinho de novo virou o jogo. Aos 32, após falta inexistente, Zé Roberto pegou rebote e fez 3×1.Diego Souza contra Alessandro e Rodrigo Souto - Mauro Vieira,RBS

Faltava apenas um gol para o Santos, enquanto Mano Menezes empilhava volantes. No final do jogo, o Grêmio jogava em um 4-5-1, sendo que todos os meio-campistas eram volantes (Gavilán, Sandro Goiano, Diego Souza, Lucas, Edmílson) e o ‘atacante’ era o contestadíssimo Ramón, que jogava (e mal) mais de meia-atacante que propriamente como avante. 

O Santos fez uma pressão incrível nos 17 minutos finais, mas não conseguiu o gol da classificação. O Grêmio quase descontou, mas errou nos contra-ataques.   Vejam os melhores momentos do segundo jogo:

Ao Grêmio, o alívio pela vaga na final da Libertadores.

Alívio gremista ao final do jogo na Vila Belmiro - Mauro Vieira,RBS

Seria a quarta decisão do título continental, a primeira em doze anos. No outro dia se saberia que o adversário seria o Boca Juniors. Isto é assunto para outro dia…

Seleção Brasileira: Na trajetória do penta, sempre havia um jogador de Palmeiras e São Paulo

18 de maio de 2010 1

Se a Seleção Brasileira quer conquistar o hexacampeonato mundial, terá que superar uma escrita curiosa. Até hoje, em todas as cinco conquistas anteriores, o Brasil teve um jogador do São Paulo e do Palmeiras no elenco do Mundial. Curiosamente, quase sempre como reservas.

A curiosa estatística começou em 1958, com Dino Sani, De Sordi e Mauro, os dois primeiros titulares que perderam a posição e o último reserva. Em 1962, no Chile, Bellini e Jurandir, todos reservas. Em 1970, Gérson era titular absoluto do time.

No tetracampeonato, cujo capitão era justamente o atual treinador Dunga, haviam três tricolores paulistas, todos reservas: Zetti, Cafú e Muller. Mas Cafú jogou a final substituindo o lesionado Jorginho (auxiliar-técnico de Dunga hoje). Em 2002 também era um trio e igualmente de reservas: Rogério Ceni, Belletti e Kaká.

Com o Palmeiras, a mesma coisa: em 1958 o reserva Mazzola, enquanto no Chile tinhamos os titulares Djalma Santos e Vavá, mais o reserva Zequinha. Em 1970, o zagueiro reserva Baldocchi e o jovem goleiro Leão estava no banco do tricampeonato no México. Já em 1994 Zinho e Mazinho eram titulares na última partida. Finalizando, em 2002 o campeão mundial Marcos era o titular absoluto e destaque do Brasil no título do Penta.

O Botafogo é o time brasileiro com o maior número de atletas convocados para Copas do Mundo: 46 jogadores. Porém não havia nenhum botafoguense em 1994 e tampouco em 2002.

Os números da dupla Gre-Nal são pobres: o Internacional tem oito convocados (o último foi Taffarel em 1990 e antes dele Mauro Galvão em 1986).

Já o Grêmio teve sete convocados (os últimos foram Polga e Luizão em 2002). Porém o Grêmio foi o único gaúcho com campeão mundial jogando pelo clube como titular: Everaldo, em 1970 e igualmente no México. Além dele, os mesmos Polga e Luizão jogaram em 2002, mas eram reservas.

Vejam os números completos:

  1. Botafogo – 46
  2. São Paulo – 42
  3. Flamengo – 33
  4. Vasco – 32
  5. Fluminense – 30
  6. Palmeiras e Santos – 24
  7. Corinthians – 23
  8. Cruzeiro – 11
  9. Atlético-MG – 10
  10. Internacional – 8
  11. Grêmio – 7
  12. Portuguesa – 6
  13. Ponte Preta e São Cristóvão – 5
  14. Bangu – 4
  15. América – 3
  16. Americano (RJ), Atlético-PR, Goytacaz (RJ), Guarani, Portuguesa Santista e Ypiranga (Niterói-RJ) – 1

"Bebeto, o Canhão da Serra" - Lançada biografia sobre o ídolo do futebol gaúcho

18 de maio de 2010 3

O artilheiro Bebeto, que marcou época jogando no interior do Rio Grande do Sul nos anos 60 e 70, está sendo homenageado por uma biografia. Intitulada “Bebeto, o canhão da Serra”, a obra foi escrita pelo jornalista Lucas Scherer (email de contato: lucasscherer@yahoo.com) e terá lançamento hoje, às 19h30min na livraria Nobel no Bella Città Shopping Center em Passo Fundo.

Bebeto - Canhão da Serra - biografia escrita por Lucas Scherer - Divulgação

Bebeto ficou marcado na história do futebol gaúcho como um dos mais eficientes artilheiros do interior. Nos últimos anos vimos centenas de gols de Alê Menezes, Sandro Sotilli, Paulo Gaúcho e Badico, mas quem conheceu e viu Bebeto jogando diz que era um atleta de nível superior. Por algum motivo, talvez até timidez, não conseguiu aproveitar as oportunidades na dupla Gre-Nal.

Depois de levar 3 gols dele em um treino, o legendário goleiro colorado Manga declarou: “Acho que esse cara comeu sabiá. Ele chuta a bola de qualquer jeito e quando a gente vê está lá dentro do gol.”

Falecido em 2003, Bebeto era famoso pela precisão e força de seus chutes. Em 1978, já em final de carreira, conseguiu impressionar o Flamengo de Zico & Cia ao marcar um golaço em pleno Maracanã, no jogo Flamengo 1×1 Caxias pelo Campeonato Brasileiro.

A foto abaixo tem outra personalidade conhecida do futebol brasileiro, em um time do Caxias de 1977. O bigodudo alto, quinto em pé. Fácil né? Felipão, claro!

Bebeto no Caxias de 1977 (terceiro agachado). O quarto em pé é um tal Luiz Felipe Scolari - Reprodução site www.terceirotempo.ig.com.br

Um resumo sobre o livro a ser divulgado hoje:

“Finalmente, um dos principais artilheiros de clubes do Brasil tem sua história contada. Bebeto, o grande goleador do Gaúcho, Caxias, Grêmio e Internacional ficou conhecido como “O Canhão da Serra”, pela força de seus chutes. Ídolo dentro e fora dos gramados, o jogador levou o nome de Passo Fundo a todos os cantos do país.

Em 19 anos de carreira como atleta profissional, marcou 395 gols por 11 clubes. Foi duas vezes artilheiro do Campeonato Gaúcho e deixou um exemplo de esportividade.

O livro “Bebeto, O Canhão da Serra” traz todos os números, curiosidades, uma lista de 20 jogos que marcaram a carreira de Bebeto, fotos e as fichas técnicas de todas as partidas que o jogador disputou pelo Campeonato Brasileiro.”

SELEÇÃO BRASILEIRA: São Paulo lidera ranking de convocações

18 de maio de 2010 35

O São Paulo Futebol Clube é o time brasileiro com o maior número de atletas convocados e efetivamente para jogos da Seleção Brasileira. O time do Morumbi tem 932 escalações de atletas para jogos oficiais do Brasil. Ele é seguido, de longe, pelo Flamengo com 840 convocados. O Botafogo é o terceiro com 805, o Corinthians o quarto com 747 e o Santos em quinto com 742.

Brasil pentacampeão em 2002: três jogadores do São Paulo - Reprodução ZH

Curiosamente, para o Mundial de 2010 não temos nenhum são-paulino convocado. Se o Brasil for hexacampeão, será a primeira vez que não terá no elenco nenhum jogador do Morumbi.

O Internacional ocupa apenas o 11° lugar com 296 e o Grêmio vem logo abaixo, com 266 escalações. Interessante o fato da Roma ser o 1° time estrangeiro, já que o clube italiano aposta nos brasileiros desde os tempos de Falcão. Inclusive teve três convocados para o Mundial, dois deles RESERVAS da própria Roma (Doni e Júlio Baptista), enquanto Juan é titular absoluto.

Vejam o ranking com os 20 primeiros (levantamento feito pelo internauta ‘assimquetabom‘):

1. São Paulo – 932 participações

2. Flamengo – 840

3. Botafogo – 805

4. Corinthians – 747

5. Santos – 742

6. Palmeiras – 730

7. Vasco – 700

8. Fluminense – 544

9. Cruzeiro – 389

10. Atlético-MG – 376

11. Internacional – 296

12. Grêmio – 266

13. Roma – 244

14. Real Madrid – 226

15. Milan – 211

16. Internazionale – 183

17. Barcelona – 178

Portuguesa – 178

19. Bayer Leverkusen – 174

20. Bayern München – 129

Veja também em participações de atletas em jogos oficiais e não-oficiais

1. Botafogo – 1.078 participações

2. São Paulo – 1009

3. Flamengo – 945

4. Corinthians – 877

5. Santos – 867

6. Palmeiras – 833

7. Vasco – 825

8. Fluminense – 675

9. Cruzeiro – 446

10. Atlético-MG – 425

11. Internacional – 335

12. Grêmio – 291

13. Roma – 253

14. Real Madrid – 238

15. Milan – 222

16. Portuguesa – 194

17. Internazionale – 190

18. Barcelona – 187

19. Bayer Leverkusen – 182

20. Bayern Munique – 134

GP DE MÔNACO: Webber brilha intensamente no Principado

17 de maio de 2010 1

Uma corrida absolutamente perfeita de Mark Webber marcou o GP de Mônaco desta temporada 2010 da Fórmula-1. O piloto australiano, vivendo seu melhor momento técnico na carreira, repetiu a vitória da semana passada no GP da Espanha e venceu com méritos de ponta a ponta. Foi pole-position e só não completou o “Grand Chelem” (vitória, pole, melhor volta e vitória de ponta a ponta) porque seu companheiro de equipe Sebastien Vettel fez a melhor volta da prova no finalzinho. Aliás, curiosamente ocorreu o inverso no GP do Japão de 2009, quando Webber na penúltima volta fez a melhor volta da prova, tirando a primazia de Vettel.

Mark Webber vence o GP de Mônaco - Foto: Paul Gilham, Getty Images, Divulgação RBR

Depois dele, em uma corrida ofuscada pelo companheiro, chegou o alemão Vettel, que usou a cabeça e fez uma corrida pelos pontos. Os dois pilotos da Red Bull Racing lideram a temporada. Eles foram seguidos no sempre charmoso pódio monegasco pelo polonês Robert Kubica. Mesmo tendo apenas o quinto melhor carro da categoria (atrás de RBR, Mercedes, McLaren e Ferrari), Kubica sistematicamente tem feito grandes corridas e vai se mantendo entre os líderes.

O brasileiro Felipe Massa, em mais uma corrida discreta, chegou em quarto lugar e diminuiu muito pouco sua diferença para o líder. Já Fernando Alonso, que bateu no treino e largou em último, fez corrida estratégica e algum arrojo e chegou em 6° lugar, aproveitando o 1° safety car (de Nico Hulkenberg) para antecipar sua única troca de pneus.

Na corrida foram mostrados algumas vezes Lucas di Grassi, o Timo Glock e o Bruno Senna. Chega a ser ridículo a dificuldade que eles tem para conduzir o carro, totalmente desequilibrado. Fora a Lotus que nem é tão ruim assim e nem assim o Galvão Bueno aquieta (ele que criou o meio minuto de 30s na transmissão hoje). Rubens Barrichello fazia ótima prova depois de um ótimo treino até sua suspensão quebrar e ele jogar fora um 8° lugar.

Vamos aos prêmios?

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Troféu “Jim Clark” – Para Webber, já que fez tudo perfeito no final de semana. Menção honrosa para Kubica.
Webber e Vettel: os favoritos ao título 2010 - Foto: Mark Thompson/Getty Images/ Divulgação RBR

Troféu “Rouge & Blanc” – Para Alonso, que largou em último e chegou em sexto. Tá certo que só passou carro ruim, mas ao menos passou. E combatividade é a moral deste prêmio.

Troféu “Didi Mocó Prize for Technical Achievements” – Para a estúpida tentativa de ultrapassagem de Jarno Trulli sobre Karum Chandhok, gerando o término da prova sob safety car. Menção desonrosa para a McLaren que esqueceu de tirar uma tampa da circulação de ar no grid, quebrando o carro do ex-líder do Mundial Jenson Button.

Troféu “Chris Amon” - Para o Jenson Button, que abandonou por causa de um erro ridículo da McLaren e sua tampa de refrigeração esquecida.

Troféu “Fiofó de Ouro” – Para Sebastien Buemi, que não fez nada até agora na temporada e achou um pontinho com a punição de Schumacher.

Troféu “Porque Não Fiquei com Minha Boca Fechada” – Para nossa transmissão global, primeiro ouvi os “500 de Esparta”, ao comentar sobre o ator Gerald Butler – veja aqui no You Tube. Logo após, ouvimos um “meio minuto = 20 segundos”.

Troféu “Dick Vigarista” – Para Michael Schumacher (o pai deste prêmio, vejam ao final deste post!), que tentou passar o Alonso após a saída do safety-car mesmo sendo evidentemente proibido. Perdeu 20 segundos, saindo da lista de pontuação. Achei a punição injusta, pois a bandeira verde foi sinalizada e isto foi um erro da direção de prova (artigo 40, ítem 13). Porém como o Ross Brawn já tinha dito para Schumacher tentar ultrapassar na relargada (o que vai contra o regulamento), fica de castigo para a Mercedes.

E que venha, em duas semanas, o GP da Turquia!

Veja também:

GP de MÔNACO 2008 – Hamilton brilha na “Côte d’Azur”
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/05/27/gp-de-monaco-premiacoes-especiais/
GP DE MÔNACO 2009: e dá-lhe Brawn GP de novo!
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/05/24/gp-de-monaco-e-da-lhe-brawn-gp-de-novo/

Dick Vigarista parte I: 1994
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/06/18/dick-vigarista-parte-i-1994
Dick Vigarista parte II: 1997
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/06/19/dick-vigarista-parte-ii-1997