Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 5 julho 2010

Imagens da euforia uruguaia no jogo contra Gana - em Johannesburgo, POA e Montreal

05 de julho de 2010 1

Ainda repercutindo o histórico triunfo do Uruguai sobre Gana, nas quartas-de-final da Copa do Mundo de 2010, achei três vídeos monstrando a torcida uruguaia durante o jogo.

O melhor de todos é o já célebre vídeo amador do astro uruguaio Diego Forlán no hotel em Johannesburgo logo após o jogo histórico:

Outro deles mostra um enorme contingente de uruguaios em Porto Alegre, em um famoso restaurante típico da capital.

Reparem no desespero da torcida no instante de tempo 0min11s:

O último mostra a torcida em Montreal, em um bar da belíssima cidade canadense. Vejam:

Semifinal de 2010, Holanda vs. Uruguai marcou a estréia da "Laranja Mecânica" em 1974

05 de julho de 2010 1

Holanda e Uruguai se enfrentam nesta terça-feira pelas semifinais da Copa do Mundo de 2010. Os holandeses superaram o Brasil enquanto os uruguaios, em um jogo inesquecível, bateram os ganeses nos pênaltis. A Holanda não chegava nas semifinais desde 1998, quando perdeu para o Brasil. Já o Uruguai não chegava nas semifinais há 40 anos, quando perdeu igualmente para o Brasil.

O mais curioso é que esta partida marcou também a estréia do lendário time da Holanda em 1974 na Copa do Mundo da Alemanha Ocidental. Na ocasião, os holandeses enfrentaram os uruguaios e deram um dos maiores shows tático-técnicos da história. Foi o nascimento do “Futebol Total”, do time treinado por Rinus Michels e capitaneado em campo por Johan Cruijff. Curiosamente, o pai do astro uruguaio Diego Forlán jogou naquele dia, Nestor Pablo Forlán.

O estádio Niedersachsenstadion em Hannover nunca mais viu uma exibição como aquelas. Foi a estréia da “Laranja Mecânica” e do “Carrossel Holandês” !

A Holanda, que só tinha disputado, e muito mal, apenas duasCopa do Mundo (1934 e 1938), mostrou inovações táticas que nenhum outro time do mundo conseguiu repetir depois. Outros conceitos, como marcação pressão e linha de impedimento, foram adotados e são seguidos até hoje.

O placar foi de 2×0 para a Holanda, mas deveria ter sido muito mais. Rep marcou aos oito do primeiro tempo e 42 do segundo tempo. Se acham exagero, vejam o compacto daquele jogo:

E aqui, com narração da época:

HOLANDA (2): Jongbloed – Suurbier, Rijsbergen, Haan, Krol – Jansen, Neeskens, van Hanegem, Rep – Cruijff (c), Rensenbrink

URUGUAI (0): Mazurkiewicz – Jauregui, Masnik (c), Forlán, Pavoni – Espárrago, Montero-Castillo, Rocha, Cubilla (68 Milar) – Morena, Mantegazza