Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de agosto 2010

Garantido no Mundial, Inter ainda não está na Recopa nem Libertadores 2011

06 de agosto de 2010 6

A classificação automática para o Mundial de Clubes da FIFA ainda é comemorada pelo Internacional. O fato de enfrentar o Chivas Guadalajara, clube do México que por sua vez é filiado à CONCACAF e não à CONMEBOL, garante ao time gaúcho a ida para o Mundial dos Emirados Árabes, em dezembro na capital Abu Dhabi mesmo se for vice-campeão.

Porém o Internacional ainda não pode se considerar garantido na Libertadores 2011 tampouco na Recopa Sul-Americana deste mesmo ano. Para obter estas duas classificações, será necessário conquistar o bicampeonato da América.

A explicação da Recopa é simples: o campeão da Libertadores joga com o campeão da Sul-Americana seja quem for. Inclusive já  tivemos o Pachuca (time mexicano) na final da Recopa 2007 (coincidentemente contra o próprio Inter), vencedor da Copa Sul-Americana 2006.

Para a Libertadores, a explicação é mais complexa. O campeão automaticamente tem vaga no ano seguinte, e obtendo o título, o Inter está classificado. Porém se o Chivas fosse campeão, o Inter estaria classificado caso o time de Guadalajara tivesse obtido vaga na Liga dos Campeões da CONCACAF. Quem disputa este torneio não pode disputar a Libertadores no mesmo ano.

Porém os quatro times que irão defender o México na competição serão: Monterrey, Santos Laguna, Cruz Azul e Toluca. Sem esta vaga o Chivas está na Libertadores 2011 caso vença a Libertadores deste ano.

Quem levantou esta questão e me concedeu informações via twitter foi o seguidor @paulofinatto.

EDITADO: alguém tem mais informações?

Vendas milionárias na Europa podem ajudar finanças de Pelotas e Joinville

04 de agosto de 2010 2

Dois negócios milionários envolvendo atletas brasileiros do último Mundial podem dar um dinheiro interessante para Joinville e Pelotas. Ramires e Michel Bastos estão próximos a trocarem de clube em negociações que superam 40 milhões de reais! Cada.

Seus times formadores podem ganhar uma boa grana nisto, graças a percentual de até 5% que os clubes formadores do atleta (idades entre 12 e 23 anos) recebem de cada transferência internacional.


Michel Bastos, defendendo o Pelotas contra o Inter na Copa Sul-Minas 2002 (Crédito: Nauro Júnior))/Ramires na apresentação oficial no Joinville (reprodução site www.jec.com.br)

O lateral-esquerdo Michel Bastos está bem próximo de trocar o Olympique Lyon pela atual campeã européia Internazionale. Titular do Brasil na Copa do Mundo de 2010, Michel Bastos seria negociado por aproximadamente 20 milhões de euros com a gigante italiana.

Como jogou entre 1994 e 2001 no Pelotas, ou seja, dos 12 até 18 anos (dependendo exatamente de quando ele saiu), entre 2% e 2,5% da transferência. Isto pode significar entre 900 mil reais e 1,1 milhão com esta transferência. Extraordinário para as finanças do clube, que fez magnífico trabalho até agora na temporada 2010.

No caso de Ramires, que está próximo de trocar o Benfica pelo Chelsea por 22 milhões de euros, o beneficiado seria o Joinville. O time catarinense teve o volante, de 23 anos, nas temporadas de 2005 a 2007, ou seja de 18 a 20 anos. Isto significaria 1% a 1,5% do valor da transferência, no máximo 750 mil reais. Nada mal, hein?

Ainda antes do término da janela européia de transferências, o Grêmio pode receber valores provenientes de uma muito provável negociação de Carlos Eduardo, hoje no Hoffenheim.

MÉTODO DE CÁLCULO DO ‘MECANISMO DE SOLIDARIEDADE’ da FIFA

  • Temporada do 12º aniversário: clube leva 0,25% da compensação total
  • Temporada do 13º aniversário: clube leva 0,25% da compensação total
  • Temporada do 14º aniversário: clube leva 0,25% da compensação total
  • Temporada do 15º aniversário: clube leva 0,25% da compensação total
  • Temporada do 16º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total
  • Temporada do 17º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total
  • Temporada do 18º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total
  • Temporada do 19º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total
  • Temporada do 20º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total
  • Temporada do 21º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total
  • Temporada do 22º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total
  • Temporada do 23º aniversário: clube leva 0,5% da compensação total

VEJA TUDO QUE SAIU NO ALMANAQUE SOBRE JANELA DE TRANSFERÊNCIAS:

Batida na Fórmula Superliga lembra gravíssimo acidente de 1988 na F-3000 em Brands Hatch

01 de agosto de 2010 0

Recebi via Twitter (@perin1979) a imagem do acidente impressionante envolvendo o neozelandês Chris van der Drift na Fórmula-Superliga em Brands Hatch (Inglaterra), neste domingo. A dica foi do amigo português Paulo Teixeira, do excepcional blog Continental Circus

Ele, que defende as cores do time grego Olympiacos, decolou ao tocar na roda de Julien Jousse (Roma), e acertou o barranco, acima do guard-rail.Depois do acidente, van der Drift quebrou o tornozelo, teve lesões no ombro e ainda escoriações, mas passa bem.

Vejam as cenas:

O impressionante é que a batida de hoje imediatamente me lembrou do acidente de 1988 na F-3000 nesta mesma pista, neste mesmo local. Na ocasião, o suíço Gregor Foitek (que já tinha jogado o brazuca Roberto Moreno no muro um pouco antes) jogou violentamente o inglês Johnny Herbert para fora.O que sobrou do carro de Johnny Herbert

Este voltou após acertar o guard-rail e levou uma pancada violenta do francês Olivier Grouillard, envolvendo acertou mais cinco carros, incluindo os futuros pilotos da F-1 Claudio Langes e Aguri Suzuki. O resultado foi catastrófico: Foitek desmaiou, Grouillard quebrou o tornozelo e Herbert quebrou as duas pernas e quase teve um pé amputado.

Vejam as cenas:


No hospital, os pais de Foitek e Herbert saíram no soco. Foitek tomou uma pesada suspensão e ainda ficou com a carreira marcada para sempre por causa deste acidente em Brands Hatch. Herbert, de contrato assinado com a Benetton, quebrou as duas pernas e quase encerrou a carreira, voltando a correr com confiança apenas em 1990.

A corrida foi reiniciada com apenas seis pilotos, vencida por Martin Donnelly. Curiosamente este viria a sofrer um acidente dramático na F-1 em Jerez de la Frontera dois anos depois em um carro idêntico, fisicamente falando, ao de Herbert. Outros pilotos da F-1 que correram aquele dia: o carismático Jean Alesi, os medianos Pierluigi Martini, Mark Blundell e Eric Bernard e os menos conhecidos Paolo Barilla, Wolker Weidler, Marco Apicella e Andrea Chiesa.

Foitek correu na F-1, mas não fez nada. Grouillard teve alguns mínimos momentos, enquanto Herbert depois de um contrato encerrado na Benetton sem condições físicas, foi para a Lotus aonde correu ao lado de um novato Mika Hakkinen. Ele mais veterano, com um estilo cerebral e de poucos erros, acabou vencendo corridas na Benetton (muitos anos depois, já em 1995) e na Stewart.

Sem dúvida, foi o piloto de maior sucesso na categoria dos envolvidos naquele final de semana dramático em Brands Hatch.