Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Eleições no Grêmio - Finalmente o Conselho Deliberativo se renovou de verdade

30 de outubro de 2010 0

O Grêmio ainda tem que evoluir na democratização de seu Conselho Deliberativo. Esta não é apenas minha opinião e sim de muitos gremistas que conheço. Há décadas em um marasmo que essencialmente era conduzido por ‘caciques’ políticos  e fragmentado em quase dez movimentos políticos diferentes, seu órgão legislativo máximo necessitava de uma oxigenação. A abstenção em diversas reuniões é extremamente elevada e muitas vezes faltou quórum em decisões importantes, incluindo mudanças estatutárias, reuniões sobre a Arena, etc.

Entretanto, o Tricolor deu um passo adiante na tarefa de renovar seu quadro consultivo. O primeiro passo foi este ano, quando uma surpreendente vitória de 100% da chapa de oposição ocorreu em setembro. Beneficiado pelo fato da chapa situacionista e da chapa ‘alternativa‘ não terem obtido o no mínimo  30% na cláusula de barreira (mínimo de votos para que uma chapa eleja conselheiros), o grupo oposicionista acabou elegendo toda a sua nominata, 150 conselheiros. A maioria absoluta era de novos nomes (incluindo o amigão Leonel Knijnik).

Isto acabou gerando duas consequências: Paulo Odone foi eleito ainda no primeiro turno, sem a participação dos sócios, pois o candidato que representava a chapa de situação, Airton Ruschel, não obteve o mínimo de 25% entre os conselheiros. Além disto, a futura Situação, que assumirá o clube em dezembro, terá o controle quase absoluto do Conselho enquanto permanecer unida (o que normalmente é complicado no Tricolor).

Caberá a estes novos conselheiros decidirem se irão reduzir a cláusula de barreira para valores menos exagerados, como 15% ou 20%. Também caberá a esta nova ‘fornada’ de futuros dirigentes, com uma média de idade menor e muita vontade de ajudar o Tricolor. Este fenômeno já ocorreu no rival Internacional, no início da década passada.

Curiosamente, a maioria dos integrantes das chapas que perderam a última eleição foram contrários (ou simplesmente não foram) nas reuniões que decidiriam sobre uma passível redução da cláusula de barreira. Eles se tornaram as grandes vítimas desta manutenção do status quo.

Este talvez seja o grande desafio à seguir para os novos Conselheiros do Grêmio.

Mas o maior deles já foi superado: eles são novos Conselheiros…

Envie seu Comentário