Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 27 novembro 2010

Há quatro anos - O 'nascimento' de Alexandre Pato no Palestra Itália

27 de novembro de 2010 1

Hoje, dia 27 de Novembro, completam-se quatro anos da estréia profissional de Alexandre Pato no Internacional contra o Palmeiras no Brasileirão de 2006 em São Paulo. Conheci Pato quando trabalhava no Internacional em 2005. Muito jovem ainda, me causava incomodação porque era o recordista em colocar vírus nas estações disponibilizadas dentro da Concentração das Categorias de Base (era uma por time da base e ele ficava o tempo todo no MSN). Pato era bagunceiro, provocador, inquieto e muito divertido na concentração, então eu sabia que era apenas uma estratégia a “forçada” timidez nas entrevistas quando chegou ao grupo profissional

Já naquela época, causava furor nos times de base, sobretudo na Copa Santiago de Futebol Juvenil de 2005. Na decisão do estadual de Juvenis daquele mesmo ano, contra um time gremista empolgadíssimo pela Batalha dos Aflitos (analisada por uma visão diferente na quinta-feira), o Inter jogou no Suplementar do Olímpico contra quase 5 mil gremistas e reforçado pela estrela Anderson (herói de Recife).

Em uma atuação absurda, Alexandre Pato sofreu um pênalti e marcou dois gols (um deles sem ângulo quase no final)  quando o Colorado estava com 1 jogador a menos, garantindo a vitória por 3×2 e o título da categoria. Na Copa SP de Juniores, com limite de idade de 20 anos na época, Pato foi titular e vice-artilheiro de uma razoável campanha colorada. Mas tinha apenas 16 anos, quatro a menos que a maioria dos adversários e colegas de time.

Então, após a conquista da Libertadores e com atuações fenomenais no 1º Brasileirão Sub-20, quando foi campeão, vice-artilheiro e o grande craque da competição, a utilização de Alexandre Pato no time principal era uma necessidade. O técnico Abel Braga e os jogadores mais velhos (como Índio) pediam isto, porém a diretoria colorada refutava em aceitar.

A explicação era complexa: o contrato que Pato tinha assinado com o clube estava firmado em valores baixos, e a multa recisória para times brasileiros era de 4,6 milhões de reais. Parecia muito, mas convencidos que Pato era um ‘diamante’, a diretoria insistia em renovar com bases mais altas. Depois de meses negociando (incluindo uma ameaça de ficar fora, enfim o contrato novo foi assinado: multa de 20 milhões de dólares e 50% do passe para o jogador e seu empresário Gilmar Veloz.

Ou seja Pato estava inscrito no Mundial ainda sem jogar uma única vez pelo time profissional. Isto ocorreria no domingo seguinte, contra o Palmeiras no Palestra Itália pela penúltima rodada do Campeonato Brasileiro daquele ano, com o São Paulo já campeão antecipado.

Com um minuto de jogo, Pato fez 1×0. Logo depois, Fernandão ampliou após jogada iniciada por Pato e com passe de Iarley. Ainda no primeiro tempo, Pato fez jogadaça individual e cruzou para área. Antes de Iarley ampliar, Daniel marcou contra. No finalzinho do primeiro tempo, Pato entrou a dribles e tocou para Iarley, sem goleiro, marcar 4×0 ainda no primeiro tempo. Na etapa complementar, Fabiano Eller marcou um golaço, contra, e fechou o marcador: Palmeiras 1×4 Internacional.

O resto? Todos sabemos, Pato marcou gol na semifinal do Mundial em Tóquio contra o egípcio Al-Ahly e atuou na decisão contra o Barcelona. No ruim ano de 2007, foi o destaque soberano na conquista da Recopa Sul-Americana contra o Pachuca e ainda marcou gols importantes na Libertadores e Brasileirão. No final de agosto, foi negociado por recordes 20 milhões de euros com o Milan.