Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 3 abril 2011

O futebol italiano ainda pulsa: Napoli faz virada histórica e sonha com título

03 de abril de 2011 0
Depois do histórico Napoli 4×3 Lazio no entupido estádio San Paolo em Nápoles, voltei a acreditar no renascimento do futebol italiano. Passei a vida assistindo o melhor futebol do mundo no Campeonato Italiano. Os jogos, com imagens da RAI, passavam na hora do almoço e podíamos ver a nata do futebol mundial: Maradona, Van Basten, Gullit, Baresi, Maldini, Careca, Rikjaard, Mancini, Matthaus, Klinsmann, e bota etc… Até 2003 o futebol italiano vivia um bom momento, que paradoxalmente não se refletia em títulos da Seleção Italiana.
De lá para cá, uma onda violentíssima de mortes dentro e fora dos estádios, e escândalos sucessivos de corrupção que causaram até o rebaixamento da poderosa Juventus e punições para Lazio, Milan e Fiorentina, afundou o futebol italiano. Gradualmente, o público sumiu dos estádios, os craques migraram para a Espanha, Inglaterra e Alemanha.
Somente a Internazionale se manteve competitiva, se sagrando campeã européia na última temporada. O título na Copa do Mundo de 2006 mais premiou uma geração de ouro italiana no final de suas carreiras, do que propriamente refletia uma organização no futebol local.
A média de público despencou para 24 mil torcedores, muito pouco acima da já criticada média dos estádios brasileiros. A Alemanha tem quase o dobro, e a Inglaterra muito perto disto (e com estádios muito menores). A renovação no futebol italiano não existe, enquanto isto, os alemães revelam jogadores às dúzias, garantindo renovação para os próximos dois ou três Mundiais.
Pior que tudo isto é o estilo de jogo na Itália. Times defensivos eram regra, mas não unanimidades nos anos 80 e 90. Se havia o defensivo Milan invicto de Fabio Capello no início dos anos 90 ou a forte Juventus de Carlo Ancelotti alguns anos depois, vimos também o mesmo Milan com o trio holandês, a Roma de Totti e Batistuta, e a Lazio de Verón, Crespo e Mancini.
Hoje, enfim, vi algo diferente. Precisando vencer para assumir o segundo lugar e ainda sonhando com os títulos, o Napoli pegava um adversário complicado. A Lazio passou o jogo inteiro atacando, ignorando a pressão do entupido San Paolo, cujo clima relembrava os míticos duelos contra a Juventus de Platini e o Milan de Van Basten.
E foi a Lazio que saiu na frente, com um golaço de Stefano Mauri aos 29 do primeiro tempo. Nervoso, o Napoli não criava chances concretas e sofria com os contra-ataques. Em uma bola parada, o brasileiro André Dias ampliou aos 14 minutos do segundo tempo. Então, a reação fulminante: primeiro Andrea Dossena e depois o uruguaio Edinson Cavani empataram o jogo em menos de cinco minutos, 2×2.
Quando todos imaginavam uma virada napolitana, um erro de arbitragem: o veterano volante Cristian Brocchi chutou de longe, a bola bateu no travessão e entrou, saindo imediatamente. Gol não-marcado para a Lazio, para desespero dos ‘laziale’, em lance idêntico ao chute de Frank Lampard contra a Alemanha na última Copa. Porém a Lazio continuou em cima e, um minuto depois, Mauro Zárate chutou forte, o goleiro espalmou e Salvatore Aronica marcou um gol contra, Lazio 3×2. Tudo isto em dez minutos, quatro gols.
O jogo acabou? Que nada, o Napoli teve um pênalti em Cavani, que ele mesmo converteu, 3×3 aos 35 do 2º tempo. Com um a mais após a expulsão de Giuseppe Biava, o Napoli foi com tudo e virou aos 43 minutos, quando o herói Cavani marcou seu terceiro gol no jogo, 25º na Série A e fechou o placar, 4×3 para o Napoli. Outro Giuseppe, o Sculli ainda foi expulso nos acréscimos, deixando a Lazio com nove atletas até o final do jogo.
O título é quase do Milan. O Napoli sonha com a Liga dos Campeões.
Mas os torcedores de Nápoles e de Roma reviveram o quanto o futebol pode ser apaixonante.
Estádio cheio, muitos gols, times ofensivos, viradas e um resultado heróico para o time da casa.
Ao menos neste domingo, tivemos carnaval em Nápoles.