Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 15 abril 2011

Perguntas que Paulo Odone não responde, temporada 2011

15 de abril de 2011 26
Depois do péssimo resultado em Santa Cruz de La Sierra, derrota de 3×0 para os reservas do já eliminado Oriente Petrolero, muitos questionamentos contra o técnico Renato Portaluppi. Sim, Renato errou demais na escalação, substituições, até mesmo na lista dos 25 da Libertadores.
Porém quem manda mais: o treinador ou o presidente Paulo Odone? Em momentos de dúvidas, cabe ao presidente indicar o caminho, orientar os próximos passos. Fazer o macroplanejamento da temporada, também conhecido como “estratégia”. E não é isto que vemos.
As perguntas abaixo são absurdamente simples, porém sem resposta da diretoria tricolor:
  • Até quando a gestão de futebol do Grêmio irá liberar as invencionices de Renato? Mudar o time sistematicamente no primeiro tempo é chamado por muitos de ‘coragem‘. Já eu chamo de ‘erro no planejamento‘, pois consiste em pensar mal o time, avaliar inadequadamente o adversário e ser surpreendido. Está na hora disto ter uma avaliação mais dura por parte da diretoria.
  • Até quando o presidente irá insistir no discurso de “raça“, “superação“, “imortalidade tricolor” e esquecer de montar bons times? Parece ser uma prerrogativa nos anos de gestão de Odone o culto à vontade em detrimento da técnica. Dá certo eventualmente, mas na maioria das vezes o melhor (ou um dos melhores), vence.
  • Até quando a Geral do Grêmio seguirá com os conhecidos privilégios, como viagens subsidiadas para Uruguai, Bolívia e Peru? Os conhecidos de sempre viajam para arrumar confusão até em Santa Cruz de La Sierra ontem. Só este ano foram incidentes registrados pela imprensa: Liverpool(em Montevidéu-URU), Ypiranga (em Erechim), Universidad (em Canoas), Lajeadense e Oriente Petrolero (em Santa Cruz de La Sierra-BOL). Teremos quantos mais?
  • Até quando seguirá a política de fritura branda no técnico Renato Portaluppi? Se Odone discorda dos métodos e da postura do time, deveria ter tido a coragem de não renovar em dezembro, suportando a fúria da torcida. A postura de criticar escandalosamente depois das derrotas só aumenta a divergência entre as duas idéias de futebol. Algo como “Nós ganhamos”, “eles empatam” (Renato + jogadores) e “O Renato perde”. Mesmo os quero-quero do Olímpico sabem que Odone é defensivista e Renato um amante do ataque. Porém esta discordância não pode ser a ponto de inviabilizar o vestiário.
  • Até quando haverá um excesso de liberdade nas contratações do técnico Renato? Até agora Odone  cedeu às nomeações de Renato, sem uma análise mais criteriosa da Diretoria de Futebol. A última foi trazer um meia-atacante problemático quando já tinha diversos jogadores para a mesma função (e que não conseguem jogar um do lado do outro). Para solucionar a complicada questão da 3º função de meio-campo, tirou Lúcio da sua posição preferida, ,abrindo outro ponto de discussão na lateral-esquerda. A Vice-Presidência de Futebol sob comando do educadíssimo Antônio Vicente Martins tem que ser soberana.
  • Talvez a pergunta mais importante: e a política de futebol para 2011? Ronaldinho não veio, Jonas foi embora e o time simplesmente não contratou atacantes. O time da Libertadores 2011 considerado ‘titular’ só tem um jogador contratado em 2011: Rodolfo. Ou seja, a tão criticada gestão Duda Kroeff deixou o time-base da administração seguinte.

Poucas perguntas. Todas simples.

Respostas? Paulo Odone…