Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 25 abril 2011

Futebol italiano negocia direitos de TV em conjunto e bate recorde

25 de abril de 2011 0

A união faz a força… ao menos na Itália. Uma revolução pode marcar o final da temporada 2010/11 do futebol italiano. Se o título está praticamente garantido ao Milan depois de sete anos, mudanças significativas na partilha financeira podem modificar o fluxo do futebol no país, em profunda crise econômica, técnica e até mesmo de prestígio nas últimas temporadas.

A divisão de direitos através de um acordo coletivo para os próximos dois anos gerou um benefício considerável para todos os envolvidos. O contrato adquirido pela Mediaset (do grupo do premiê Silvio Berlusconi) e pela Sky Italia, gerou mais de 1,8 bilhão de euros para os times das Séries A e B pelo período até metade de 2012.

Depois de anos no ostracismo, se distanciando da Liga Inglesa e vendo os crescimentos da Liga Espanhola e Alemã, a Itália dá o primeiro passo para a recuperação. Reparem que hoje somente o futebol espanhol não possui um contrato coletivo de vendas. E a disparidade entre Real Madrid, Barcelona contra os demais tem sido tão grande que até mesmo estes já pensam em refazer a forma de negociação para as próximas temporadas.

CRITÉRIOS ADOTADOS

  • 40% – Divididos igualmente
  • 30% – Divididos em critérios esportivos – 15% para as classificações nas últimas 5 temporadas, 10% para as classificações históricas e 5% baseado nas colocações da última temporada
  • 30% – Divididos por interesses das redes de TV – 25% proporcionalmente às maiores torcidas, e 5% em proporção ao número de habitantes nas cidades dos clubes

Esta divisão continuou beneficiando os chamados 3 grandes – Milan, Internazionale e Juventus, sendo a então hexacampeã Internazionale a única a passar dos 100 milhões de euros.

Mas também deu um fôlego financeiro a times de torcidas representativas (como Roma e Napoli) e que vem fazendo boas campanhas nos últimos anos (especialmente o Palermo). O resultado é que até os times pequenos fizeram mais de 15 milhões de euros.

A lição que fica é… Bom, todos me entenderam.

OPINIÃO: O ‘artiheiro das duas áreas’ decide e Grêmio fica a um jogo do título

25 de abril de 2011 0

Agora só falta um jogo. Como o técnico Renato Portaluppi vem ressaltando há algumas rodadas, o Grêmio só precisa conquistar a final da Taça Farroupilha para se sagrar campeão antecipado do Gauchão 2011 e levantar o bicampeonato. Neste sábado, o dificílimo 3×2 sobre o Cruzeiro no gramado sintético do estádio Passo D’Areia mostrou um herói inusitado: Rafael Marques.

Depois de ter marcado o primeiro gol do campeonato, o último na Taça Piratini (que levou para a vitória nos pênaltis contra o Caxias), Rafael Marques marcou de novo no final do segundo tempo e deu a vitória que coloca sua equipe há 90 minutos do título estadual. Um pouco para desculpar as seguidas falhas no sistema defensivo, já que o próprio Rafael Marques falhou nos dois gols do Cruzeiro.

O adversário tricolor na final sai amanhã entre Juventude e Internacional. Quem vencer, decide o título em casa em jogo único contra o Grêmio. Se for nos pênaltis, só joga no Olímpico caso o adversário seja o Internacional. De negativo, lesão do goleiro Victor e lesão muscular de Lúcio, que não devem enfrentar a Universidad Catolica, terça-feira pelas quartas-de-final da Taça Libertadores em Porto Alegre. Com as lesões de Collaço e Gílson, agora são três laterais-esquerdos lesionados.

Em um sintético encharcado no Passo D’Areia, fica a pergunta: como estaria qualquer gramado ‘normal’ depois de 24 horas de chuvas torrenciais no estado? Sem as opções Bruno Collaço e Gílson, este lesionado no último treino, Renato não optou por Neuton e sim o outrora titular Lúcio na lateral-esquerda. Uma possibilidade já vista em outros jogos com William Magrão jogando bem mais adiantado. Gabriel e Rafael Marques jogaram de tênis, enquanto os demais atuaram de chuteiras baixas.

E a decisão quase se mostrou perfeita logo a 52 segundos, quando Magrão desferiu um petardo e Fábio fez monumental defesa. O jogo seguiu elétrico, com o Grêmio dominando um acossado Cruzeiro, que reagia com ação mas sem consequências. A estratégia gremista de marcar pressão adiantado se mostrava muito positiva, com o Cruzeiro errando passes e tendo dificuldades no toque de bola. O Grêmio conseguiu cavar diversas faltas na entrada da área. Na melhor delas, Rodolfo meteu na barreira.

Aos 34, o lance que preocupará a torcida gremista nos próximos dias: Em grande jogada de Jô, Mauro divide forte com Victor. O goleiro tenta se recuperar, não consegue e sai de campo lesionado, entrando Marcelo Grohe. Dois minutos depois, o Grêmio enfim abre o marcador: Leandro, até então apagado em campo, recebe ótimo passe de Borges, dribla a marcação e chuta cruzado, superando Fábio e 1×0 para o Tricolor. Completamente perdido, o Cruzeiro escapa do segundo aos 44 minutos, quando Adílson chuta, o goleiro Fábio desvia e a bola acerta o travessão. A “blitz” tricolor seguiu no minuto seguinte, com Rafael Marques e Gabriel perdendo ótimas chances em um mesmo escanteio. Fim de um primeiro tempo movimentado, com o Grêmio muito superior e o Cruzeiro completamente dominado.

O jogo mal havia recomeçado e o lateral-esquerdo Tinga sofreu falta dura de Gabriel, amarelo para o gremista. Na cobrança, Márcio Lima cruzou e Claudinho aproveitou erro de Rafael Marques e desviou de cabeça para empatar, 1×1 no Passo D’Areia. Dois minutos depois, em jogada semelhante, Borges cabeceou livre para fora. Então, algo que ocorreu a um minuto, foi concretizado 50 minutos depois: William Magrão conduziu a bola e chutou de longe, a bola desviou e entrou, Grêmio 2×1. Um prêmio à visão de Renato Portaluppi e ao bom jogo de Magrão, que mostra capacidade de jogar à frente dos volantes.

No minuto seguinte, Borges sofreu penalidade clara de Márcio Lima, mas o péssimo árbitro Vinícius Costa não marcou. Quatro minutos depois, Mauro aproveitou erro grosseiro de Lúcio e acertou o poste. No rebote, Almir desperdiçou o gol de empate. Logo depois, Márcio cruzou e Léo Maringá cabeceou para empatar, 2×2 em um jogo eletrizante! E, de novo, um gol de jogo aéreo na deficiente defesa do Grêmio. Renato, que tinha justificado a saída de Leandro contra o Ypiranga (também em um empate) por ‘não ser batedor de pênaltis’, tirou o batedor oficial Borges e colocou Carlos Alberto.

Aos 29 do segundo tempo, depois de tanto falhar na defesa, Rafael Marques resolve no ataque: Rochemback cruza e ele desvia de carrinho para colocar o Grêmio pela terceira vez na frente. Cinco minutos depois, Alberto fez falta de amarelo, levou o segundo e foi para rua. Sem reação, o Cruzeiro se atirou para o ataque, contra um agora sólido Grêmio. Sem forças físicas, o time sensação do Gauchão, que não disputava a Primeira Divisão há 31 anos, encerrou sua participação com brilhantismo. Final, Grêmio classificado 3×2 Cruzeiro.

Ao Grêmio, resta apenas 90 minutos para o título.
Para eliminar duas decisões emboladas com o mata-mata da Libertadores.
E para Renato conquistar seu primeiro caneco no comando do Grêmio.