Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 27 abril 2011

Grêmio se atrapalha, perde e fica em situação dramática na Libertadores

27 de abril de 2011 7
Um desastre. Esta expressão sintetiza a surpreendente derrota de 2×1 do Grêmio para a Universidad Catolica, oitavas-de-final da Libertadores
2011. Em uma atuação de bravura mas pouca técnica e organização tática, o time de Renato Portaluppi jogou quase 60 minutos com dezjogadores, após uma expulsão merecida e absolutamente infantil de Borges, já perdendo por 1×0. Comandado por uma atuação soberba do capitão Fábio Rochemback, e com Douglas rejeitando a fama e mostrando uma grande entrega em campo, o Grêmio empatou no segundo tempo em um lance isolado de puro talento. Mas a desorganização e o visível cansaço imperou nos minutos finais e novamente a Catolica passou à frente no final do jogo, 1º derrota em casa desde a final da Libertadores 2007.

Desolação após segundo gol da Universidad Catolica - FOTO: Jefferson Bernardes, AFP

Nem a pífia atuação do árbitro argentino Nestor Pitana, que deixou de expulsar 3 chilenos e ainda Rochemback, servirá de desculpas para o mau resultado, futebol e sentimento de angústia sobre a permanência do Grêmio na principal competição do ano. Com vários lesionados e um ataque em frangalhos, aliados à visível má-vontade da diretoria com seu trabalho, Renato terá uma missão dificílima na próxima quarta-feira, quando a vitória é imprescindível e nem assim pode ser suficiente (1×0 não adianta e 2×1 leva às penalidades).
O início pareceu auspicioso aos 35 mil empolgados tricolores. Um gol quase de trapalhada em escanteio a dois minutos e depois um chute de Douglas no poste antes de 10 minutos pareciam indicar uma noite favorável. Mas um susto ocorreu na sequência, quando Adílson perdeu no meio-campo, Meneses conduziu e disparou um míssil  ao lado das traves defendidas por Marcelo Grohe.
Depois do sufoco inicial, aos poucos o 4-5-1 de Juan Antônio Pizzi colocava o jogo no ritmo que os visitantes desejavam. Aos 28 minutos, um dos gols mais juvenis dos últimos anos no Olímpico: o Grêmio se atirou com 2 dos 3 volantes para o ataque e Gílson perdeu a bola.  A Catolica deu um chutão. Cañete dominou, limpou um afoito Rafael Marques no meio-campo, avançou e só tocou para Lucas Pratto. Com frieza, o atacante argentino entrou na grande área e chutou rasteiro para fazer 1×0 a favor do time chileno.
O Grêmio abusava de jogadas pelo flanco, passes errados para o ataque, erros de posicionamento em campo. Borges quase empatou na sequência, chutando cruzado para fora. Aos 29, Tomás Costa não foi expulso por pisar o rosto de Rochemback, que havia entrado muito forte nele antes. Aos 34 minutos, um possível herói azul caiu em desgraça. Borges perdeu a cabeça, deu um cotovelaço em Henríquez, foi dedurado pelo bandeirinha e expulso pelo perdido Pitana. Emblemática a expressão de profundo desgosto de Renato para seu principal atacante.
A bagunça defensiva foi vista em jogadaça de Cañete, que chutou para fora aos 43 e quase ampliou para os visitantes. No lance derradeiro da
primeira etapa, Douglas bateu falta e o inseguro Garcés fez grande defesa ao pé da trave direita. Fim da etapa inicial e aplausos da torcida, ciente das dificuldades mas acreditando em uma reação.
O segundo tempo começou com um equívoco de Renato, que tirou o terceiro volante William Magrão mas, ao invés de colocar os experientes Carlos Alberto e Escudero, colocou o garoto Lins isolado no ataque. Já a promessa Leandro sentiu o jogo e, aos 17 anos, afundou em sua estréia na Libertadores, sendo substituído na metade do segundo tempo por Carlos Alberto. Quando a Catolica errou uma sequência de saídas de bola, o Grêmio aproveitou: Douglas recebeu na ponta-direita, limpou para o meio, olhou, limpou de novo e desferiu um petardo no ângulo, golaço e 1×1 aos 14 minutos. Virada?
Não foi o que ocorreu, o Grêmio se afobou mais ainda e simplesmente não jogava pelo meio-campo trocando passes. Aos 23, Villanueva deu uma entrada assassina em Lins e não foi expulso, e logo depois Valenzuelaacertou Rochemback em outro lance violento, o que seria o 2º amarelo e posterior expulsão. Aos 28 minutos, erro de passe no meio-campo e bela jogada pelo lado esquerdo da Catolica. Meneses recebeu na linha de fundo e cruzou no segundo poste para Pratto fuzilar Grohe, 2×1.
Dali em diante o Grêmio não fez rigorosamente nada. Exausto e com dificuldades de articulação, o Tricolor transpirava com Douglas, Adílson e
Rochembackmas sem a mínima inspiração dos demais. A entrada de Escudero aos 44 minutos no lugar do vaiadíssimo Gílson mostrou novamente a total desconfiança de Renato com o argentino. A última chance foi da Catolica, quando Meneses aproveitou erro defensivo, chegou na cara do gol e chutou em cima de Marcelo Grohe, que salvou o Grêmio de uma real eliminação. Fim de jogo, muitas vaias no Olímpico.
Em uma semana, Renato terá o retorno de Rodolfo na zaga, mas seguirá sem Lúcio e Victor. Perdeu ainda Borges e não terá André Lima.
Ah, e tem Gre-Nal no domingo. Como disse o ex-dirigente colorado Ibsen Pinheiro, ‘Gre-Nal serve para arrumar ou bagunçar a casa’.
Uma vitória dá o bicampeonato estadual, ânimo para a decisão em Santiago e paz. Uma derrota só amplia a desconfiança e leva para duas
decisões desgastantes no Gauchão.
Desconfortável, Renato mostra sinais de esgotamento com a falta de opções. E a torcida começa a dar sinais de desânimo.
Agora complicou bastante.