Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de janeiro 2012

NFL e Geo Eventos fecham parceria inédita no Brasil: Fan Party em São Paulo!

31 de janeiro de 2012 0

A Geo Eventos, empresa de eventos do Grupo RBS e das Organizações Globo, assinou uma parceria inédita com a NFL, Liga de Futebol Norte-Americano. Pela primeira vez na história deste esporte, ocorrerá uma “NFL Fan Party” para acompanhar a decisão da temporada 2011/12 entre New York Giants e New England Patriots. O Super Bowl será neste domingo em Indianápolis, a partir das 22h.

Super Bowl 2012 terá Fan Party no Brasil, parceria da NFL com a Geo Eventos

A Fan Party será organizada no bar Maevva, bairro de Itaim-Bibi em São Paulo-SP. Está prevista a presença de mil aficcionados pelo esporte, com ingressos a 120 reais.  A abertura da casa será em torno das 18h, com evento previsto para terminar na madrugada.

De acordo com o executivo Leandro Valentim, da Geo Eventos, a parceria tem prazo de dois anos. A intenção é de que a NFL Fest de 2012 seja replicada em cinco capitais na próxima temporada, e que transmissões ocorram em salas de cinema por todo o Brasil.

O objetivo da NFL entrar no mercado brasileiro é atender um público fortemente ligado ao esporte, com alto poder aquisitivo e de classe etária bastante baixa. O esporte já possui um bom número de praticantes e a Liga Brasileira de Futebol Americano .

A NFL quer olhar mais de perto para o Brasil, colher dados efetivos de retorno de audiência, participação, para que no futuro possa ter uma proposta maior”, disse o executivo Leandro Valentim em entrevista ao portal UOL.

Nesta temporada, pela primeira vez a ESPN conseguiu os direitos de transmissão das duas conferências, com até três jogos em cada domingo, e partidas na quinta e segunda-feira. A emissora tambéme transmitiu todos os jogos da pós-temporada, e chegou a virtualmente monopolizar os “Trending Topics” do Twitter especialmente nas noites de domingo e segunda-feira, superando inclusive atrações da TV Aberta.

LOCAL: Bar Maevva (http://maevva.com.br/)
ENDEREÇO: Rua Professor Atílio Innocenti, 376. Bairro Itaim-Bibi
ABERTURA: 18h
INGRESSO: R$ 120

ATRAÇÕES DA FESTA: água, refrigerante e cerveja liberada (inclusos no ingresso), mini-sanduíches e pipoca (pago a parte)
8 Cheerleaders  + Mestre de Cerimônias André Adler + Sorteios de brindes oficiais da NFL (copos, bolas, canetas, bonés etc)

CONFIRAM A COBERTURA COMPLETA DO SUPER BOWL NO BLOG

NO HUDDLE -> http://www.nohuddle.com.br

ARTIGO: "Mudança de Filosofia no futebol de base

27 de janeiro de 2012 0

Já externei minha posição sobre políticas de futebol, organização de times de categorias de base, então divulgo o texto abaixo que sintetiza o que penso, escrito pelo técnico Fabio Cunha e que eu divulgo aqui.

“Mudança de filosofia no futebol de base

por Fabio Cunha

O exemplo do Barcelona pode nos ensinar uma lição. Quando Guardiola, técnico da equipe catalã, disse em entrevista coletiva após a final do Mundial Interclubes: “… o que tentamos é passar a bola a um companheiro o quanto antes possível… o que o Brasil fazia, segundo o que contam meus pais e meus avós, desde sempre.”, nos transmite um misto de orgulho e vergonha.


Se os espanhóis, que unanimemente jogam o melhor e o mais bonito futebol apresentado por uma equipe no mundo, mostram um jogo de toque de bola, passes rápidos e jogadas bonitas, por que nenhuma equipe brasileira ou a Seleção conseguem repetir essa forma de jogar?
A desculpa de que o Barcelona é um clube rico e, assim, contrata grandes jogadores, aqui não serve, pois 8 ou 9 jogadores do time titular foram formados em sua categoria de base.


Alguns usarão como desculpa que a equipe catalã joga há muitos anos junta e então os jogadores tem um bom entrosamento. Isso é um aspecto que ajuda, com certeza, mas que sozinho não justifica esse resultado. A grande explicação é a formação de base.


O clube espanhol possui uma filosofia clara e bem definida para a formação dos seus atletas. No lado técnico a preocupação é formar um atleta com qualidade técnica, com os fundamentos bem desenvolvidos e afirmados. No aspecto tático o objetivo é montar equipes coesas que mantém a posse de bola, que troquem passes em velocidade e, principalmente, jogadores solidários e comprometidos com o coletivo.


Não quero aqui valorizar o Barcelona, mas sim a filosofia adotada, uma filosofia que se preocupa com a formação completa do jovem atleta e não com o resultado imediato.O mais incrível é que o trabalho bem feito, bem planejado, que respeita o desenvolvimento maturacional, que respeita as características de cada faixa etária, acaba trazendo, também, resultados esportivos a curto e médio prazo.


Devemos mudar a filosofia da formação de base no Brasil. Os clubes devem primeiro colocar dirigentes capacitados que não pressionem jogadores e técnicos por resultados esportivos. Em segundo lugar, devem contratar técnicos e demais membros da comissão técnica com qualificação profissional, que entendam de crescimento, maturação e desenvolvimento motor e que trabalhem os garotos pensando no futuro como atletas e cidadãos. Em terceiro lugar, o clube deve investir na infraestrutura e nas condições para que os treinamentos ocorram de forma científica e profissional, pois a estrutura é fundamental.


Destaco que desses pontos o principal é a qualificação dos profissionais que atuam no dia a dia com os jovens atletas. Necessitamos de técnicos mais qualificados nas categorias de base. Quando o futebol brasileiro se atentar para esses pontos e para essa realidade, voltaremos a revelar craques em quantidade.

Não podemos mais viver de um ou outro grande jogador que surja mais por sorte do que por trabalho bem feito. Com isso, ganham os clubes, a Seleção, os torcedores, os atletas e o futebol brasileiro. Poderemos assim ver não apenas um Barcelona, mas sim inúmeros times apresentando um futebol vistoso e competitivo como vimos na manhã daquele 18 de dezembro de 2011 durante a final do Mundial Interclubes.

Prof. Fabio Cunha
Twitter: @tec_FabioCunha
CREF: 003535-G/SP
Livro: Técnico de futebol – a arte de comandar: http://www.fcunha.com.br/livro_tecnicofutebol.htm

Copa Africana: Guiné Equatorial faz gol aos 48' do 2° tempo e entra na história

26 de janeiro de 2012 0

A modestíssima seleção de Guiné Equatorial entrou na história do futebol africano nesta última quarta-feira. Co-anfitriã da Copa Africana de Nações ao lado do Gabão, venceu por 2×1 o favorito Senegal e se classificou para a segunda fase da competição.

Randy fez 1×0 no início do segundo tempo, mas Moussa Sow empatou para os senegaleses aos 44 minutos. Aos 48, um golaço de David Álvarez, nos acréscimos, decretou a vitória de 2×1 de Guiné Equatorial, classificada por antecipação para a segunda fase do torneio. Confiram os gols da partida:

O feito é mais espetacular porque este país, de colonização espanhola, não tem NENHUMA tradição no esporte. É apenas o número 151 no Ranking da FIFA, e nunca fez nada de relevante internacionalmente. Para vocês terem uma idéia, um dos jogadores é brasileiro naturalizado guiné-equatoriano: o goleiro Danilo, ex-Salgueiro-PE e que joga hoje pelo América-PE.

Nos últimos anos, o time melhorou com vários jogadores que atuam na Espanha e tem ascendência guinéu-equatoriana. Mas sem nenhum destaque até o início da semana… Com um prêmio de um milhão de dólares prometido pelo filho do presidente, Teodoro Nguema Obiang, e mais 35 mil reais a cada gol marcado, os empolgados comandados pelo técnico brasileiro Gílson Paulo venceram a Líbia por 1×0.

Um país rico em petróleo, Guiné Equatorial vive a dualidade entre uma elite milionária, enriquecida com os petrodólares, e uma maioria absoluta vivendo na profunda miséria, posição 136 no índice de desenvolvimento humano da ONU.

Já o  presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, é apontado como um dos chefes de estado mais ricos de todo o mundo… Lindo isto, né?

Como nada tem a ver com seus governantes, os raçudos do time de Guiné Equatorial seguem buscando seu sonho.

Por enquanto, um conto de fadas africano.

Os renegados, dispensados, emprestados: os 32 que deixaram o Inter

23 de janeiro de 2012 0

A saída de Ilsinho, devolvido ao Shatkhar Donetsk após derrota judicial no TAS (Tribunal Arbitral do Esporte), selou a vigésima dispensa do Internacional em definitivo na temporada 2012. Além dos 20 atletas que não vestem mais a camisa colorada, outros 12 foram emprestados.

Esta gigantesca lista de dispensas pode aumentar ainda mais. Além de D’Alessandro, em situação indefinida no elenco, outros seis jogadores estão treinando em separado, aguardando propostas. Wílson Matias e Lucas Roggia tem sondagens do América do México e do futebol italiano, mas ainda não concretizadas.

NEGOCIADOS/DEVOLVIDOS/DISPENSADOS – 20 ATLETAS
  1. Rafael Copetti – goleiro – Benfica-POR
  2. Daniel – lateral-direito – São Caetano
  3. Rodrigo – zagueiro – Vitória
  4. Sorondo – zagueiro – Grêmio
  5. Mineiro – zagueiro – sem contrato
  6. Titi – zagueiro – Bahia
  7. Juan – zagueiro – Novara-ITA
  8. Glaydson – volante – futebol chinês
  9. Andrezinho – meia – Botafogo
  10. Tales – meia-atacante – ASA-AL
  11. Bolaños – meia-atacante – sem contrato
  12. Ilsinho – meia-atacante – Shakthar Donetsk-UCR
  13. Ricardo Goulart – meia-atacante – Goiás (*)
  14. Siloé – atacante – Náutico
  15. Léo – atacante – União Leiria-POR
  16. Alex – atacante – Fluminense (*)
  17. Fabinho – atacante – Atlético-MG
  18. Talles Cunha – atacante – Botafogo-SP
  19. Guto – atacante – Chongqing Lifan-CHI
  20. Zé Roberto – atacante – Bahia
    OBS: (*) – Fim do empréstimo
EMPRESTADOS  - 12 ATLETAS
  1. Lauro – goleiro – Ponte Preta
  2. Ronaldo Alves – zagueiro – Náutico
  3. Alisson – lateral-direito – Criciúma
  4. Ronaldo Conceição – zagueiro – Náutico
  5. Igor – zagueiro – Marítimo-POR
  6. Massari – lateral-esquerdo – Chapecoense
  7. Juliano – volante – Goiás
  8. Derley – volante – Náutico
  9. Milton Júnior – volante – Sport
  10. Marinho – meia-atacante – Goiás
  11. Thiago Humberto – meia-atacante – Goiás
  12. Marquinhos – meia-atacante – Sport
FORA DOS PLANOS  - 6 ATLETAS
  1. Kléber Silva (lateral-direito)
  2. Maycon (volante)
  3. Wílson Matias (volante)
  4. Ytalo (meia-atacante)
  5. Luís Carlos (atacante)
  6. Lucas Roggia (atacante)

Torcedor Xavante faz campanha para que Copa FGF se chame "Claudio Milar"

16 de janeiro de 2012 0

Há exatos 3 anos e 1 dia, o Brasil de Pelotas viveu a noite mais trágica de sua existência. No dia 15 de janeiro de 2009, o ônibus que levava a delegação, dirigentes e jogadores do time após um amistoso em Santa Cruz do Sul perdeu o controle e saiu da pista, capotando. Imediatamente três pessoas morreram: o preparador de goleiros Giovani, o zagueiro Régis e o capitão, artilheiro e ídolo Cláudio Milar.

Ônibus do Brasil de Pelotas após o acidente - Foto: Nauro Júnior (RBS)

Depois de uma comoção generalizada na torcida Xavante, o sentimento de perda. O artilheiro dos mais de 100 gols pelo Brasil de Pelotas se foi. E é neste sentido que o torcedor Mateus Schneider está fazendo uma campanha em homenagem ao seu ídolo. O xavante quer que a Copa FGF de 2012 se chame “Copa Cláudio Milar”.

Cláudio Milar - Eterno ídolo Xavante - Foto: Divulgação (clicRBSPelotas)

Vejam a carta que ele está enviando para divulgar sua ideia:

“Quem é Xavante vem comigo, quem não é mas RESPEITA o futebol do interior, apoia!

Por: Mateus Schneider, técnico de Segurança no Trabalho, mateuschneider@yahoo.com.br

Chamo-me Mateus Schneider, morador de Pelotas e torcedor do Grêmio Esportivo Brasil, o popular xavante.

Não sei se esta mensagem um dia chegará até as mãos do senhor presidente Novelleto, mas gostaria de expor, neste canal de comunicação, um pedido.

Tenho 28 anos, trabalho na Unimed Pelotas, casado, pai de um menino de dez meses (Murilo) e apaixonado pelo Brasil de Pelotas. Sou torcedor 100% xavante! Não tenho dois times… não sou Brasil e Inter ou Brasil e Grêmio… Sou xavante! Mais nada…

Tenho meu nome na “Calçada da Paixão” (Espaço reservado aos fanáticos xavantes) e marco presença nas arquibancadas seja na primeira divisão do gauchão, seja na segundona (A2) ou no Brasileiro da C (e não irei abandonar agora na D…).


Acompanho o meu time há anos, seja aqui em Pelotas, seja em outras cidades, me orgulho de dizer que sempre torcendo em paz, sem nunca ter me envolvido em qualquer tipo de problema. Nesses anos que frequento o Bento Freitas, aprendi a admirar um “certo castelhano”…

Esse cara, que em 2004 tornou-se o maior artilheiro do país em um campeonato regional, que deixava zagueiros no chão, atuando como um legítimo ponteiro direito, cortando com a direita, trazendo de volta para esquerda e levando a “maior e mais fiel” ao delírio!

Claudio Milar deixou de ser um simples jogador e se tornou o maior ídolo do centenário Grêmio Esportivo Brasil!

Por aqui já passaram Galego, Bira, Joaquinzinho (aquele que seria trocado por Pelé…), Gilson “Cabeção” Luizinho Vieira, Felipão e Mano Menezes (técnicos) mas ninguém… ninguém conquistará o amor dessa torcida como o hermano teve, tem e terá!

Naquele dia 15 de janeiro de 2009, chamado o dia que superamos ou a noite que não acabou como tratam o jornalista Eduardo Cecconi e o fotógrafo Nauro Júnior, perdemos Milar, Régis e Giovane.

Lógico que o sentimento de dor ainda vive, mas também não serei hipócrita… Não haverá outro Claudio Milar!

O sentimento que tenho (e posso falar por milhares de torcedores) com a partida desse, que seria esse ano aposentado e seguiria seu caminho no Xavante para um dia ser presidente, é muito forte! Ninguém aceita a partida…

Quando aquele ônibus “rolou” barranco abaixo, todos os nossos sonhos, todas as nossas lutas, glórias, vitórias, ficaram espalhados em 30 metros de desespero…

De la para cá, o meu time foi rebaixado (duas vezes – Gauchão e Brasileiro C), a torcida deixou de acreditar no time, nossa média de público é comparada a times que, com todo o respeito, não deveriam nem ser chamados de profissionais….

O meu pedido vem, para levantar uma nação rubro-negra, que está tão ferida quantos seus atletas daqueles 15 de janeiro…

O meu pedido vem, para homenagear um atleta, que por vontade de Deus, nos deixou há aproximadamente três anos…

Por isso, faço sugestão à Federação Gaúcha de Futebol, com carinho… que a próxima Copa da Federação se chame Copa Claudio Milar!

Fica aqui o pedido, não de um torcedor… fica aqui o pedido de um xavante que representa a tribo da raça do interior!

Que a copinha de 2012 se chame Copa Claudio Milar.
Um forte abraço e 2012 seja repleto de coisas boas para o nosso Brasil.

2011 - Contratações do Grêmio: quem deu certo e quem fracassou

15 de janeiro de 2012 0

A temporada 2012 começa com a esperança renovada no Grêmio. Nada menos que 8 jogadores já foram contratados para o grupo principal tricolor. Algumas contratações de impacto, como há muito não se via no Olímpico, que vive seu último ano de existência antes da inauguração da Arena Grêmio no bairro Humaitá. Porém hoje é o momento de avaliarmos as contratações de 2011, repetindo o que foi feito com o Internacional no final do ano passado. Vamos aos dados?

Em 2011, o Grêmio fez 11 contratações. As mais vultosas foram de Rodolfo, zagueiro que veio por empréstimo para ser o comandante da defensiva e que custava 300 mil reais mensais, e Miralles, atacante argentino destaque no futebol chileno, comprado em definitivo. Outros nomes de impacto foram o temperamental Carlos Alberto, que veio por empréstimo de um ano, e o veterano pentacampeão Gilberto Silva, jogador procurado pelo Grêmio há mais de ano.

Rodolfo - zagueiro – Lokomotiv Moscou-RUS – Status: REPROVADO COM LOUVOR – Indicado pelo então técnico Renato Gaúcho, foi titular todo o tempo no Grêmio e teve atuações muito ruins, fazendo alguns gols mas falhando demais especialmente nos duelos com Leandro Damião nos Gre-Nais. Sofreu grave lesão no primeiro jogo do Brasileiro e não atuou mais na temporada.

Edcarlos - zagueiro – Cruzeiro – Status: REPROVADO - Contratação de ocasião para suprir a lesão de Rodolfo, foi titular em alguns jogos mas nunca atuou bem. Muito criticado pela torcida e imprensa, foi dispensado após seis meses.

Júlio César, destaque na temporada 2011 - Foto: Adriano de Carvalho (ZeroHora.com)

Júlio César – lateral-esquerdo – Fluminense – Status: APROVADO - Contratação de ocasião também no meio da temporada para a crônica carência na lateral-esquerda tricolor. Teve ótimas atuações no início, algumas irregulares (como todo o time) na reta final do Brasileirão. Mas garantiu seu lugar e mostrou o bom futebol dos tempos de Goiás.

Gilberto Silva - volante – Panathinaikos-GRE – Status: REPROVADO - Muito lento, mostrou sentir o peso da idade. Teve até um bom início, mas depois caiu de rendimento. Não justificou ainda seu alto salário e até na defesa não foi muito bem. Precisa melhorar em 2012

Marquinhos - meia – Avaí – Status: APROVADO - Mesmo sendo uma contratação de grupo, teve uma média geral de boas atuações. Foi líder de passes para gol desde que veio para o Grêmio e ainda se adonou da bola parada. Os melhores momentos do Grêmio no 2° turno foram em boas atuações de sua parte.

Vinícius Pacheco – meia-atacante – Flamengo – Status: REPROVADO - Mais uma indicação de Renato Gaúcho, até começou bem fazendo gols na seletiva pré-Libertadores contra o Liverpool-URU, mas depois caiu demais de rendimento. Pouco aplicado nos treinos, teve sua saída facilitada no meio do ano.

Escudero – meia-atacante – Boca Juniors-ARG – Status: REPROVADO - No início, muito tímido e com uma indefinição sobre em que posição jogava: se de meia-esquerda ou atacante. Somente no 4-2-3-1 de Celso Roth mostrou algum futebol, mas errou demais em chances claras de gol. Muito irregular, não teve seu contrato renovado.

Carlos Alberto - meia-atacante – Vasco da Gama – Status: REPROVADO COM LOUVOR – O polêmico Carlos Alberto só arrumou confusão em Porto Alegre. O único gol que fez comemorou provocando os colorados, fazendo a ‘dancinha do Kidiaba’, e arrumou diversas encrencas com sua conta de twitter. Com um futebol medíocre, foi devolvido ainda no primeiro semestre ao Vasco da Gama, que o repassou ao Bahia.

Lins - atacante – Criciúma – Status: REPROVADO - Veio como contratação de grupo e até começou bem, fazendo o gol da vitória no Gre-Nal de reservas disputado em janeiro, na cidade de Rivera-URU. Depois teve atuações muito ruins, mesmo sendo titular em muitos jogos. Com apenas 2 gols em mais de 20 jogos, foi liberado para jogar na Série B pelo ABC.

Miralles - atacante – Colo-Colo-CHI – Status: REPROVADO - Contratação mais cara da temporada (mais de 2 milhões de dólares), começou com problemas de adaptação e lesões. Também foi acusado, inclusive publicamente, de não se aplicar nos treinamentos. Tinha uma notória má-vontade do técnico Celso Roth, mas mostrou lampejos de bom futebol nos jogos finais. Precisa mostrar mais em 2012.

Brandão - atacante – Cruzeiro – Status: REPROVADO - Veio como opção de grupo para a péssima fase de André Lima. Sofreu uma lesão muscular que o atrapalhou justo em seu melhor momento na temporada, mas fez alguns bons jogos. Só não permaneceu nos planos pois seu contrato iria até julho e o Olympique Marseille, time detentor do seus direitos federativos, não quis estender o empréstimo até o final deste ano.

VEJA TAMBÉM:2011 – Contratações do Internacional: quem deu certo e quem fracassou

NFL Playoffs: o nascimento de uma lenda? Tim Tebow entra para a história

09 de janeiro de 2012 0

Neste final de semana foi disputada a primeira fase dos playoffs da NFL, a Liga de Futebol Norte-Americano. Os favoritos New Orleans Saints, Houston Texans e New York Giants (meu time) venceram sem dificuldades respectivamente Detroit Lions, Cincinatti Bengals e Atlanta Falcons. Faltava o último jogo, e todos os prognósticos apontavam para um vitória do visitante Pittsburgh Steelers contra o Denver Broncos, em seu primeiro jogo de pós-temporada em muitos anos.

E a zebra imperou neste jogo, com vários recordes e somente decidido na prorrogação. Com uma atuação surpreendente liderada por um quarterback (QB) discutido, os Broncos venceram por 29 a 23 na primeira jogada do tempo extra e estão na semifinal de Conferência, quando enfrentarão o temível New England Patriots (de Tom Brady) fora de casa.

Mesmo como visitante, os Steelers se baseavam na forte defesa (a melhor da temporada regular) e no ótimo quarterback, o temperamental e heróico Ben Roethlisberger, famoso pela raça em campo (já jogou lesionado muitas vezes) e por polêmicas fora de campo: sofreu um acidente de moto e quase morreu, depois foi acusado duas vezes, e inocentado em ambas, de estupro. Campeão duas vezes do SuperBowl (em 2004 e 2007), “Big Ben” tem muitos dos melhores números do esporte em todos os tempos. Foi também o melhor estreante de todos os tempos, completando 13 vitórias em 13 jogos na temporada regular, ainda em 2004.

Do outro lado, o Denver Broncos, com campanha fraca e que tem como principal estrela o jovem Tim Tebow. Quarterback reserva, barrou Kyle Orton depois de um início ruim e levou seu time a impressivas seis vitórias consecutivas, quase sempre decididas nos segundos finais. Na reta final, perdeu três jogos e teve atuações bem ruins, e as contestações iniciais sobre seus números chegaram ao ápice.

Tim Tebow agradecendo aos céus - O cara do momento na NFL -> Foto reprodução site oficial http://www.timtebow.com

Isto porque o estilo de Tebow é baseado em muitas corridas, algo raro para um QB, e passes não tão bons, essência de um jogador desta posição. Com números bem ruins em jogadas aéreas, os Broncos se sobressaem no jogo corrido e o próprio Tebow fez muitos touchdowns (TD) ao longo da temporada. Eu, confesso, não gostei dos primeiros jogos de Tebow.

Porém os números são indiscutíveis: o garoto tem estrela! Em todas as vitórias dos Broncos com ele no comando, Tebow fez jogadas espetaculares no último quarto, depois de um primeiro tempo bastante ruim. Ele mesmo resolveu três jogos, conquistando pontuações da vitória nos segundos finais.

Sua forte religiosidade, orando após cada jogada importante (aos 24 anos, Tebow está ‘se guardando’ para o casamento) também tem causado comentários. Ele já tem uma ONG em prol dos necessitados e gasta boa parte do tempo livre em ações assistenciais.

Ontem, quando a maioria (eu incluso) esperava uma lavada dos Steelers (atuais vice-campeões da Liga), tudo deu errado. Depois de dois field goals (FG), os Steelers venciam por 6×0 no segundo quarto. Tebow acertou três passes de mais de 40 jardas e levou seu time a dois TD’s e dois FG só no segundo quarto, virando para extraordinários 20×6 em favor dos Broncos.

Mesmo com uma notável lesão no tornozelo de Big Ben, os Steelers reagiram no segundo tempo e fizeram 17 pontos, contra apenas 3 dos Broncos. Nos segundos finais, o time visitante teve a chance de vencer, mas uma punição e um snap errado tiraram a chance de um FG e levaram o jogo para a prorrogação, 23 a 23.

O Denver ganhou o sorteio do primeiro tempo extra desde a adoção de novas regras, que deixam menos “morte súbita” a prorrogação. Porém uma das exceções é um time marcar um TD.

E, no primeiro passe depois do chute de kickoff, Tebow acertou um passe de 80 jardas para Demaryius Thomas, que arrancou a “endzone”, garantindo a vitória dos Broncos e uma noite de festa em Denver, no Colorado. Foi o passe mais longo da história da NFL a decidir uma prorrogação, que também foi a mais curta de todos os tempos (durou 11 segundos).

http://www.nfl.com/videos/auto/09000d5d825d5408/GameDay-Steelers-vs-Broncos-highlights

Ao final do jogo, Tebow que só havia completado 6 de 22 passes no último jogo, para ridículas 60 jardas, conquistara 316 jardas em 10 de 21passes, para dois TD e um TD correndo. Sua média de 11 jardas no 2° quarto se transformou para 126! Isto sem contar que o Broncos fez 20 pontos neste mesmo quarto, contra 33 no 2° quarto ao longo de toda a temporada somada.

Provavelmente na próxima semana, contra Tom Brady um dos 10 maiores quarterbacks de todos os tempos, o “sonho” de Tebow e dos Broncos deve acabar. Os Patriots são um time mais experiente, qualificado em todos os setores e com melhores opções ofensivas, sempre comandado pelo maridão da brazuca Gisele Bundchen. Só que, ao contrário do vôlei, o futebol americano é um esporte no qual a zebra ocorre tanto quanto no seu homônimo mais famoso. Nada é garantido.

O que ocorreu no intervalo de uma semana para uma mudança tão radical? Não sei, mas talvez as sábias palavras de John Elway, lenda dos Broncos e hoje dirigente do clube, possam ajudar a esclarecer. O bicampeão do Super Bowl, no Hall da Fama do esporte e (tão bom que o rival Roethlisberger usa a camisa sete em sua homenagem, declarou em apoio ao seu atleta após a semana conturbada: “Tebow, aperte o gatilho”.

O resultado? Todos vimos ontem na gélida noite em Denver.

O milagre pode se repetir… Veremos semana que vem!

As 5 maiores transferências da história do futebol gaúcho aquisições - Jan/2011

06 de janeiro de 2012 0

Vocês sabem quem são os jogadores mais caros da história do futebol gaúcho? Não as transferências de saída, e sim os atletas comprados pela Dupla Gre-Nal? A lista, obtida com muita dificuldade em pesquisa dos jogadores, tem três jogadores gremistas e dois colorados. O campeão é o meia Beto, comprado a preço de ouro pelo Grêmio do futebol italiano mas que amargou uma fase tenebrosa no estádio Olímpico.

A contratação do boliviano Marcelo Moreno foi a terceira mais cara da história do futebol gaúcho. O atacante foi contratado por 3,5 milhões de euros, mais os 15% de Douglas Costa (que pertenciam ao Grêmio e agora pertencem ao ucraniano Shakthar Donetsk, time de origem de Moreno. Outra aquisição ocorreu em 2009 e mais uma em 2008. A mais antiga é, justamente, a mais cara: de quase 15 anos atrás.

Beto, jogador mais caro da história do futebol gaúcho - foto: José Doval (Zero Hora)

1º) Beto – Napoli-ITA -> Grêmio: US$ 7 milhões (1997)

Análise: Beto deixou o Olímpico sem nenhum título, em um período de instabilidade técnica tricolor (do multicampeão time de Felipão antes do período milionário da ISL). Com problemas disciplinares, não deixou saudades e foi negociado com o futebol japonês ao final deste período.

2º) Andrés D’Alessandro – San Lorenzo-ARG -> Internacional: US$ 5 milhões (2008)

Análise: D’Ale pertencia a empresários argentinos e ao Real Zaragoza, e estava jogando emprestado ao San Lorenzo de Buenos Aires. Veio com pompa de estrela depois de uma má-fase na Europa. No Beira-Rio, conquistou

3º) Marcelo Moreno – Shakthar Donetsk-UCR -> Grêmio: US$ 4.45 milhões (2011)

Análise: contratado nesta temporada pelo Grêmio, não jogou pelo novo clube.

4º) Marcelinho Paraíba – Olympique Marseille-FRA -> Grêmio: US$ 4 milhões (2001)

Análise: contratação que menos tempo ficou no clube: seis meses. Tempo suficiente para ser campeão gaúcho e da Copa do Brasil, com atuações extraordinárias. Talvez o último grande atacante em grande fase no Grêmio, sendo negociado para o futebol alemão.

5º) Mario Bolatti – Fiorentina-ITA -> Internacional: US$ 4 milhões (2010)

Análise: Começou dando show,marcando 3 gols em 4 jogos. Depois se lesionou e caiu muito de produção, terminando a temporada na reserva. Está devendo.

OBS: Números passíveis de correção, aguardo sugestões dos leitores. Todos os valores são conversões feitas à época, sem inflação.

VEJA TAMBÉM: