Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 30 outubro 2012

SEMINÁRIO: "Campo aberto: novas possibilidades para o futebol"

30 de outubro de 2012 0

Como vocês sabem, sou um entusiasta dos aspectos profissionais e gerenciais do futebol, dentro e fora dos gramados. Também me interessa, e este é inclusive um lema aqui do Almanaque Esportivo, a busca pela opinião esportiva de qualidade. Sendo assim, cabe aqui o espaço para divulgação de eventos que contemplem estas filosofias.

Seminário "Campo Aberto - Novas possibilidades para o futebol" - Foto: Divulgação

O seminário “Campo aberto: novas possibilidades para o futebol trata justamente destes dois aspectos: fala da opinião esportiva, em evento de um dia conduzido pelo jornalista Vicente Fonseca, do site Carta na Manga. Este painel terá a ilustre presença do antenadíssimo Nando Gross, comentarista da Rádio Gaúcha e também da TVCOM,  e do legendário Douglas Ceconello, artífice do sensacional site Impedimento (do qual os meus fiéis companheiros do Twitter sabem que sou fã incondicional).

O segundo painel trata sobre a formação necessária para que o profissional tenha um preparo adequado para as exigências que o futebol moderno hoje possui. Sobre isto falam Guilherme Piletti, da Perestroika, e Sandra de Deus, professora da UFRGS com ênfase em jornalismo esportivo.

Isto ainda é aplicável ao terceiro e último painel, que cita “cases” de inovação no âmbito esportivo, apresentados por Fernando Leite, do site “Grêmio Hoje”, e Eduardo Menezes, da agência 3YZ. Tudo isto em um contexto de inserção no cenário da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, e sob a ótica da profunda revolução ocorrida no cenário esportivo brasileiro nas últimas décadas: do amadorismo vigente até os anos 90 para os clubes com orçamentos de potências européias.

————————————————————————————————

PROGRAMAÇÃO

Sábado, 10/11/2012

10h30 – Mesa de abertura: os novos rumos da imprensa esportiva
Palestrantes:
Nando Gross (Rádio Gaúcha) e Douglas Ceconello (site Impedimento)

12h – Intervalo para almoço

13h30 – Mesa 2: formação voltada ao esporte
Palestrantes:
Guilherme Piletti (Perestroika) e Sandra de Deus (UFRGS)

15h – Coffee break

15h15 – Mesa 3: projetos inovadores ligados ao futebol
Palestrantes:
Fernando Leite (site Grêmio Hoje) e Eduardo Menezes (3yz)

16h45 – Encerramento

PALESTRANTES
Nando Gross: jornalista esportivo. Comentarista e apresentador do programa “Hoje nos Esportes”, da Rádio Gaúcha.

Douglas Ceconello: jornalista, fundador e editor do site Impedimento (www.impedimento.org), especializado em futebol sul-americano.

Guilherme Piletti: produtor do curso Kick Off, voltado ao futebol, na escola criativa Perestroika.

Sandra de Deus: jornalista, professora e coordenadora do curso de especialização em Jornalismo Esportivo da UFRGS. É Pró-Reitora de Extensão da universidade.

Fernando Leite: criador do site Grêmio Hoje (www.gremiohoje.com.br) e um dos autores do livro “Grêmio Hoje e Sempre”.

Eduardo Menezes: publicitário, diretor de planejamento criativo da agência 3yz e desenvolvedor de projetos como o livro “A Copa que Interessa”, entre outros voltados ao futebol.

MEDIAÇÃO DOS DEBATES
Vicente Fonseca: jornalista esportivo, mestre em Comunicação pela UFRGS e diretor da Carta na Manga.

FUTEBOL PELO MUNDO: Histórias de verdadeiro "fair-play" em gols e pênaltis

30 de outubro de 2012 0

A discussão sobre o gol ilegal de Hernán Barcos com a mão contra o Internacional e a falta de “fair-play” do jogador argentino do Palmeiras remeteram ao lance ocorrido com o alemão Miroslav Klose, da Lazio, que também fez gol com a mão mas se acusou e o lance foi invalidado. Vejam o lance do alemão:

Ao longo dos anos, criei a convicção que este “fair-play” imposto à força pela FIFA e pela UEFA são totalmente contrários ao bem do futebol. Jogadores fingem lesões para parar o jogo, o tempo de jogo em andamento é reduzido, fora o inevitável “mimimi”. Sendo assim, resolvi homenagear alguns lances de verdadeiros momentos de “fair-play”:

  • ROBBIE FOWLER, ARSENAL X LIVERPOOL – 1997 – CAMPEONATO INGLÊS

O temperamental e talentoso atacante inglês Robbie Fowler, uma lenda dos torcedores do Liverpool, protagonizou um dos mais memoráveis lances que eu vi de puro “jogo limpo”. Em uma partida duríssima contra o rival Arsenal em Highbury Park peloCampeonato Inglês em 1997, Fowler caiu na área após toque com David Seaman, goleiro do Arsenal.

Imediatamente, o juiz Gerald Ashby marcou pênalti. Então a surpresa: Fowler categoricamente acenou e falou que não foi pênalti, mas o juiz não voltou atrás. Batedor-oficial, Fowler acabou batendo mal (não errou de propósito segundo ele), Seaman pegou mas no rebote Jason McAteer tocou para as redes:

  • VITTORIO ESPOSITO, U.S. TERMOLI X TORRES – COPPA ITALIA DILLETANI 2012

Em jogo válido pela Copa da Itália amadora, a “Coppa Italia Dilletani”, o U.S. Termoli vencia o Torres por 1×0 e já se classificava. Quase no final da partida, Vittorio Esposito caiu na área e o juiz deu pênalti, mesmo com o jogador dizendo que não foi e para desespero do Torres. Em protesto, o goleiro não se mexeria na cobrança, de braços cruzados. Porém Esposito fez questão de errar o pênalti, chutando propositadamente para fora, em um momento de grandeza:

  • MORTEN WIEGHORST – DINAMARCA X IRÃ – TORNEIO AMISTOSO CARLSBERG CUP 2003

O capitão dinamarquês Morten Wieghorst também agiu de maneira admirável em um torneio amistoso de 2003. Quase no final do primeiro tempo de um jogo contra o Irã, válido pela competição amistosa Carlsberg Cup em Copenhague, o defensor iraniano Alireza Nikbakht Vahdi pegou a bola com a mão na grande área após ouvir o apito final do juiz. Porém o apito havia vindo da arquibancada, confundindo o atleta, que acabou tendo uma penalidade contra si marcada pelo árbitro Albert Chiu Sin Chuen, que não tinha outra escolha.

Após consultar o técnico Morten Olsen, Wieghorst propositadamente bateu o pênalti para fora por considerar injusta esta vantagem. Deste lance, não tenho imagens mas pesquisei que a partida encerrou-se em 1×0 para os iranianos. Sobre isto, um dirigente iraniano disse: “Os dinamarqueses não ganharam o jogo. Mas ganharam a nossa admiração”.

Outras histórias eu já contei aqui no Almanaque, vou resumir nos links abaixo: