Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de junho 2013

Gols históricos na voz de narradores locais: Argentina'86, Holanda'98, Honduras...

19 de junho de 2013 0

Como uma rádio argentina narrou o gol mítico de Maradona em 1986 contra a Inglaterra? E como os hondurenhos comemoraram a classificação para o Mundial 2010? Ou ainda o antológico gol de Dennis Bergkamp em 1998 contra a Argentina? Ontem fiz o post sobre a Roma 2001 com a narração local dos gols do título e resolvi ampliar o leque. A dica original veio do Gustavo Pedroso (@ghpedroso).

ARGENTINA 2×1 INGLATERRA – QUARTAS-DE-FINAL COPA DO MUNDO DE 1986, MÉXICO

O gol mais belo da história das Copas foi marcado por um dos maiores gênios que este mundo já viu. Diego Armando Maradona decidiu o jogo contra a Inglaterra. Estava 1×0, gol de mão do mesmo Maradona, quando o gol ocorreu. Victor Hugo Morales (aliás, URUGUAIO radicado na Argentina, valeu Vitor Vecchi), narrou desta maneira para uma rádio argentina. Não tenho mais o que dizer, só apreciar… Confiram:

HOLANDA 2X1 ARGENTINA – QUARTAS-DE-FINAL COPA DO MUNDO DE 1998, FRANÇA

Bergkamp comemorando golaço - Reprodução http://revistafutebolista.blogspot.com.br/

Em um dos melhores jogos daquele Mundial, a Holanda matou a Argentina nos minutos finais com um gol supremo do genial atacante Dennis Bergkamp. O jogo estava 1×1 quando o astro recebeu um lançamento genial de Frank de Boer, driblou Roberto Ayala e fez o gol. Narração de Jack van Gelder, de uma rádio holandesa:


ESTADOS UNIDOS 2X2 COSTA RICA – ELIMINATÓRIAS DA CONCACAF PARA A COPA DO MUNDO DE 2010

Este é uma das histórias mais singulares. Falei de Honduras, que voltou ao Mundial depois de 28 anos graças a um gol dos Estados Unidos nos acréscimos contra a Costa Rica. Os EUA perdia por 2×0 e arrancou o empate, deixando os costarriquenhos na repescagem (aonde, aliás, foram eliminados). A narração da rádio hondurenha é contagiante:

TÚNEL DO TEMPO: Há 12 anos, Grêmio e Roma conquistavam títulos históricos

17 de junho de 2013 5

17 de junho de 2001. Grêmio e Roma há doze anos conquistaram seus últimos títulos de imensa repercussão e trouxeram uma alegria inconteste aos seus torcedores. E curiosamente pelo mesmo marcador: 3×1.

Na ocasião, a Roma bateu  em um estádio Olímpico lotado e conquistou seu terceiro e último “scudetto“. Já o Tricolor gaúcho, do estádio Olímpico (curiosamente) contrariou as expectativas e simplesmente obliterou o Corinthians em um Morumbi lotado, 3×1 fora o baile e levantou sua quarta conquista da Copa do Brasil. E esta serão as histórias contadas agora…

ROMA

A Roma, treinada pelo multicampeão Fabio Capello, chegou à ultima rodada liderando por dois pontos na frente da Juventus, então comandada por Carlo Ancelotti: 72 a 70. A arquirrival Lazio tinha 69 pontos, com chances remotas (precisaria ganhar e torcer para a Roma perder e a Juve ao menos empatar). O jogo chave havia sido no começo de maio, um 2×2 heróico em Turim com a Roma saindo perdendo por 2×0.

Roma, campeã italiana em 2001 - Reprodução: capa Gazzetta dello Sport -> http://www.gazzetta.it

Era uma temporada mágica para os giallorossos, com contratações de muito impacto gerando a espinha dorsal do time, em todos os setores : o zagueiro Walter Samuel (Boca Juniors), o meia Émerson (Bayer Leverkusen) e anida matador Gabriel Batistuta (Fiorentina) . O time-base foi (3-5-2, um dos melhores que eu vi): Francesco Antonioli; Antônio Carlos, Walter Samuel e Jonathan Zebina; Cafu, Émerson, Damiano Tommasi e Vincent Candela; Francesco Totti; Vincenzo Montella e Gabriel Batistuta. Como reservas importantes: Aldair, Marcos Assunção, Cristian Zanetti Hidetoshi Nakata, Marco Delvecchio, Abel Balbo

Na rodada final, a Juventus virou sobre a Atalanta por 2×1, enquanto a Lazio levou 2×1 do Lecce fora. Porém isto nada significou já que a Roma passeava sobre o Parma no Olímpico (jogo completo): Francesco Totti aos 19, Vincenzo Montella aos 39 e Gabriel Batistuta aos 33 do segundo tempo (Marco Di Vaio descontou pros visitantes aos 37 do segundo tempo).  Fim do jejum de 18 anos sem títulos. Escutem na emocionada narração italiana:

A Roma ainda conquistaria a Copa da Itália em 2006 e 2007, mas por lá a repercussão destas conquistas não é a mesma.

O último scudetto ninguém esquece.

Grazie, Roma!

================================================================

GRÊMIO

Algumas horas depois, outro campeonato se decidia em outro país, hemisfério e continente. Treinado por Tite, um técnico jovem e com idéias arrojadas, o Grêmio chegava à sua sétima final de Copa do Brasil em busca de seu quarto título. Seu adversário era o Corinthians, algoz em 1995 na decisão deste mesmo torneio. Treinado por Luxemburgo, o Corinthians havia reduzido seus investimentos mas ainda assim era um time com jogadores de alto quilate, como Marcelinho Carioca, Muller, Ewerthon e Kléber.

Elenco do Grêmio campeão da Copa do Brasil 2001 - Reprodução: clicrbs.com.br

Foi um primeiro semestre tumultuadíssimo no Grêmio: o início da Lei Pelé, a traumática saída de Ronaldinho para o Paris Saint-Germain e a quebra da parceira ISL, deixando o time sem grandes reforços ao contrário do ano anterior. Muitos fiascos de 2000 saíram do clube, como Astrada, Amato e Paulo Nunes, e só um novo jogador indiscutível chegou: Marcelinho Paraíba. Caberia a ele se tornar o símbolo da conquista tricolor, com atuações históricas  (e duas expulsões, inclusive ficando fora do primeiro jogo da final).

O time base foi, sempre jogando em um envolvente 3-5-2: Danrlei; Marinho, Mauro Galvão e Anderson Polga; Anderson Lima, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Rodrigo Mendes(Luís Mário) e Marcelinho Paraíba. NaAlguns reservas na final jogaram bastante nas fases anteriores: Roger, Itaqui, Fábio Baiano, Cláudio Pitbull e Warley.

Antes de levantar a taça no Morumbi, o Grêmio atropelou o Coritiba nas semifinais, passou com dificuldades sobre o Fluminense e, em suas melhores atuações (além da decisão), venceu o São Paulo 2x, em casa e no Morumbi em um sensacional 4×3.  No jogo de ida da finalíssima, o Grêmio perdia por 2×0 no segundo tempo mas em uma reação fulminante, Luís Mário fez dois gols e empatou o jogo em 2×2.

Na finalíssima, o Grêmio marcou pressão avançado, sem dar espaço para a habilidade de jogadores como Marcelinho Carioca e Muller. Acuado, o Corinthians deu muitos balões e errou passes. A categoria de Zinho decidiu a partida: deu o passe pro gol de Marinho, no final do primeiro tempo.  Fez o segundo, no início do segundo tempo. E um passe magistral na jogada do terceiro gol, desta vez de Marcelinho Paraíba.

O Grêmio atropelou o Corinthians e levantou o título. Jogo completo aqui Vejam a reportagem do massacre:

CORINTHIANS 1×3 GRÊMIO
Estádio: Morumbi (São Paulo, SP)
Data: 17 de junho de 2001
Público: Não divulgado
Gols: 45’/1ºT – COR 0×1 GRE (Marinho), 02’/2ºT – COR 0×2 GRE (Zinho), 30’/2ºT – COR 1×2 GRE (Éwerthon) e
42’/2ºT – COR 1×3 GRE (Marcelinho Paraíba)
Corinthians: Maurício; Rogério (Andrezinho), Scheidt, João Carlos e Kléber; Otacílio, M. Senna (Pereira), Marcelinho e Ricardinho; Müller (Gil) e Éwerthon. Técnico: W. Luxemburgo.

Grêmio: Danrlei; Ânderson Lima (Itaqui), Marinho, Mauro Galvão (Alex Xavier) e Rubens Cardoso; Roger, Ânderson Polga, Tinga e Zinho; Luís Mário (Fábio Baiano) e Marcelinho Paraíba. Técnico: Tite.

Árbitro: Antônio Pereira (GO/FIFA).
=========================================

Primeira fase

14/03/2001 Villa Nova-MG 3 x 2 Grêmio Ânderson Lima (2)
21/03/2001 Grêmio 4 x 1 Villa Nova-MG Luiz Mário (2), Zinho e Rubens Cardoso
Segunda fase
18/04/2001 Santa Cruz 1 x 0 Grêmio
26/04/2001 Grêmio 3 x 1 Santa Cruz Eduardo Costa e Rodrigo Mendes (2)
Oitavas-de-final
02/05/2001 Grêmio 1 x 0 Fluminense Marcelinho Paraíba
09/05/2001 Fluminense 0 x 0 Grêmio
Quartas-de-final
16/05/2001 Grêmio 2 x 1 São Paulo Warley (2)
23/05/2001 São Paulo 3 x 4 Grêmio Marcelinho Paraíba (3) e Zinho
Semifinais
30/05/2001 Grêmio 3 x 1 Coritiba Warley, Zinho e Ânderson Lima
06/05/2001 Coritiba 0 x 1 Grêmio Zinho
Finais
10/06/2001 Grêmio 2 x 2 Corinthians Luiz Mário (2)
17/06/2001 Corinthians 1 x 3 Grêmio Marinho, Zinho e Marcelinho Paraíba

"Fantasma da Série B" invade jogo do Racing e provoca arquirrival Independiente

09 de junho de 2013 0

Esta história estou roubando descaradamente do legendário blog Impedimento, que aliás completou oito anos neste sábado (parabéns Douglas Ceconello & equipe!). No jogo Racing 2×0 Boca Juniors, um inusitado invasor paralisou a partida no segundo tempo, antes da cobrança de pênalti em favor do Racing (aliás batida e CONVERTIDA pelo goleiro Sebastian Saja, ex-Grêmio): UM ESPECTRO.

Nada menos que o “FANTASMA DE LA B“, um torcedor travestido de fantasma, com os dizeres “fantasma de la B” (“fantasma da Série B”) provocando o arquirrrival de Avellaneda, o Independiente, virtualmente rebaixado no Campeonato Argentino. E a polícia não conseguiu pegar o gaiato! haha

Esta iniciativa é claramente consequência de um vídeo que bombou nas redes sociais da Argentina na semana passada. Torcedores do Racing provocando o rival com a mesma indumentária, perguntando “Aonde é o campo do Independiente?”

Ah, e o Independiente? Levou 2×1 do River Plate no Monumental de Nuñez e está fadado a disputar a Segunda Divisão no próximo Apertura:

OBS: o sempre atento leitor Rodrigo Nunes mandou um vídeo dizendo que isto já ocorreu também em Rosário, quando a torcida do Newell’s Old Boys zoou o Rosario Central pelo rebaixamento:

Brasil x França será o 15º jogo da Seleção em Porto Alegre: confira a lista completa

03 de junho de 2013 0

Brasil x França, no próximo domingo na Arena do Grêmio, será o décimo quinto jogo da Seleção Brasileira em Porto Alegre. Foram dez jogos no Beira-Rio e quatro no Olímpico, e o Brasil só perdeu uma única vez, em 1972 contra a Argentina. São onze vitórias e apenas dois empates, curiosamente ambos contra a Seleção Gaúcha, um deles (curiosamente também em 1972), o maior público da história de Porto Alegre, mais de 100 mil torcedores.

Até hoje foram três jogos oficiais e 11 amistosos, e a última vez que o selecionado nacional jogou na capital dos gaúchos foi em 2009. Na ocasião treinada por Dunga, o Brasil venceu fácil o Peru por 3×0 no estádio Beira-Rio. Luís Fabiano, duas vezes, e Felipe Melo marcaram os gols do Brasil, que saiu do Rio Grande do Sul vice-líder das Eliminatórias Sul-Americanas para o Mundial de 2010. Felipão também retorna à Porto Alegre, foi o treinador do Brasil na vitória dificílima de 2×0 sobre o Paraguai, em um momento terrível do Brasil, realmente ameaçado de ficar fora da Copa do Mundo de 2002 (que acabou saindo campeão).

Brasil venceu o Peru em 2009, dois gols de Luís Fabiano - Foto: Fernando Gomes, ZH

Será também a quarta partida contra um selecionado europeu, antes jogos contra a Bulgária, Alemanha e Iugoslávia, todos terminados em vitórias da Seleção Brasileira.

VEJAM TODOS OS JOGOS
01°) 07/04/1969 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 2×1 Peru – Jairzinho, Gérson (Brasil); Gallardo (Peru)
02°) 04/03/1970 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 0×2 Argentina – Más, Conigliaro (Argentina)
03°) 26/04/1972 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×2 Paraguai – Carlos Alberto Torres, Tostão, Dirceu Lopes (Brasil), Escobar, Jiménez (Paraguai)
04°) 17/06/1972 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×3 Seleção Gaúcha – Jairzinho, Paulo César Caju, Rivellino (Brasil), Tovar, Carbone, Claudiomiro (Sel. Gaúcha)
OBS: Maior público da história de Porto Alegre, mais de 100.000 torcedores.
05°) 25/05/1978 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 2×2 Seleção Gaúcha – Toninho, Nelinho (Brasil); Lúcio, Éder (Sel. Gaúcha)
06°) 28/10/1981 – Amistoso – Olímpico – Brasil 3×0 Bulgária – Roberto Dinamite, Zico, Leandro
OBS: Primeiro jogo no Olímpico.
07°) 08/06/1985 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×1 Chile – Zico (2), Leandro (Brasil); Nuñez (Chile)
08°) 24/06/1987 – Amistoso – Olímpico – Brasil 1×0 Paraguai – Valdo
09°) 16/12/1992 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×1 Alemanha – Luís Henrique, Jorginho, Bebeto (Brasil); Sammer (Alemanha)
10°) 23/12/1994 – Amistoso – Olímpico – Brasil 2×0 Iugoslávia – Viola, Branco
11°) 07/09/1999 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 4×2 Argentina – Rivaldo (3), Ronaldo (Brasil); Ayala, Ortega (Argentina)
12°) 15/08/2001 – Eliminatórias – Olímpico – Brasil 2×0 Paraguai – Marcelinho Paraíba, Rivaldo
13°) 05/06/2005 – Eliminatórias – Beira-Rio – Brasil 4×1 Paraguai – Ronaldinho (2), Zé Roberto, Robinho (Brasil); Roque Santacruz (Paraguai)
14º) 01/04/2009 – Eliminatórias – Beira-Rio – Brasil 3×0 Peru – Luís Fabiano (2), Felipe Melo

Destes jogos todos, eu vi o de 1994 e 1999 no estádio e trabalhei no de 2005. Experiência única e inesquecível!
Total: 11V, 2E, 1D – 35GP, 15GC

OBSERVAÇÕES:

Em 19/12/1976, uma “Seleção do Brasileirão” enfrentou o então bicampeão brasileiro Internacional, vencendo por 4×1 no Beira-Rio. Algo semelhante ocorreu em 1983, quando um combinado de jogadores Eleitos pela imprensa enfrentou a Seleção Gaúcha no Beira-Rio, divulgado como sendo “Seleção Brasileira” mas sem nenhum escudo nem representatividade oficial, vencendo o jogo por 4×1. Este jogo já foi tema aqui no Almanaque Esportivo em 2011: http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2011/03/12/tunel-do-tempo-selecao-brasileira-goleia-selecao-gaucha-em-1983/?topo=13,1,1,,10,13

Postado por Perin, com dados do I.P.E.