Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Futebol Brasileiro"

BID DA CBF: Inter tem 144 jogadores, Grêmio tem 121 atletas

13 de agosto de 2013 7

O Inter é um dos tmes brasileiros com mais jogadores entre os times da Série A do Brasileirão no BID da CBF, que reúne os jogadores aptos para atuar em competições nacionais, sejam profissionais ou amadores. São 164 144 atletas (houve uma confusão no site da CBF que misturava o BID do Inter com o do Inter-SM, corrigda pela T.I. da CBF)  ao todo pela equipe de Porto Alegre. Estes números são inflacionados pelo fato do colorado ainda ter o time B.  O Grêmio é o sexto colocado, com 121.

BID da CBF – Reprodução http://www.cbf.com.br

Os dados foram compilados pelo jornalista paranaense Cauhê Miranda e estão atualizados até o dia 24 de julho deste ano. Me surpreendeu que o Corinthians seja o segundo e a redução drástica nos números do Atlético-PR, que já chegou a ter mais de 200 jogadores no BID e agora tem apenas 91.  Dica de post do amigo Franco Cruz.

CONFIRA O RANKING COMPLETO (dados de 24/07)

1. Corinthians – 149
2.Internacional – 144 (agora a correção)
3. Bahia – 135
4. São Paulo – 135
5. Atlético-MG – 122
6. Grêmio – 121
7. Fluminense – 112
8. Cruzeiro – 101
9. Coritiba – 98
10. Vasco – 96
11. Vitória – 95
12. Santos – 94
13. Flamengo – 92
14. Atlético-PR – 91
15. Botafogo – 91
16. Goiás – 69
17. Ponte Preta – 67
18. Náutico – 66
19. Criciúma – 60
20. Portuguesa – 53

Inter completa 50 jogos sem pênaltis marcados em partidas do Campeonato Brasileiro!

11 de agosto de 2013 8

Após o decepcionante empate em 2×2 com o Atlético-PR, que fez o Internacional marcar passo e ficar fora do G4, uma marca intrigante acabou se confirmando. O Colorado não tem uma penalidade marcada a seu favor há exatos 50 jogos de Campeonato Brasileiro, ou 21 meses. São 12 jogos na Série A 2013 e mais toda a Série A 2012.

D'Alessandro comemora último gol de pênalti do Inter em Brasileiros, 2011 - Foto: Alexandre Lops, site oficial do Internacional

D’Alessandro comemora último gol de pênalti do Inter em Brasileiros, 2011 – Foto: Alexandre Lops, site oficial do Internacional

 

O último pênalti em favor do Colorado foi 2011, ainda sob comando de Dorival Júnior na rodada final do Campeonato Brasileiro em um Gre-Nal. Na ocasião, Oscar foi derrubado por Fábio Rochemback, penalidade batida e convertida por D’Alessandro e que garantiu a vitória por 1×0 contra o Grêmio e o Internacional na Libertadores 2012. Confiram o lance:

Leandro Damião marca gol de Gre-Nal no quarto estádio diferente: Carlitos é o recordista

10 de agosto de 2013 2

Ao empatar o clássico Gre-Nal 397 na semana passada, o centroavante colorado Leandro Damião  fez seu sexto gol em clássico. Mais do que isto, Damião se igualou a Nilmar como jogador a marcar gols em clássicos por quatro estádios diferentes.  Ambos fizeram gols no Beira-Rio, Olímpico e Colosso da Lagoa. A diferença é que Damião fez na Arena e Nilmar na Montanha dos Vinhedos.

O recordista histórico é Carlitos, maior artilheiro dos Gre-Nais com absurdos 42 gols, e que marcou gols em cinco estádios diferentes nos anos 40: Estádio dos Eucaliptos, Campo da Timbaúva, Baixada, Passo D’Areia (São José) e Montanha (antigo estádio do Cruzeiro-POA)

5 ESTÁDIOS

  • Carlitos: Estádio dos Eucaliptos, Campo da Timbaúva, Baixada, Passo D’Areia e Montanha

4 ESTÁDIOS

  • Nilmar: Beira-Rio, Montanha dos Vinhedos (Bento Gonçalves), Olímpico e Colosso da Lagoa (Erechim)
  • Leandro Damião: Beira-Rio, Olímpico, Colosso da Lagoa (Erechim) e Arena do Grêmio.

INACREDITÁVEL F.C. - Flamengo leva gol de cabeça do goleiro Lauro, dez anos depois de levar dele também!

07 de agosto de 2013 0

Incrível o que ocorreu no jogo Flamengo 1×1 Portuguesa, nesta quarta-feira pelo Campeonato Brasileiro. O goleiro Lauro, do Inter e que está emprestado para a Portuguesa, foi para o ataque e fez um gol de cabeça em cobrança de escanteio aos 48 do segundo tempo, empatando o jogo no finalzinho. Mais incrível ainda é que este foi o segundo gol de cabeça da carreira do arqueiro, marcado no estádio Mané Garrincha em Brasília.

O que torna isto surreal é que o outro gol de cabeça de Lauro também ocorreu contra o Flamengo!!!

Foi em 2003, no jogo Ponte Preta 1×1 Flamengo também pelo Brasileirão mas em Campinas, no sempre temível Moisés Lucarelli. Há exatos dez anos e quatro dias, no 03 de agosto de 2003, o então jovem Lauro fez o gol de empate! Na ocasião, o lance em um jogo tumultuado ocorreu aos 52 minutos do segundo tempo. Waguinho cobrou escanteio e Lauro, no primeiro poste, fuzilou de cabeça o arqueiro Júlio César (sim, o titular da Seleção Brasileira). Revejam o lance:

Como Lauro lembrou bem hoje, na ocasião o time treinado por Abel Braga escapou do rebaixamento por um mísero ponto na última rodada. Ameaçada pelo rebaixamento, a torcida da Portuguesa torce para o gol pé-quente manter o time na Série A em 2014.

GRE-NAL 397: Números, números e mais números dos últimos dez anos

02 de agosto de 2013 0

O Gre-Nal 397 já é histórico antes de começar: é o primeiro clássico da nova Arena do Grêmio. Será também o primeiro clássico com os dois times titulares em 2013, já que o Grêmio optou por time misto nas duas partidas anteriores pelo Gauchão.

O Almanaque Esportivo fez um levantamento com os principais dados das últimas dez temporadas, desde 2004. Confiram a planilha, que contém: jogos, placar, gols, árbitro e treinadores.

Junior Viçosa e Indio - Goleadores em classicos nos ultimos anos - Foto: Banco de Dados RBS

Foram 40 jogos desde 2004, com 18 vitórias do Internacional, 12 empates e 10 vitórias do Grêmio. 42 gols tricolores e 54 colorados. A maior sequência gremista invicta foram cinco clássicos entre 2007 e 2008. Já os colorados ficaram sete jogos sem perder entre 2008 e 2009.

Neste período os principais artilheiros colorados são Índio, Nilmar e D’Alessandro, todos  com seis gols, e Leandro Damião, que fez cinco. No lado gremista, Júnior Viçosa com três gols em 2011 e uma galera com dois gols: Borges, Tcheco, Léo, Lúcio, Christian. Isto também escancara que jogadores colorados ficaram mais tempo em seus clubes que os gremistas.

VEJA TAMBÉM

2013

2011
2010

2009

2008:

2007

Primeiro título do Grêmio na Libertadores completa 30 anos - Veja detalhes desta história

28 de julho de 2013 1

Neste 28 de julho, o Grêmio comemora 30 anos de sua primeira grande conquista internacional: o título da Copa Libertadores de 1983, vencendo o campeão mundial Peñarol na decisão no estádio Olímpico por 2×1. O Almanque Esportivo, há exatos 5 anos, fez um post especial sobre esta conquista. Como não poderíamos deixar de lembrar, faço o convite para rever esta história contada há tanto tempo e que teve o atual presidente do Grêmio, Fábio Koff, como grande líder daquela jornada. Divirtam-se:

Há 25 anos: Grêmio conquista a América!

28 de julho de 2008

No dia 28 de julho de 1983, o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense conquistou a sua maior conquista até então.

Em uma gélida noite de inverno em Porto Alegre, o Tricolor Gaúcho bateu o então campeão mundial Peñarol por 2×1 e se sagrou campeão da Libertadores de 1983. Detalhes sobre toda a campanha foram publicados aqui no ClicRBS no Especial: Libertadores 1983, a conquista da América. Então vou enfocar outros pontos daquela campanha que achei interessante.


VEJA TAMBÉM:

  • Há 15 anos: Grêmio conquistava o bicampeonato da América! Parte I
  • Há 15 anos: Grêmio conquistava o bicampeonato da América! Final
  • Inter não vencia 3 partidas seguidas há 76 rodadas no Campeonato Brasileiro

    22 de julho de 2013 5

    A dramática vitória de 1×0 sobre o Flamengo foi o terceiro triunfo consecutivo do Internacional nesta Série A. Ela ocorreu após triunfos de 5×3 sobre o Vasco da Gama e 3×2 no Fluminense, fora de casa. Há exatos 76 jogos o Colorado não obtinha uma série tão positiva na competição. Foram 30 jogos em 2011, os 38 de 2012 e mais os 8 primeiros na atual edição.

    06 de julho de 2011, 8º rodada do Campeonato Brasileiro. Com uma suada vitória de 1×0 sobre o Atlético-PR, gol de Oscar o Internacional vencia o terceiro jogo consecutivo naquele Brasileirão. Treinado por Paulo Roberto Falcão, o Inter vinha de vitórias sobre o Figueirense por 4×1 e 4×0 sobre o Atlético-MG (fora de casa), e entrava no G4. Na sequência, perderia 3 jogos e Falcão seria demitido. Reveja o gol daquela vitória:

    Em competições nacionais e internacionais, descontando jogos do Estadual, o Inter não ganhava três seguidas desde este mesmo jogo, mas o jejum havia sido superado no último sábado, quando bateu o Fluiminense por 3×2, contando ainda com o 3×1 no América-MG pela Copa do Brasil.

    Pontos corridos decididos nos instantes finais: Flamengo 2009, City 2012

    08 de julho de 2013 5

    2009 – CAMPEONATO BRASILEIRO – FLAMENGO

    2009. Campeonato Brasileiro. No ano mais surreal da história dos pontos-corridos, parecia que ninguém queria ser campeão. Mas hein? Pois era esta a sensação em uma competição que teve o Internacional como campeão do primeiro turno mas o Palmeiras assumindo a liderança e disparando no início do returno. Quando o título parecia favas contadas no Palestra Italia, a chegada de Muricy Ramalho desmantelou o elenco e afundou o time alviverde, que sequer se classificou para a Libertadores (ficou em quinto lugar, atrás do Cruzeiro).

    Neste momento, tínhamos um novo favorito, o São Paulo, então tricampeão nacional consecutivamente. Mas tropeços cruciais contra Botafogo e Goiás deixaram espaço para o Flamengo, em uma arrancada fulminante. O time treinado por Andrade e com Petkovic e Adriano  comandando as ações, reagiu nas rodadas finais e chegou na última, dia 6 de dezembro, para enfrentar o Grêmio. Que já tinha dado férias para os titulares e entraria no Maracanã com um time praticamente reserva. E, para completar, sabendo que um empate poderia dar o título para o arquirrival Internacional, que precisava vencer o já rebaixado Santo André e torcer por um empate no Rio para conquistar o título. Por fora, o São Paulo precisava de tropeços dos dois. E isto não ocorreu.

    Adriano, campeão pelo Flamengo em 2009 - Foto: Maurício Val, Vipcomm

    Enquanto o Internacional empilhava gols no Santo André (terminaria 4×1), o Flamengo vivia uma tarde de drama. Saiu perdendo, gol de Róberson em uma cobrança de escanteio aos 20 minutos. Ainda no primeiro tempo, David Braz (também em escanteio), empatou aos 33 minutos. O jogo seguia tenso, e no Beira-Rio o Inter já vencia por 3×0. Somente aos 25 do segundo tempo, o hexa chegou: gol do capitão Ronaldo Angelim e o gol da vitória, título e da história do Flamengo, 2×1. E ainda teve drama, já que Maylson quase empatou de novo para os gaúchos aos 31, mas o placar final ficou mesmo em 2×1 para o Flamengo. Compacto:

    Foi o último título nacional do Flamengo. O fim do sonho de uma conquista colorada de renome no cenário nacional.

    Vale ainda a flauta: reação dos colorados no gol do Grêmio e no gol do Flamengo:

    =================================================================================================

    2012 – CAMPEONATO INGLÊS – MANCHESTER CITY

    Se o Flamengo foi dramático, imaginem o que ocorreu com os torcedores do Manchester City. Sem títulos desde 1968, vendo o arquirrival Manchester United conquistando quase 20 títulos em 30 anos, tudo que os Citizens queriam era levantar o caneco no City of Manchester naquela ensolarada tarde de 13 de maio no Etihad Stadium. O time precisava vencer o Queens Park Rangers, que lutava para não cair, sob pena de ver justamente o arquirrival Manchester United (que havia jogado no lixo uma enorme vantagem nas últimas rodadas) vencer o Sunderland fora e ser campeão de novo.

    Mas nada é fácil, ainda mais tentar destruir um jejum de 44 anos sem um título de campeão inglês. O Manchester City saiu na frente no finalzinho do primeiro tempo, um chute despretensioso do argentino Mariano Zabaleta que o goleiro Paddy Kenny aceitou. Mas no início do segundo tempo, bobagens de Joleon Lescott e do capitão Vincent Kompany deixaram o placar em um aterrador 2×1 para o Q.P.R, que virou já jogando com 10 jogadores após a estúpida expulsão do temperamental Joey Barton. Claro que a desgraça não era pouca, pois no Stadium of Light em Sunderland o United vencia por 1×0, gol de Wayne Rooney.

    Manchester City campeão após 44 anos no ultimo minuto - Reprodução site oficial

    45 do segundo tempo, e um milagre incrível do goleiro Kenny mantinha o jogo em 2×1 para o QPR. O sonho estava sendo adiado por mais um ano? O time do técnico Roberto Mancini precisava fazer mais 2 gols para ser campeão. Então, o milagre ocorreu. Primeiro o bósnio Edin Dzeko em escanteio cobrado pelo espanhol Davi Vila. E depois o espetacular argentino Sergio Aguero, aproveitando passe magistral do italiano Mario Balotelli, levaram este jogo para a história do futebol inglês. E para a galeria de heróis do Manchester City:

    Ou isto, na TV do Manchester City:

    E as reações dos torcedores do City e do United? http://www.youtube.com/watch?v=WrpDTnznE-E

    VEJA TAMBÉM

    TÚNEL DO TEMPO: Há 12 anos, Grêmio e Roma conquistavam títulos históricos

    17 de junho de 2013 5

    17 de junho de 2001. Grêmio e Roma há doze anos conquistaram seus últimos títulos de imensa repercussão e trouxeram uma alegria inconteste aos seus torcedores. E curiosamente pelo mesmo marcador: 3×1.

    Na ocasião, a Roma bateu  em um estádio Olímpico lotado e conquistou seu terceiro e último “scudetto“. Já o Tricolor gaúcho, do estádio Olímpico (curiosamente) contrariou as expectativas e simplesmente obliterou o Corinthians em um Morumbi lotado, 3×1 fora o baile e levantou sua quarta conquista da Copa do Brasil. E esta serão as histórias contadas agora…

    ROMA

    A Roma, treinada pelo multicampeão Fabio Capello, chegou à ultima rodada liderando por dois pontos na frente da Juventus, então comandada por Carlo Ancelotti: 72 a 70. A arquirrival Lazio tinha 69 pontos, com chances remotas (precisaria ganhar e torcer para a Roma perder e a Juve ao menos empatar). O jogo chave havia sido no começo de maio, um 2×2 heróico em Turim com a Roma saindo perdendo por 2×0.

    Roma, campeã italiana em 2001 - Reprodução: capa Gazzetta dello Sport -> http://www.gazzetta.it

    Era uma temporada mágica para os giallorossos, com contratações de muito impacto gerando a espinha dorsal do time, em todos os setores : o zagueiro Walter Samuel (Boca Juniors), o meia Émerson (Bayer Leverkusen) e anida matador Gabriel Batistuta (Fiorentina) . O time-base foi (3-5-2, um dos melhores que eu vi): Francesco Antonioli; Antônio Carlos, Walter Samuel e Jonathan Zebina; Cafu, Émerson, Damiano Tommasi e Vincent Candela; Francesco Totti; Vincenzo Montella e Gabriel Batistuta. Como reservas importantes: Aldair, Marcos Assunção, Cristian Zanetti Hidetoshi Nakata, Marco Delvecchio, Abel Balbo

    Na rodada final, a Juventus virou sobre a Atalanta por 2×1, enquanto a Lazio levou 2×1 do Lecce fora. Porém isto nada significou já que a Roma passeava sobre o Parma no Olímpico (jogo completo): Francesco Totti aos 19, Vincenzo Montella aos 39 e Gabriel Batistuta aos 33 do segundo tempo (Marco Di Vaio descontou pros visitantes aos 37 do segundo tempo).  Fim do jejum de 18 anos sem títulos. Escutem na emocionada narração italiana:

    A Roma ainda conquistaria a Copa da Itália em 2006 e 2007, mas por lá a repercussão destas conquistas não é a mesma.

    O último scudetto ninguém esquece.

    Grazie, Roma!

    ================================================================

    GRÊMIO

    Algumas horas depois, outro campeonato se decidia em outro país, hemisfério e continente. Treinado por Tite, um técnico jovem e com idéias arrojadas, o Grêmio chegava à sua sétima final de Copa do Brasil em busca de seu quarto título. Seu adversário era o Corinthians, algoz em 1995 na decisão deste mesmo torneio. Treinado por Luxemburgo, o Corinthians havia reduzido seus investimentos mas ainda assim era um time com jogadores de alto quilate, como Marcelinho Carioca, Muller, Ewerthon e Kléber.

    Elenco do Grêmio campeão da Copa do Brasil 2001 - Reprodução: clicrbs.com.br

    Foi um primeiro semestre tumultuadíssimo no Grêmio: o início da Lei Pelé, a traumática saída de Ronaldinho para o Paris Saint-Germain e a quebra da parceira ISL, deixando o time sem grandes reforços ao contrário do ano anterior. Muitos fiascos de 2000 saíram do clube, como Astrada, Amato e Paulo Nunes, e só um novo jogador indiscutível chegou: Marcelinho Paraíba. Caberia a ele se tornar o símbolo da conquista tricolor, com atuações históricas  (e duas expulsões, inclusive ficando fora do primeiro jogo da final).

    O time base foi, sempre jogando em um envolvente 3-5-2: Danrlei; Marinho, Mauro Galvão e Anderson Polga; Anderson Lima, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Rodrigo Mendes(Luís Mário) e Marcelinho Paraíba. NaAlguns reservas na final jogaram bastante nas fases anteriores: Roger, Itaqui, Fábio Baiano, Cláudio Pitbull e Warley.

    Antes de levantar a taça no Morumbi, o Grêmio atropelou o Coritiba nas semifinais, passou com dificuldades sobre o Fluminense e, em suas melhores atuações (além da decisão), venceu o São Paulo 2x, em casa e no Morumbi em um sensacional 4×3.  No jogo de ida da finalíssima, o Grêmio perdia por 2×0 no segundo tempo mas em uma reação fulminante, Luís Mário fez dois gols e empatou o jogo em 2×2.

    Na finalíssima, o Grêmio marcou pressão avançado, sem dar espaço para a habilidade de jogadores como Marcelinho Carioca e Muller. Acuado, o Corinthians deu muitos balões e errou passes. A categoria de Zinho decidiu a partida: deu o passe pro gol de Marinho, no final do primeiro tempo.  Fez o segundo, no início do segundo tempo. E um passe magistral na jogada do terceiro gol, desta vez de Marcelinho Paraíba.

    O Grêmio atropelou o Corinthians e levantou o título. Jogo completo aqui Vejam a reportagem do massacre:

    CORINTHIANS 1×3 GRÊMIO
    Estádio: Morumbi (São Paulo, SP)
    Data: 17 de junho de 2001
    Público: Não divulgado
    Gols: 45’/1ºT – COR 0×1 GRE (Marinho), 02’/2ºT – COR 0×2 GRE (Zinho), 30’/2ºT – COR 1×2 GRE (Éwerthon) e
    42’/2ºT – COR 1×3 GRE (Marcelinho Paraíba)
    Corinthians: Maurício; Rogério (Andrezinho), Scheidt, João Carlos e Kléber; Otacílio, M. Senna (Pereira), Marcelinho e Ricardinho; Müller (Gil) e Éwerthon. Técnico: W. Luxemburgo.

    Grêmio: Danrlei; Ânderson Lima (Itaqui), Marinho, Mauro Galvão (Alex Xavier) e Rubens Cardoso; Roger, Ânderson Polga, Tinga e Zinho; Luís Mário (Fábio Baiano) e Marcelinho Paraíba. Técnico: Tite.

    Árbitro: Antônio Pereira (GO/FIFA).
    =========================================

    Primeira fase

    14/03/2001 Villa Nova-MG 3 x 2 Grêmio Ânderson Lima (2)
    21/03/2001 Grêmio 4 x 1 Villa Nova-MG Luiz Mário (2), Zinho e Rubens Cardoso
    Segunda fase
    18/04/2001 Santa Cruz 1 x 0 Grêmio
    26/04/2001 Grêmio 3 x 1 Santa Cruz Eduardo Costa e Rodrigo Mendes (2)
    Oitavas-de-final
    02/05/2001 Grêmio 1 x 0 Fluminense Marcelinho Paraíba
    09/05/2001 Fluminense 0 x 0 Grêmio
    Quartas-de-final
    16/05/2001 Grêmio 2 x 1 São Paulo Warley (2)
    23/05/2001 São Paulo 3 x 4 Grêmio Marcelinho Paraíba (3) e Zinho
    Semifinais
    30/05/2001 Grêmio 3 x 1 Coritiba Warley, Zinho e Ânderson Lima
    06/05/2001 Coritiba 0 x 1 Grêmio Zinho
    Finais
    10/06/2001 Grêmio 2 x 2 Corinthians Luiz Mário (2)
    17/06/2001 Corinthians 1 x 3 Grêmio Marinho, Zinho e Marcelinho Paraíba

    Brasil x França será o 15º jogo da Seleção em Porto Alegre: confira a lista completa

    03 de junho de 2013 0

    Brasil x França, no próximo domingo na Arena do Grêmio, será o décimo quinto jogo da Seleção Brasileira em Porto Alegre. Foram dez jogos no Beira-Rio e quatro no Olímpico, e o Brasil só perdeu uma única vez, em 1972 contra a Argentina. São onze vitórias e apenas dois empates, curiosamente ambos contra a Seleção Gaúcha, um deles (curiosamente também em 1972), o maior público da história de Porto Alegre, mais de 100 mil torcedores.

    Até hoje foram três jogos oficiais e 11 amistosos, e a última vez que o selecionado nacional jogou na capital dos gaúchos foi em 2009. Na ocasião treinada por Dunga, o Brasil venceu fácil o Peru por 3×0 no estádio Beira-Rio. Luís Fabiano, duas vezes, e Felipe Melo marcaram os gols do Brasil, que saiu do Rio Grande do Sul vice-líder das Eliminatórias Sul-Americanas para o Mundial de 2010. Felipão também retorna à Porto Alegre, foi o treinador do Brasil na vitória dificílima de 2×0 sobre o Paraguai, em um momento terrível do Brasil, realmente ameaçado de ficar fora da Copa do Mundo de 2002 (que acabou saindo campeão).

    Brasil venceu o Peru em 2009, dois gols de Luís Fabiano - Foto: Fernando Gomes, ZH

    Será também a quarta partida contra um selecionado europeu, antes jogos contra a Bulgária, Alemanha e Iugoslávia, todos terminados em vitórias da Seleção Brasileira.

    VEJAM TODOS OS JOGOS
    01°) 07/04/1969 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 2×1 Peru – Jairzinho, Gérson (Brasil); Gallardo (Peru)
    02°) 04/03/1970 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 0×2 Argentina – Más, Conigliaro (Argentina)
    03°) 26/04/1972 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×2 Paraguai – Carlos Alberto Torres, Tostão, Dirceu Lopes (Brasil), Escobar, Jiménez (Paraguai)
    04°) 17/06/1972 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×3 Seleção Gaúcha – Jairzinho, Paulo César Caju, Rivellino (Brasil), Tovar, Carbone, Claudiomiro (Sel. Gaúcha)
    OBS: Maior público da história de Porto Alegre, mais de 100.000 torcedores.
    05°) 25/05/1978 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 2×2 Seleção Gaúcha – Toninho, Nelinho (Brasil); Lúcio, Éder (Sel. Gaúcha)
    06°) 28/10/1981 – Amistoso – Olímpico – Brasil 3×0 Bulgária – Roberto Dinamite, Zico, Leandro
    OBS: Primeiro jogo no Olímpico.
    07°) 08/06/1985 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×1 Chile – Zico (2), Leandro (Brasil); Nuñez (Chile)
    08°) 24/06/1987 – Amistoso – Olímpico – Brasil 1×0 Paraguai – Valdo
    09°) 16/12/1992 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 3×1 Alemanha – Luís Henrique, Jorginho, Bebeto (Brasil); Sammer (Alemanha)
    10°) 23/12/1994 – Amistoso – Olímpico – Brasil 2×0 Iugoslávia – Viola, Branco
    11°) 07/09/1999 – Amistoso – Beira-Rio – Brasil 4×2 Argentina – Rivaldo (3), Ronaldo (Brasil); Ayala, Ortega (Argentina)
    12°) 15/08/2001 – Eliminatórias – Olímpico – Brasil 2×0 Paraguai – Marcelinho Paraíba, Rivaldo
    13°) 05/06/2005 – Eliminatórias – Beira-Rio – Brasil 4×1 Paraguai – Ronaldinho (2), Zé Roberto, Robinho (Brasil); Roque Santacruz (Paraguai)
    14º) 01/04/2009 – Eliminatórias – Beira-Rio – Brasil 3×0 Peru – Luís Fabiano (2), Felipe Melo

    Destes jogos todos, eu vi o de 1994 e 1999 no estádio e trabalhei no de 2005. Experiência única e inesquecível!
    Total: 11V, 2E, 1D – 35GP, 15GC

    OBSERVAÇÕES:

    Em 19/12/1976, uma “Seleção do Brasileirão” enfrentou o então bicampeão brasileiro Internacional, vencendo por 4×1 no Beira-Rio. Algo semelhante ocorreu em 1983, quando um combinado de jogadores Eleitos pela imprensa enfrentou a Seleção Gaúcha no Beira-Rio, divulgado como sendo “Seleção Brasileira” mas sem nenhum escudo nem representatividade oficial, vencendo o jogo por 4×1. Este jogo já foi tema aqui no Almanaque Esportivo em 2011: http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2011/03/12/tunel-do-tempo-selecao-brasileira-goleia-selecao-gaucha-em-1983/?topo=13,1,1,,10,13

    Postado por Perin, com dados do I.P.E.