Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Grêmio"

Entrada criminosa em Ronaldinho lembra lances de Dinho e Bolívar

27 de fevereiro de 2013 10

Nesta terça-feira, no massacre de 5×2 do Atlético-MG contra o Arsenal de Sarandí, tivemos um legítimo Tributo ao Carrinho(alô Richard Ducker!). Diego Braghieri acertou uma entrada inaceitável sobre Ronaldinho, com o placar já em 5×2, aos 43 do 2º tempo. O juiz marcou pênalti mas não deu o mais que merecido cartão vermelho. E R10 ainda errou a cobrança… Vejam o lance:

Em 1995, o volante Dinho desferiu uma entrada criminosa no meia Negretti, do Bragantino, na derrota de 2×0 pelo Campeonato Brasileiro.  Depois de levar uma bola no meio das pernas, já perdendo o jogo, Dinho acertou no atleta do time paulista.

Dinho foi expulso, e o jogador adversário ficou fora do Campeonato Brasileiro por ter sofrido uma lesão nos ligamentos do joelho. Alguns meses depois, até como gratidão, Negretti seria contratado pelo Grêmio e fez gol na estréia, vitória contra o São Luiz de Ijuí pelo Gauchão.

Dinho x Negretti em 1995 - Arquivo Zero Hora

Em 2012, o zagueiro colorado Bolívar fez algo muito semelhante no Beira-Rio, vitória de 1×0 contra o Bahia. Ele deu um carrinho no joelho do jovem Dodô, que teve rompimento dos ligamentos do joelho. Bolívar, ao contrário de Dinho e assim como Bragheri, não foi expulso:

Gre-Nal 396: Nos últimos 20 anos, apenas 14 gols de pênalti em 67 clássicos

24 de fevereiro de 2013 6

Na vitória de 2×1 do Internacional sobre o Grêmio, tivemos um momento raro: gol de pênalti em Gre-Nal, convertidos por Diego Forlán e William José. Mais ainda: dois no mesmo jogo! Isto porque nos últimos 20 anos, foram disputados 67 clássicos Gre-Nal pelas mais diversas competições regionais, estaduais, nacionais e internacionais. Neste período tivemos os momentos de maior glória de Grêmio e Internacional, em décadas alternadas. Porém o que chama a atenção é o número irrisório de pênaltis marcados: apenas 13 (14, obrigado a todos pela correção nos comentários).

Diego Forlán faz de pênalti em Gre-Nal, lance raro em clássicos - Foto: Porthus Junior/Agencia RBS

Apenas uma vez, neste período todo, tivemos também dois gols de pênalti no mesmo jogo: foi em 2009, no chamado “Gre-Nal do Centenário” quando o Inter venceu o Grêmio por 2×1 no jogo que abriria caminho para o bicampeonato estadual invicto, válido pela então Taça Fábio Koff. Na ocasião, Tcheco abriu o marcador e Andrezinho empatou, ambos cobrando pênalti

A lista dos gols de pênalti nos últimos 20 anos está abaixo. Reparem que de 1993 até 2007, tivemos apenas QUATRO penalidades assinaladas. Não identifiquei a última vez que um jogador da dupla Gre-Nal errou um pênalti.

  • 1995 – Campeonato Gaúcho – Internacional 2×1 Grêmio – Leandro (I)
  • 1999 – Seletiva Pré-Libertadores – Grêmio 1×1 Internacional – Ronaldinho (G)
  • 2001 – Campeonato Gaúcho – Grêmio 4×2 Internacional – Zinho (G)
  • 2004 – Copa Sul-Americana – Grêmio 2×1 Internacional - Cláudio PitBull (G)
  • 2008 – Campeonato Brasileiro – Grêmio 1×1 Internacional – Roger (G)
  • 2008 – Copa Sul-Americana – Internacional 1×1 Grêmio – Daniel Carvalho (I)
  • 2009 – Campeonato Gaúcho – Internacional 2×1 Grêmio – Tcheco (G) e Andrezinho (I)
  • 2010 – Campeonato Brasileiro – Grêmio 2×2 Internacional – Alecsandro (I)
  • 2011 – Campeonato Gaúcho – Grêmio 2×3 Internacional – D’Alessandro (I)
  • 2011 – Campeonato Brasileiro – Internacional 1×0 Grêmio – D’Alessandro (I)
  • 2012 – Campeonato Gaúcho – Grêmio 2×2 Internacional – Marcelo Moreno (G)
  • 2013 – Campeonato Gaúcho – Internacional 2×1 Grêmio – Diego Forlán (I) e William José (G)

Especial Gre-Nal no Almanaque Esportivo: Os clássicos de 1996 a 2013

2013

2011
2010

2009:

2008:

2007:

Gauchão pode evoluir: uma proposta de mudança no calendário do estadual

11 de fevereiro de 2013 19

O Almanaque Esportivo segue na luta por uma evolução do Campeonato Gaúcho. Depois de mostrar que, ano após ano, a Federação Gaúcha de Futebol não sabe fazer a tabela do Gauchão e que um Estadual com apenas 12 times, 1o do interior e mais a dupla Gre-Nal seria muito mais rentável, sem mudar nada na formatação do futebol gaúcho, vamos a um passo adiante.

O Maurício Klaser e o Franco Garibaldi, do TodaCancha, me ressaltaram a questão do que fazer com os times do interior no resto do ano. A idéia proposta por mim no post anterior não deixa isto claro.

Sendo assim, as idéias e a campanha lançada em 2012no Blog TodaCancha pode ser posta em prática. Eu defendo a redução de datas e de times na Série A, e isto é perfeitamente atendida na proposta abaixo, que englobaria todas as regiões do estado. Vou repetir então, o que foi proposto em 2012:

O texto abaixo foi retirado do Blog Impedimento e o movimento busca uma conversa com Francisco Noveletto, presidente da Federação Gaúcha de Futebol, para expor nossa idéias e rejuvenescer o futebol do nosso interior, fortalecendo as rivalidades locais e pluralizando o acesso a todas as regiões do estado.

Um campeonato verdadeiramente gaúcho

Há algum tempo temos acompanhado discussões em sites com adeptos do futebol do interior gaúcho acerca de um calendário que permitisse aos clubes pequenos jogar futebol o ano inteiro. Atualmente é comum ver alguns clubes jogarem por quatro meses e fecharem seu departamento de futebol, seja por falta de verba, seja por falta de perspectivas. Aproveitando os mais diversos comentários, o Toda Cancha passou a construir um esboço de um calendário para o futebol gaúcho que agradasse à Dupla Gre-Nal – é preciso sempre levar em consideração sua grandeza – e aos clubes pequenos – que forjaram, ao longo de um século, a identidade do futebol gaudério. A proposta foi feita em cima do “ano” 2013/2014, pois seria quando essa hipótese pudesse, de fato, ser concretizada.

Após muito gritaria, chegamos ao que está detalhado abaixo. Um calendário com três competições: Gauchão – Fase Preliminar, Gauchão – Fase Final e Copa RS. Principal torneio do futebol do Rio Grande do Sul, o Gauchão é desmembrado em dois. Na primeira parte, uma proposta semelhante ao que acontecia até 1960 no Estado: 5 grandes zonais. Não haveria mais Segunda ou Terceira divisões e, sim, um campeonato que contemplasse todos os clubes em atividade e que os permitisse chegar ao título gaúcho no ano seguinte, disputando com quem estivesse nas Séries A, B ou C do Brasileirão. Na segunda parte, os campeões zonais disputariam, de fato, o título gaúcho com os “grandes” do Estado.

Procuramos aumentar a pré-temporada para mais de três semanas – e amenizar a choradeira de alguns – e fazer uma proposta com turno e returno e uma finalíssima, para que nenhum clube se desmotivasse e os “pequenos” pudessem enfrentar a Dupla Gre-Nal em seus estádios, além de realizar mais jogos em suas casas. A terceira competição da nossa proposta seria a Copa RS, com os clubes que não conseguiram vagas na Fase Final do Gauchão – novamente divididos em zonas.

Na Segunda Fase entrariam os “eliminados” do Gauchão Fase Final, propiciando uma segunda chance para que os “pequenos” chegassem à Série D, à Copa do Brasil e ao Gauchão – Fase Final. Embora não tenhamos nenhum estudo econômico acerca desse esboço, acreditamos que a regionalização permitirá a redução de custos, a fomentação de velhas e novas rivalidades, interesse da cobertura televisiva – colocamos os jogos dos times interioranos às segundas e sextas porque não há jogos dos “grandes”, e aos sábados para facilitar a vida do torcedor – e chance de todos ambicionarem o título gaúcho e tirarem uma casquinha da Dupla Gre-Nal. CALENDÁRIO – 2013/2014

Gauchão – Fase Preliminar: 5 grupos com turno e returno, disputados por clubes que não estejam nas Séries A, B ou C. Os campeões de cada turno fazem as finais das zonais. O único imbróglio envolve as duas equipes que disputarão a Série D. Nossa proposta é que caso a equipe seja eliminada até a Segunda Fase, ela dispute o Segundo Turno de sua Zonal. Caso avance até à Terceira Fase da Série D, mas não consiga o acesso, dispute um triangular com os campeões de sua zonal. Utilizamos, para exemplificar, as equipes que estiveram em atividade nas diferentes divisões do Campeonato Gaúcho em 2011 (com exceção do já CLAUSURADO Porto Alegre).

* Os nomes das zonas são meramente ilustrativos. Note ainda que as equipes de Passo Fundo e Carazinho, por questões de tradição e proximidade geográfica, tendem a ficar não no grupo da Serra, mas no da Campanha. A questão aqui é exemplificar a economia de distâncias de uma fórmula regionalizada. No caso do Ypiranga de Erechim, mesmo DESLOCADO, ele percorreria muito menos quilômetros do que faz no Gauchão atual (nos jogos fora de casa, entre ida e volta, seriam em média 429 km/jogo, contra 711 km/jogo feitos atualmente). Em relação ao São Luiz de Ijuí, hoje a equipe mais isolada geograficamente da primeira divisão, e que neste exemplo é colocada num grupo realmente regional, as distâncias percorridas cairiam a menos de um terço do que são hoje: cerca de 208 km/jogo contra os atuais 750 km/jogo.

Abaixo, o mapa do Gauchão atual e o mapa do Gauchão proposto:

O calendário:

JULHO

12-13: Início da Gauchão – Fase Preliminar
19-20: 2ª rodada do Gauchão
26-27: 3ª rodada do Gauchão

AGOSTO

2-3: 4ª rodada do Gauchão
9-10: 5ª rodada do Gauchão
16-17: 6ª rodada do Gauchão
23-24: 7ª rodada do Gauchão
30-31: 8ª rodada do Gauchão

SETEMBRO

6-7: 9ª rodada do Gauchão (Final do 1º Turno)
13-14: 10ª rodada do Gauchão
20-21: 11ª rodada do Gauchão
27-28: 12ª rodada do Gauchão

OUTUBRO

4-5: 13ª rodada do Gauchão
11-12: 14ª rodada do Gauchão
18-19: 15ª rodada do Gauchão
25-26: 16ª rodada do Gauchão

NOVEMBRO

1-2: 17ª rodada do Gauchão
8-9: 18ª rodada do Gauchão (Final do 2º Turno)
15: Primeiros jogos das finais zonais
22: Segundos jogos das finais zonais

Gauchão – Fase Final: disputado por 10 times em dois turnos. Os campeões de cada turno fazem a final. Vaga cativa: quem estiver nas Séries A, B ou C e eventual rebaixado à Série D. Juntam-se a eles os campeões regionais da primeira fase e o campeão e vice da Copa RS.

Caso o número de gaúchos nas três principais divisões brasileiras aumente, o número de participantes pode ser modificado – até 12 – assim como sua forma de disputa – dois grupos com turno e returno.

Os dois melhores colocado fora a Dupla Gre-Nal garantem vagas na Copa do Brasil do ano seguinte. O melhor colocado sem divisão conquista uma vaga à Série D e os demais eliminados entram na Segunda Fase da Copa RS (ver abaixo).

JANEIRO

1-23: pré-temporada
24-25: começo do Gauchão
29-30: 2ª rodada do Gauchão

FEVEREIRO

1-2: 3ª rodada do Gauchão
5-6: 4ª rodada do Gauchão
8-9: 5ª rodada do Gauchão
12-13: 6ª rodada do Gauchão
15-16: 7ª rodada do Gauchão
19-20: 8ª rodada do Gauchão
22-23: 9ª rodada do Gauchão (final do 1º turno)

MARÇO

1-2: 10ª rodada do Gauchão
5-6: 11ª rodada do Gauchão
8-9: 12ª rodada do Gauchão
15-16: 13ª rodada do Gauchão
22-23: 14ª rodada do Gauchão
26-27: 15ª rodada do Gauchão
29-30: 16ª rodada do Gauchão

ABRIL

2-3: 17ª rodada do Gauchão
5-6: 18ª rodada do Gauchão (final do 2º turno)
13: Primeiro jogo da final do Gauchão
20: Segundo jogo da final do Gauchão

Copa RS: 5 grupos com turno e returno dentro das chaves regionais lá de cima.

Passam os 3 melhores de cada chave + os 3 melhores 4º colocados em aproveitamento. Os campeões de cada grupo levam 1 ponto de bonificação à Segunda Fase.

Repescagem: 15 equipes desclassificadas da Primeira Fase. Dividem-se em 4 grupos; três com 4, um com três. Turno e returno e o campeão de cada grupo avança ao Mata-Mata

Segunda Fase: 18 equipes da Primeira Fase + 6 “eliminados” do Gauchão. Essas 24 equipes formam 6 grupos de 4, onde jogarão em turno e returno, passando os 2 melhores por grupo ao Mata-mata. Os cabeças-de-chave serão os campeões dos grupos da primeira fase e o “melhor eliminado” do Gauchão – que também leva 1 ponto de bonificação.

Mata-mata: 4 da Repescagem + 12 da Segunda Fase. Matam-se, em ida e volta, até sair o campeão, que irá à Série D. E tanto o campeão quanto o vice garantem vagas na Copa do Brasil e na Fase Final do Gauchão

FEVEREIRO

31-1: Início da Copa RS
3-4: 2ª rodada da Copa RS
7-8: 3ª rodada da Copa RS
10-11: 4ª rodada da Copa RS
14-15: 5ª rodada da Copa RS
17-18: 6ª rodada da Copa RS
21-22: 7ª rodada da Copa RS
24-25: 8ª rodada da Copa RS

MARÇO

28-1: 8ª rodada da Copa RS
3-4: 9ª rodada da Copa RS
7-8: 10ª rodada da Copa RS
10-11: 11ª rodada da Copa RS
13-14: 12ª rodada da Copa RS
17-18: 13ª rodada da Copa RS
21-22: 14ª rodada da Copa RS
24-25: 15ª rodada da Copa RS
28-29: 16ª rodada da Copa RS

ABRIL

31-1º: 17ª rodada da Copa RS
4-5: 18ª rodada da Copa RS (Final da Primeira Fase)
11-12: Início da Segunda Fase e da Repescagem
18-19: 2ª rodada da Segunda Fase e da Repescagem
25-26: 3ª rodada da Segunda Fase e da Repescagem

MAIO

2-3: 4ª rodada da Segunda Fase e da Repescagem
9-10: 5ª rodada da Copa Segunda Fase e da Repescagem
16-17: 6ª rodada da Segunda Fase e da Repescagem (Final de ambas as fases)
23-24: Oitavas-de-Final (ida)
30-31: Oitavas-de-Final (volta)

JUNHO

6-7: Quartas-de-Final (ida)
13-14: Quartas-de-Final (volta)
16-17: Semi-final (ida)
20-21: Semi-final (volta)
24: Final (ida)
28: Final (volta)

Assina a redação do Toda Cancha (assina embaixo a do Impedimento e mais abaixo ainda o Almanaque Esportivo)

Querem acabar com "time reserva", "time B" no Gauchão? REDUZAM PARA 12 TIMES

09 de fevereiro de 2013 18

Ano após ano, sistematicamente, a mesma reclamação proveniente dos dois grandes da capital, e sempre do time pequeno do interior irritado com time reserva, perdendo uma ótima receita no Campeonato Estadual. O Gauchão utiliza TODAS as 23 datas disponibilizadas pela CBF e é exatamente este o principal motivo pelo qual tanto Grêmio quanto Internacional jogam diversas vezes com time reserva, muitas vezes até com o time B (o grupo reserva do reserva, que nem trabalha com os principais).

Grêmio B x Canoas - Jogo inutil - Foto: Félix Zucco

Mas isto ocorre devido ao absurdo número de participantes: 16. Depois do rentável Campeonato Paulista (que tem 20), o pequeno estado do Rio Grande do Sul é o que tem mais times no estadual. O Campeonato Mineiro, de um estado equivalente ao RS, tem só 12 times, mesmo número do Paranaense.

Quando Grêmio e Inter se classificam para a Libertadores, ainda mais via Pré-Temporada, a superposição de datas chega às raias da loucura: em 2010 o Inter jogou um mata-mata do 1º tuno 48h antes da estréia na Libertadores, teve que jogar com time B e foi eliminado. Em 2012, o Inter jogou 24 horas depois de jogo da Libertadores, algo repetido pelo Grêmio 2x este ano!

Mantendo a fórmula, mas reduzindo o número de times, dá para fazer um Gauchão com 17 datas, 12 participantes:

  • Dois grupos de seis times
  • Jogos entre os grupos no 1º turno (6 jogos)
  • Classificam-se os 2 primeiros no 1º turno
  • Semifinal e final, ambas em jogo único na casa do time de melhor campanha
  • Jogos dentro do mesmo grupo no 2º turno (5 jogos)
  • Classificam-se os 2 primeiros no 2º turno
  • Semifinal e final, ambas em jogo único na casa do time de melhor campanha
  • Se o campeão não for o mesmo nos dois turnos (Taça Piratini e Farroupilha), finais com jogos de ida e volta
  • Total: 11 jogos na fase de grupos + 4 nos mata-mata + 2 em uma possível grande decisão = 17 datas.

Lajeadense x Inter reserva - outra inutilidade - Foto: Diego Vara

Simples, não? Imaginem que nos últimos 4 anos, desde 2009 utilizando esta fórmula, em nenhuma vez Grêmio ou Internacional usaram reservas por mais de seis rodadas. Ou seja, exatamente esta a diferença.

Sei que os clubes do interior morrem de medo de, na redução de 16 para 12 times, o time deles seja rebaixado.

Mas não é possível que eles vejam seu próprio produto, talvez o único que eles possuem de ampla exposição de sua marca, seja sistematicamente diminuído por jogos do time reserva.

O que seria mais interessante para o São Luiz, de Ijuí: jogar contra o time B do Grêmio ou contra os titulares? Nem preciso dizer, né?

Mas é necessário coragem para tomar decisões como estas.

E não vejo isto na Federação Gaúcha de Futebol.

Nem nos clubes do Gauchão.

VEJA TAMBÉM

E a Federação Gaúcha segue incapaz de fazer uma tabela decente do Gauchão!

07 de fevereiro de 2013 8

Em mais uma temporada, o Almanaque Esportivo vem aqui mostrar os erros grosseiros da Federação Gaúcha de Futebol em montar uma tabela coerente de jogos.  Desde 2009 a pessoa responsável por montar a tabela é incapaz de acertar distorções como um mesmo time da dupla jogar quatro vezes seguidas como mandante ou visitante contra um time do interior, ao invés de simplesmentar alternar, ano após ano, os mandos de campo.

Ontem tivemos mais um exemplo: foi a terceira vez seguida que o Inter enfrentou o Lajeadense em Lajeado, desde que este time subiu para a Primeira Divisão em 2011. Já o Grêmio semana passada pelo 3º ano de 4 temporadas o São Luiz em Ijuí (OBS: obrigado Rafa Kieling pela correção). A situação mais ridícula ocorreu em Santa Cruz do Sul: o Inter jogou seis vezes seguidas contra os times de lá, Santa Cruz e Avenida, no Beira-Rio, enquanto o Grêmio jogava no interior.

O que é mais estarrecedor é que, de acordo com o presidente da FGF Francisco Novelletto, o Gauchão serve muito para que as comunidades do Interior assistam os times grandes da capital. Então porque ele não satisfaz a todos? O Inter não joga em Pelotas desde 2009, enquanto o Grêmio não joga em Lajeado há quase QUINZE ANOS.

  • 2008 a 2011 - Inter joga seis vezes em Porto Alegre contra times de Santa Cruz do Sul consecutivamente. Às vezes mais de uma vez no mesmo ano (contra o Santa Cruz e Avenida). Enquanto isto, o Grêmio jogava fora de casa contra os mesmos times. Isto foi relatado DUAS VEZES aqui no Almanaque Esportivo, a última em 2010.
  • 2008, 2009, 2011 e 2013 – Inter joga contra o São José no Passo D’Areia, enquanto o Grêmio pegava o mesmo time no Olímpico. Detalhe: o Inter já tinha jogado com o Zequinha em 2006 e 2007 no Passo D’Areia.
  • 2009 a 2012 – FGF não consegue colocar a dupla Gre-Nal com número equilibrado de jogos em casa: às vezes um time joga 10 em POA e o outro 7. Bizarro. Isto foi levantado pelo blog Grêmio 1983 na época.
  • 2010 a 2013 – Internacional enfrenta o Pelotas pela 4º vez consecutiva em Porto Alegre, enquanto o Grêmio joga sempre em Pelotas. Ridículo.
  • 2009 a 2013 – Internacional enfrenta o Juventude 4 vezes consecutivamente em Porto Alegre. O Grêmio em Caxias.
  • 2009 a 2013 – Grêmio enfrenta o Caxias 4 vezes consecutivamente em Porto Alegre. O Inter em Caxias.
  • 2009 a 2012 – Grêmio joga 3 vezes contra o Ypiranga em Erechim e só 1 em POA. Inter em Porto Alegre.
  • 2010 a 2013 – Grêmio joga 3 vezes em 4 anos contra o São Luiz em Ijuí. Já o Inter em Porto Alegre.
  • 2011 – Ciente de que o Grêmio teria que jogar a pré-Libertadores e o Inter teria folga estendida após o Mundial, a FGF mantém data do Gre-Nal em Rivera para final de janeiro. Resultado: o Tricolor jogou com reservas, e o Colorado com seu time Sub-23. 4 mil pessoas no jogo, absolutamente ridículo.
  • 2009 a 2012 – Veranópolis enfrentou Caxias E Juventude em casa na fase regular de jogos.

VEJA TAMBÉM

Sábado, 31 de maio de 2008
Regulamentos idiotas, parte I – O jogo que o time fez gol contra de propósito

Terça-feira, 03 de junho de 2008
Regulamentos Idiotas, parte II – O dia que o Grêmio jogou para perder

Quarta-feira, 04 de junho de 2008
Regulamentos idiotas, parte III – O dia que o Náutico jogou para perder

Sexta-feira, 29 de maio de 2009
Regulamentos idiotas, IV: Série D 2009, ou ‘como comparar laranjas com melancias’

Ranking brasileiro de eleições em clubes de futebol - dez/2012

17 de dezembro de 2012 5

A eleição deste sábado no Internacional se tornou a terceira maior da história do futebol brasileiro. Apesar de ter sido apenas para a escolha dos respresentantes no Conselho Deliberativo do clube, mais de 11 mil colorados participaram neste calorento 15 de dezembro em Porto Alegre.

Mesmo sem a possibilidade de escolha do presidente, já que Giovanni Luigi foi reeleito ainda no primeiro turno, o total de presentes ficou atrás apenas da eleição colorada para presidente em 2010 (também com Giovanni Luigi como vencedor), e a eleição gremista que conduziu Fábio Koff este ano.

Eleição para o Conselho Deliberativo 2012 - Fotos: Jefferson Bernardes/Preview.com

Fora a dupla Gre-Nal, que tem os dois maiores quadros associados do país, apenas Atlético-PR (em 6º lugar) e Sport (em 10º) estão entre os maiores pleitos da história.

CONFIRA O RANKING ATUALIZADO

  1. Internacional - 2010 – 16.924 votos – Eleição de Giovanni Luigi
  2. Grêmio - 2012 – 13.547 votos – Eleição de Fábio Koff
  3. Internacional -2012 – 11.714 votos – Eleição proporcional do Conselho Deliberativo
  4. Internacional - 2008 – 7.473 votos – Reeleição de Vittorio Píffero
  5. Grêmio - 2008 – 5.365 votos – Eleição de Duda Kroeff
  6. Atlético-PR – 2011 – 4.794 votos – Eleição de Mário Celso Petraglia
  7. Grêmio - 2010 - 4.624 votos – Eleição proporcional do Conselho Deliberativo
  8. Internacional - 2001 – 4.171 – Eleição de Fernando Carvalho
  9. Internacional - 2004 - 3.977 votos – Reeleição de Fernando Carvalho
  10. Sport - 2008 – 3.457 votos – Eleição de Sílvio Guimarães

VEJA TAMBÉM

Grêmio 2012: Os números finais, recordistas e mais dados estatísticos da temporada!

05 de dezembro de 2012 9

A temporada 2012 terminou para o Grêmio com um gostinho de decepção. Afinal, o time fez uma temporada muito boa, foi protagonista em todas as competições (Gauchão, Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e Campeonato Brasileiro), mas fracassou nos momentos cruciais e termina a temporada tal qual 2011: sem títulos. Pior, sem chegar a uma única final.

A “Era Olímpico” acabou e quando o Grêmio entrar oficialmente em campo pela próxima temporada, já estará instalado na novíssima e moderna “Arena do Grêmio”, no bairro Humaitá aqui em Porto Alegre. Foi um ano nostálgico para todos os gremistas, que se despediram de sua casa após 58 anos de história.

Velho Olímpico em seu último ano de existência - Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

A nova casa gremista terá a chance de sediar jogos da Libertadores em 2013, fruto do 3º lugar no Brasileirão. O técnico também, já que mesmo com a mudança de diretoria (entrando o mítico Fábio Koff no lugar do sempre polêmico Paulo Odone), a comissão técnica foi mantida, sob comando de Wanderley Luxemburgo.

E quanto aos números? Bem, a temporada 2012 mostra um Grêmio extremamente eficiente. Fez 126 gols em 75 jogos, um número considerado bom, mas o resultado final foi excelente: 66% de aproveitamento em 2012. 25 gols saíram de rebotes ou roubadas de bola, 8 de falta, 8 de pênalti e 3 gols foram contra.

O volante Fernando foi quem mais jogou, impressivos 67 de 75 jogos, seguido de longe pelo também volante Souza (60 jogos), Léo Gago, Marquinhos e Marcelo Moreno (todos com 55 partidas).

O artilheiro foi Marcelo Moreno, com 21 gols, seguido de longe por Kléber (15 gols) e André Lima (13), porém Kléber fez a maioria dos gols no 1º semestre. Já nos passes para gol, o especialista em bola parada Marco Antônio liderou com 10 assistências, seguido por Elano (9), Kléber e Moreno (ambos com 7).

Com a torcida empolgada, uma ótima base de time e um estádio novo, os prognósticos são alvissareiros para 2013. Vamos conferir.
NÚMEROS

  • Jogos: 75
  • Vitórias: 45
  • Empates: 15
  • Derrotas:15
  • Gols pró: 126
  • Gols contra: 67
  • Saldo: 59
  • Esquema tático mais usado: 4-4-2 por 63 vezes (em 17 jogos com 3 volantes), depois 4-3-3 e 4-5-1 (4 vezes cada)
  • Maior goleada: Grêmio 5×0 Novo Hamburgo, Campeonato Gaúcho
  • Pior derrota: Corinthians 3×1 Grêmio, Campeonato Brasileiro/Millionários-COL 3×1 Grêmio, Copa Sul-Americana
  • Maior série invicta: 15 jogos
  • Maior sequência de vitórias: 7
  • Maior série sem vencer: 3 (duas vezes)
  • Maior sequência de derrotas: 2 (duas vezes)
  • Quem mais jogou: Fernando, 67 partidas
  • Artilheiro: Marcelo Moreno, 21 gols
  • Maior assistente: Marco Antônio, 10 passes para gol
  • Gol mais bonito: Marco Antônio, Fortaleza 0×2 Grêmio, Copa do Brasil
  • Craque da temporada: Zé Roberto
  • Decepção da temporada: Kléber
  • Revelação da temporada: Werley
  • Total de contratações (grupo principal): 20 atletas
  • Total de liberações (grupo principal):  21 atletas
  • Contratação furada de 2012: Sorondo
  • Contratação acertada de 2012: Zé Roberto
  • Pior jogo: São José 2×1 Grêmio, Campeonato Gaúcho
  • Melhor jogo: Grêmio 1×0 Fluminense, Campeonato Brasileiro
  • Momento crucial da temporada: derrota para o Palmeiras no Olímpico pelas semifinais da Copa do Brasil
  • Momento brilhante: A chegada de Elano e Zé Roberto na metade da temporada
# Jogador Gols
1 Marcelo Moreno 21
2 Kléber 15
3 André Lima 13
4 Werley 9
5 Elano 8
Leandro 8
7 Fernando 7
Léo Gago 7
9 Bertoglio 5
Marco Antônio 5
11 Miralles 4
Naldo 4
Zé Roberto 4
14 Marquinhos 3
Souza 3
16 Douglas Grolli 2
Gabriel 2
18 Anderson Pico 1
Gilberto Silva 1
20 Vílson 1
Perlaza (contra) 1
Fernando Belém (contra) 1
Wágner (contra) 1
Total 126
# Jogador Assistências
1 Marco Antônio 10
2 Elano 9
3 Kléber 7
Marcelo Moreno 7
5 Zé Roberto 6
6 Bertoglio 5
Marquinhos 5
8 Edílson 4
Fernando 4
Léo Gago 4
Souza 4
12 Gabriel 3
Miralles 3
14 Felipe Nunes 2
Pará 2
16 Douglas Grolli 1
Gilberto Silva 1
Guilherme Biteco 1
Leandro 1
Naldo 1
Rondinelly 1
22 Tony 1
Rebote/Roubada 25
Pênalti 8
Falta 8
Gol Contra 3
# Atleta/Jogo TOTAL
1 Fernando 67
2 Souza 60
3 Léo Gago 55
4 Marcelo Moreno 55
5 Marquinhos 55
6 Pará 54
7 André Lima 53
8 Gilberto Silva 52
9 Marco Antônio 51
10 Kléber 49
11 Werley 49
12 Leandro 38
13 Marcelo Grohe 38
14 Victor 36
15 Zé Roberto 34
16 Naldo 33
17 Elano 30
18 Gabriel 29
19 Vílson 27
20 Anderson Pico 26
21 Edílson 21
22 Júlio César 17
23 Bertoglio 15
24 Miralles 15
25 Rondinelly 14
26 Tony 11
27 Douglas Grolli 9
28 Saimon 8
29 Bruno Collaço 6
30 Felipe Nunes 6
31 Mário Fernandes 5
32 Douglas 3
33 Guilherme Biteco 3
34 Felipe Guedes 2
35 Yuri Mamute 2
36 Dener 1
37 Pablo 1
TOTAL

VEJA TAMBÉM

  • Grêmio estatísticas 2011: Douglas tem 55 jogos na temporada
  • Grêmio, estatísticas 2010: jogos, gols, assistências – 136 gols em 70 jogos!
  • Grêmio, estatísticas 2009: jogos, gols, assistências
  • ESPECIAL: Estádio Olímpico e suas estatísticas finais de 58 anos de história!

    03 de dezembro de 2012 13

    Ontem encerrou-se o capítulo oficial da história do estádio Olímpico Monumental. Palco de 58 anos dos jogos do Grêmio Foot-Ball Portoalegrense, a velha casa Tricolor deixará de existir em 2013.

    Se despediu com um 0×0 tumultuado, contra seu arquirrival Internacional em um jogo decisivo do Campeonato Brasileiro, depois de ter iniciado a sua trajetória em um 2×0 sobre o Nacional de Montevidéu, Torneio de Inauguração do estádio em 1954

    O Almanaque Esportivo compilou as mais significativas (ou não) estatísticas da história do Grêmio.  Foram  1764 jogos, 1156 vitórias, 382 empates e e sofreu 226 derrotas. Marcou 3498 gols e sofreu 1303 (dados do @tribunagremista, o grande Bruno Coelho).

    Em Gre-Nais foram 123 jogos, 41 vitórias, 48 empates e 34 derrotas, 152 gols marcados e 132 gols sofridos.


    Primeiro jogo: Grêmio 2×0 Nacional-URU, torneio de inauguração do estádio em 19/09/1954
    Primeira vitória: Grêmio 2×0 Nacional-URU, torneio de inauguração do estádio em 19/09/1954
    Primeiro gol: Vítor (Grêmio), em Grêmio 2×0 Nacional-URU, torneio de inauguração do estádio em 19/09/1954
    Primeiro gol gremista: Vítor (Grêmio), em Grêmio 2×0 Nacional-URU, torneio de inauguração do estádio em 19/09/1954
    Primeira derrota: Grêmio 2×6 Internacional, torneio de inauguração do estádio em 26/09/1954
    Primeiro gol sofrido: Jerônimo (Inter), em Grêmio 2×6 Internacional, torneio de inauguração do estádio em 26/09/1954
    Primeira vitória em Gre-Nais: Grêmio 2×1 Internacional, Campeonato Citadino 1955 em 24/07/1955
    Primeira derrota em Gre-Nais: Grêmio 2×6 Internacional, torneio de inauguração do estádio em 26/09/1954
    Primeiro gol marcado em Gre-Nais: Sarará (Grêmio),em Grêmio 2×6 Internacional, torneio de inauguração do estádio em 26/09/1954
    Primeiro gol gremista em Gre-Nais: Sarará (Grêmio),em Grêmio 2×6 Internacional, torneio de inauguração do estádio em 26/09/1954
    Primeiro gol colorado em Gre-Nais: Jerônimo (Inter), em Grêmio 2×6 Internacional, torneio de inauguração do estádio em 26/09/1954
    Maior público oficial: Grêmio 0×1 Ponte Preta, Brasileiro de 1981 – 98.421 (85.751 pagantes) em 26/04/1981- OBS: sobre este jogo existe uma polêmica, já que nas sociais era necessário 4 ingressos dos ditos “normais” e todos foram contabilizados como torcedores individuais. A prova da confusão é que o segundo maior público do Olímpico é de simplesmente 24 mil torcedores a menos, 74,238 torcedores em Grêmio 0×0 Flamengo pela final do Brasileiro de 1982. Quem quiser contribuir, informe. O Renato Rangel Torres fez um ótimo comentário, olhem mais abaixo.
    Primeiro título no estádio: Internacional, campeão do torneio de inauguração do estádio em 26/09/1954
    Primeiro título do Grêmio na “Era Olímpico”: Campeonato Gaúcho de 1956, batendo o Pelotas fora de casa na final
    Primeira finalíssima do Grêmio em seu próprio estádio: Grêmio 3×0 Guarany-Bagé, Campeonato Gaúcho 1958 em 11/03/1959
    Primeiro jogo internacional oficial: Grêmio 0×0 São Paulo, Copa Libertadores 1982 em 03/09/1982
    Primeiro jogo de Copa Libertadores: Grêmio 0×0 São Paulo, Copa Libertadores 1982 em 03/09/1982
    Primeiro jogo da Seleção Brasileira: Brasil 3×0 Bulgária, amistoso em 28/10/1981
    Último jogo: Grêmio 0×0 Internacional, Campeonato Brasileiro em 02/12/2012
    Última vitória: Grêmio 2×1 São Paulo, Campeonato Brasileiro 20120 em 12/11/2012
    Último gol: Marcelo Moreno (Grêmio), Grêmio 2×1 São Paulo, Campeonato Brasileiro 2012 em 12/11/2012
    Último gol gremista: Marcelo Moreno (Grêmio), Grêmio 2×1 São Paulo, Campeonato Brasileiro 2012 em 12/11/2012
    Última derrota: Grêmio 1×2 Portuguesa, Campeonato Brasileiro 2012 em 13/08/2012
    Último gol sofrido: Rogério Ceni (São Paulo), Grêmio 2×1 São Paulo, Campeonato Brasileiro 2012 em 12/11/2012
    Último gol marcado em Gre-Nais: Bolívar (Inter), Grêmio 2×2 Internacional, Campeonato Gaúcho 2012 em 05/02/2012
    Último gol gremista marcado em Gre-Nais: Marcelo Moreno, Grêmio 2×2 Internacional, Campeonato Gaúcho 2012 em 05/02/2012
    Último título no estádio: Internacional, Campeonato Gaúcho 2011 em 15/05/2010
    Último título gremista da “Era Olímpico”: Grêmio, Campeonato Gaúcho 2010 em 02/05/2010
    Último título gremista no estádio: Grêmio, Campeonato Gaúcho 2010 em 02/05/2010
    Último gol colorado em Gre-Nais: Bolívar (Inter), Grêmio 2×2 Internacional, Campeonato Gaúcho 2012 em 05/02/2012
    Menor público do Olímpico: 55 pagantes em Juventude 2×1 Portuguesa, Campeonato Brasileiro 1997 em 03/12/1997 - OBS: O menor público do Grêmio foi de 271 pagantes no jogo Grêmio 2×0 Esportivo, Campeonato Gaúcho em 07/07/1994
    Último jogo internacional oficial: Grêmio 1×0 Millionários-COL, Copa Sul-Americana 2012 em 30/10/2012
    Último jogo de Copa Libertadores: Grêmio 1×2 Universidad Católica-CHI, Copa Libertadores 2011 em 26/04/2011
    Último jogo da Seleção Brasileira: Brasil 2×0 Paraguai, Eliminatórias para o Mundial 2002 em 15/08/2001
    Observações finais: em caso de erros ou omissões, mandem e-mail ou deixem  comentários!

    Adeus, velho Olímpico! - Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

    Final da Copa FGF: Pênalti escandaloso não-marcado por Vuaden a favor do Xavante

    26 de novembro de 2012 15

    O Juventude empatou em 0×0 com o Brasil de Pelotas no último domingo em pleno estádio Bento Freitas e conquistou a Copa FGF “Hélio Dourado”. O título deu ao “Papo” uma vaga na Série D 2013.

    Brasil e Juventude decidiram a Copa FGF - Crédito: Porthus Junior/Agência RBS

    Porém o jogo foi marcado por uma penalidade simplesmente escandalosa não marcada pelo árbitro FIFA Leandro Vuaden. Em um escanteio ainda no primeiro tempo, Vuaden não viu isto:

    DRAMA EM BOGOTÁ: Grêmio aumenta sina de fracassos em território colombiano

    16 de novembro de 2012 9

    A dramática, e polêmica, eliminação na Copa Sul-Americana contra o Millionários-COL deixou a torcida do Grêmio com um sabor amargo. Se existe algum lugar no qual o Tricolor gaúcho não tem muita sorte é na Colômbia em competições sul-americanas.

    Rentería elimina Grêmio e segue a sina na Colômbia - Foto: AFP PHOTO/Luis Acosta

    É verdade que conquistou a Libertadores de 1995 contra o Nacional de Medellín em um empate de 1×1, após 3×1 no jogo de ida no estádio Olímpico. Mas o retrospecto global contra times colombianos é catastrófico fora de casa: 8 derrotas, 1 empate e 1 única vitória, em 2009 contra o Boyacá Chicó.

    Foram três eliminações em competições de mata-mata, a mais dramática nas semifinais de 1996 contra o América de Cali e igualmente de virada por 3×1 após um 1×0 em casa no jogo de ida. Na ocasião, o zagueiro Bermúdez, que marcou era no Boca Juniors de Carlos Bianchi, fez dois gols:

    No Olímpico, em compensação, o Grêmio jamais perdeu: foram 7 vitórias e 2 empates.

    VEJA TODOS OS CONFRONTOS

    Copa Libertadores 1983 – Triangular semifinal
    • América de Cali 1 x 0 Grêmio, Grêmio 2 x 1 América de Cali
    Copa Libertadores 1995 – Finais
    • Grêmio 3 x 1 Atlético Nacional, Atlético Nacional 1 x 1 Grêmio

    Copa Libertadores 1996 – Semifinais

    • Grêmio 1 x 0 América de Cali, América de Cali 3 x 1 Grêmio
    Supercopa 1997 – Primeira fase
    • Grêmio 2 x 2 Atlético Nacional, Atlético Nacional 3 x 1 Grêmio
    Copa Libertadores 2003 – Quartas-de-finais
    • Grêmio 2 x 2 Independiente Medellín, Independiente Medellín 2 x 1 Grêmio

    Copa Libertadores 2007 – Primeira fase

    • Grêmio 0 x 0 Cucuta, Tolima 1 x 0 Grêmio, Grêmio 1 x 0 Tolima, Cucuta 3 x 1 Grêmio
    Copa Libertadores 2009 – Primeira fase
    • Boyacá Chicó 0 x 1 Grêmio, Grêmio 3 x 0 Boyacá Chicó

    Copa Libertadores 2011 – Primeira fase

    • Atlético Júnior 2 x 1 Grêmio, Grêmio 2 x 0 Atlético Júnior

    Copa Sul-Americana 2012 – Quartas-de-finais

    • Grêmio 1×0 Millionários, Millionários 3×1 Grêmio