Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Pessoais"

Almanaque Esportivo - Nova fase

14 de agosto de 2013 6

Prezados,

Com este aqui foram de 1500 posts e mais de 7000 comentários aqui no Almanaque Esportivo desde a estréia, dia 27 de agosto de 2007. Na época, convidado pelo André Roca para contar histórias diferentes da mesmice. Nestes seis anos aprendi muito, contei histórias, criei polêmicas, informei, me diverti. E, acima de tudo, criei amigos e conheci pessoas que curtem este tipo de informação. O blog passou pelo ClicEsportes e depois a Zero Hora.com.

Agora, o convite para um novo projeto. Ao final deste mês, o blog passa para a Rádio Atlântida e será uma coluna fixa do “Blog do Bola“, do já consagrado “Bola nas Costas”.

Já o conteúdo novo envolvendo o Almanaque Esportivo está sendo entregue em um endereço próprio: http://www.almanaqueesportivo.com.br 

O legado, o histórico do blog, continuará disponível nos links dos blogs da Atlântida.

 

Conto com vocês.

Alexandre Perin
@a_esportivo
alexandre.perin@gruporbs.com.br

VÔLEI: Vivendo um Sul Americano no Peru como espectadora 'in loco'

28 de dezembro de 2012 6

O próximo post não é de minha autoria. Há cerca de dois meses, minha esposa Mariane Batista foi para o Peru acompanhar o Campeonato Sul-Americano de Vôlei Feminino Infanto-Juvenil. De lá, saiu impressionada com a relação entre o Peru e o Vôlei, especialmente o feminino, já que o país sul-americano foi medalhista olímpico nos anos 80. E é esta história que ela irá nos contar:

Mariane Batista torcendo pelo Brasil no Sul-Americano de Vôlei - Arquivo Pessoal

Em meados de agosto por meio de uma brincadeira surgiu a oportunidade de irmos, eu e minha irmã Márcia, até Lima (Peru) assistir ao Campeonato Sul Americano de Voleibol Infanto Juvenil Feminino. Teríamos a oportunidade de ver de perto minha sobrinha-afilhada atleta, Lyara, jogar pela Seleção Brasileira. Pesquisamos, conversamos, entramos em contato com um ótimo site de vôlei, o Vive Voley e através dele confirmamos as datas e posteriormente as tabelas de jogos.

Mari e a sobrinha Lyara Batista Medeiros, atleta da Seleção - Arquivo Pessoal

No tempo entre a decisão de ir e o campeonato, aconteceu o Campeonato Sul Americano Juvenil Feminino. Acompanhava o desempenho do Brasil através das redes sociais e consegui assistir à final entre Brasil e Peru pela internet… Após esse jogo tive certeza que não seria nada fácil estar lá, pois percebi que os peruanos gostam bastante de Vôlei, gostam não, são fanáticos e pelas categorias de base, uma vez que hoje eles não tem força na categoria adulta. A torcida de quase 6000 pessoas no ginásio no dia da grande final (uma segunda feira, 18h…) que vibrava a cada ponto conquistado por sua seleção, calou-se quando o time juvenil Brasileiro sagrou-se Campeão. Mas o canal de TV peruano que transmitiu on line o jogo, mostrava sempre a sua bela torcida, suas atletas guerreiras e seu povo…
Organizamos nossas datas de forma a estar lá para assistir ao 3º jogo da fase classificatória e fase final, incluindo a semi e a final. Com a certeza que a final seria entre os times mais fortes, o favorito Brasil e o dono da casa Peru, precisava muito ter os ingressos garantidos para o espetáculo. Contatando o site, fiz um novo amigo, Nano Gonzales que foi muito paciente na interminável troca de e-mail’s e em esclarecer todas as dúvidas que eu tinha. Sempre se mostrou solícito e muito educado e no meu desespero nos e-mail’s a dois dias da ida para o Peru, ofereceu-se para comprar os ingressos para nós.
Chegando o grande dia de assistir o primeiro jogo, um sábado a tarde, nos deslocamos até o Coliseo Miguel Grau em Callao e lá já na entorno do complexo esportivo percebi que não seria fácil…   Entrando no ginásio, sentamos no meio da torcida peruana e assistimos a um jogo que acontecia antes do “nosso”… E mesmo sem ser a Seleção da casa jogando a torcida vibrava bastante. O jogo que assistimos era Brasil X Argentina e a torcida peruana torcia SEMPRE contra nós, mesmo que fosse seu próximo adversário, eles até vibravam com os belos lances, mas nunca assumiam torcer para o “favorito”.
Eu me questionava: Quem é esse pessoal que está aqui assistindo a esses jogos? Será que moram aqui perto? (Callao é um município da Grande Lima) Será que suas familiares estarão em quadra pela Seleção Peruana? Que nada, são pessoas que gostam de vôlei, são novos, crianças, adultos, idosos… gente de todo tipo e classe social.
Após a vitória das nossas meninas sobre as “hermanas” Argentinas, assistimos ao jogo entre Peru X Chile, agora já sentadas mais afastadas da torcida mais eufórica. Nesse momento observei a grande torcida peruana que levaram seus tambores e cornetas para torcer com seus rostos pintados de vermelho e branco. O Brasil passeou sobre o Chile na semi final e após aconteceu o jogo entre Peru e Argentina, ganhando os donos da casa no tie break em um jogo muito emocionante.
No dia da grande final, senti um arrepio ao entrar no Miguel Grau, ginásio dito amaldiçoado pelos peruanos, uma vez que havia alguns Campeonatos que o Peru estava disputando títulos e não ganhava.  Eles tiveram três eliminações em torneios internacionais desde 2008 nesse ginásio. Acredito que dizem ter fantasma porque o Complexo Miguel Grau fica em frente a dois enormes Cemitérios.
A grande final foi um lindo e emocionante jogo. Acredito que além das 12 atletas e comissão técnica, estavam lá torcendo pela Seleção Brasileira, Rafael Petry, técnico da Seleção Colombiana que além de brasileiro é Gaúcho, o técnico Antonio Rizolla que é Diretor de Seleções da CBV, uma moça da imprensa brasileira e nós, eu a minha irmã Marcia.

Os outros 6000 presentes eram torcedores peruanos que viram seu Peru ser Campeão Sul Americano após 32 anos sem nenhuma vitória, 3×2 na decisão! Para eles foi ganhar a Copa do Mundo… o país parou, todos sabiam do jogo, todos assistiram ao jogo e inclusive a sua reprise 24 horas após… 80% dos jornais tinham o Peru Campeão em sua capa, enfim, eles respiram o Vôlei!

Todos os jornais peruanos no dia seguinte à vitória - Arquivo Pessoal

Foi uma experiência única e inesquecível, claro que a idéia era trazer o Ouro para casa, mas não foi possível por diversos fatores. É capaz de eu ser  “mal entendida” pelo que vou escrever, porém mesmo que o “preço” tenha sido ver nossas meninas tristes, eu posso dizer que estive num evento desportivo que entrou para a história do Peru.  Fiquei triste também, é claro, mas no esporte é assim, um vence e o outro perde, e naquele 26 de novembro foi o dia do Peru vencer e fazer o país parar e comemorar seu título!
TODAS as mídias no momento seguinte, e nos dias seguintes ao término do jogo tinham esse assunto, rádios, canais de TV, inclusive com transmissão ao vivo da frente do hotel de las Campeonas…

Dia seguinte, e a final ainda era o assunto do país - Foto Arquivo Pessoal

Foi bonito, foi mágico, foi emocionante!

LIGA DOS CAMPEÕES - Entrem na Liga do Almanaque Esportivo!

15 de setembro de 2012 0

Pessoal, como faço há muitos anos, entrei no Fantasy Football da Liga dos Campeões da Europa. O site, que pode ser acessado em português, permite que você monte seu time e receba pontuações conforme o desempenho dos atletas e de seus respectivos times.

Você está imaginando: isto parece o Cartola FC. Sim, ele é muito parecido. Com uma diferença:a competição da UEFA é bem mais antiga que a brasileira. E ela também não é original, por sua vez repetiu os antigos Fantasy Football que existem há mais de década no futebol inglês.

O CÓDIGO DA LIGA É: 168547-437567

Meu time da 1° rodada foi montado assim:

Perináceo Football Club, 1° rodada do UEFA Fantasy Football

DICA: Tabelas no Excel que facilitam o acompanhamento dos campeonatos

03 de setembro de 2012 2

Boa parte da base do Almanaque Esportivo consiste de dados, números e estudos. Muitos se perguntam como consigo determinados levantamentos estatísticos, como melhor campanha em casa, quem fez mais gols, quais times tem melhor campanha. Boa parte do segredo vem de controles estatísticos em planilhas. Também tenho links organizados para acesso rápido, além de ter uma memória bem interessante.

Alguns dados eu consigo rapidamente graças à Tabelas Automáticas do Excel, com os dados históricos do Campeonato Brasileiro preenchidos desde o início dos pontos corridos, em 2003.

Hoje vou divulgar o trabalho de três pessoas formidáveis, que me ajudaram mesmo sem saber neste últimos anos. São os sites FutExcel, Tabelas Brasil e Nacopa.net.

O FutExcel é comandado há anos pelo Marcelo “Che” Paixão. Tem tabela das Séries A, B, C e D. Tem bolão, Mega Sena, Orçamento Domésticos, etc. Vale a pena conferir em: http://www.futexcel.com/

O Tabelas Brasil, um dos mais tradicionais sobre o assunto, existe desde 2003 conduzido pelo Guilherme Gomes. Este é o mais abrangente, fica a dica para quem deseja tabelas dos campeonatos estaduais: http://www.tabelasbrasil.cjb.net/

E temos ainda o NaCopa.net, site conduzido pelo Vitor Canato também há muitos anos neste longo trabalho. Um dos mais bacanas no site é a tabela que você mesmo monta seu campeonato. O conteúdo está disponível em: http://tabela-do-brasileirao.blogspot.com.br/

Se vocês quiserem alguma delas, me peçam por e-mail. Tenho todas preenchidas.

OPINIÃO: Internacional 2006 a 2012: De Yokohama ao Olímpico

31 de agosto de 2012 4

Escrevi um longo texto opinativo sobre os problemas do Internacional nos últimos dois anos. Ele está hospedado em outro site.

Convido os leitores fiéis a darem uma lida: Internacional 2006 a 2012: De Yokohama ao Olímpico

A defesa de hoje é a mesma do fiasco contra o Mazembe. Foto: Jefferson Bernardes – Vipcomm

Há alguns anos, o ex-presidente Fernando Carvalho escreveu um livro intitulado “De Belém a Yokohama: Como o Inter conquistou o Mundo”. Leiam, é uma leitura obrigatória do case de sucesso que levou o clube até seu Centenário no auge de sua história. Pois creio que está na hora de uma segunda versão, contando tudo que ocorreu desde o título mundial e que pode terminar na última rodada deste Campeonato Brasileiro, no estádio do arquirrival. No zênite da desesperança.

Leia Mais

Blog em descanso - Está voltando!

28 de junho de 2012 0

Pessoal, estou há algumas semanas afastado por férias e compromissos profissionais. Em breve retornaremos com as seções fixas e novidades, incluindo o meu compromisso de publicar 3x por semana temas antigos que estão há anos com pauta reservada aqui no Almanaque Esportivo.

Aguardem!

RS é vice-campeão feminino de vôlei infanto: Rio conquista o bicampeonato!

28 de maio de 2012 1

Em uma final equilibrada, o Rio de Janeiro se sagrou bicampeão brasileiro de Vôlei Feminino Infanto-Juvenil (Sub-17) neste sábado em Rezende-RJ. Na decisão, as cariocas bateram o Rio Grande do Sul por 3 sets a 1, parciais de 25/21, 25/21, 29/31 e 25/19.  Em terceiro lugar ficou o time São Paulo  enquanto o surpreendente Pará terminou no 4º lugar.

Seleção Gaúcha vice-campeã brasileira de Vôlei Feminino Infanto-Juvenil - Divulgação FGV

Na decisão, cinco atletas campeãs sul-americanas infantil pela Seleção Brasileira em 2011 estavam presentes: as fluminenses Drussyla Costa, Giulia (Gávio, filha do campeão olímpico Giovane) e a levantadora Thais; e as gaúchas Lyara Batista (Sogipa, de Porto Alegre)  e Sabrine Wagner (Martin Luther King, de Estrela).

Acompanhei o jogo com grande atenção e orgulho, afinal minha sobrinha Lyara Batista Medeiros (atleta da SOGIPA) foi a levantadora do time gaúcho. Até ano passado, Lyara era central mas este ano está apostando na posição de levantadora, com ótimo desempenho. A torcida foi grande lá em casa, mas o nível espetacular da atacante  Drussyla acabou garantindo o bicampeonato do Rio. Ao RS, um avanço: de 3º para o 2º lugar.

Lyara e Jordana, em uma das poucas vezes que pararam a espetacular Drusylla - Foto: site da CBV

EQUIPE GAÚCHA

Bárbara Thaís Krug, Fernanda Risco, Samara Goncalves, Victória Souza Strehl, Lyara Medeiros, Diana Pontalti, Camila J. Lau, Josyane Menezes, Jordana Jandrey, Sabrine Wagner, Anna Luisa Carneiro e Daniela Mors

COMISSÃO TÉCNICA

Rodrigo Rother (técnico) e Diogo Desbessel (auxiliar técnico)

CLASSIFICAÇÃO FINAL

  1. Rio de Janeiro
  2. Rio Grande do Sul
  3. São Paulo
  4. Pará
  5. Paraná
  6. Minas Gerais
  7. Pernambuco
  8. Ceará
  9. Goiás
  10. Maranhão
  11. Mato Grosso do Sul
  12. Mato Grosso

VEJA TAMBÉM:

Euro'96 - O futebol volta para casa

26 de maio de 2012 0

Escrevi o texto abaixo para o blog “Futebol Europeu Online“, do amigo Eduardo Tavares Júnior. Ele trata de minhas lembranças e emoções a respeito da Eurocopa de 1996, uma competição singular que, se não primou pela qualidade técnica, marcou pelas emoções que me trouxeram.

“Surpresa, drama, glória, dominação. Sentimentos diversos ecoam em minha mente ao recordar a Eurocopa de 1996. Confesso que, depois da minha euforia com a conquista da Dinamarca em 92 contra todas as expectativas, a ansiedade estava alta. Seria a chance de ver o renascido futebol inglês. Naquela época, sem globalização da mídia, apenas ouvíamos falar do que ocorria nos gramados britânicos. Foram os ingleses os primeiros a tratarem os torcedores como verdadeiros clientes, promovendo o conforto e reformando seus centenários estádios a um nível ainda não visto neste esporte. Uma mudança que, gradualmente, atingiria todo o planeta…”

Confiram o resto em:

Para aquecer, a trilha que marcou aquela temporada:

Os melhores blogs de Esportes: "Carta na Manga"

03 de abril de 2012 2

Há cerca de um ano conheci o blog Carta na Manga através do Twitter. Desde então passei a ser um fiel seguidor do @cartanamanga e principalmente das postagens frequentes no blog, repletas de opiniões fortes e coerentes. Escrito pelo Vicente Fonseca, o Carta na Manga tem dois veículos principais: o blog em si e também o podcast, que conta com a participação de amigos e eventuais participações especiais.

São milhares de posts desde 2006, sendo um dos veículos de opinião esportiva mais antigos ainda em atividade na internet do Brasil. O Carta na Manga me chama a atenção pelo fato de o Vicente não esconde sua preferência clubística (ele é gremista), e ainda assim não perde a isenção nas opiniões sobre o clube e sobre o rival. Isto sem contar um profundo conhecimento sobre o futebol brasileiro, sul-americano e mundial.

Carta na Manga - Opinião Esportiva - Foto: Reprodução

Vamos às perguntas?

Almanaque: Olá, Vicente! Seja bem vindo ao Almanaque Esportivo. Poderia nos resumir como surgiu a ideia de escrever o blog, nos idos de 2006? Sei o quanto é difícil manter um site por tanto tempo com afinco, afinal já estou na internet há 16 anos…

Carta na Manga: a ideia surgiu em 2006, quando eu estava no penúltimo semestre do curso de jornalismo. Foi mais ou menos um mês após a Copa do Mundo. Foi a primeira Copa em que os blogs de colunistas participaram ativamente da cobertura. Lembro que li bastante o do Juca Kfouri, e passei a pensar em ter o meu espaço também. O legal na internet é justamente possibilitar ao estudante de jornalismo fazer jornalismo opinativo sem precisar necessariamente estar empregado em um veículo há muitos anos, como ocorre com a maioria dos colunistas. Como durante a Copa tive excelentes debates sobre os jogos com colegas meus de faculdade, pensei em unir a possibilidade de fazer um jornalismo opinativo e reunir este pessoal que debatia comigo em um espaço só, na internet. Nunca pensei em lucros, audiência ou qualquer coisa neste sentido. A vontade era falar sobre futebol e comentar o que eu via nos jogos.

Almanaque: Neste longo período, surgiram oportunidades de publicar o blog em algum veículo de maior expressão, ou tu preferes manter a independência?

Carta na Manga: nos primeiros anos, tratei o blog como um projeto paralelo, sem intenção de fixar o conteúdo dele a um veículo. A questão da independência pesou bastante. Em 2010, estabelecemos uma parceria com o Sul21, que publica alguns textos do Carta na Manga de vez em quando.

Almanaque: É possível obter algum lucro com as visitações, ou o blog serve como uma atividade complementar prazeirosa mas pouco lucrativa? Qual sua ocupação principal?

Carta na Manga: por muitos anos, mantive o blog paralelamente a meus estudos e ao meu trabalho. Desde o ano passado, estamos procurando profissionalizar o Carta na Manga. Nossa ideia é abrir uma agência de conteúdo em jornalismo esportivo, não apenas de textos, mas também em áudio – nosso podcast, Carta na Mesa, é um produto que temos há quatro anos e pode perfeitamente ser incluído na programação de emissoras de rádio. Atualmente, sou jornalista freelancer, e a busca pela profissionalização do trabalho do blog é o principal desafio das nossas carreiras neste momento. O Igor Natusch e o Felipe Prestes, que são colaboradores do blog, trabalham no Sul21, e estão trabalhando comigo neste desafio.

Almanaque: Nestes quase seis anos, já te envolvestes em alguma grande polêmica, ou algum texto recebeu críticas que tu não imaginavas?

Carta na Manga: críticas fazem parte no jornalismo de internet, que é interativo por excelência. Mas nada de muito grave. Felizmente, o debate no Carta com os leitores foi sempre em altíssimo nível. Acabamos formando uma comunidade que comenta o blog e discute futebol nele. Fiz até amigos pelo blog, é uma experiência muito gratificante. Em uma ou outra oportunidade viram textos meus como uma flauta ao Internacional, pelo fato de eu ser gremista, mas foram fatos muito isolados. Considerando que temos mais de 3,5 mil postagens em quase seis anos de trabalho, é um número insignificante.

Almanaque: E o PodCast? Faz tempo que começou, o pessoal é todo vinculado à FABICO? Ele me chama a atenção pela qualidade das informações, aliadas à uma informalidade que se torna um bate-papo divertido, como não poderia deixar de ser em alunos desta lendária Faculdade de Comunicação…

Carta na Manga: assim como o blog, o Carta na Mesa surgiu da ideia de debater futebol, e também inspirada em um produto em veículo da grande imprensa – no caso, o PodCast da Placar, que eu conheci em 2008. Como sou radialista também e um apaixonado por rádio, sempre tive o sonho de participar de uma mesa redonda esportiva, mas não sabia como viabilizá-la. Como ex-alunos da Fabico, conversamos com a coordenação do Estúdio de Rádio da faculdade, que nos cedeu o horário após às aulas, ao meio dia, para gravarmos o programa. É claro que a ideia de profissionalizar o podcast e o blog vão nos forçar a sair da Fabico em breve e procurar um estúdio particular para tocar o programa e poder comercializá-lo, o que é impossível num estúdio público como o da Fabico. Nossa ideia no programa é debater os principais acontecimentos do futebol de forma descontraída, mas sem cair no piadismo ou nas flautas. Todos têm seu time, o assumem, mas analisamos jornalisticamente o que ocorre. O pessoal entendeu a proposta e curte bastante. Temos uma audiência bastante fiel.
Almanaque: Algum plano especial para o futuro do Carta na Manga? Ou estás satisfeito com o formato atual, sem maiores responsabilidades a não ser com a qualidade das postagens?

Carta na Manga: a ideia é profissionalizarmos o trabalho a partir de uma agência de conteúdo em jornalismo esportivo escrito e de rádio. Quanto ao blog em si, pretendemos mantê-lo do jeito que tem funcionado, mas abertos a oportunidades que porventura venham a surgir.

Almanaque: Apesar de já imaginar a resposta, gostaria que tu formalizasse tuas ideias sobre a mudança radical do jornalismo esportivo no Brasil, o estilo “descontraído” de Tiago Leifert versus o tecnicamente sisudo de Léo Batista/ESPN?

Carta na Manga: não tenho nada contra o jornalismo esportivo que faz piada das furadas dos jogadores. Só acho que ele não pode se tornar o único modo de fezer jornalismo esportivo no nosso país. O Léo Batista, que tu citaste, é tecnicamente perfeito, mas não deixa de ser descontraído também, quando convém. Agora, quando tu deixa de passar os gols da rodada para ficar só falando do nome engraçado de um jogador ou ridicularizando um gol perdido por um centroavante e tornando-o o fato principal de um jogo importante, ou perguntando em entrevista coletiva se um jogador se acha parecido com o Zé Ramalho, o jornalismo esportivo se empobrece. E o público que gosta mesmo de esporte, e não é pequeno, sente falta. É um estilo legal para complementar um jornalismo esportivo mais informativo, mas não pode ser o único estilo de jornalismo esportivo no nosso país, ou mesmo o principal modo de tratarmos o esporte.Almanaque: Finalizando.. e a temporada 2012? Projeções para Libertadores, Eurocopa e Copa do Brasil (post a ser favoritado, hehe!)

Carta na Manga: É sempre muito complicado brincar de adivinhações em futebol. Vejo a Dupla Gre-Nal com boas perspectivas, mas competições como Libertadores e Copa do Brasil, de mata-mata, reservam surpresas. Vejo o Santos, o Fluminense e o Corinthians como rivais importantes do Inter na Libertadores, e Palmeiras e São Paulo como os possíveis estraga-festas do Grêmio na Copa do Brasil. Quanto à Euro, a Alemanha é o melhor time, e acho que somente a Espanha e talvez a Holanda realmente rivalizam em termos de qualidade. Itália e França, ao contrário da Copa do Mundo de 2010, vêm com bons times desta vez, mas estão alguns degraus abaixo.

E assim encerramos mais uma história para contar.

Na próxima semana, será a vez do Continental Circus, do grande português Paulo Alexandre Teixeira. Aguardem!

Os melhores blogs de Esportes: Un café con Serena

26 de março de 2012 0

Serena Navarrete é uma venezuelana viciada em automobilismo, em especial Fórmula-1. Conheci esta simpática pessoa através do twitter (@SerenaRF1) por indicação do grande português Paulo Alexandre Teixeira (@Speeder76), que há anos mantém o já lendário Continental Circus, que também aparecerá neste espaço de divulgação. Ela é autora do blog Um Café com Serena”, no qual fala sobre a categoria máxima do esporte.

Blog Un Café con Serena - Reprodução

Porém ela não se limita a falar sobre as corridas, tampouco a assistir “in loco” os Grandes Prêmios. Serena disserta sobre o que lhe vem à cabeça, desde política, cultura, civilização (leiam este ótimo texto sobre o Rio de Janeiro, escrito dia 1º de janeiro deste ano). Aliás, ela  mora no Brasil e é daí que esta entrevista começa:

Almanaque: Olá, Serena, tudo bem? O que fez uma venezuelana deixar o Caribe para morar no Rio de Janeiro?

Serena: Obrigada pela atenção que me brinda. A gente tinha uma boa oferta de trabalho e devido às condições politicas e sociais na Venezuela hoje em dia, apresentava-se como uma boa oportunidade.

Almanaque:Você trabalha com jornalismo esportivo, ou é um hobby para ti?

Serena: Na verdade é um hobby, mesmo porque sempre quis estudar jornalismo e fazer especialização na matéria de esporte.

Almanaque: De onde partiu a inspiração de escrever em um blog sobre automobilismo?
Serena: Eu já havia escrito em algumas oportunidades para conhecidos na Espanha e Venezuela. Eles me apoiaram a escrever meu próprio blog. Naquele instante eu fiquei receosa, entretanto eles mesmos coordenaram o setup do blog. Como eu aprecio muito café, achamos que era um nome apropriado, E o blog existe graças a esta equipe magnífica que sempre me apoiou.

Almanaque: Desde quando acompanhas o esporte?

Serena: Eu acompanho o esporte desde 1983.

Almanaque: E como tu enxergas tua visão no automobilismo, no qual a presença feminina é ainda menor do que em outros esportes?

Serena: Bom, desde o início da existência da humanidade, o homem sempre desejou demonstrar superioridade sobre a mulher, e acredito que por essa mesma razão a presença feminina é infinitamente menor no mundo a motor, mesmo que seja fascinante para ambos os sexos. Nos dias de hoje, em que o automobilismo envolve tanto dinheiro, segurança ao espectador e ao piloto (mesmo que isto falte em outras categorias) ainda apresenta muitas limitações, coisa que os seguidores atuais da F1 já se acostumaram, mas sinto saudades dos motores turbos. Infelizmente também tenho que mencionar os custos envolvidos entre o piloto, escuderia e talento.

Almanaque: Quantos GP’s você já assistiu presencialmente?

Serena: Só dois: os Grande Prêmios do Brasil em 2010 e 2011

Serena e o coração venezuelano no GP do Brasil de 2011 - Foto: Arquivo Pessoal

Almanaque: Tens o sonho de assistir a algum GP em especial fora do Brasil?

Serena: Com certeza, o Grande Prêmio de Monza é um sonho de todo espectador e amante do esporte a motor, Também o Grande Prêmio da Bélgica, acho que Spa-Francorchamps deve ser um privilégio, assim como Canadá e Mônaco.  Depois disso eu poderia morrer satisfeita.

Almanaque: Como enxergas a atual temporada?

Serena: Até agora a temporada só teve duas corridas, mas elas já demonstram que a briga deste ano vai ser boa, sem aquela coisa do monopólio por uma equipe. Pilotos que vão ter que demonstrar se na verdade eles são bons quanto mostravam, só que agora sem ter o melhor carro no grid.
Almanaque: Quem são os teus favoritos e preferidos?

Serena: Na atual temporada nunca ocultei o meu favoritismo por Alonso, agora com a volta de Kimi Raikkonen também fico de olho. O Jenson Button tem uma maturidade na categoria impressionante, O Sergio Perez e Bruno Senna. Mas posso citar outros grandes nomes que a gente não esquece nunca, como o Juan Manuel Fangio,,Ayrton Senna, Niki Lauda, Mario Andretti, Alain Prost, Jack Braham e o antigo Schumacher.

Almanaque: Finalizando, fora das pistas, como você enxerga o momento do Brasil e de sua Venezuela?”

Serena: O Brasil vive um momento maravilhoso, tem muito crescimento econômico, muito investimento. Tomara que a politica tome consciência também de investir na educação e infraestrutura. A Venezuela já vivenciou tudo isto, só que os políticos e as suas políticas nunca preocuparam-se com o povo que tinha menores recursos.O resultado do pais é o governo que hoje temos. Um país focado só para as rendas petrolíferas, o turismo não faz parte dos planos da economia. A matéria prima é quase toda importada e, alem disso o governo fica destruindo a empresa privada e acabando com as chances de gerar emprego.

Então por hoje é isto. Na próxima semana, o blog “Carta na Manga”, de opiniões fortes e centradas sobre o futebol gaúcho, brasileiro e mundial.