Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Barcelona"

Futebol espanhol: 'Nossa liga não é só a maior porcaria da Europa, mas do mundo'

30 de agosto de 2011 2

Já ouviram falar de uma Liga que vendeu individualmente os direitos televisivos e gerou uma dupla com receita muito maior do que os demais? Ops, não é o Brasil e sim a Espanha. Ao menos por enquanto…

“Nossa Liga não é só a maior porcaria da Europa, mas do mundo. É uma liga de terceiro mundo em que dois clubes roubam o dinheiro de televisão dos demais”. Foi com esta impactante declaração que o presidente do Sevilla, José María Del Nido, disparou contra o abismo financeiro que existe nas últimas temporadas entre Real Madrid, Barcelona e o resto.

Neste final de semana, o Real Madrid arrasou a Real Sociedad por 6×0, enquanto o Barcelona pegou o Villarreal (4º na última temporada) e enfiou 5×0 mesmo com inúmeros desfalques. Ano passado, ambos dispararam em relação ao resto, algo repetido nas duas últimas temporadas. Curiosamente, desde que mudou o regime financeiro e a venda dos direitos passou a ser individualizada.

A disparidade financeira entre os gigantes e o resto chegou ao limite nas últimas  temporadas e a repercussão na vida esportiva começa a ser sentida. Barça e Real recebem 140 milhões de euros anualmente dos direitos de TV, contra 42 milhões de Valencia e Atlético de Madrid, e o resto ganhando muito menos.

Até a semana passada, a Liga Espanhola estava em greve de jogadores. Eles pediam salários atrasados, o direito de rescindir contrato após 3 meses de salários atrasados, fundos para bancar . Os times médios da Espanha, que nos anos 90 e início do século XXI eram protagonistas até mesmo da Liga dos Campeões (em especial Valencia, Sevilla e Deportivo La Coruña), hoje se arrastam nas competições continentais.

É verdade que nos últimos 28 Campeonatos Espanhóis, em 24 anos a dupla Barcelona e Real Madrid foi campeã, com dois títulos do Valencia, um título do Atlético de Madrid e mais um do Deportivo La Coruña. Além da já habitual potência inglesa, os times médios e grandes da Alemanha e França hoje fazem força na Europa, enquanto até mesmo o decadente futebol italiano mostra sinais de recuperação após uma ótima renegociação de contrato dos direitos televisivos.

Porém o que ocorre nas últimas 3, 4 temporadas é um massacre técnico sobre as demais equipes.

Fiz um levantamento envolvendo as últimas temporadas, vou reproduzir abaixo:

CONSIDERAÇÕES

  • As células em azul claro indicam anos que Barça e Real Madrid não ficaram entre os dois primeiros.
  • As células em azul escuro indicam anos que Barcelona e Real Madrid não ficaram entre os quatro primeiros.
  • As células em vermelho indicam temporadas nas quais o Barcelona e o Real Madrid dominaram. As em verde são anos dominados por times fora da Dupla Galática.

ANÁLISES

  • Nas primeiras oito temporadas do levantamento, Barcelona e Real Madrid só fizeram a dobradinha 2 vezes. Já o campeão não saiu da dupla em 3 oportunidades.
  • Barcelona e Real Madrid não ficaram sequer entre os 2 primeiros duas vezes.
  • Neste mesmo período, Barcelona e Real Madrid ficaram de fora dos 4 primeiros em 4 oportunidades, 3x o Real e 1x o Barcelona
  • Nas oito temporadas seguintes, o Barcelona e o Real Madrid ganharam o título em 7 anos.
  • Só o Valencia, em 2008, foi campeão diferentemente da “Dupla Galática”.
  • Apenas 1x Barcelona e Real Madrid não fizeram a dobradinha: em 2007/2008.
  • Desde 2004, o percentual de pontos do “Resto” contra a “Dupla Galática” baixou para níveis de 70% a 60%, enquanto antes o percentual mais baixo foi 84%.

Ah, a Liga Italiana que negociava individualmente agora partiu para um modelo coletivo. Vejam os resultados:

Futebol italiano negocia direitos de TV em conjunto e bate recorde

"O Rei das Copas": Inter conquista 15º título em 19 finais desde 2002

25 de agosto de 2011 10

Em 2002, o Internacional voltou a conquistar um título depois de cinco anos. Ok, foi o “Supercampeonato Gaúcho” contra o 15 de Novembro de Campo Bom, enquanto o país acompanhava a Copa do Mundo. De lá para cá, o Colorado viveu os melhores anos de sua história. Nas últimas dez temporadas, conquistou títulos oficiais e amistosos em todos os anos, e ainda as conquistas mais relevantes.

Mais interessante que os 15 títulos, 14 deles oficiais (e mais a amistosa Copa Dubai), é o retrospecto em decisões de mata-mata. Neste período foram 19 finais e apenas quatro vezes o Inter saiu derrotado: Campeonatos Gaúchos de 2006 e 2010; Copa do Brasil de 2009 e Recopa Sul-Americana em 2009.

Grêmio (2x), Corinthians e a L.D.U foram os algozes, enquanto o 15 de Novembro (de Campo Bom-RS, hoje licenciado) foi o freguesão, com três derrotas em finais de Estadual.

Confiram todas as decisões:

2002

  • Campeonato Gaúcho – 15 de Novembro

2003

  • Campeonato Gaúcho – 15 de Novembro

2004

  • Campeonato Gaúcho – Ulbra

2005

  • Campeonato Gaúcho – 15 de Novembro

2006

  • Campeonato Gaúcho – Grêmio
  • Copa Libertadores da América – São Paulo
  • Mundial de Clubes FIFA – Barcelona-ESP

2007

  • Recopa Sul-Americana – Pachuca-MÉX

2008

  • Copa Dubai – Internazionale-ITA (torneio amistoso)
  • Campeonato Gaúcho – Juventude
  • Copa Sul-Americana – Estudiantes de La Plata – ARG

2009

  • Campeonato Gaúcho – Caxias
  • Copa do Brasil – Corinthians
  • Recopa Sul-Americana – L.D.U. – EQU
  • Copa Suruga Bank – Oita Trinita – JAP

2010

  • Campeonato Gaúcho – Grêmio
  • Copa Libertadores – Chivas Guadalajara – MÉX

2011

  • Campeonato Gaúcho – Grêmio
  • Recopa Sul-Americana – Independiente – ARG

Gols de bicicleta - As mais famosas 'chilenas' da história

23 de agosto de 2011 11

O ESPETACULAR (alô Fernando Carvalho) gol de Leandro Damião contra o Flamengo no último domingo me fez relembrar golaços históricos de bicicleta.

Daqueles clássicos, sem discutir, a bicicleta imortalizada por Leônidas da Silva. Também conhecida como “chilena”, a jogada é uma das mais espetaculares deste esporte.

Sem muitas delongas, vamos à alguns dos mais famosos:

  • Hugo Sánchez – México – Real Madrid 2×1 Logroñes – Campeonato Espanhol 1987/88

  • Wayne Rooney – Manchester United 2×1 Manchester City – Campeonato Inglês 2010/2011

  • Marco Van Basten – Holanda – Ajax 3×1 Den Bosch – Campeonato Holandês 1986/87

  • Rivaldo – Brasil – Barcelona 3×2 Valencia – Campeonato Espanhol 2000/01

  • Leandro Damião – Brasil – Internacional 2×2 Flamengo – Campeonato Brasileiro 2011

Manchester United vs. Barcelona, round IV - Final da Liga dos Campeões de 2009

27 de maio de 2011 0

Em 2009, Manchester United e Barcelona fizeram o confronto direto mais importante de suas histórias. De um lado, o time inglês, já tricampeão e buscando ser o primeiro time campeão consecutivo da Liga dos Campeões, desde o início do novo formato em 1993. Do outro, o gigante catalão buscando o tricampeonato europeu. Mais do que isto, a Tríplice Coroa, pois já havia obtido o título espanhol e da Copa do Rei. A decisão seria no majestoso estádio Olímpico de Roma.

Como atual campeão, teoricamente o time inglês seria o favorito. Porém não era isto que ocorria naquele time. Com Cristiano Ronaldo praticamente de saída (isto se confirmaria 2 meses depois), o time carecia de conjunto, tinha problemas com lesões e uma fase ruim de boa parte dos titulares.Michael Carrick e Anderson, que então jogava de volante, viviam um momento muito ruim.

Depois de uma primeira fase irregular, líder com 2 vitórias e 4 empates contra o Villarreal (Espanha), Aalborg (Dinamarca) e Celtic Glasgow (Escócia), o Manchester embalou na fase de mata-mata: despachou Internazionale, Porto (com direito a um gol histórico de Cristiano Ronaldo) e o arquirrival Arsenal com uma goleada nas semifinais de 4×1.

Já o Barcelona, em seu primeiro ano sob comando de Pep Guardiola, tinha um time que encantava a cada jogo e era o favorito dos torcedores e da imprensa. Em uma fase brilhante, o argentino Lionel Messi fazia uma dupla incrível no ataque com o camaronês Samuel Eto’o. Iniesta e Xavi começavam a montar o senhor meio-campo de futebol que assombraria o mundo pelos próximos anos.

Depois de atropelar na primeira fase o Sporting Lisboa (Portugal), o Shakhtar Donetsk(Ucrânia) e o Basel(Suíça), o Barcelona surrou o Lyon e o Bayern de Munique antes de duelos históricos contra o Chelsea. 0×0 no Camp Nou e 1×1 no finalzinho com um golaço de Iniesta garantiram a vaga na final, em um jogo fenomenal marcado pela polêmica arbitragem de Tom Henning Øvrebø, que teve quatro reclamações de pênalti do time inglês (eu teria dado 2 deles sem nem pensar) .

Na decisão, o jogo começou com uma blitz do Manchester United. Em menos de 10 minutos, o United perdeu três chances boas de gol com Cristiano Ronaldo, com o Barcelona visivelmente perdido. Então, o lance que decidiu o jogo: Iniesta conduziu a bola com liberdade sobre Carrick e Anderson e achou Eto’o. Este se livrou de Nemanja Vidic e chutou forte para fazer 1×0.Perdido, o Manchester viu Messi chutar perto do travessão dez minutos depois.

A estratégia do técnico Alex Ferguson de deixar Carlos Tévez, em grande fase, no banco, centralizar Wayne Rooney e adiantar Cristiano Ronaldo se mostrava um naufrágio completo. Xavi em falta e Messi em jogada individual deram sustos à Van der Sar, em uma noite surpreendentemente insegura.

No segundo tempo, Ferguson voltou ao esquema padrão, colocando Tévez no ataque e recuando Cristiano Ronaldo. Mas nem assim segurou, pois Thierry Henry e Xavi (de falta novamente e desta vez no travessão) quase ampliaram. O Manchester até tentou avançar, mas não conseguia controlar o jogo no meio-campo. Em atuação brilhante, Xavi comandava o setor e puxava os ataques blaugrana. A saída de Park para a entrada de Berbatov bagunçou o jogo de novo e decidiu a partida.

Aos 24 minutos, Xavi cruzou e o pequenino Messi cabeceou no alto, cruzado, marcando 2×0. Na saída de bola, Cristiano Ronaldo quase descontou para o United, mas depois não teve jeito. Nos minutos finais, a raça inglesa se tornou violência e Ronaldo, mais Paul Scholes, fizeram lances desleais passíveis de expulsão, mas só receberam amarelo. Aos espanhóis, algumas chances em contra-ataque, mas o título estava assegurado.

COMPACTO DO JOGO:

O Barcelona era tricampeão europeu! Até o final daquele ano, o Barcelona ainda conquistaria a Supercopa Espanhola e Européia e o Mundial de Clubes da FIFA. Todos os seis títulos no ano. É mole?

FICHA DA DECISÃO

27 de maio de 2009
ESTÁDIO OLÍMPICO DE ROMA (ITÁLIA)

BARCELONA: Valdés, Puyol, Touré, Piqué e Sylvinho; Busquets, Xavi e Iniesta (Pedro); Messi, Eto’o e Henry (Keita). Técnico: Pep Guardiola

MANCHESTER UNITED: Van der Sar, O’Shea, Ferdinand, Vidic e Evra; Carrick, Anderson (Tevez), Giggs (Scholes) e Park (Berbatov); Rooney e Cristiano Ronaldo. Técnico: Alex Ferguson


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round III - Os épicos jogos de 1994, 98 e 2008

27 de maio de 2011 0

Depois de contar dois mata-matas nos quais o Manchester United venceu o Barcelona, agora iremos contar a história de jogos bem mais recentes. O primeiro na fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa 1994/95, quando o Barça empatou em 2×2 no Camp Nou e surrou o Manchester por impiedosos 4×0 no Camp Nou. Depois, empates em 3×3 na temporada 1998/99. E por último, as semifinais da Liga na temporada 2007/08.

1994/95 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O Barcelona ainda lambia as feridas da derrota na final da Liga anterior, quando perdeu para um destroçado Milan (muitos desfalques) por 4×0. Ainda com Romário e Hristo Stoichkov, o time espanhol saiu atrás com um gol de Hughes. Mas no primeiro tempo, o “Baixinho” Romário empatou em jogada de alta velocidade. No segundo tempo, Bakero fez 2×1 e parecisa selar a vitória dos visitantes. Porém um gol espetacular de Lee Sharpe, de letra, selou o empate em Old Trafford. Veja os gols: http://www.youtube.com/watch?v=21Z6CVFOSrY

No segundo turno daquela fase de grupos, o Barcelona trucidou o United. Enfiou estrondosos 4×0 sem nenhuma apelação, em um ‘vareio de bola’ no Camp Nou.  Sem Peter Schmeichel e Eric Cantona (na época apenas 1 estrangeiro era permitido), o Manchester já levou 2×0 no primeiro tempo, gols de Stoichkov e Romário. Na etapa complementar, o búlgaro fez mais um antes que Albert Ferrer completasse o marcador, para delírio dos 115 mil torcedores presentes ao estádio do Barcelona. Naquele time começava a brilhar um jovem volante chamado Josep Guardiola, hoje treinador do Barcelona… Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=2A4OcyS2KPM

1998/99 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O segundo duelo é da temporada 1998/99, também pela fase de grupos da Liga dos Campeões. Na ocasião, em um “grupo da morte” o Barcelona (que fazia 100 anos naquela temporada) ficou na mesma chave do Manchester United, do Bayern de Munique (que seria o vice-campeão) e do pobre Brondby (Dinamarca), obviamente massacrado pelos gigantescos rivais. Então ocorreram dois empates em 3×3, sendo que o segundo eliminou o Barça da disputa e abalou a moral do técnico Louis Van Gaal.

No primeiro jogo em Old Trafford, o Manchester abriu 2×0. Com sua formação dita “perfeita”, com Roy Keane, Paul Scholes, Ryan Giggs e David Beckham, o time de Ferguson saiu na frente com gols de Giggs e Scholes. Mas comandado por Rivaldo, o Barcelona empatou no segundo tempo com os brasileiros Sonny Anderson e Giovanni (de pênalti). Beckham marcou um golaço de falta e fez 3×2, mas Luís Enrique,  novamente de pênalti, empatou e fechou em 3×3. Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=R4USdxYBMxE

No jogo de volta, o Barça precisava vencer para seguir vivo e logo a um minuto de jogo, fez 1×0 com Sonny Anderson. O Manchester empatou ainda no primeiro tempo com Dwight Yorke. Na etapa complementar, Andy Cole virou para 2×1 logo no início em uma grande tabelinha com Yorke. Mas Rivaldo descontou minutos depois em cobrança de falta. Aproveitando erros defensivos do Barcelona, Yorke marcou de novo para o United, antes de Rivaldo marcar um gol histórico, de bicicleta. Ele ainda chutou um míssil no travessão e ainda deixou Giovanni livre com um passe de calcanhar, mas o brasileiro errou e selou o marcador em um novo espetacular 3×3. Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=w3Lltd_g82c

2007/08 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O último grande enfrentamento entre estes gigantes do esporte mundial por fases preliminares em competições européias ocorreu em 2008. Na ocasião, o Manchester havia eliminado a Roma na fase anterior, enquanto o Barça havia batido o Schalke 04. No time inglês, Cristiano Ronaldo fazia uma temporada assombrosa ao lado de Wayne Rooney e Carlos Tévez, enquanto o Barcelona de Lionel Messi, Xavi e Iniesta vivia os últimos momentos sob comando de Frank Rikjaard, com um time já desgastado em sua maneira de jogar.

O primeiro jogo foi um horror, 0×0 na Espanha. A única coisa de realmente legal na partida foi o pênalti desperdiçado por Cristiano Ronaldo bem no início do jogo, e mais algumas boas defesas de Edwin Van der Sar. Vejam o compacto: http://www.youtube.com/watch?v=iiTUCQ2jd8c.

A segunda partida foi bem mais interessante, com chances de gol de ambos os lados. Logo no início, Paul Scholes marcou um gol característico de seu talento: um petardo ‘do meio da rua’. Depois, Ji Park-Sung, Deco, Nani (3x), Tévez e por último Thierry Henry desperdiçaram chances claras em um jogão de bola, que classificou o Manchester para a final contra o Chelsea (da qual sairia campeão). Vejam o compacto: http://www.youtube.com/watch?v=yZobrNI2yC4

SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round II - Final da Recopa Europeia em 1991

26 de maio de 2011 1

Continuando a série preparatória para a decisão da Liga dos Campeões da Europa, sábado entre Manchester United e Barcelona, vamos viajar no tempo até 1991. Depois de contarmos a história do jogo de 1984, pelas quartas-de-final da Recopa, vamos recordar a decisão entre estas duas equipes há exatos 20 anos, pela mesma Recopa (hoje extinta).

De um lado, o Barcelona que iniciava uma trajetória que lhe deixaria no topo do futebol europeu em menos de uma temporada. Já comandada pelo gênio inquieto do holandês Johan Crujff, o Barça tinha o talento do zagueiraço Ronald Koeman, a classe superior do dinamarquês Michael Laudrup e o oportunismo do artilheiro Julio Salinas. Faltavam ainda os craques Hristo Stoichkov e Romário, que chegariam na temporada seguinte.

Já o Manchester United no início de sua fase vitoriosa, já possuía a espinha dorsal defensiva de Dennis Irwin, Gary Pallister e Steve Bruce. No meio, a categoria de Bryan Robson e o dinamismo de Paul Ince, e no ataque a eficiência do galês Mark Hughes. O treinador já era Alex Ferguson.

O jogo único foi disputado no belo De Kuip, estádio do Feyenoord em Roterdã-HOL. Era a primeira decisão de um time inglês após os cinco anos de suspensão de todas as competições europeias após o massacre de Heysel, quando dezenas de torcedores da Juventus morreram após distúrbios com a torcida do Liverpool. Cercado de um colossal sistema de segurança, 50 mil torcedores assistiram um bom jogo.

Levemente inferior tecnicamente, o Manchester aproveitou a falta de experiência dos espanhóis contra o estilo direto de jogo, já que há anos nenhum time do continente tinha jogos oficiais contra os clubes ingleses. Enquanto o Barça tentava tocar a bola, o United abusava do jogo aéreo e das estocadas em velocidade.

Foi assim que saiu o primeiro gol já no segundo tempo, aos 23 minutos em conclusão de oportunismo de Hughes. Logo depois, o centroavante drbilou o goleiro Busquets (pai do atual volante do Barcelona Busquets) e, quase sem ângulo, chutou forte para fazer 2×0. Aos 35 do segundo tempo, Koeman(o maior zagueiro-artilheiro da história do futebol) bateu falta, o goleiro Les Sealey falhou e diminuiu para o Barcelona, 2×1. Dali em diante o Barça, mesmo com 1 jogador a menos (Nando expulso), massacrou o United, Mas a barreira defensiva inglesa se segurou e o Manchester foi campeão, primeiro título europeu de Ferguson no comando do time.


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round I - Recopa Europeia de 1984

26 de maio de 2011 0

De hoje até sábado, vamos contar aqui no Almanaque Esportivo a história de duelos históricos entre Manchester United e Barcelona, finalistas da Liga dos Campeões da Europa em Londres. A capital inglesa receberá dois tricampeões europeus, e somente um obterá o tetra da Liga.

Estas duas equipes já se enfrentaram em finais européias (Recopa em 1991, Liga dos Campeões em 2009), e tiveram duelos épicos nas temporadas de 1984, 1994, 1999 e 2008. Serão estas histórias a serem contadas a partir de agora, na contagem regressiva da grande decisão no templo sagrado de Wembley.

A primeira história é uma das mais marcantes. Pelas quartas-de-final da Recopa Europeia, competição extinta que reunia os campeões das copas nacionais de cada país, Manchester United e Barcelona se enfrentaram na Espanha e depois na Inglaterra. De um lado, o Barcelona com os astros Bernd Schuster e Diego Maradona. Do outro, um time que tinha os talentos de Bryan Robson e Norman Whiteside.

No primeiro jogo, o Barcelona enfiou 2×0 no Camp Nou lotado. Porém o resultado não fez jus à partida, pois o United jogou bem e merecia melhor sorte. Tanto é que os gols foram de Graeme Hogg (contra) e  Rojo, já nos acréscimos. Sendo assim, a confiança dos quase 60 mil torcedores do United no jogo de volta era grande. Todos confiavam em uma grande atuação de Robson, conhecido também como “Capitão Marvel“. E foi isto que ocorreu em uma épica noite na qual o Manchester United superou o Barcelona!

O jogo começou com uma blitz inglesa no clássico estilo de jogo vertical e bolas longas, o ‘kick-and-rush’. Foi assim que o time do técnico Ron Atkinson imprensou os catalães em seu campo até que Bryan Robson, em jogada ensaiada de escanteio após desvio do redimido Graeme Hogg, fizesse  1×0 aos 27 minutos. O United seguiu pressionando, e Maradona tentava empurrar o Barça para o ataque, sem sucesso. Depois de inúmeras chances de gols perdidas, terminava o primeiro tempo.

Na etapa final, a pressão do time da casa foi ainda superior. A saída de bola do Barcelona foi testada até seu limite, com êxito: depois de recuada errada de Pinto e rebatida do goleiro Urruti, o Manchester perdeu 2 gols no mesmo lance antes que Robson aproveitasse rebote de Urruti e fizesse 2×0.

Dois minutos depois, com o Barcelona atordoado, nova sequência de conclusões e Frank Stapleton fuzilou o arco catalão desguarnecido, Manchester 3×0. Precisando de um gol  para levar o jogo às penalidades máximas, a equipe espanhola foi para o ataque e teve chances com o gênio de Maradona, sem resultado.

Final, Manchester classificado, invasão de campo. Loucura em Old Trafford:


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

As 10 maiores transferências da história do futebol gaúcho - Jan/2011

28 de janeiro de 2011 20

Com as vendas de Giuliano e Sandro, o Internacional agora domina completamente o ranking das maiores negociações da história do futebol gaúcho. São sete das 10 maiores vendas, incluindo as cinco maiores. As transferências de Douglas Costa (Shakthar Donetsk por 15 milhões de reais) e Taison (13,8 milhões de reais), possíveis candidatas a entrarem na lista, ficaram abaixo do último colocado no ranking, o gremista Anderson em 2005.


A ida de Sandro para Londres se tornou a sétima mais rentável, enquanto a partida de Giuliano para o futebol ucraniano entrou no oitavo lugar. Sendo assim, Anderson, Carlos Eduardo e Sídnei deixaram a lista nesta atualização.

Ressalva importante: Carlos Eduardo recentemente rendeu mais 2 milhões de euros para o Grêmio, que tinha 20% do lucro do Hoffenheim-ALE em uma venda futura. Ele foi negociado por estonteantes 20 milhões de euros para o Rubin Kazan-RUS). Mas meu critério é simples: receitas flutuantes e flexíveis (ou seja, que não necessariamente podem ser atingidas), não entram na minha contabilização.

Vamos aos dados? Cliquem na imagem para ampliar:

As Maiores Transferências da História do RS - Arquivo Pessoal

As Maiores Transferências da História do RS – Arquivo Pessoal

VEJA TAMBÉM

BARCELONA - Veja como funciona o conceito tático "Tiki-Taka", alma do time espanhol

27 de janeiro de 2011 5

Vamos agora avaliar um dos segredos do Barcelona, o time mais encantador que eu vi jogar desde o Milan do final dos anos 80. O time espanhol joga, em todas as categorias, no esquema 4-3-3 desde os tempos de Johan Crujff. Além disto, evidentemente possui craques da estirpe de Messi, Xavi e Iniesta, todos provenientes de suas divisões inferiores.

Porém isto por si só não responderia todas as perguntas do sucesso da equipe catalã, campeã seis vezes na temporada 2009 (incluindo Liga dos Campeões e Mundial de Clubes). O fato é que o planeta se encanta com partidas do Barça, sem dúvida um time que dá gosto de ver jogar. Exemplo:

Já conhecia o conceito no qual se baseia a mecânica de jogo do Barcelona, o “Tiki-Taka“, usado amplamente pelo treinador Pep Guardiola. A Espanha, cuja base do time é do Barcelona, usa profundamente este conceito, se sagrando campeã européia e mundial jogando exatamente assim. A dica deste conteúdo foi do treinador Joffran da Silva

Principais Principios do “Tiki-Taka”:

  • A bola está quase sempre no gramado;
  • Os passes são realizados na diagonal;
  • A maioria dos passes são curtos;
  • Os passes são realizados em todas as direções ;
  • Os jogadores raramente correm com a bola;
  • Os jogadores fazem movimentações curtas sem bola;
  • A bola é sempre passada para o pé.

Ou seja,  consiste primordialmente de passes curtos e aproximação dos jogadores, compactando o time e retendo a posse de bola por absurdos 70, 75% do tempo. Este conteúdo foi amplamente ilustrado pelo blog Mister Paulo Alves, recomendo a leitura do post sobre o assunto do treinador português:

Barcelona – Tiki Taka

Transferências: as maiores negociações da temporada 2010

29 de dezembro de 2010 1

A temporada 2010 está terminando no futebol mundial. Então é a hora das famosas ‘listas’ (uma obsessão de Nick Hornby), e uma delas é tradicional aqui no Almanaque Esportivo: as maiores transferências do futebol mundial neste ano.

Todas elas ocorreram no Mercado de Verão europeu, algumas antes e outras após o Mundial da África do Sul.O jogador mais caro foi o artilheiro da Copa do Mundo, o espanhol David Villa, que deixou o Valencia para o Barcelona por 40 milhões de euros.

Chama a atenção o fato de que 25% da lista se referem aos cinco jogadores comprados pelo Manchester City, todos com valores inflacionados e com custo benefício altamente discutível. Porém o objetivo do City, cujo dono é o bilionário Sheikh Mansour bin Zayed bin Sultan Al Nahyan, é gastar agora antes que as regras de ‘fair-play‘ econômico (que impedem grandes dívidas) sejam implementadas, a partir da próxima temporada.

Quatro brasileiros estão na lista: Ramires (7º), Carlos Eduardo (12º), Robinho (13º) e Diego (18º). A de Robinho impressiona pois o valor pago foi pelo empréstimo até o final do contrato dele com o Manchester City, recorde mundial.

Em colossal crise financeira, o espanhol Valencia foi o time que mais arrecadou, com quase 70 milhões de euros vendendo os homônimos David Silva e David Villa. Curiosamente, nenhuma das vendas de 2010 entraria no ranking das 10 maiores de todos os tempos, que começa em 45 milhões de euros com o brasileiro Ronaldo indo para o Real Madrid.

Jogador País Pos Origem Destino Valor
1 David Villa ESP A Valência Barcelona 40.000.000 €
2 Yaya Touré CM M Barcelona Manchester City 30.000.000 €
3 Mario Balotelli ITA A Internazionale Manchester City 29.500.000 €
4 David Silva ESP M Valência Manchester City 28.750.000 €
5 Angel Di Maria ARG M Benfica Real Madrid 25.000.000 €
6 Aleksander Kolarov SER D Lazio Manchester City 22.700.000 €
7 Ramires BRA M Benfica Chelsea 22.000.000 €
8 Yoann Gourcuff FRA M Bordeaux Olympique Lyon 22.000.000 €
9 James Milner ING M Aston Villa Manchester City 22.000.000 €
10 Bruno Alves POR D Porto Zenit 22.000.000 €
11 Javier Mascherano ARG M Liverpool Barcelona 20.000.000 €
12 Carlos Eduardo BRA M Hoffenheim Rubin Kazan 20.000.000 €
13 Robinho BRA A Manchester City Milan 18.000.000 €
14 Mesut Özil ALE M Werder Bremen Real Madrid 18.000.000 €
15 André-Pierre Gignac FRA A Toulouse Olympique Marselha 16.000.000 €
16 Asamoah Gyan GHA A Rennes Sunderland 16.000.000 €
17 Leonardo Bonucci ITA D Bari Juventus 15.500.000 €
18 Diego BRA M Juventus Wolfsburg 15.500.000 €
19 Loic Rémy FRA A Nice Olympique Marselha 15.500.000 €
20 Milos Krasic SER M CSKA Moscou Juventus 15.000.000 €

VEJA TAMBÉM:

As 10 maiores transferências do futebol mundial de todos os tempos (até 2009):

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/06/13/as-10-maiores-transferencias-e-o-resultado/

As 20 contratações mais caras de 2009/2010

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/09/21/as-20-contratacoes-mais-caras-de-20092010/