Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "futebol italiano"

Após tragédia de Morosini, Di Natale tem gesto extraordinário na Itália

16 de abril de 2012 1

A morte do meia Piermario Morosini, de ataque cardíaco em pleno jogo Pescara x Livorno, pela Série B italiana, expôs um lado dramático ainda maior deste trágico acontecimento. O jogador, de 25 anos e que pertencia à Udinese e estava emprestado ao Livorno, era o único parente em primeiro grau vivo da irmã Maria Carla, que é deficiente mental.

Amigo de longa data de Morosini, o craque e capitão da Udinese Antônio Di Natale pedirá a guarda de Maria Carla. “Para Mario, a irmã era o que de mais importante havia na vida. Pela Maria Carla e pelo Mario, irei ficar ao seu lado o resto da minha vida”, declarou um emocionado Di Natale. A família havia perdido a mãe em 2003, o pai dois anos depois. O outro irmão, também deficiente, suicidou-se em 2009.

Piermario Morosini, 25 anos, morreu em campo no sábado - AFP/AFP

A corrente de solidariedade se estendeu à Atalanta, time que formou Morosini, e também à Udinese, que irá amparar a moça por meio de sua entidade assistencial. O Livorno também pode pagar uma pensão anual para auxiliar Maria Carla. A moça vive em uma casa de saúde em Bérgamo.

HISTÓRIA DO FUTEBOL - Dois sites sensacionais com imagens históricas

28 de fevereiro de 2012 1

Para os fãs da história do futebol mundial, e que gostam de imagens esportivas, eu vou deixar recomendados dois sites. Um eu já conhecia, o The Football Archivist, já bastante divulgado em abril de 2011 neste espaço. O site tem fotografias raras, momentos históricos e com um foco no futebol britânico.




O outro eu conheci hoje, por indicação do sempre amigo Márcio Gomes. É o I Got Cider in My Ear, focado na Internazionale  e no futebol italiano. Mas já fiz várias pesquisas e achei raridades no mesmo. Realmente vale muito a pena!

I Got Cider in My Ear - Reprodução site: http://interleaning.tumblr.com/

Honestidade leva atleta da Série B italiana para a Seleção de seu país. Confiram!

27 de dezembro de 2011 0

É raro aqui, mas preciso divulgar o texto do amigo Braitner Moreira, especialista no futebol italiano e torcedor da Roma como eu. Ele escreveu esta semana sobre Simone Farina, zagueiro do modestíssimo Gubbio, um dos últimos times na Série B do futebol italiano. Esta semana, o treinador  Cesare Prandelli, da Seleção Italiana, convocou o atleta para o selecionado nacional. O motivo? Ser honesto!

Confiram o texto completo.

Honestidade premiada

Simone Farina (Site Gubbio fans:http://www.gubbiofans.it/)

Nessa época festiva, de natal e confraternizações, é bom ler histórias como a do zagueiro Simone Farina. Aos 29 anos, ele ainda sofre para se firmar no modesto Gubbio, antepenúltimo colocado da segunda divisão italiana. Erecebeu uma convocação para fazer o próximo jogo da seleção, mesmo assim. O motivo? É honesto.

O zagueiro recusou 200 mil euros para fraudar o resultado de Gubbio x Cesena, na Coppa Italia. Ele recebe salários de pouco mais de 5 mil euros por mês. Além de recusar, Farina denunciou o fato, o que deve render punições severas a quem for descoberto – e ainda abrir investigações para tentar minar a banda podre do futebol italiano (…)

MONDO BIZARRO: Pênaltis inacreditáveis na Itália e na Islândia!

08 de junho de 2011 1

Uma jogada sensacional ocorreu nesta terça-feira em uma divisão amadora de futebol da Itália, algo como a sétima divisão. O Termeno enfrentava o Dro, e o vencedor da disputa de pênaltis participará na próxima temporada da Eccellenza, a sexta divisão italiana. O atacante Palma, do Termeno, bateu mal uma penalidade e acertou o travessão.A bola subiu, subiu, subiu e quicou muito longe do gol.

O goleiro Angeli saiu comemorando, mas a bola ainda não tinha parado e, em um lance maluco, entrou! Para piorar, o Dro errou a penalidade seguinte e o Termano venceu a disputa, subindo de divisão! Vejam, em dois ângulos:

E aqui:

Já na Islândia, no jogo entre Grindavik e Thor, pela Primeira Divisão nacional e vencido pelo time da casa por 4×1, o jogador Alexander Magnusson bateu um pênalti de maneira sensacional: usando o pé de apoio. Confiram a categoria:

Apesar de belíssimo, o lance não é novidade, convertido pelo jovem  espanhol Calvente marcou em um jogo Sub-19 da Espanha contra a Itália ano passado. Vejam:

Futebol italiano negocia direitos de TV em conjunto e bate recorde

25 de abril de 2011 0

A união faz a força… ao menos na Itália. Uma revolução pode marcar o final da temporada 2010/11 do futebol italiano. Se o título está praticamente garantido ao Milan depois de sete anos, mudanças significativas na partilha financeira podem modificar o fluxo do futebol no país, em profunda crise econômica, técnica e até mesmo de prestígio nas últimas temporadas.

A divisão de direitos através de um acordo coletivo para os próximos dois anos gerou um benefício considerável para todos os envolvidos. O contrato adquirido pela Mediaset (do grupo do premiê Silvio Berlusconi) e pela Sky Italia, gerou mais de 1,8 bilhão de euros para os times das Séries A e B pelo período até metade de 2012.

Depois de anos no ostracismo, se distanciando da Liga Inglesa e vendo os crescimentos da Liga Espanhola e Alemã, a Itália dá o primeiro passo para a recuperação. Reparem que hoje somente o futebol espanhol não possui um contrato coletivo de vendas. E a disparidade entre Real Madrid, Barcelona contra os demais tem sido tão grande que até mesmo estes já pensam em refazer a forma de negociação para as próximas temporadas.

CRITÉRIOS ADOTADOS

  • 40% – Divididos igualmente
  • 30% – Divididos em critérios esportivos – 15% para as classificações nas últimas 5 temporadas, 10% para as classificações históricas e 5% baseado nas colocações da última temporada
  • 30% – Divididos por interesses das redes de TV – 25% proporcionalmente às maiores torcidas, e 5% em proporção ao número de habitantes nas cidades dos clubes

Esta divisão continuou beneficiando os chamados 3 grandes – Milan, Internazionale e Juventus, sendo a então hexacampeã Internazionale a única a passar dos 100 milhões de euros.

Mas também deu um fôlego financeiro a times de torcidas representativas (como Roma e Napoli) e que vem fazendo boas campanhas nos últimos anos (especialmente o Palermo). O resultado é que até os times pequenos fizeram mais de 15 milhões de euros.

A lição que fica é… Bom, todos me entenderam.

O futebol italiano ainda pulsa: Napoli faz virada histórica e sonha com título

03 de abril de 2011 0
Depois do histórico Napoli 4×3 Lazio no entupido estádio San Paolo em Nápoles, voltei a acreditar no renascimento do futebol italiano. Passei a vida assistindo o melhor futebol do mundo no Campeonato Italiano. Os jogos, com imagens da RAI, passavam na hora do almoço e podíamos ver a nata do futebol mundial: Maradona, Van Basten, Gullit, Baresi, Maldini, Careca, Rikjaard, Mancini, Matthaus, Klinsmann, e bota etc… Até 2003 o futebol italiano vivia um bom momento, que paradoxalmente não se refletia em títulos da Seleção Italiana.
De lá para cá, uma onda violentíssima de mortes dentro e fora dos estádios, e escândalos sucessivos de corrupção que causaram até o rebaixamento da poderosa Juventus e punições para Lazio, Milan e Fiorentina, afundou o futebol italiano. Gradualmente, o público sumiu dos estádios, os craques migraram para a Espanha, Inglaterra e Alemanha.
Somente a Internazionale se manteve competitiva, se sagrando campeã européia na última temporada. O título na Copa do Mundo de 2006 mais premiou uma geração de ouro italiana no final de suas carreiras, do que propriamente refletia uma organização no futebol local.
A média de público despencou para 24 mil torcedores, muito pouco acima da já criticada média dos estádios brasileiros. A Alemanha tem quase o dobro, e a Inglaterra muito perto disto (e com estádios muito menores). A renovação no futebol italiano não existe, enquanto isto, os alemães revelam jogadores às dúzias, garantindo renovação para os próximos dois ou três Mundiais.
Pior que tudo isto é o estilo de jogo na Itália. Times defensivos eram regra, mas não unanimidades nos anos 80 e 90. Se havia o defensivo Milan invicto de Fabio Capello no início dos anos 90 ou a forte Juventus de Carlo Ancelotti alguns anos depois, vimos também o mesmo Milan com o trio holandês, a Roma de Totti e Batistuta, e a Lazio de Verón, Crespo e Mancini.
Hoje, enfim, vi algo diferente. Precisando vencer para assumir o segundo lugar e ainda sonhando com os títulos, o Napoli pegava um adversário complicado. A Lazio passou o jogo inteiro atacando, ignorando a pressão do entupido San Paolo, cujo clima relembrava os míticos duelos contra a Juventus de Platini e o Milan de Van Basten.
E foi a Lazio que saiu na frente, com um golaço de Stefano Mauri aos 29 do primeiro tempo. Nervoso, o Napoli não criava chances concretas e sofria com os contra-ataques. Em uma bola parada, o brasileiro André Dias ampliou aos 14 minutos do segundo tempo. Então, a reação fulminante: primeiro Andrea Dossena e depois o uruguaio Edinson Cavani empataram o jogo em menos de cinco minutos, 2×2.
Quando todos imaginavam uma virada napolitana, um erro de arbitragem: o veterano volante Cristian Brocchi chutou de longe, a bola bateu no travessão e entrou, saindo imediatamente. Gol não-marcado para a Lazio, para desespero dos ‘laziale’, em lance idêntico ao chute de Frank Lampard contra a Alemanha na última Copa. Porém a Lazio continuou em cima e, um minuto depois, Mauro Zárate chutou forte, o goleiro espalmou e Salvatore Aronica marcou um gol contra, Lazio 3×2. Tudo isto em dez minutos, quatro gols.
O jogo acabou? Que nada, o Napoli teve um pênalti em Cavani, que ele mesmo converteu, 3×3 aos 35 do 2º tempo. Com um a mais após a expulsão de Giuseppe Biava, o Napoli foi com tudo e virou aos 43 minutos, quando o herói Cavani marcou seu terceiro gol no jogo, 25º na Série A e fechou o placar, 4×3 para o Napoli. Outro Giuseppe, o Sculli ainda foi expulso nos acréscimos, deixando a Lazio com nove atletas até o final do jogo.
O título é quase do Milan. O Napoli sonha com a Liga dos Campeões.
Mas os torcedores de Nápoles e de Roma reviveram o quanto o futebol pode ser apaixonante.
Estádio cheio, muitos gols, times ofensivos, viradas e um resultado heróico para o time da casa.
Ao menos neste domingo, tivemos carnaval em Nápoles.

Estudo indica as 20 ligas mais ricas do mundo - Brasil é a 8º

22 de fevereiro de 2011 0

Estudo do excepcional site Futebol Finance aponta as 20 ligas que mais movimentaram dinheiro no planeta na temporada 2009/10. Ligas que tem o calendário de janeiro a dezembro, caso de Brasil, Argentina, Rússia e Ucrânia, tiveram como ano base 2010.

Como era de se esperar, a maior movimentação foi na Liga Inglesa, com mais de um bilhão de euros transacionados, à frente de Itália, Espanha e Alemanha.

Também a Liga Inglesa teve o maior déficit na relação compra/venda, com 356 milhões de euros de prejuízo. A Rússia, a Turquia e a Ucrânia, outros mercados emergentes, também pontuam este ranking.

Já em relação aos lucros, Portugal é o primeiro lugar disparado, com 90 milhões de euros. Especialistas em buscar jogadores baratos de mercados com menor poder aquisitivo, Porto, Benfica e Sporting são ‘trampolins’ nas negociações internacionais para os grandes da Europa. A Argentina (com um valor bem mais baixo de compras), está em 2º lugar na ‘balança comercial’, seguida de França e Brasil.

Interessante ainda a presença da 2º Divisão inglesa e italianas na lista e a derrocada do futebol grego, apenas o 20º no levantamento. Certamente influenciado pela enorme crise econômica do país mediterrâneo.

Vejam a lista completa

Liga Div Compras Vendas Resultado Movimentado
1 Inglaterra 1 700.415.000 € 343.755.000 € -356.660.000 € 1.044.170.000 €
2 Itália 1 423.980.000 € 356.605.000 € -67.375.000 € 780.585.000 €
3 Espanha 1 311.540.000 € 297.920.000 € -13.620.000 € 609.460.000 €
4 Alemanha 1 217.100.000 € 218.580.000 € 1.480.000 € 435.680.000 €
5 França 1 154.915.000 € 212.685.000 € 57.770.000 € 367.600.000 €
6 Portugal 1 84.940.000 € 176.355.000 € 91.415.000 € 261.295.000 €
7 Rússia 1 179.725.000 € 66.735.000 € -112.990.000 € 246.460.000 €
8 Brasil 1 68.680.000 € 116.055.000 € 47.375.000 € 184.735.000 €
9 Turquia 1 111.985.000 € 29.430.000 € -82.555.000 € 141.415.000 €
10 Argentina 1 37.200.000 € 104.110.000 € 66.910.000 € 141.310.000 €
11 Ucrânia 1 97.470.000 € 32.675.000 € -64.795.000 € 130.145.000 €
12 Inglaterra 2 58.290.000 € 70.345.000 € 12.055.000 € 128.635.000 €
13 Holanda 1 45.750.000 € 78.075.000 € 32.325.000 € 123.825.000 €
14 Itália 2 18.030.000 € 56.085.000 € 38.055.000 € 74.115.000 €
15 Bélgica 1 24.940.000 € 39.600.000 € 14.660.000 € 64.540.000 €
16 Roménia 1 20.670.000 € 38.060.000 € 17.390.000 € 58.730.000 €
17 Escócia 1 18.845.000 € 30.255.000 € 11.410.000 € 49.100.000 €
18 Polónia 1 18.240.000 € 22.370.000 € 4.130.000 € 40.610.000 €
19 Aústria 1 16.535.000 € 20.840.000 € 4.305.000 € 37.375.000 €
20 Grécia 1 19.685.000 € 11.125.000 € -8.560.000 € 30.810.000 €
TOTAL 2.628.935.000 € 2.321.660.000 € -307.275.000 € 4.950.595.000 €

Suíça supera recorde da Itália de 550 minutos sem levar gols em Mundiais

21 de junho de 2010 1

Nada melhor que a expressão “Ferrolho Suíço” para demonstrar o recorde da Suíça sem tomar gols em Copas do Mundo. .A Suíça saiu derrotada hoje por 1×0 pelo Chile, e perdeu a liderança do grupo H da Copa do Mundo 2010. Porém pode comemorar que entrou na história do futebol mundial ao completar 559 minutos sem levar um mísero gol.

O recorde contemplava ainda alguns minutos da Copa de 1986, totalizando 550 minutos. Já a Suíça somou 559 minutos de 1994, 2006 e 2010 para superar a marca da Itália, talvez o maior feito deste país pouco tradicional no futebol. Giovanni Galli e Walter Zenga foram os arqueiros italianos, enquanto Marco Pascolo, Pascal Zuberbuhler e Diego Benaglio defenderam o gol suíço nestas duas marcas.

Ferrolho Suíço de 550 minutos sem gols em Mundiais: Benaglio (esq), Zuberbuhler (alto) e Pascolo (baixo)

O total de tempo que a Itália não sofreu gols em Mundiais deve considerar os 33 minutos finais do jogo França 2×0 Itália, pelas oitavas-de-final do Mundial de 1986 no México. Isto somado aos 517 minutos de 1990 totalizou 550 minutos sem levar um único gol.

OBS: para fins de simplificação não consideramos os minutos de acréscimos em nenhuma das partidas.

ITÁLIA

COPA DO MUNDO 1986

  • França 2×0 Itália – Yannick Stopyra faz aos 12 do segundo tempo na eliminação da então campeã mundial do Mundial do México de 1986. 33 minutos sem levar gols, último gol sofrido por Giovanni Galli nas oitavas-de-final.

COPA DO MUNDO 1990

  • Itália 1×0 Áustria – Walter Zenga é o titular – 123 minutos sem levar gols
  • Itália 1×0 Estados Unidos – 213 minutos sem levar gols
  • Itália 2×0 Tchecoslováquia -303 minutos sem levar gols
  • Itália 2×0 Uruguai – 393 minutos sem levar gols
  • Itália 1×0 Irlanda - 483 minutos sem levar gols
  • Itália 1×1 Argentina – Claudio Caniggia marca aos 22 do segundo tempo da semifinal, totalizando mais 67 minutos. Total 550 minutos sem tomar gols.

SUÍÇA

COPA DO MUNDO DE 1994

  • Espanha 3×0 Suíça – Anton Beguiristáin marca aos 41 do segundo tempo no final da goleada espanhola nas oitavas de final – 4 minutos sem tomar gols. Gol sofrido por Marco Pascolo.

COPA DO MUNDO DE 2006

  • Suíça 0×0 França – Pascal Zuberbühler é o goleiro titular e tem uma ótima Copa. Total 94 minutos sem tomar gols.
  • Suíça 2×0 Togo – 184 minutos sem levar gols.
  • Suíça 2×0 Coréia do Sul – 274 minutos sem levar gols.
  • Suíça 0×0 Ucrânia – Tempo normal + prorrogação, total 394 minutos sem levar gols.

COPA DO MUNDO DE 2010

  • Suíça 1×0 Espanha – Goleiro Diego Benaglio defende com brilho a meta helvética. 484 minutos sem tomar gols.
  • Suíça 0×1 Chile – Mark González marca aos 30 minutos do segundo tempo e acaba com a invencibilidade suíça (no report oficial o minuto do gol é sempre arredondado para cima, ou seja, gols aos 15 segundos são registrados como 1 minuto).  Total de 559 minutos sem tomar gols.

COPA 2010: Italianos baseiam-se nas coincidências para repetir 1982

28 de maio de 2010 0

Os Italianos apostam mais nas curiosidades do que no (mau) futebol recente apresentado por sua seleção. Isto porque o calendário gregoriano repete sua configuração a cada 28 anos. Ou seja, em 2010 temos a mesma configuração de dias de 1982, ano que a Itália foi tricampeã mundial. Mais curioso ainda: a final da Copa do Mundo está marcada para o mesmo dia, 11 de julho.

Lembrando disto, uma empresa italiana está ‘reciclando’ calendários, com um carimbo de data e vendendo na Itália para os colecionadores. Calendário 1982 recauchutadoVejam a reprodução ao lado com os dizeres “Happy Old Year” (“Feliz Ano Velho”, em inglês)

Naquela ocasião, a Itália bateu a Alemanha Ocidental com facilidades por 3×1, viu o veteraníssimo capitão Dino Zoff levantar a taça de campeã mundial pela terceira vez no estádio Santiago Bernabéu, em Madrid. Depois da histórica vitória sobre o Brasil no Sarriá, em Barcelona por 3×2, os italianos chegaram empolgados e com extrema força na decisão.

Brincadeiras à parte, a Itália não tem sido bem cotada nas casas de apostas do Mundial. Atual campeã, a equipe de Marcello Lippi vai com um time antigo, repleto de jogadores em decadência técnica e física, e pouco capaz de repetir os momentos de brilho de 2006. Os principais jogadores ofensivos do time, os veteranos Francesco Totti e Alessandro del Piero, estão fora da Copa do Mundo da África do Sul.

Para relembrar os bons momentos, o compacto da final de 1982, apitada pelo árbitro brasileiro Arnaldo César Coelho:

As maiores médias de público do planeta: Brasileirão é a oitava

13 de abril de 2010 3

Hoje vamos falar dos campeonatos nacionais de futebol do planeta com maior número de torcedores nos estádios. Que o campeonato de futebol com estádios mais lotados (percentual de ocupação) do mundo é a Premier League (91,9%), vocês já sabiam com certeza. Basta ligar a TV nos finais de semana.

Que o campeonato com maior média de público é a alemã Bundesliga, muitos também já sabiam. Isto foi fortemente influenciado pelos novos, e grandes, estádios construídos para o Mundial de 2006, que se mantiveram lotados desde então. São mais de 42 mil torcedores de média de público.

Que a média do Campeonato Italiano despencou nos últimos anos devido às cenas de violência e decréscimo na qualidade da competição vocês também já devem ter deduzido. Outrora líder, a Serie A italiana hoje ocupa apenas o 4º posto, mas tem mostrado reação nos últimos 2 anos. A média, que foi de 34 mil em 1993 e 31 mil em 1999, chegou a cair para ridículos 17 mil em 2007. Hoje já subiu para 24 mil e deve aumentar na reta final da competição.

Porém vocês sabiam que a Segunda Divisão inglesa tem média de público maior que a do Campeonato Brasileiro? Impulsionada pelos mais de 50 mil torcedores de média do tradicional Newcastle United, já promovido à Premier League, a Championship League tem média de 18 mil, superior aos 17.800 do último Brasileirão, em 2009.

Outro fato impressionante é a média do Campeonato Argentino (11.984 torcedores por jogo). Ela é muito pouco superior às inexpressivas competições da Bélgica (Jupiler Pro League) e Suíça (Axpo Super League) e muito abaixo d aPremier League da Escócia. Aliás, Belgas, suíços e escoceses tem um percentual excelente de ocupação nos estádios, a despeito da fragilidade de seus times e seleções nacionais em disputas internacionais.

Pois então saiba agora as maiores médias de público na atual temporada 2009/10, jogos contabilizados até dezembro (fonte o magnífico Futebol Finance e levantamentos particulares de minha parte))

  1. 1.Bundesliga – Alemanha – 42.833
  2. Premier League – Inglaterra – 34.082
  3. La Liga – Espanha – 28.528
  4. Serie A – Itália – 23.877
  5. Ligue 1 – França – 19.983
  6. Eredivise – Holanda – 19.251
  7. Championship (2º Divisão) – Inglaterra – 18.114
  8. Série A – Brasil – 17.807
  9. 2.Bundesliga (2º Divisão) – Alemanha – 15.129
  10. Premier League – Escócia – 15.000

VEJA TAMBÉM:

Confira as maiores médias de público no mundo

Amanhã publicarei números sobre a ocupação em todos os esportes conhecidos!

Aguardem!