Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Jenson Button"

F-1 Onboard – Anos de 1970 e 1980

20 de outubro de 2011 0

Depois de começar a série com imagens onboard da Fórmula-1 nos anos 50 e 60, as duas primeiras décadas da Fórmula-1, vamos falar agora dos temíveis anos 70 e dos emocionante anos 80 na categoria máxima do automobilismo mundial sempre com um ponto de vista de dentro dos carros, mostrando o trabalho dos pilotos ao longo das décadas.

Primeiro o saudoso e louco Clay Reggazzoni na velocíssima pista de Osterrreiching (Zeltweg), Áustria, no ano de 1973. O suíço ficaria paralítico após um acidente em 1980 em Long Beach. Continuou correndo mesmo com a deficiência física, inclusive participando de Rali Paris-Dakar. Detalhes em um tributo feito pelo Almanaque em 2008. Vejam o desempenho do carismático suíço em sua BRM:

Em 1976 e 1977, a Tyrrell utilizou o revolucionário carro P-34, com seis rodas (quatro na frente e duas atrás). Pilotado pelo sul-africano Jody Scheckter, o francês Patrick Depallier e a lenda sueca Ronnie Peterson (este já em 1977), disputou 30 corridas vencendo 1 (GP da Suécia de 1976, com Scheckter e Depallier em dobradinha) e obtendo ainda uma pole-position (também em Anderstorp, Suécia, 1976, com Scheckter), além de 3 melhores voltas e 12 pódios, em um desempenho bastante bom. O projeto foi abandonado devido à dificuldades do fornecedor de pneus em fazer compostos competitivos em tamanho reduzido para os pneus frontais. Vejam uma volta de Depallier:

Agora o ano é 1979, e o já campeão mundial Mario Andretti usa um carro com efeito asa na difícil pista sueca de Anderstorp, pilotando a inesquecível Lotus preta. Vejam a tocada do ítalo-norte-americano:



Passamos para a década de 80, e agora o homem ao volante é o fantástico austríaco Niki Lauda, tricampeão mundial. Pilotando uma McLaren, Lauda mostra seu estilo limpo de pilotagem, bem ao estilo do campeão mundial Jenson Button e do bicampeão mundial, o brasileiro Émerson Fittipaldi. Lauda está correndo em casa, já que a pista é a austríaca Zeltweg, 1982:

Para fechar a série, um estilo totalmente diferente. O brasileiro Ayrton Senna em sua possante Lotus, com motor Renault turbo na pista de Monaco, câmbio manual. Impressionante:


VEJA TAMBÉM

F-1 Onboard – Anos de 1950 e 1960

Senna vs. Vettel em Suzuka - A evolução da tecnologia na Fórmula-1

11 de outubro de 2011 1

Muito interessante este vídeo comparativo entre a condução de Ayrton Senna e a de Sebastian Vettel, novo bicampeão da Fórmula. Em um intervalo de 22 anos, a Fórmula-1 evoluiu radicalmente, sobretudo na condução do carro. Senna com dificuldades conduzindo à marretada o possante V10 Honda, enquanto Vettel guia com suavidade no dificílimo circuito japonês de Suzuka:
SENNA:

VETTEL:

Entretanto, não sou favorável aos nostalgismos, e a fenomenal reprodução do Roda Viva, da TV Cultura, com Ayrton Senna em 1986 deixa isto muito claro (confira a edição estendida, parte I e parte II). A complexidade dos comandos no Red Bull 2011 complica tanto quanto o câmbio manual da McLaren de 1989.

Inclusive defendo a idéia de que vivemos o iniciar de uma nova “Era Dourada” na Fórmula-1, com meia dúzia de pilotos de ótimo nível (Vettel, Lewis Hamilton, Robert Kubica), jovens promissores com ou sem lugar no grid (Kamui Kobayashi, Sérgio Pérez, Nico Hulkenberg, David Ricciardo, Pastor Maldonado, Jaime Alguesuari), capitaneados por veteranos campeões e profundamente talentosos (Jenson Button e Fernando Alonso), além de bons coadjuvantes, casos de Massa e Rosberg. Os pilotos em final de carreira são apenas quatro: Barrichello, Webber, Schumacher e Trulli.

O Brasil só não vive este momento de ‘euforia‘ pois nenhum dos grandes talentos da nova geração é brasileiro, a despeito de considerar o sem cockpit Lucas Di Grassi um piloto de alto quilate. O melhor piloto brasileiro, na minha opinião, desde a trágica morte de Senna é Hélio Castro-Neves, que preferiu brilhar no automobilismo norte-americano.

GP DA ALEMANHA: Hoje não... Hoje não... Hoje sim... DE NOVO!

25 de julho de 2010 26

Fernando Alonso venceu pela segunda vez na temporada (a 1° foi na corrida de abertura da temporada), em mais um GP de Fórmula-1 marcado pela polêmica. Uma escandalosa ordem de equipe para Felipe Massa deixar Alonso passar na volta 49°, abriu caminho para a vitória do espanhol.

Em terceiro Sebastien Vettel que jogou fora a vitória após uma largada ridícula na qual saiu devagar e ainda espremeu perigosamente Alonso no muro, perdendo a posição para os dois da Ferrari.

A corrida transcorreu em vários tons de monotonia e teve pouca emoção, mas com quatro pilotos se esforçando depois de duplos acidentes envolvendo as duas Toro Rosso e as duas Force India, uma batendo na outra e todos permanecendo na prova. Rubens Barrichello se atrapalhou na largada e depois não conseguiu superar os carros à sua frente, terminando fora dos pontos depois de duas ótimas corridas.

Já o líder do campeonato Lewis Hamilton fez uma boa prova e chegou em quarto, seu máximo possível diante das circunstâncias. Foi beneficiado pela péssima prova de Mark Webber, que chegou em sexto, e pelo desempenho mediano de Jenson Button. Os dois da McLaren seguem na frente.

Fim do assunto da corrida, vamos a polêmica. Achei estranhíssimo selecionarem um trecho do Alonso quase inaudível, pois normalmente escolhem comunicações do engenheiro para o piloto. Quando ele falou eu pensei ter ouvido o ‘it’s ridiculous’. Tive certeza quando o Luciano Burti disse que não ia se complicar pois pode não ter entendido direito.

Algumas voltas depois, Massa ouviu claramente do seu engenheiro, Rob Smedley que Alonso era mais rápido: “Fernando está mais rápido que você. Você confirma que ouviu a mensagem?” . Na volta 49, após o grampo Massa acelerou a meia-força e deixou Alonso passar. Um patético “Desculpe” veio do mesmo engenheiro logo após a ultrapassagem. No final da prova, o mesmo engenheiro disse que Massa foi “magnânimo”.

Ele foi irônico e sua contrariedade após a corrida na coletiva oficial: “Bom, não preciso dizer nada sobre isso. Não cometi erro, ele me passou. A única coisa que sinto é que estávamos trabalhando pela equipe, e isso é o mais importante”

Sendo objetivo:

  • As chances de Alonso ser campeão são mínimas, quase 50 pontos atrás. Mesmo que a Ferrari continue ganhando todas as corridas (o que é praticamente impossível na equilibrada F-1 de hoje), a Red Bull e a McLaren teriam que cometer muitos erros e a Scuderia de Maranello nenhuma.
  • Massa tinha todo o emocional a seu favor, primeira corrida liderando, há 1 ano quase morreu.
  • Nem sempre o melhor carro consegue ultrapassar, mesmo que tente
  • Se não ocorre uma punição para a Ferrari, no Artigo 39.1 do Regulamento Esportivo que diz: “Team orders which interfere with a race result are prohibited” (traduzido: “Ordens de equipe que interferem no resultado da corrida são proibidas”).
  • Esta regra do jogo de equipe se não for aplicada hoje, tem que ser banida do regulamento.

    A Ferrari acaba de ser convocada para explicações aos comissários de prova, mas não vai dar em nada. Infelizmente.

A IMAGEM DO DIA vem do Twitter: @LucianoBurti Resumindo:  http://yfrog.com/mj6qpj

No Twitter do Luciano Burti quando este escreveu o mesmo que eu ouvi - Reprodução Twitter @LucianoBurti

A comunicação de boxes monitorada pela FIA começou justamente por causa da vergonha doLet’s Michael pass for the Championship no GP da Áustria de 2002 contra o também brasileiro Rubens Barrichello. Pela primeira vez na história da categoria, um vencedor foi vaiado escandalosamente ao final da corrida, assim como o pódio. Vejam de novo:

Em tempo, eu não deixaria o Alonso passar. Que se ralasse. Estou milionário, consigo emprego em outra equipe e estou me lixando. Ou definitivamente está comprovado que existe a “Cláusula Barrichello” nos contratos da Ferrari.

Como disse meu amigo Maurício Neves de Jesus, quando a coletiva é mais importante que a corrida, o esporte está doente. Só a Ferrari consegue fazer uma dobradinha sensacional em algo vergonhoso.

Uma pauta para a amiga Juliana de Brito: qual o papel da imprensa?  Noticia, torcer ou distorcer? A péssima e bairrista imprensa espanhola se superou. O Marca e o AS simplesmente ignoraram a ordem de equipe e o Marca ainda conseguiu dizer que Massa “enfeiou” o triunfo da Ferrari.

A imprensa inglesa reclamou, o sensacionalista alemão Bild disse “vitória fraudulenta sobre Vettel”. E a imprensa brasileira soltou os cachorros. Até a Gazzetta dello Sport criticou a Ferrari pela ordem de equipe.

Envolvidos na categoria também falaram:

Eddie Jordan, ex-dono da equipe Jordan: “Foi ilegal e foi roubo. Eles nos roubaram a chance de ter uma disputa roda-a-roda entre pilotos. A Ferrari deveria ter vergonha”

Niki Lauda, tricampeão mundial de F1 (uma delas pela Ferrari): “Vergonha” 

Christian Hornes, diretor da Red Bull: “Foi a ordem de equipe mais clara que eu já vi. É errado para o esporte. Os pilotos deveriam ter a permissão de disputar. Massa fez o melhor trabalho. Ele estava na liderança e as regras são bastante claras: ordens de equipe não são permitidas.”

Bom, vamos aos prêmios…

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010 (copyright by “Buteco Racing“):

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Troféu “Jim Clark” - Para a bela corrida de Felipe Massa, 1 ano após quase morrer no GP da Hungria

Troféu “Rouge & Blanc” – Para Adrian Sutil, que foi atingido por Vitantonio Liuzzi e mesmo assim passou a corrida inteira andando rápido e tentando ultrapassar os outros.

Troféu “Chris Amon” – Para Lucas di Grassi, que fazia ótima prova para seubs objetivos e andava à frente das Lotus quando quebrou mais uma vez.

Troféu “Fiofó de Ouro” - Para Alonso, por ser piloto de uma equipe que joga contra o esporte, a Ferrari

Troféu “Didi Mocó Prize For Technical Achievements” – Para as trapalhadas dos segundos pilotos Jaime Alguesuari e Vitantonio Liuzzi, que acertaram os primeiros pilotos Sebastien Buemi e Adrian Sutil na largada.

Troféu “Porquê Eu Não Fiquei Com Minha Boca Fechada” - Para todos os envolvidos no “Radiogate Ferrari”.

Troféu “Dick Vigarista” - Preciso falar? Ferrari, claro.

VEJA TAMBÉM:

GP DA ALEMANHA 2009: A primeira de Webber na carreira!

GP DA ALEMANHA 2008 – A sorte de Nelsinho Piquet o leva ao pódio

GP DO CANADÁ: Obrigado por sua volta, Montreal! Melhor prova de 2010

13 de junho de 2010 0

Como sempre, o GP do Canadá foi sem dúvida a melhor prova do ano até o GP da Bélgica e isto sem chuva alguma. Vencida com maestria por Lewis Hamilton, a corrida no fantástico circuito de Montreal teve ultrapassagens da primeira até a última volta, acidentes, estratégias diferentes e, acima de tudo, brilho individual dos pilotos. Um brilhante retorno do ano sabático de um dos melhores circuitos do mundo.

Hamilton venceu escoltado por Jenson Button, que quase deu o troco do ocorrido no GP da Turquia. Atrás dele, Fernando Alonso que teve reais chances de vencer e somente um erro quase no final da prova custou o segundo lugar. Sebastien Vettel, de novo com problemas de confiabilidade, se segurou em quarto lugar, enquanto o ex-líder de pilotos, Mark Webber, em uma estratégia equivocada de boxes, ficou em quinto.

Felipe Massa bateu no início em Vitantonio Liuzzi, e caiu para último. Ele estava em décimo quando se estranhou com Michael Schumacher e ficou fora dos pontos pela primeira vez no ano. Outro destaque da prova foi o suíço Sebastien Buemi que conseguiu passar da primeira volta e fez uma ótima corrida.

Sebastien Buemi passando o heptacampeão mundial Michael Schumacher - Reprodução http://www.gpupdate.net

Já os outros brasileiros tiveram provas bem ruins: Bruno Senna quebrou quando ia bem, Lucas di Grassi teve problemas no carro e levou cinco voltas e Rubens Barrichello, além de largar mal ainda danificou o bico do carro em incidente não mostrado na TV com Jaime Alguesuari, fazendo mais uma parada. Ficou atrás inclusive do companheiro de equipe Nico Hulkenberg.

Vamos ao prêmios?

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Troféu Jim Clark - De novo para Lewis Hamilton, corrida brilhante do inglês campeão de 2008. Tá muito forte na briga pelo título em sua ressurgente McLaren. Menção honrosa para a corrida de Buemi.

Troféu “Rouge & Blanc” – Para Vitantonio Liuzzi que caiu para penúltimo e ainda assim terminou em nono lugar. Belíssima prova.

Troféu “Chris Amon” - Para Vettel, que teve problemas nas últimas voltas mais uma vez. Seu companheiro não teve nada disto até agora em 2010. Deve ser castigo pela bobagem do GP na Turquia…

Troféu “Fiofó de Ouro” – Não consigo lembrar de nenhuma ‘sorte’ ao longo da prova inteira. Alguém?

Troféu “Didi Mocó Prize for Technical Achievements” - Para a patética corrida de toda a Williams, do início ao fim.

Troféu “Porquê Eu Não Fiquei Com Minha Boca Fechada” - Todo mundo comportado

Troféu “Dick Vigarista” - Para Vitaly Petrov, que tomou duas punições na prova.


VEJA TAMBÉM COMO FOI O GP DO CANADÁ EM 2008 (em 2009 não teve corrida)

GP do Canadá – A primeira vez de Robert Kubica aonde quase morreu

GP DA TURQUIA: Assim não, né Vettel?

12 de junho de 2010 0

O GP da Turquia, disputado no desafiador circuito de Kurtkoy, foi vencido por Lewis Hamilton, a primeira vitória da temporada. Porém, mais importante que isto, foi a derrota da Red Bull protagonizada (na minha humilde opinião) pelo alemão Sebastien Vettel. Em uma manobra desastrada, faltando apenas 18 voltas, Vettel bateu em seu companheiro Mark Webber e abandonou, jogando o australiano para um terceiro lugar.

A corrida caiu no colo das McLarens, com Hamilton liderando e Jenson Button em 2° lugar. Este tentou uma ultrapassagem espetacular e conseguiu, mas Hamilton ainda deu o troco nas curvas seguintes e recuperou a primeira colocação. Atrás deles, as Mercedes de Michael Schumacher e Nico Rosberg, já atrás do companheiro nas últimas provas.

Na corrida que completava 800 GP’s, a Ferrari foi um desastre. Felipe Massa fez mais uma corrida obscura e Fernando Alonso, que teve problemas nos treinos de novo, ficou logo atrás do brasileiro. De resto, nenhum brilho exceto o polonês Robert Kubica e o russo Vitaly Petrov, que teve o pneu furado por Alonso. Mas fica meu tributo para os 800 GP’s da Ferrari:

As Saubers finalmente terminaram a prova, e Kamui Kobayashi conseguiu os primeiros pontos na temporada. Azar de Jaime Alguesuari, que conseguiu errar na penúltima fora e jogar fora um nono lugar.

Vamos aos prêmios?

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Troféu Jim Clark - Para o vencedor Hamilton por uma corrida soberba e que contou ainda com o habitual arrojo no troco sobre o atual campeão Button.

Troféu Chris Amon – Para  Webber, que nada fez e foi atingido pelo companheiro de equipe Vettel.

Troféu Didi Mocó Prize for Technical AchievementsEste vai para a patética corrida da Ferrari, quase apanhando das Renaults.

Troféu Fiofó de Ouro - Para Kobayashi, que perdeu a posição na antepenúltima volta mas viu Jaime Alguesuari errar e conquistar seus primeiros pontos na temporada.

Troféu Rouge & Blanc – Para Alonso, que mais uma vez lutou por ultrapassagens complicadas e se recuperou de uma má posição de largada.

Troféu Porquê Não Fiquei Com Minha Boca Fechada – Vettel, óbvio, ao chamar o companheiro de ”. Quem fez bobagem foi ele! Vettel chamando Webber de \'maluco\'. Oi? - Getty Images

Troféu Dick Vigarista – Também para Vettel, pelo acidente. E amanhã a corridaça em Montreal, sempre um espetáculo e de volta à categoria depois de um ano sabático! A segunda melhor pista, só perdendo para Spa-Francorchamps!

VEJA TAMBÉM:

GP da TURQUIA: desta vez, não deu para o Massa http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/09/28/gp-da-turquia-desta-vez-nao-deu-para-o-massa/

GP DA TURQUIA 2008 -A CRIAÇÃO DAS ‘PREMIAÇÕES ESPECIAIS’: http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/05/12/didi-moco-prize-for-technical-achievements-cia/

GP DE MÔNACO: Webber brilha intensamente no Principado

17 de maio de 2010 1

Uma corrida absolutamente perfeita de Mark Webber marcou o GP de Mônaco desta temporada 2010 da Fórmula-1. O piloto australiano, vivendo seu melhor momento técnico na carreira, repetiu a vitória da semana passada no GP da Espanha e venceu com méritos de ponta a ponta. Foi pole-position e só não completou o “Grand Chelem” (vitória, pole, melhor volta e vitória de ponta a ponta) porque seu companheiro de equipe Sebastien Vettel fez a melhor volta da prova no finalzinho. Aliás, curiosamente ocorreu o inverso no GP do Japão de 2009, quando Webber na penúltima volta fez a melhor volta da prova, tirando a primazia de Vettel.

Mark Webber vence o GP de Mônaco - Foto: Paul Gilham, Getty Images, Divulgação RBR

Depois dele, em uma corrida ofuscada pelo companheiro, chegou o alemão Vettel, que usou a cabeça e fez uma corrida pelos pontos. Os dois pilotos da Red Bull Racing lideram a temporada. Eles foram seguidos no sempre charmoso pódio monegasco pelo polonês Robert Kubica. Mesmo tendo apenas o quinto melhor carro da categoria (atrás de RBR, Mercedes, McLaren e Ferrari), Kubica sistematicamente tem feito grandes corridas e vai se mantendo entre os líderes.

O brasileiro Felipe Massa, em mais uma corrida discreta, chegou em quarto lugar e diminuiu muito pouco sua diferença para o líder. Já Fernando Alonso, que bateu no treino e largou em último, fez corrida estratégica e algum arrojo e chegou em 6° lugar, aproveitando o 1° safety car (de Nico Hulkenberg) para antecipar sua única troca de pneus.

Na corrida foram mostrados algumas vezes Lucas di Grassi, o Timo Glock e o Bruno Senna. Chega a ser ridículo a dificuldade que eles tem para conduzir o carro, totalmente desequilibrado. Fora a Lotus que nem é tão ruim assim e nem assim o Galvão Bueno aquieta (ele que criou o meio minuto de 30s na transmissão hoje). Rubens Barrichello fazia ótima prova depois de um ótimo treino até sua suspensão quebrar e ele jogar fora um 8° lugar.

Vamos aos prêmios?

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Troféu “Jim Clark” – Para Webber, já que fez tudo perfeito no final de semana. Menção honrosa para Kubica.
Webber e Vettel: os favoritos ao título 2010 - Foto: Mark Thompson/Getty Images/ Divulgação RBR

Troféu “Rouge & Blanc” – Para Alonso, que largou em último e chegou em sexto. Tá certo que só passou carro ruim, mas ao menos passou. E combatividade é a moral deste prêmio.

Troféu “Didi Mocó Prize for Technical Achievements” – Para a estúpida tentativa de ultrapassagem de Jarno Trulli sobre Karum Chandhok, gerando o término da prova sob safety car. Menção desonrosa para a McLaren que esqueceu de tirar uma tampa da circulação de ar no grid, quebrando o carro do ex-líder do Mundial Jenson Button.

Troféu “Chris Amon” - Para o Jenson Button, que abandonou por causa de um erro ridículo da McLaren e sua tampa de refrigeração esquecida.

Troféu “Fiofó de Ouro” – Para Sebastien Buemi, que não fez nada até agora na temporada e achou um pontinho com a punição de Schumacher.

Troféu “Porque Não Fiquei com Minha Boca Fechada” – Para nossa transmissão global, primeiro ouvi os “500 de Esparta”, ao comentar sobre o ator Gerald Butler – veja aqui no You Tube. Logo após, ouvimos um “meio minuto = 20 segundos”.

Troféu “Dick Vigarista” – Para Michael Schumacher (o pai deste prêmio, vejam ao final deste post!), que tentou passar o Alonso após a saída do safety-car mesmo sendo evidentemente proibido. Perdeu 20 segundos, saindo da lista de pontuação. Achei a punição injusta, pois a bandeira verde foi sinalizada e isto foi um erro da direção de prova (artigo 40, ítem 13). Porém como o Ross Brawn já tinha dito para Schumacher tentar ultrapassar na relargada (o que vai contra o regulamento), fica de castigo para a Mercedes.

E que venha, em duas semanas, o GP da Turquia!

Veja também:

GP de MÔNACO 2008 – Hamilton brilha na “Côte d’Azur”
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/05/27/gp-de-monaco-premiacoes-especiais/
GP DE MÔNACO 2009: e dá-lhe Brawn GP de novo!
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/05/24/gp-de-monaco-e-da-lhe-brawn-gp-de-novo/

Dick Vigarista parte I: 1994
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/06/18/dick-vigarista-parte-i-1994
Dick Vigarista parte II: 1997
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2008/06/19/dick-vigarista-parte-ii-1997

GP da CHINA - "Doctor" Button: o campeão do mundo brilha de novo

22 de abril de 2010 2

Em mais uma corrida marcada pela chuva, o GP da China disputado em Shanghai acabou sendo uma prova bem bacana. Se não tão incrível como a Austrália, não chegou nem perto da chatice do Bahrein.O mais legal na corrida chinesa foi uma vitória exemplar do talento de Jenson Button, atual campeão mundial e que vem dando uma surra sobre o incensado Lewis Hamilton, seu companheiro de equipe e “queridinho” da Grã-Bretanha.

Não que Hamilton esteja dando vexames. Bem pelo contrário, tem sido o showman da temporada 2010, mas os resultados tem sido inferiores ao de Button. Que, pelo seu cerebral estilo de pilotagem quase sem erros, tem sido comparado com Alain Prost. Fernando Rigel, do blog Velocidade Máxima deu o apelido de “Doctor“, como podem ver na montagem em anexo. Gostei e vou adotar:

\'Doctor\' Jenson Button, em charge de Fernando Rigel do blog Velocidade Máxima - http://velocidademaximatotal.blogspot.comEntão líder de Pilotos, o brasileiro Felipe Massa fez uma corrida apática e terminou em nono lugar, ajudado por mais um GP com estratégias toscas de pit-stops da Ferrari. Foi com Massa o momento polêmico da prova, quando seu companheiro Fernando Alonso ultrapassou-o na entrada dos boxes, aproveitando vacilo do brazuca.

Se ficou insatisfeito, Massa não demonstrou publicamente, o que sempre conta pontos em qualquer equipe, sobretudo na Ferrari (viu Rubinho?). É bom ele “se ligar” com o espanhol, que de bobo não tem nada e já mostrou isto com Jarno Trulli (na Renault) e Lewis Hamilton (na McLaren). Ruim, porque caiu do primeiro para o sexto lugar na classificação. Mas ainda faltam muitas provas….

Na corrida ainda vale o ótimo desempenho da dupla de pilotos da Renault, o sempre eficiente Robert Kubica e com Vitaly Petrov finalmente terminando a corrida e repetindo o bom desempenho do GP da Malásia. E, claro, a corrida quase exemplar de Nico Rosberg, que ficou muito perto da primeira vitória na categoria e humilhou o heptacampeão mundial Michael Schumacher, com um desempenho muito abaixo da crítica.

Ao lado da corrida péssima do alemão, o bizarro problema de Sebastien Buemi no treino de sexta-feira merece o prêmio de mico técnico do final de semana, com menção ainda para o indiano Karum Chandhok, que conseguiu tomar volta do companheiro Bruno Senna

Finalizando, quem é que entendeu aquele segundo Safety Car, hein? Charlie Whiting nem deu explicação após a corrida…

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Vamos aos prêmios?

Troféu “Jim Clark” - Para Jenson Button, em mais uma corrida de campeão. De novo analisou com perfeição a situação da corrida e acertou na estratégia de pneus.

Troféu “Rouge & Blanc” - Para Lewis Hamilton, em mais um show de ultrapassagens, incluindo uma belíssima sobre Jaime Alguesuari e Sebastien Vettel

Troféu “Chris Amon” - Nico Rosberg, que tinha tudo para obter sua primeira vitória, mas deu azar e se contentou com o terceiro lugar. 

Troféu “Fiofó de Ouro“- Sebastien Buemi. Se o acidente dele fosse em uma curva de alta sem área de escape, como nos circuitos mais antigos, ele tava no hospital. Ou pior.

Troféu “Didi Mocó Prize For Technical Achievements- Para Michael Schumacher que foi tão mal que até o apagadíssimo Felipe Massa conseguiu ultrapassá-lo. Corrida dos pesadelos, com menção desonrosa para a suspensão da Toro Rosso que deixou Buemi sem rodas na sexta-feira.

Troféu “Porquê Eu Não Fiquei Com Minha Boca Fechada“- Hoje eu vou inverter este negócio e elogiar ao invés de criticar. Vou dar um prêmio para Galvão Bueno, que fez uma magnífica reportagem com o mestre Émerson Fittipaldi no Histórias com Galvão. O bicampeão mundial foi às lágrimas com a lembrança de Jochen Rindt e o significado da sua primeira vitória na categoria (o triunfo de Emmo em Watkins Glen, 1970, garantiu o título póstumo ao companheiro de equipe falecido no GP anterior). A íntegra está aqui no blog A Mil por Hora.

Troféu “Dick Vigarista“- Fernando Alonso. Por mais que Massa tenha contemporizado, a manobra de Alonso foi tão arriscada que quase causou uma bandeira preta para eles (se os pneus fossem colocados de maneira invertida, os de Massa para Alonso e vice-versa), era desclassificação para os dois. Ainda bem que os mecânicos da Ferrari se ligaram.

E que venha o GP da Espanha em três semanas! Isto se a Islândia deixar…

VEJA TAMBÉM:

Como foi o GP da China em 2009 sob a ótica do Almanaque Esportivo:

http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/04/25/gp-da-china-show-de-vettel-na-agua/

GP DA MALÁSIA: Até que enfim, heinhô Vettel?

06 de abril de 2010 1

Se fosse jogador de futebol, Sebastien Vettel teria comemorado a vitória com aquele gesto típico de “Sai uruca!”. Ufa! Depois de liderar as últimas duas corridas e perder por problemas mecânicos, domingo não teve jeito e o jovem alemão da Red Bull Racing venceu o GP da Malásia de Fórmula-1.

Em mais uma corrida legal, não tão emocionante quanto o GP da Austrália (esta vai ser difícil bater) mas fazendo jus à pista legal de Sepang (é um dos poucos “tilkódromos” que eu gosto),Vettel e Webber largaram e chegaram na frente. Finalmente os carros da RBR não ficaram pelo caminho seja por problemas técnicos (Vettel 2x), seja por erros do piloto (Webber, na Austrália).

Lewis Hamilton disputando com Vitaly Petrov - reprodução site GP  Update: http://f1.gpupdate.net/en/

A corrida foi muito movimentada pelo erro estratégico da Ferrari e McLaren no treino de sábado, quando entraram na pista muito tarde e pegaram chuva forte. Todo mundo largou lá atrás e coube à Lewis Hamilton e Felipe Massa liderarem as corridas de recuperação. Jenson Button, vencedor em Melbourne, e Fernando Alonso, com problemas no carro, foram mais discretos.

Para Alonso, o pior foi no finalzinho, quando estourou o motor e perdeu a liderança do Mundial de Pilotos. Bom para o brasileiro da Ferrari, que assumiu a liderança do Mundial de maneira isolada. O polonês Robert Kubica, com uma tocada que considero muito semelhante à de Émerson Fittipaldi, fez mais uma corrida além da expectativa e terminou em 4º lugar.

O unfashionable Nico Rosberg deu mais um pau no Michael Schumacher, chegando em um consistente terceiro lugar e conseguindo o primeiro pódio da Mercedes neste retorno à categoria. Outros destaques vão para Jaime Alguesuari e Nico Hulkenberg, que conseguiram seus primeiros pontos na categoria. Se o companheiro de Rubinho não foi tão bem na prova, o mesmo não vale dizer para o jovem espanhol. Alguesuari fez mais uma corrida muito boa, inclusive com ultrapassagem por fora, e merecidamente foi um dos melhores na prova.

Vale registro ainda para os novatos Bruno Senna e Lucas Di Grassi, que largaram e completaram a prova. O último chegou em um regular 14º lugar, à frente de quatro carros, mas teve que poupar combustível para não ficar com pane seca, segundo erro crasso idêntico da Virgin na temporada.

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Vamos aos prêmios:

Troféu “Jim Clark” - Este vai dividido entre o pé-frio alemão Sebastien Vettel e o polonês Robert Kubica. Show dos dois durante toda a corrida, velozes e consistentes. Kubica é o melhor da temporada e Vettel, pelo conjunto carro-piloto, é o grande rival das Ferraris na disputa pelo campeonato de pilotos.

Troféu “Rouge & Blanc” – Vai para Alguesuari, em sua melhor prova na categoria. Muito legal a ultrapassagem por fora sobre Hulkenberg.

Troféu “Chris Amon”Alonso, com seu motor estourado a duas voltas do final que custaram-lhe a liderança do Mundial.

Troféu “Fiofó de Ouro“- Para Hulkenberg, que não fez nada de digno na prova mas conseguiu um pontinho pela quebra de Alonso

Troféu “Didi Mocó Prize For Technical Achievements“-Para os motores Ferrari, três quebras no GP em quatro carros. E Alonso já tinha trocado o motor nos treinos…

Troféu “Porquê Eu Não Fiquei Com Minha Boca Fechada“- Para variar, Barrichello falou o que pensa e depois teve de se retratar. Piloto veterano como ele não pode dizer, nem em tom de brincadeira: “a porcaria do nosso carro ainda não está legal. Vamos sorrir senão vamos chorar. Eu vou chorar ali no canto”.

Troféu “Dick Vigarista“- Para o multicampeão do quesito, Lewis Hamilton com sua tripla mudança de linha à frente do russo Vitaly (que merecia mais sorte neste GP).

E que venha o GP da China em duas semanas!

VEJA TAMBÉM:

COMO FOI O GP DA MALÁSIA EM 2009:
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/04/25/gp-da-malasia-button-vence-a-meia-prova/

GP DA AUSTRÁLIA - Button, vitória de um campeão mundial de F-1

06 de abril de 2010 1

Eu tinha certeza que teríamos um GP da Austrália muito melhor que o do Bahrein! Ao contrário da modorrenta prova de abertura em Sakhir, a ousada e intrigante pista de Albert Park em Melbourne nos trouxe muitas emoções. Bom para o vitorioso Jenson Button, que ousou na estratégia e acabou recompensado.

Ultrapassagens do início ao final da prova, estratégias distintas causando impacto no resultado final, manobras ousadas e pegas curva à curva. Excelente!

Corrida muito boa para o polonês Robert Kubica, que consegue ir mais uma vez melhor que seu Renault inconfiável. Bom ainda para Felipe Massa, que recuperou-se do erro em Sahkir e superou o rival Fernando Alonso. De quebra, conseguiu terminar uma prova em Melbourne, algo raríssimo na carreira. Lucas di Grassi completou a prova, enquanto Bruno Senna seguiu seu calvário.

A chuva deu uma embaralhada no início da prova, mas as emoções duraram toda a corrida. E comprovaram a minha (e de outros) tese de que o que faz a diferença é quase sempre os circuitos: quando a pista favorece ultrapassagens, elas ocorrem com facilidade e emoção.

Vamos aos prêmios? Prometo (tentar) não atrasar mais na próxima semana.

PREMIAÇÕES ESPECIAIS DO ALMANAQUE ESPORTIVO – F1-2010:
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2010/03/17/premiacoes-especiais-na-f-1-2010-do-almanaque-esportivo/

Troféu “Jim Clark” – Jenson Button, que largou mal (bateu), arriscou ao colocar pneus secos antes dos demais e foi recompensado com uma vitória brilhante. Menção honrosa para Robert Kubica, que largou lá atrás e conseguiu um belíssimo segundo lugar com sua irregular Renault.

Troféu “Rouge & Blanc” - Lewis Hamilton, showman da prova. Lutou, se esforçou, tentou, errou. Merecia melhor sorte.

Troféu “Chris Amon” - Sebastien Vettel… De vitória tranquila para uma parada na brita. Problemas mecânicos causaram a escapada e abandono.

Troféu “Fiofó de Ouro” – Kamui Kobayashi, Sebastien Buemi e Nico Hulkenberg, que se escaparam de um acidente bem forte. Exatamente aonde o Martin Brundle quase se matou em 1996 (veja)

Troféu “Didi Mocó Prize For Technical Achievements” - Para a prova deplorável de Michael Schumacher. Bateu no início (sem culpa, é verdade), mas depois levou “X” do Timo Glock e passou quase 40 voltas atrás do Jaime Alguesuari, que visivelmente está melhor este ano. Menção desonrosa para a Virgin, que colocou combustível de menos e teve de largar dos boxes para evitar a pane seca.

Troféu “Porquê Eu Não Fiquei Com Minha Boca Fechada”
- De novo para a confusa narração global. Galvão Bueno reclamou da transmissão da FOTA, mas ele que demorou um tempão para perceber que Massa tinha feito um péssimo pitstop e já tinha perdido posições (sem precisar ‘esperar mais algumas voltas’). E o Reginaldo também tem que prestar mais atenção nestes detalhes.

Troféu “Dick Vigarista” – Para o anfitrião Mark Webber, em mais uma corrida azarada na Austrália. No final, completou a série de erros em uma manobra desastrosa que tirou pontos de Hamilton e de si mesmo.

VEJA TAMBÉM:

COMO FOI O GP DA AUSTRÁLIA EM 2009:
http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2009/03/30/gp-da-australia-brawn-gp-vim-vi-e-venci/

F-1 2010: Kimi Raikkonen em um 'ano sabático'

20 de novembro de 2009 1

O finlandês Kimi Raikkonen confirmou nesta sexta-feira que não irá disputar a temporada 2010 da Fórmula-1. Campeão mundial em 2007, o ex-piloto da Ferrari disse que irá correr algumas provas de rali e que não sentará em cockpit algum no próximo ano.

Ele informou que só correria se fosse pela McLaren, equipe pela qual conquistou seus primeiros resultados expressivos. A ida do campeão mundial Jenson Button para a escuderia de Woking acabou com estes planos, e Kimi resolveu tirar o chamado “ano sabático“, na prática umas ‘férias forçadas’ por falta de melhores opções.

Não é a primeira vez que pilotos campeões mundiais fazem isto, de ficarem um ano ou mais fora da categoria. Porém não é muito comum voltarem. A primeira vez que eu me recordo foi do austríaco Niki Lauda. Campeão em 1975 e 1977, Lauda não disputou as temporadas de 1980 e 1981.

O australiano Alan Jones, campeão em 1980, também teve indas e vindas. Ficou fora em 1982 e 1984, correu só uma em 1983, correu algumas provas em 1985 e 1986. O francês Alain Prost, campeão mundial em 1985, 1986 e 1989, ficou de fora em 1992 antes de retornar e ser campeão uma última vez.

O mesmo ocorreu com o inglês Nigel Mansell, que ficou de fora em 1993 após ser campeão mundial em 1992, retornando para algumas provas em 1994 e 1995.

Se lembrarem de mais alguns casos de campeões mundiais depois forçados a ficar uma ou mais temporadas de fora e ainda retornarem à categoria, mandem para cá!