Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "liga dos campeões"

Manchester United vs. Barcelona, round IV - Final da Liga dos Campeões de 2009

27 de maio de 2011 0

Em 2009, Manchester United e Barcelona fizeram o confronto direto mais importante de suas histórias. De um lado, o time inglês, já tricampeão e buscando ser o primeiro time campeão consecutivo da Liga dos Campeões, desde o início do novo formato em 1993. Do outro, o gigante catalão buscando o tricampeonato europeu. Mais do que isto, a Tríplice Coroa, pois já havia obtido o título espanhol e da Copa do Rei. A decisão seria no majestoso estádio Olímpico de Roma.

Como atual campeão, teoricamente o time inglês seria o favorito. Porém não era isto que ocorria naquele time. Com Cristiano Ronaldo praticamente de saída (isto se confirmaria 2 meses depois), o time carecia de conjunto, tinha problemas com lesões e uma fase ruim de boa parte dos titulares.Michael Carrick e Anderson, que então jogava de volante, viviam um momento muito ruim.

Depois de uma primeira fase irregular, líder com 2 vitórias e 4 empates contra o Villarreal (Espanha), Aalborg (Dinamarca) e Celtic Glasgow (Escócia), o Manchester embalou na fase de mata-mata: despachou Internazionale, Porto (com direito a um gol histórico de Cristiano Ronaldo) e o arquirrival Arsenal com uma goleada nas semifinais de 4×1.

Já o Barcelona, em seu primeiro ano sob comando de Pep Guardiola, tinha um time que encantava a cada jogo e era o favorito dos torcedores e da imprensa. Em uma fase brilhante, o argentino Lionel Messi fazia uma dupla incrível no ataque com o camaronês Samuel Eto’o. Iniesta e Xavi começavam a montar o senhor meio-campo de futebol que assombraria o mundo pelos próximos anos.

Depois de atropelar na primeira fase o Sporting Lisboa (Portugal), o Shakhtar Donetsk(Ucrânia) e o Basel(Suíça), o Barcelona surrou o Lyon e o Bayern de Munique antes de duelos históricos contra o Chelsea. 0×0 no Camp Nou e 1×1 no finalzinho com um golaço de Iniesta garantiram a vaga na final, em um jogo fenomenal marcado pela polêmica arbitragem de Tom Henning Øvrebø, que teve quatro reclamações de pênalti do time inglês (eu teria dado 2 deles sem nem pensar) .

Na decisão, o jogo começou com uma blitz do Manchester United. Em menos de 10 minutos, o United perdeu três chances boas de gol com Cristiano Ronaldo, com o Barcelona visivelmente perdido. Então, o lance que decidiu o jogo: Iniesta conduziu a bola com liberdade sobre Carrick e Anderson e achou Eto’o. Este se livrou de Nemanja Vidic e chutou forte para fazer 1×0.Perdido, o Manchester viu Messi chutar perto do travessão dez minutos depois.

A estratégia do técnico Alex Ferguson de deixar Carlos Tévez, em grande fase, no banco, centralizar Wayne Rooney e adiantar Cristiano Ronaldo se mostrava um naufrágio completo. Xavi em falta e Messi em jogada individual deram sustos à Van der Sar, em uma noite surpreendentemente insegura.

No segundo tempo, Ferguson voltou ao esquema padrão, colocando Tévez no ataque e recuando Cristiano Ronaldo. Mas nem assim segurou, pois Thierry Henry e Xavi (de falta novamente e desta vez no travessão) quase ampliaram. O Manchester até tentou avançar, mas não conseguia controlar o jogo no meio-campo. Em atuação brilhante, Xavi comandava o setor e puxava os ataques blaugrana. A saída de Park para a entrada de Berbatov bagunçou o jogo de novo e decidiu a partida.

Aos 24 minutos, Xavi cruzou e o pequenino Messi cabeceou no alto, cruzado, marcando 2×0. Na saída de bola, Cristiano Ronaldo quase descontou para o United, mas depois não teve jeito. Nos minutos finais, a raça inglesa se tornou violência e Ronaldo, mais Paul Scholes, fizeram lances desleais passíveis de expulsão, mas só receberam amarelo. Aos espanhóis, algumas chances em contra-ataque, mas o título estava assegurado.

COMPACTO DO JOGO:

O Barcelona era tricampeão europeu! Até o final daquele ano, o Barcelona ainda conquistaria a Supercopa Espanhola e Européia e o Mundial de Clubes da FIFA. Todos os seis títulos no ano. É mole?

FICHA DA DECISÃO

27 de maio de 2009
ESTÁDIO OLÍMPICO DE ROMA (ITÁLIA)

BARCELONA: Valdés, Puyol, Touré, Piqué e Sylvinho; Busquets, Xavi e Iniesta (Pedro); Messi, Eto’o e Henry (Keita). Técnico: Pep Guardiola

MANCHESTER UNITED: Van der Sar, O’Shea, Ferdinand, Vidic e Evra; Carrick, Anderson (Tevez), Giggs (Scholes) e Park (Berbatov); Rooney e Cristiano Ronaldo. Técnico: Alex Ferguson


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round III - Os épicos jogos de 1994, 98 e 2008

27 de maio de 2011 0

Depois de contar dois mata-matas nos quais o Manchester United venceu o Barcelona, agora iremos contar a história de jogos bem mais recentes. O primeiro na fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa 1994/95, quando o Barça empatou em 2×2 no Camp Nou e surrou o Manchester por impiedosos 4×0 no Camp Nou. Depois, empates em 3×3 na temporada 1998/99. E por último, as semifinais da Liga na temporada 2007/08.

1994/95 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O Barcelona ainda lambia as feridas da derrota na final da Liga anterior, quando perdeu para um destroçado Milan (muitos desfalques) por 4×0. Ainda com Romário e Hristo Stoichkov, o time espanhol saiu atrás com um gol de Hughes. Mas no primeiro tempo, o “Baixinho” Romário empatou em jogada de alta velocidade. No segundo tempo, Bakero fez 2×1 e parecisa selar a vitória dos visitantes. Porém um gol espetacular de Lee Sharpe, de letra, selou o empate em Old Trafford. Veja os gols: http://www.youtube.com/watch?v=21Z6CVFOSrY

No segundo turno daquela fase de grupos, o Barcelona trucidou o United. Enfiou estrondosos 4×0 sem nenhuma apelação, em um ‘vareio de bola’ no Camp Nou.  Sem Peter Schmeichel e Eric Cantona (na época apenas 1 estrangeiro era permitido), o Manchester já levou 2×0 no primeiro tempo, gols de Stoichkov e Romário. Na etapa complementar, o búlgaro fez mais um antes que Albert Ferrer completasse o marcador, para delírio dos 115 mil torcedores presentes ao estádio do Barcelona. Naquele time começava a brilhar um jovem volante chamado Josep Guardiola, hoje treinador do Barcelona… Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=2A4OcyS2KPM

1998/99 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O segundo duelo é da temporada 1998/99, também pela fase de grupos da Liga dos Campeões. Na ocasião, em um “grupo da morte” o Barcelona (que fazia 100 anos naquela temporada) ficou na mesma chave do Manchester United, do Bayern de Munique (que seria o vice-campeão) e do pobre Brondby (Dinamarca), obviamente massacrado pelos gigantescos rivais. Então ocorreram dois empates em 3×3, sendo que o segundo eliminou o Barça da disputa e abalou a moral do técnico Louis Van Gaal.

No primeiro jogo em Old Trafford, o Manchester abriu 2×0. Com sua formação dita “perfeita”, com Roy Keane, Paul Scholes, Ryan Giggs e David Beckham, o time de Ferguson saiu na frente com gols de Giggs e Scholes. Mas comandado por Rivaldo, o Barcelona empatou no segundo tempo com os brasileiros Sonny Anderson e Giovanni (de pênalti). Beckham marcou um golaço de falta e fez 3×2, mas Luís Enrique,  novamente de pênalti, empatou e fechou em 3×3. Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=R4USdxYBMxE

No jogo de volta, o Barça precisava vencer para seguir vivo e logo a um minuto de jogo, fez 1×0 com Sonny Anderson. O Manchester empatou ainda no primeiro tempo com Dwight Yorke. Na etapa complementar, Andy Cole virou para 2×1 logo no início em uma grande tabelinha com Yorke. Mas Rivaldo descontou minutos depois em cobrança de falta. Aproveitando erros defensivos do Barcelona, Yorke marcou de novo para o United, antes de Rivaldo marcar um gol histórico, de bicicleta. Ele ainda chutou um míssil no travessão e ainda deixou Giovanni livre com um passe de calcanhar, mas o brasileiro errou e selou o marcador em um novo espetacular 3×3. Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=w3Lltd_g82c

2007/08 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O último grande enfrentamento entre estes gigantes do esporte mundial por fases preliminares em competições européias ocorreu em 2008. Na ocasião, o Manchester havia eliminado a Roma na fase anterior, enquanto o Barça havia batido o Schalke 04. No time inglês, Cristiano Ronaldo fazia uma temporada assombrosa ao lado de Wayne Rooney e Carlos Tévez, enquanto o Barcelona de Lionel Messi, Xavi e Iniesta vivia os últimos momentos sob comando de Frank Rikjaard, com um time já desgastado em sua maneira de jogar.

O primeiro jogo foi um horror, 0×0 na Espanha. A única coisa de realmente legal na partida foi o pênalti desperdiçado por Cristiano Ronaldo bem no início do jogo, e mais algumas boas defesas de Edwin Van der Sar. Vejam o compacto: http://www.youtube.com/watch?v=iiTUCQ2jd8c.

A segunda partida foi bem mais interessante, com chances de gol de ambos os lados. Logo no início, Paul Scholes marcou um gol característico de seu talento: um petardo ‘do meio da rua’. Depois, Ji Park-Sung, Deco, Nani (3x), Tévez e por último Thierry Henry desperdiçaram chances claras em um jogão de bola, que classificou o Manchester para a final contra o Chelsea (da qual sairia campeão). Vejam o compacto: http://www.youtube.com/watch?v=yZobrNI2yC4

SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round I - Recopa Europeia de 1984

26 de maio de 2011 0

De hoje até sábado, vamos contar aqui no Almanaque Esportivo a história de duelos históricos entre Manchester United e Barcelona, finalistas da Liga dos Campeões da Europa em Londres. A capital inglesa receberá dois tricampeões europeus, e somente um obterá o tetra da Liga.

Estas duas equipes já se enfrentaram em finais européias (Recopa em 1991, Liga dos Campeões em 2009), e tiveram duelos épicos nas temporadas de 1984, 1994, 1999 e 2008. Serão estas histórias a serem contadas a partir de agora, na contagem regressiva da grande decisão no templo sagrado de Wembley.

A primeira história é uma das mais marcantes. Pelas quartas-de-final da Recopa Europeia, competição extinta que reunia os campeões das copas nacionais de cada país, Manchester United e Barcelona se enfrentaram na Espanha e depois na Inglaterra. De um lado, o Barcelona com os astros Bernd Schuster e Diego Maradona. Do outro, um time que tinha os talentos de Bryan Robson e Norman Whiteside.

No primeiro jogo, o Barcelona enfiou 2×0 no Camp Nou lotado. Porém o resultado não fez jus à partida, pois o United jogou bem e merecia melhor sorte. Tanto é que os gols foram de Graeme Hogg (contra) e  Rojo, já nos acréscimos. Sendo assim, a confiança dos quase 60 mil torcedores do United no jogo de volta era grande. Todos confiavam em uma grande atuação de Robson, conhecido também como “Capitão Marvel“. E foi isto que ocorreu em uma épica noite na qual o Manchester United superou o Barcelona!

O jogo começou com uma blitz inglesa no clássico estilo de jogo vertical e bolas longas, o ‘kick-and-rush’. Foi assim que o time do técnico Ron Atkinson imprensou os catalães em seu campo até que Bryan Robson, em jogada ensaiada de escanteio após desvio do redimido Graeme Hogg, fizesse  1×0 aos 27 minutos. O United seguiu pressionando, e Maradona tentava empurrar o Barça para o ataque, sem sucesso. Depois de inúmeras chances de gols perdidas, terminava o primeiro tempo.

Na etapa final, a pressão do time da casa foi ainda superior. A saída de bola do Barcelona foi testada até seu limite, com êxito: depois de recuada errada de Pinto e rebatida do goleiro Urruti, o Manchester perdeu 2 gols no mesmo lance antes que Robson aproveitasse rebote de Urruti e fizesse 2×0.

Dois minutos depois, com o Barcelona atordoado, nova sequência de conclusões e Frank Stapleton fuzilou o arco catalão desguarnecido, Manchester 3×0. Precisando de um gol  para levar o jogo às penalidades máximas, a equipe espanhola foi para o ataque e teve chances com o gênio de Maradona, sem resultado.

Final, Manchester classificado, invasão de campo. Loucura em Old Trafford:


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Goleiro belga marca nos acréscimos e classifica equipe na Europa

10 de dezembro de 2009 0

O goleiro Sinan Bolat virou herói da torcida do Standard Liége ao marcar nos acréscimos do jogo contra o AZ Alkmaar. O time belga, já sem chances de se classificar na Liga dos Campeões, tentava ao menos garantir a terceira colocação, o que lhe daria a chance de continuar disputando a Liga Europa.



Porém o holandês AZ Alkmaar, atual campeão nacional, vencia fora de casa por 1×0. Aos 49 do 2° tempo, o arqueiro Bolat foi para o ataque e marcou de cabeça o gol que eliminou os holandeses e deixou o Standard Liége, time dos brasileiros Fred e Marcos Camozzatto (ambos ex-Internacional) na fase final da Liga Europa. Arsenal e Olimpiacos se classificaram para as oitavas-de-final da Liga dos Campeões da Europa.

Goleiro Sinan Bolat marcando aos 50 do 2º tempo gol da classificação do Liége na Liga Europa

Heineken faz comercial interativo genial na Liga dos Campeões

23 de outubro de 2009 2

A cervejaria Heineken, patrocinadora oficial da Liga dos Campeões, fez uma ‘pegadinha’ com torcedores fanáticos do Milan antes do jogo contra o Real Madrid, esta semana pela Liga dos Campeões. A empresa acertou com namoradas de torcedores e com chefes dos mesmos para um compromisso EXATAMENTE NA HORA DO JOGO. Como não se diz ‘não’ pra estes dois, o povo foi… E teve uma bela surpresa! Enviado pelo meu amigo Alexandre, resolvi postar:

Ontem, dia 21 de outubro, aconteceu o primeiro duelo entre Milan e Real Madrid, na fase de grupos da UEFA Champions League, obviamente uma das partidas mais esperadas do campeonato. Se você é torcedor fanático de uma das equipes, o que mais gostaria de fazer em uma quarta-feira de jogo? Assistir o jogo, é claro, e não ir ao teatro com a família e muito menos a trabalho.

Pensando nessas situações tão dramáticas e dolorosas, a cervejaria holandesa Heineken, mancomunada com o jornal La Gazetta Dello Sport, criou uma pegadinha para o desespero dos torcedores milaneses. Namoradas apareceram do nada querendo assistir um concerto no teatro, chefes “convidaram” seus fãs do Milan também para apresentação de um quarteto de cordas.

No meio do concerto, o telão do teatro começa a exibir frases como “Não é difícil dizer não ao chefe?”, “E para a namorada?”, “Como eles poderiam pensar em perder a grande partida?”. Logo após, vem “Are you still with us?”, assinatura atual da Heineken, o quarteto toca o hino da Champions League e o telão passa a exibir o jogo entre Milan e Real Madrid ao vivo.

.

Para completar, o time italiano ganhou por 3 a 2.
Simplesmente genial!

Liga dos Campeões: impressões do sorteio da fase de grupos

28 de agosto de 2009 2

Saiu ontem o sorteio dos grupos da Liga dos Campeões da Europa, edição 2009/10. Só hoje eu tive tempo de analisar, tinha até feito um texto ontem mas perdi o mesmo (maldita T.I…piada interna, claro).

Buenas, vamos às minhas impressões: interessantes os confrontos de Barcelona com Internazionale e, principalmente, Real Madrid contra o Milan. Será a primeira vez de Kaká contra o clube que lhe colocou no topo do planeta, e do qual saiu realmente descontente. Já no grupo do Barça, atual campeão europeu, o difícil vai ser apontar um time `fraco`, já que o Dinamo Kiev melhorou e o Rubin é um time muito competitivo, inclusive liderando de novo o Campeonato Russo.

Em compensação, Arsenal, Liverpool e Chelsea pegaram barbadas… Dificilmente tropeçam. São muitas “forças médias”, times que quase nunca ganham titulos mas normalmente vão longe na competição. Times como Porto, Lyon, Sevilla vão engrossar muito as classificações dos chamados `grandes`. Talvez sobre alguém para a Copa da UEFA.

Sobre as zebras: muito legal termos, de novo, um time cipriota na fase de grupos. Ano passado o Anorthosis Famagusta quase foi para a segunda fase, e este ano a zebra é o APOEL Nicosia. Quem também supreendeu foi o Debreceni, que reflete um bom momento do futebol húngaro (claro que comparado apenas com os últimos 20 anos e não com as glórias do passado). O Unirea (Romênia) e o Rubin Kazan (Rússia), atuais campeões nacionais, quebraram a hegemonia dos ditos `grandes`, assim como o alemão Wolfsburg.

OS MICOS

O Sporting Lisboa não teve muitas chances contra a Fiorentina, mas uma lástima principalmente porque eles se classificaram na fase anterior com um gol de goleiro nos acréscimos, eliminando o vice-campeão holandês Twente. Aliás, os holandeses que antigamente classificavam três times, agora só tem um representante: o atual campeão AZ Alkmaar. Pelo menos vejam o gol do arqueiro Rui Patrício:

Aliás, isto ocorreu há dois anos com Andrés Palop classificando o Sevilla na Copa da UEFA (agora Liga da Europa) e eliminando o Shaktar Donetsk, da Ucrânia. Que inclusive, como atual campeão da Ucrânia e da Copa da UEFA, não tinha o direito de ser eliminado pelo minúsculo romeno FC Timisoara ainda na terceira fase eliminatória. Quem fez fiasco também foram os tradicionais times sérvios, croatas e tchecos, que não emplacaram um único time na fase de grupos.

DIVISÃO POR PAÍSES – A multinacional Europa com 18 países representados em 32 times:

Espanha, Itália, Inglaterra: 4 times

Alemanha e França: 3 times

Rússia: 2 times

Bélgica, Chipre, Escócia, Grécia, Holanda, Hungria, Israel, Portugal, Romênia, Suíça, Turquia, Ucrânia: 1 time cada
Grupo A
Bayern de Munique-ALE
Juventus-ITA
Bordeaux-FRA
Maccabi Haifa-ISR

Grupo B
Manchester United-ING
CSKA-RUS
Besiktas-TUR
Wolfsburg-ALE

Grupo C
Milan-ITA
Real Madrid-ESP
Olympique Marselha-FRA
Zurich-SUI

Grupo D
Chelsea-ING
Porto-POR
Atlético de Madrid-ESP
Apoel Nicosia-CHP

Grupo E
Liverpool-ING
Lyon-FRA
Fiorentina-ITA
Debrecen-HUN

Grupo F
Barcelona-ESP
Inter de Milão-ITA
Dinamo de Kiev-UCR
Rubin Kazan-RUS

Grupo G
Sevilla-ESP
Glasgow Rangers-ESC
Stuttgart-ALE
Unirea-ROM

Grupo H
Arsenal-ING
AZ Alkmaar-HOL
Olympiacos-GRE
Standard Liège-BEL

Postado por Perin, com dados do I.P.E. e aguardando a Liga!

"Camino a Roma" - Manchester United

26 de maio de 2009 0

O Manchester United tentará nesta quarta-feira seu quinto título em sete possíveis na temporada 2008/2009. Apenas a Copa da Inglaterra e a Supercopa Européia não foram conquistadas pelo time de Old Trafford, que já levou para casa a Supercopa Inglesa, o tricampeonato Inglês, a Copa da Liga Inglesa e o Mundial de Clubes da FIFA.

O caminho para o time do técnico Alex Ferguson foi complicado. O time passou sufoco nas quartas-de-final contra o Porto, passando bem da primeira fase e também dos demais mata-matas, sobretudo contra o Arsenal.

Sólido na defesa, o Manchester alternou bons e maus momentos no setor ofensivo, mas na reta final acabou contando com o ótimo futebol de Cristiano Ronaldo, eleito o melhor do mundo na temporada passada e autor de gols decisivos nos ‘mata-matas’. Esta será a quarta final dos “Red Devils“, que jamais foram derrotados em uma final de Liga dos Campeões.

Dotado de um estilo de jogo diferente do adversário na finalíssima, a equipe inglesa é a mais equilibrada do continente: tem defesa, meio e ataques de alto nível, e reservas superiores. Veteranos como Ryan Giggs e Paul Scholes, em busca do tricampeonato europeu, são ótimas armas no banco de reserva. A defesa é a melhor da competição com míseros seis gols sofridos,

Na primeira fase, o Manchester mostrou muita…preguiça! Em um grupo mediano, com o sempre chato Villarreal, o perigoso em casa Celtic Glasgow e o fraco AaB. Porém o time dinamarquês foi bem e embolou o grupo, eliminando o Celtic e engrossando contra o resto. O resultado foi benéfico para o Manchester, que terminou uma primeira fase invicta de duas vitórias e quatro empates, com um futebol apenas competente.

Já na segunda fase a coisa encrespou. Logo de cara, a favorita e tricampeã italiana Internazionale. E o resultado foi espetacular: um 0×0 em Milão no qual o melhor em campo foi o brazuca Júlio César. E no jogo de volta, 2×0 ao natural em Old Trafford mostrou que o atual campeão estava no rumo…

Porém um drama viria na partida seguinte. O Porto, algoz de 2004 então treinado pelo jovem José Mourinho (justamente o treinador da Inter, eliminado nas oitavas), abriu o marcado no início do jogo. O United virou mas no finalzinho o time visitante empatou de novo, um 2×2 indigesto. Porém no jogo de volta, um golaço antológico de Cristiano Ronaldo resolveu a parada, 1×0 no Estádio do Dragão. Vejam o gol:

Nas semis, o arquirrival mas freguês dos últimos anos Arsenal foi facilmente batido. No primeiro jogo, 1×0 no qual o melhor em campo foi o goleiro Manuel Almunia, do Arsenal. Na partida de volta, 3×1 em pleno Emirates Stadium muito fácil, sem sustos.

O Manchester só tem um desfalque para a decisão: Darren Fletcher, suspenso após ser expulso contra o Arsenal. Anderson deve ficar no banco e Sir Alex Ferguson provavelmente jogará com um único atacante (Cristiano Ronaldo) e um meio movediço, no 4-3-2-1 consagrado na temporada européia atual.

Os números: 12J, 6V, 6E, 0D, 18GP, 6GC
Artilheiros: Dimitar Berbatov, Cristiano Ronaldo e Wayne Rooney (4 gols)
Assistências: Ryan Giggs e Wayne Rooney (3 passes)
Desfalques para a decisão: Darren Fletcher (suspenso)
Brasileiros na decisão: Anderson e Rafael (banco)
Campeão em: 1967, 1999 e 2008 (atual campeão)

Time provável(4-3-2-1): Edwin Van der Sar; John O’Shea, Rio Ferdinand, Nemanja Vidic e Patrick Evra; Michael Carrick, Paul Scholes, Ryan Giggs; Ji-Park Sung e Wayne Rooney; Cristiano Ronaldo. Técnico: Sir Alex Ferguson

"Camino a Roma" - Barcelona

26 de maio de 2009 0

O Barcelona chega pela sexta vez à decisão da Liga dos Campeões da Europa, e de novo como favorito. Apesar do adversário ser o atual campeão europeu e mundial, cabe ao Barça o fato de ter mostrado o futebol mais espetacular desta Liga.

O trio de ataque de Lionel Messi, Samuel Eto’o e Thierry Henry é o mais letal da Europa em 2008/09, com mais de 100 gols marcados. Foram cinco goleadas, mas contra si o retrospecto apenas regular como mandante: 4 vitórias, 2 empates e 1 derrota.

Por ter ficado em terceiro no último espanhol, o time catalão teve que jogar a fase pré-classificatória, aonde eliminou facilmente o polonês Wisla Krakow vencendo por 4×0 em Barcelona e perdendo por 1×0 em Cracóvia.

Na primeira fase, o Barça passou fácil por um grupo fraco, com Sporting Lisboa, Shakthar Donetsk e Basel. Venceu os três primeiros jogos, empatou com o Basel em casa em 1×1 e depois ganhou do Sporting fora de casa por goleada: 5×2. Classificado, jogou com reservas e levou 3×2 do Shakthar em pleno Camp Nou. Aliás, o time ucraniano, que ficou em terceiro, na semana passada conquistou a Copa da UEFA.

Nas oitavas-de-final, o Barça empatou com o decadente Lyon fora por 1×1, e surrou o adversário no Camp Nou: 5×2. Nas quartas, o adversário seria o Bayern de Munique, que havia enfiado históricos 12×1 no Sporting após os dois jogos. Mas o confronto terminou ainda na primeira partida: 4×0 no Camp Nou, seguido por um formal 1×1 na Alemanha.

Porém o drama viria nas semifinais, quando o Barcelona foi amarrado pelo Chelsea em casa: 0×0. O time do técnico Pep Guardiola, lenda do clube nos anos 90 e que tem valorizado jogadores da base catalã, simplesmente não conseguiu jogar.

No jogo de volta, em Stamford Bridge, a segunda partida mais dramática de toda a competição, um jogo épico que só perdeu para o, talvez inigualável, Chelsea 4×4 Liverpool (aqui os gols: http://www.youtube.com/watch?v=cjy19c56cMw&hd=1). O Chelsea saiu na frente com um golaço de fora da área no início do jogo marcado pelo ganês Michael Essien. O Barcelona passou a pressionar, assim como o time inglês, que reclamou muito de quatro pênaltis claros (dois então, escandalosos) não marcados pelo árbitro norueguês Tom Henning Øvrebø:

O panorama se manteve o mesmo na etapa final, com a equipe catalã lutando desesperadamente pelo gol da classificação e o Chelsea nos contra-ataques e reclamando do juiz. No finalzinho dos acréscimos, Andrés Iniesta pegou um passe de Messi após furada de Essien e meteu no ângulo, 1×1. O time da casa quase empatou aos 50 minutos, mas o placar se manteve: Barcelona na final depois de três temporadas (foi o campeão europeu de 2006).

Com um futebol ofensivo, o Barça aposta no talento do trio de ataque, sobretudo pelo futebol superior de Messi, favorito disparado ao título de melhor do mundo em 2009. Eles jogam auxiliados pelos talentosos Xavi e Iniesta no meio, ao lado da grata revelação Sergi Busquets (filho do goleiro reserva dos anos 90). Porém Guardiola não terá o brasileiro Daniel Alves, suspenso pelo segundo amarelo.

Os números: 14J, 7V, 5E, 2D, 34GP, 14GC
Artilheiros: Messi (8 gols, artilheiro do torneio) e Henry (5 gols)
Assistências: Xavi (6 passes, líder do torneio) e Messi (5 passes)
Desfalques para a decisão: Daniel Alves (suspenso), Henry (dúvida)
Brasileiros na decisão: Sylvinho (banco)
Campeão: 1992 e 2006
Vice-campeão:
1961, 1986 e 1994

Time provável: Victor Valdéz; Carles Puyol, Gerard Piqué, Yayá Youré e Eric Abidal; Sergi Busquets, Xavi Hernández e Andrés Iniesta; Lionel Messi; Samuel Eto’o e Thierry Henry. Técnico: Pep Guardiola

Liga dos Campeões - Finais de 2005, 2006 e 2007

26 de maio de 2009 1

2005 – Gerrard recoloca o Liverpool no topo da Europa – Liverpool (4) 3×3 (3) Milan

Desacreditado, o Liverpool conquistou a Europa pela quinta vez da maneira mais espetacular deste século XXI. Isso ao superar o Milan na final da Liga dos Campeões 2005/06, disputada no estádio Ataturk, em Istambul. O time treinado por Rafa Benítez perdia por 3×0 do Milan no segundo tempo, mas conseguiu empatar e depois vencer nos pênaltis. O Liverpool atropelou o Bayer Leverkusen nas oitavas, bateu a Juventus nas quartas e o, agora sim bilionário, Chelsea nas semis. Já o Milan bateu Manchester United, Internazionale (de novo!) e PSV antes da final.

O jogo: Antes de dois minutos, já estava 1×0 para os italianos, gol da lenda Paolo Maldini. O pesadelo inglês continuaria com dois gols do argentino Hernán Crespo, aos 38 e 44 minutos. Game, set and match para o Milan? Que nada, comandado por uma soberba atuação do capitão Steven Gerrard, o Liverpool conseguiu uma histórica reação. O próprio Gerrard descontou aos 6 minutos, o tcheco Smicer aos 11 e o espanhol Xabi Alonso, em rebote de pênalti, fechou a reação aos 15 minutos. Em seis minutos, três gols e a igualdade! Muito cansados e nervosos, os dois times pouco criaram até a prorrogação. No tempo extra, o Milan teve duas chances incríveis, mas a sorte do goleiro polonês Jerzy Dudek estava em dia. Nas penalidades, John Arne Riise errou para o Liverpool, enquanto o brasileiro Serginho, o italiano Andrea Pirlo e o ucraniano Andriy Shevchenko desperdiçaram e deram o título para os ingleses mais uma vez. Sem sombra de dúvida, a mais saborosa de todas.


LIVERPOOL – MILAN 3-3 ( 3-2 penalties… por sylar335

2006 – Ronaldinho é o dono da Europa! – Barcelona 2×1 Arsenal

Favorito, o Barcelona acabou confirmando o seu segundo título europeu ao derrotar por 2×1, de virada, o Arsenal no estádio Stade-de-France. Neste ano, os gaúchos em especial acompanharam atentamente a final da Liga dos Campeões, pois o Internacional fazia boa campanha na Libertadores e podia pegar (como de fato ocorreu), o Barcelona no Mundial FIFA de Clubes. O time catalão tinha o melhor jogador do mundo disparado de então: o brasileiro Ronaldinho, além de jogadores como Deco e Eto em excepcional fase. Depois de um passeio na primeira fase, o Barça pegou o poderoso Chelsea nas quartas e arrancou a classificação fora de casa. Nas quartas, o Barça superou a surpresa Benfica, e despachou o vice-campeão Milan nas semis. Enquanto isto, o Arsenal tinha um caminho mais duro: Real Madrid, Juventus e, de forma dramática, o Villarreal nas semis. O time inglês contava com muito conjunto, uma grande fase do francês Thierry Henry e do jovem espanhol Césc Fábergas.

O jogo: a partida foi bastante atípica. Considerado azarão, o Arsenal do excepcional técnico Arséne Wenger ainda perdeu o goleiro Jens Lehmann, expulso no 1° tempo aos 18 minutos. Mesmo assim, o zagueiro Sol Campbell fez 1×0 de cabeça aos 37 minutos, deixando os londrinos (em busca de um título inédito) em vantagem. Dali em diante, o jogo foi o seguinte: o Barcelona fazia uma blitz e o Arsenal especulava em contra-ataques com Henry, que inclusive perdeu um gol feito. Muito mal no jogo, Ronaldinho viu o show ser roubado pelo veterano sueco Henrik Larsson. O reserva entrou e deu o passe para os dois gols da virada catalã: Samuel Eto’o aos 31 e o brasileiro Belletti aos 36 minutos, dando o título ao Barcelona, que repetia 1992. E, de novo, enfrentaria um brasileiro no Mundial mas esta é uma outra história…


FC Barcelona – Champions Final 2006 FC… por danielrn5

2007 – “La vendetta dei rossoneros” – Milan 2×1 Liverpool

A vingança italiana demorou dois anos, mas o Milan se sagrou heptacampeão europeu ao bater o Liverpool por 2×1 na final disputada no estádio Olímpico de Atenas, na Grécia. Foi o troco de 2005, quando os dois times também decidiram a competição. E, mais uma vez, os gaúchos assistiram com atenção a partida pois o Grêmio brilhava na Libertadores e poderia pegar o campeão europeu no Mundial da FIFA de Clubes. Depois de uma primeira fase tranquila, o Milan bateu apertado o Celtic Glasgow, passou fácil pelo Bayern de Munique e ganhou com sobras do então favorito Manchester United (em um show especial de Kaká e Seedorf no 2° jogo). Já o Liverpool ganhou do então campeão Barcelona, dos holandeses do PSV e do rival Chelsea nas semis (assim como em 2005). Tudo parecia encaminhar-se para um repeteco.

O jogo: Porém a partida não foi do jeito que os ingleses esperavam. Mesmo com um time até superior ao de 2005, o Liverpool não conseguiu superar o esquema defensivo do Milan e foi dominado no meio-campo. Seedorf e Kaká tiveram outras atuações soberbas, assim como o veterano centroavante Filippo Inzaghi. Este fez 1×0 aos 45 do 1° tempo, e repetiu a dose em um contra-ataque aos 39 do 2° tempo. Quase no final, o grandalhão holandês Dirk Kuyt descontou mas isto foi insuficiente para evitar o título italiano. Pela sétima vez, o Milan conquistava a Europa.


2007 (May 23) AC Milan (Italy) 2-Liverpool… por sp1873

Amanhã: os caminhos de Chelsea e Manchester United até a decisão em Moscou

Liga dos Campeões - Finais de 1999, 2000 e 2001

25 de maio de 2009 0

1999 – A mais dramática de todas as finaisManchester United 2×1 Bayern de Munique

Com campanhas irretocáveis, Manchester United e Bayern de Munique chegaram à decisão no Camp Nou, em Barcelona. De um lado, o experiente time do Bayern, treinado por Ottmar Hitzfeld e com estrelas do porte de Lothar Mattheus, Mario Basler, Steffan Effenberg e Oliver Kahn. Do outro, a “Class of 92″ de Alex Ferguson (então sem o Sir no nome), de David Beckham, Peter Schmeichel, Ryan Giggs, Roy Keane (suspenso na final), Andy Cole e Dwight Yorke. O Manchester superou a Internazionale e uma poderosa Juventus nas fases de mata-mata (o segundo jogo em Turim foi uma antológica virada de 3×2 depois de sair perdendo por 2×0). Já o Bayern superou o fraco rival Kaiserslautern e a zebra Dínamo Kiev (na qual surgia o ucraniano Andriy Shevchenko) antes de chegar à final.

O jogo: Aos cinco minutos de jogo, o Bayern fez 1×0 com um gol de Mario Basler, de falta contando com desvio na barreira. Os 85 minutos foram de puro nervosismo dos dois times, com duas bolas no travessão pelo Bayern e uma pelo Manchester. Anulados pelo quase impecável sistema defensivo alemão, Cole e Yorke foram substituídos por Teddy Sheringham e Ole Solskjaer. Aos 45 do 2º tempo, Sheringham desviou chute de Giggs e empatou. E, mais incrível: o norueguês Solskjaer virou dois minutos depois, para desespero dos alemães e júbilo eterno dos ingleses. Era a Tríplice Coroa: Campeonato Inglês, Copa da Inglaterra e Liga dos Campeões.


Champions League Final Manchester United Vs… por f100000727806511

2000 – Um passeio merengue – Real Madrid 3×0 Valencia

Desproporcional. Assim podemos resumir a decisão de 2000 entre o multicampeão Real Madrid e o aspirante Valencia, no monumental Stade-de-France, em Saint Denis, França. O caminho: O Real Madrid era um time em absoluta crise em janeiro de 2000. O treinador Vicente del Bosque, visto como um interino, estava demissionário tendo em vista uma péssima campanha no Espanhol (em 15 jogos só tinha vencido cinco até janeiro). Na segunda etapa da temporada, reagiu e conseguiu bater o então campeão Manchester United nas quartas, o vice-campeão Bayern nas semis. Já o Valencia superou a Lazio e o Barcelona até a decisão, time no qual brilhavam o meia Gaizka Mendieta, o goleiro Santiago Cañizares e o atacante argentino Cláudio López.

O jogo: Foi um massacre imposto pelos madrilenhos. O Real dominou o jogo do início ao fim contando com uma soberba atuação do argentino Fernando Redondo, e o gol de Fernando Morientes aos 39 minutos, foi consequência disto. No segundo tempo, o inglês Steve McManaman ampliou aos 22, e Raúl, em jogada do brasileiro Sávio, fechou o placar no finalzinho. Real Madrid, campeão europeu pela oitava vez, uma reviravolta impressionante depois de um primeiro semestre desastroso. Del Bosque ainda ficaria mais duas temporadas, conquistando de novo a Europa em 2002 e sendo inexplicavelmente demitido no dia seguinte. Desde então o Real Madrid só deu vexame na Liga…


2000 (May 24) Real Madrid (Spain) 3-Valencia… por sp1873

2001 – Pênaltis e mais pênaltis – Bayern de Munique (5)1×1(4) Valencia

Em um jogo morno, o Bayern de Munique se sagrou tetracampeão europeu ao bater o Valencia nos pênaltis, decisão disputada no estádio San Siro, em Milão. O time espanhol amargou o segundo vice-campeonato consecutivo, enquanto os alemães sumiram com os fantasmas de Barcelona. Ainda com a base de 1999 e comandado por Ottmar Hitzfeld, mas já com o talento do brasileiro Élber (decisivo nos mata-mata contra o Manchester United e Real Madrid, campeões nos dois anos anteriores) e do bósnio Hasan Salihamdzic, o Bayern era o favorito e confirmou a conquista contra os espanhóis de Héctor Cúper.

O jogo: todo ele se resume a pênaltis, pênaltis, pênaltis… O Valencia saiu na frente logo a três minutos, com um gol de Mendieta cobrando…pênalti. O alemão Mehmet Scholl errou um pênalti para o Bayern quatro minutos depois, defendido por Cañizares. O Bayern empatou no início do segundo tempo, adivinhem como? Pênalti cobrado por Stefan Effenberg. Os times, com muitos veteranos, não atacaram depois disto, alternando algumas chances boas com outros momentos enjoados. O jogo foi para uma inevitável disputa de penalidades. O brasileiro Paulo Sérgio e o sueco Patrik Andersson erraram pelo o Bayern, enquanto o esloveno Zlatko Zahovic, o italiano Amedeo Carboni e o argentino Mauricio Pellegrino erraram seus chutes pelo Valencia, dando o título ao Bayern depois de 17 pênaltis no jogo.

REPORTAGEM SOBRE O JOGO

DISPUTA DE PÊNALTIS
http://www.youtube.com/watch?v=aj1odaaP-lU&feature=related
Ainda hoje: Finais de 2002, 2003 e 2004