Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Manchester United"

INGLATERRA: O que está acontecendo? 21 gols em 2 jogos na Copa da Liga!

02 de novembro de 2012 5

Em um dos mais inacreditáveis jogos da história do futebol inglês, o Arsenal bateu o Reading, fora de casa, por impressionantes 7×5 em jogo válido pela Copa da Liga Inglesa. O mais incrível é que o Arsenal perdia por 4×0 até 44 minutos do primeiro tempo, quando Theo Walcott descontou. No intervalo, delírio em Reading e desespero da torcida do Arsenal. O criticadíssimo atacante Marroukh Chamakh era o mais visado.

No segundo tempo a reação foi impressionante, com mais três gols em sequência até o placar ficar em 4×4, com direito a gol aos 44 e outro aos 49min55s do segundo tempo em prol dos visitantes!!!

Na prorrogação, o corneteado Chamakh fez 5×4 mas o Reading ainda empatou de novo, 5×5! No últimos dois minutos, Walcott e de novo Chamakh fecharam o placar em estrondosos 7×5.

Confiram aqui todos os gols do jogo:

Copa da Liga Inglesa: Gols de Reading 5 x 7 Arsenal

O site “101 Great Goals” separou os tuits mais engraçados citados durante o jogo, quando o gigante da capital perdia de goleada. Selecionei os melhores:

  • Se Chamakh fizer um gol, eu como cocô de cachorro” – @seangooner
  • Me sinto fisicamente doente. O time inteiro do Arsenal deveria ser levado no intervalo e afundado no Tâmisa com força. E depois levar um tiro” – @dpmcbride
  • Se Chamakh fizer um gol, eu como meu cocô” – @lukehines
  • Se o Arsenal vencer e Chamakh fizer um gol eu vou tatuar seu nome na minha testa” – @BillyBishop01 (BEJO amigo @eduknijinik)

O mais incrível é que no dia seguinte, depois de 12 gols no jogo do Arsenal, o rival Chelsea bateu o Manchester United, também na prorrogação, por estrondosos 5×4.

Em um jogo repleto de viradas, o Manchester United saiu vencendo, levou a virada e o jogo foi para o tempo extra em um frenético 3×3. Lá o Chelsea fez 2×1 e saiu com a vitória, contando com gols dos brazucas David Luiz e Ramires (este na prorrogação). Simplesmente sensacional!

Copa da Liga Inglesa: Gols de Chelsea 5 x 4 Manchester United

Vale a pena: Golaço de voleio marca rodada do Campeonato Alemão

28 de novembro de 2011 0

Um gol espetacular definiu o empate entre o Hannover 96 e o Hamburgo na rodada deste sábado pelo Campeonato Alemão. O jogo estava 1×0 aos 33 do 2° tempo para os visitantes, quando Jan Schlaudraff pegou um escanteio e desferiu um violentíssimo chute, sem chances para o arqueiro Jaroslav Dronby. Vejam o lance:

O curioso é que me lembrou um histórico gol do, agora aposentado, Paul Scholes. Em uma vitória do Manchester United sobre o Bradford City no ano de 2000, ele aparou cruzamento de David Beckham e marcou um gol antológico:

Tragédia aérea na Rússia dizima time de Hóquei; Confira outras histórias

08 de setembro de 2011 0

Nesta quarta-feira 7 de setembro o esporte mundial ficou abalado pela tragédia que dizimou o Lokomotiv Yaroslav, time da elite do Hóquei no Gelo na Rússia. O avião que transportava a equipe caiu logo após a decolagem, na cidade de Yaroslav. Dos 45 passageiros, 43 morreram e apenas um atleta, em estado gravíssimo, e um membro da tripulação sobreviveram.

O desaparecimento da equipe, campeã da Liga em 1996–97, 2001–02, 2002–03, suspendeu o início da temporada e causou comoção no hóquei sobre o gelo. Homenagens na República Tcheca, Canadá,Belarus, Letônia(que perdeu Kārlis Skrastiņš, seu melhor jogador de todos os tempos), Suécia, Rússia, Ucrânia e Eslováquia, países com atletas e membros da comissão técnica mortos na tragédia, também foram registadas.

Outras grandes tragédias aéreas envolvendo o esporte mundial

1949 – Torino – ITA
O pentacampeão italiano Torino, com 10 jogadores da Itália, morre após acidente. Entre as vítimas, Valentino Mazzola, capitão do Torino e pai de Sandro Mazzola, futuro craque da Internazionale de Milão e da Seleção Italiana.

Este time do Torino detém quase todos os recordes da história do futebol italiano e é considerado o maior time de todos os tempos de seu país. Seu desaparecimento tirou a favorita ao título da Copa do Mundo de 1950, a Itália.

1958 – Manchester United-ING

1969 – The Strongest-BOL

O avião do The Strongest, da Bolívia, voltava de amistoso em Santa Cruz de la Sierra. Ele desapareceu no dia 26 de setembro, justamente no dia de um golpe de estado no país.

Quando todos achavam que o avião poderia ter sido derrubado, encontraram o mesmo destroçado a 100km de La Paz. Todos os 69 passageiros e nove membros da tripulação morreram com o choque, entre eles 16 jogadores e três integrantes da comissão técnica.

1972 – Old Christians Club-URU

O avião que levava o time de rúgbi do Old Christians Club e familiares caiu no meio da Cordilheira dos Andes ao levar o time de Montevidéu para Santiago do Chile em uma partida amistosa. Dos 45 passageiros, 29 sobreviveram à queda, mas um morreu alguns dias depois devido aos ferimentos e outros oito em uma avalanche que atingiu os destroços do avião. Sem comida, os sobreviventes comeram a carne dos companheiros mortos no acidente, sobrevivendo extraordinariamente 72 dias isolados no gelo até dois dos sobreviventes caminharem por 10 dias e obterem ajuda. A história, filmada e documentada dezenas de vezes, é conhecida como o “Milagre dos Andes“. O Old Christians, já bicampeão nacional, foi campeão uruguaio de rúgbi no ano seguinte (1973) e mais 13 vezes desde então.

1987 – Alianza Lima-PER

O time peruano do Alianza, de Lima, desapareceu após acidente aéreo no Pacífico. Todos os 16 jogadores do líder do Campeonato Peruano morrem, assim como 10 membros da comissão técnica, 8 diretores, um trio de arbitragem e seis tripulantes do avião.

1989 – Jogadores de origem surinamesa
15 jogadores holandeses de origem surinamesa morrem em acidente aéreo no Suriname. Atletas como Ruud Gullit, Aron Winter, Bryan Roy, Frank Rikjaard, Stanley Menzo escapam por pouco, já que seus clubes vetaram sua ida para o Suriname jogar uma partida de exibição. Menzo chegou a pegar um vôo um pouco antes do fatídico avião.

1994 – Seleção Nacional de Zâmbia
A Seleção de Zâmbia morre em acidente no Gabão após jogo das Eliminatórias Africanas. O melhor jogador do time, Kalusha Bwalya, não estava no avião. Ele comandou o novo time que chegou à final da Copa Africana de Nações em 1994 e foi 3º em 1996. Em 2004, com 41 anos e treinador da Seleção, entrou em campo e marcou de falta o gol da vitória por 1×0 sobre a Libéria nas Eliminatórias para a Copa de 2006.

Gols de bicicleta - As mais famosas 'chilenas' da história

23 de agosto de 2011 11

O ESPETACULAR (alô Fernando Carvalho) gol de Leandro Damião contra o Flamengo no último domingo me fez relembrar golaços históricos de bicicleta.

Daqueles clássicos, sem discutir, a bicicleta imortalizada por Leônidas da Silva. Também conhecida como “chilena”, a jogada é uma das mais espetaculares deste esporte.

Sem muitas delongas, vamos à alguns dos mais famosos:

  • Hugo Sánchez – México – Real Madrid 2×1 Logroñes – Campeonato Espanhol 1987/88

  • Wayne Rooney – Manchester United 2×1 Manchester City – Campeonato Inglês 2010/2011

  • Marco Van Basten – Holanda – Ajax 3×1 Den Bosch – Campeonato Holandês 1986/87

  • Rivaldo – Brasil – Barcelona 3×2 Valencia – Campeonato Espanhol 2000/01

  • Leandro Damião – Brasil – Internacional 2×2 Flamengo – Campeonato Brasileiro 2011

Manchester United vs. Barcelona, round IV - Final da Liga dos Campeões de 2009

27 de maio de 2011 0

Em 2009, Manchester United e Barcelona fizeram o confronto direto mais importante de suas histórias. De um lado, o time inglês, já tricampeão e buscando ser o primeiro time campeão consecutivo da Liga dos Campeões, desde o início do novo formato em 1993. Do outro, o gigante catalão buscando o tricampeonato europeu. Mais do que isto, a Tríplice Coroa, pois já havia obtido o título espanhol e da Copa do Rei. A decisão seria no majestoso estádio Olímpico de Roma.

Como atual campeão, teoricamente o time inglês seria o favorito. Porém não era isto que ocorria naquele time. Com Cristiano Ronaldo praticamente de saída (isto se confirmaria 2 meses depois), o time carecia de conjunto, tinha problemas com lesões e uma fase ruim de boa parte dos titulares.Michael Carrick e Anderson, que então jogava de volante, viviam um momento muito ruim.

Depois de uma primeira fase irregular, líder com 2 vitórias e 4 empates contra o Villarreal (Espanha), Aalborg (Dinamarca) e Celtic Glasgow (Escócia), o Manchester embalou na fase de mata-mata: despachou Internazionale, Porto (com direito a um gol histórico de Cristiano Ronaldo) e o arquirrival Arsenal com uma goleada nas semifinais de 4×1.

Já o Barcelona, em seu primeiro ano sob comando de Pep Guardiola, tinha um time que encantava a cada jogo e era o favorito dos torcedores e da imprensa. Em uma fase brilhante, o argentino Lionel Messi fazia uma dupla incrível no ataque com o camaronês Samuel Eto’o. Iniesta e Xavi começavam a montar o senhor meio-campo de futebol que assombraria o mundo pelos próximos anos.

Depois de atropelar na primeira fase o Sporting Lisboa (Portugal), o Shakhtar Donetsk(Ucrânia) e o Basel(Suíça), o Barcelona surrou o Lyon e o Bayern de Munique antes de duelos históricos contra o Chelsea. 0×0 no Camp Nou e 1×1 no finalzinho com um golaço de Iniesta garantiram a vaga na final, em um jogo fenomenal marcado pela polêmica arbitragem de Tom Henning Øvrebø, que teve quatro reclamações de pênalti do time inglês (eu teria dado 2 deles sem nem pensar) .

Na decisão, o jogo começou com uma blitz do Manchester United. Em menos de 10 minutos, o United perdeu três chances boas de gol com Cristiano Ronaldo, com o Barcelona visivelmente perdido. Então, o lance que decidiu o jogo: Iniesta conduziu a bola com liberdade sobre Carrick e Anderson e achou Eto’o. Este se livrou de Nemanja Vidic e chutou forte para fazer 1×0.Perdido, o Manchester viu Messi chutar perto do travessão dez minutos depois.

A estratégia do técnico Alex Ferguson de deixar Carlos Tévez, em grande fase, no banco, centralizar Wayne Rooney e adiantar Cristiano Ronaldo se mostrava um naufrágio completo. Xavi em falta e Messi em jogada individual deram sustos à Van der Sar, em uma noite surpreendentemente insegura.

No segundo tempo, Ferguson voltou ao esquema padrão, colocando Tévez no ataque e recuando Cristiano Ronaldo. Mas nem assim segurou, pois Thierry Henry e Xavi (de falta novamente e desta vez no travessão) quase ampliaram. O Manchester até tentou avançar, mas não conseguia controlar o jogo no meio-campo. Em atuação brilhante, Xavi comandava o setor e puxava os ataques blaugrana. A saída de Park para a entrada de Berbatov bagunçou o jogo de novo e decidiu a partida.

Aos 24 minutos, Xavi cruzou e o pequenino Messi cabeceou no alto, cruzado, marcando 2×0. Na saída de bola, Cristiano Ronaldo quase descontou para o United, mas depois não teve jeito. Nos minutos finais, a raça inglesa se tornou violência e Ronaldo, mais Paul Scholes, fizeram lances desleais passíveis de expulsão, mas só receberam amarelo. Aos espanhóis, algumas chances em contra-ataque, mas o título estava assegurado.

COMPACTO DO JOGO:

O Barcelona era tricampeão europeu! Até o final daquele ano, o Barcelona ainda conquistaria a Supercopa Espanhola e Européia e o Mundial de Clubes da FIFA. Todos os seis títulos no ano. É mole?

FICHA DA DECISÃO

27 de maio de 2009
ESTÁDIO OLÍMPICO DE ROMA (ITÁLIA)

BARCELONA: Valdés, Puyol, Touré, Piqué e Sylvinho; Busquets, Xavi e Iniesta (Pedro); Messi, Eto’o e Henry (Keita). Técnico: Pep Guardiola

MANCHESTER UNITED: Van der Sar, O’Shea, Ferdinand, Vidic e Evra; Carrick, Anderson (Tevez), Giggs (Scholes) e Park (Berbatov); Rooney e Cristiano Ronaldo. Técnico: Alex Ferguson


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round III - Os épicos jogos de 1994, 98 e 2008

27 de maio de 2011 0

Depois de contar dois mata-matas nos quais o Manchester United venceu o Barcelona, agora iremos contar a história de jogos bem mais recentes. O primeiro na fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa 1994/95, quando o Barça empatou em 2×2 no Camp Nou e surrou o Manchester por impiedosos 4×0 no Camp Nou. Depois, empates em 3×3 na temporada 1998/99. E por último, as semifinais da Liga na temporada 2007/08.

1994/95 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O Barcelona ainda lambia as feridas da derrota na final da Liga anterior, quando perdeu para um destroçado Milan (muitos desfalques) por 4×0. Ainda com Romário e Hristo Stoichkov, o time espanhol saiu atrás com um gol de Hughes. Mas no primeiro tempo, o “Baixinho” Romário empatou em jogada de alta velocidade. No segundo tempo, Bakero fez 2×1 e parecisa selar a vitória dos visitantes. Porém um gol espetacular de Lee Sharpe, de letra, selou o empate em Old Trafford. Veja os gols: http://www.youtube.com/watch?v=21Z6CVFOSrY

No segundo turno daquela fase de grupos, o Barcelona trucidou o United. Enfiou estrondosos 4×0 sem nenhuma apelação, em um ‘vareio de bola’ no Camp Nou.  Sem Peter Schmeichel e Eric Cantona (na época apenas 1 estrangeiro era permitido), o Manchester já levou 2×0 no primeiro tempo, gols de Stoichkov e Romário. Na etapa complementar, o búlgaro fez mais um antes que Albert Ferrer completasse o marcador, para delírio dos 115 mil torcedores presentes ao estádio do Barcelona. Naquele time começava a brilhar um jovem volante chamado Josep Guardiola, hoje treinador do Barcelona… Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=2A4OcyS2KPM

1998/99 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O segundo duelo é da temporada 1998/99, também pela fase de grupos da Liga dos Campeões. Na ocasião, em um “grupo da morte” o Barcelona (que fazia 100 anos naquela temporada) ficou na mesma chave do Manchester United, do Bayern de Munique (que seria o vice-campeão) e do pobre Brondby (Dinamarca), obviamente massacrado pelos gigantescos rivais. Então ocorreram dois empates em 3×3, sendo que o segundo eliminou o Barça da disputa e abalou a moral do técnico Louis Van Gaal.

No primeiro jogo em Old Trafford, o Manchester abriu 2×0. Com sua formação dita “perfeita”, com Roy Keane, Paul Scholes, Ryan Giggs e David Beckham, o time de Ferguson saiu na frente com gols de Giggs e Scholes. Mas comandado por Rivaldo, o Barcelona empatou no segundo tempo com os brasileiros Sonny Anderson e Giovanni (de pênalti). Beckham marcou um golaço de falta e fez 3×2, mas Luís Enrique,  novamente de pênalti, empatou e fechou em 3×3. Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=R4USdxYBMxE

No jogo de volta, o Barça precisava vencer para seguir vivo e logo a um minuto de jogo, fez 1×0 com Sonny Anderson. O Manchester empatou ainda no primeiro tempo com Dwight Yorke. Na etapa complementar, Andy Cole virou para 2×1 logo no início em uma grande tabelinha com Yorke. Mas Rivaldo descontou minutos depois em cobrança de falta. Aproveitando erros defensivos do Barcelona, Yorke marcou de novo para o United, antes de Rivaldo marcar um gol histórico, de bicicleta. Ele ainda chutou um míssil no travessão e ainda deixou Giovanni livre com um passe de calcanhar, mas o brasileiro errou e selou o marcador em um novo espetacular 3×3. Vejam os gols: http://www.youtube.com/watch?v=w3Lltd_g82c

2007/08 – LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA

O último grande enfrentamento entre estes gigantes do esporte mundial por fases preliminares em competições européias ocorreu em 2008. Na ocasião, o Manchester havia eliminado a Roma na fase anterior, enquanto o Barça havia batido o Schalke 04. No time inglês, Cristiano Ronaldo fazia uma temporada assombrosa ao lado de Wayne Rooney e Carlos Tévez, enquanto o Barcelona de Lionel Messi, Xavi e Iniesta vivia os últimos momentos sob comando de Frank Rikjaard, com um time já desgastado em sua maneira de jogar.

O primeiro jogo foi um horror, 0×0 na Espanha. A única coisa de realmente legal na partida foi o pênalti desperdiçado por Cristiano Ronaldo bem no início do jogo, e mais algumas boas defesas de Edwin Van der Sar. Vejam o compacto: http://www.youtube.com/watch?v=iiTUCQ2jd8c.

A segunda partida foi bem mais interessante, com chances de gol de ambos os lados. Logo no início, Paul Scholes marcou um gol característico de seu talento: um petardo ‘do meio da rua’. Depois, Ji Park-Sung, Deco, Nani (3x), Tévez e por último Thierry Henry desperdiçaram chances claras em um jogão de bola, que classificou o Manchester para a final contra o Chelsea (da qual sairia campeão). Vejam o compacto: http://www.youtube.com/watch?v=yZobrNI2yC4

SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round II - Final da Recopa Europeia em 1991

26 de maio de 2011 1

Continuando a série preparatória para a decisão da Liga dos Campeões da Europa, sábado entre Manchester United e Barcelona, vamos viajar no tempo até 1991. Depois de contarmos a história do jogo de 1984, pelas quartas-de-final da Recopa, vamos recordar a decisão entre estas duas equipes há exatos 20 anos, pela mesma Recopa (hoje extinta).

De um lado, o Barcelona que iniciava uma trajetória que lhe deixaria no topo do futebol europeu em menos de uma temporada. Já comandada pelo gênio inquieto do holandês Johan Crujff, o Barça tinha o talento do zagueiraço Ronald Koeman, a classe superior do dinamarquês Michael Laudrup e o oportunismo do artilheiro Julio Salinas. Faltavam ainda os craques Hristo Stoichkov e Romário, que chegariam na temporada seguinte.

Já o Manchester United no início de sua fase vitoriosa, já possuía a espinha dorsal defensiva de Dennis Irwin, Gary Pallister e Steve Bruce. No meio, a categoria de Bryan Robson e o dinamismo de Paul Ince, e no ataque a eficiência do galês Mark Hughes. O treinador já era Alex Ferguson.

O jogo único foi disputado no belo De Kuip, estádio do Feyenoord em Roterdã-HOL. Era a primeira decisão de um time inglês após os cinco anos de suspensão de todas as competições europeias após o massacre de Heysel, quando dezenas de torcedores da Juventus morreram após distúrbios com a torcida do Liverpool. Cercado de um colossal sistema de segurança, 50 mil torcedores assistiram um bom jogo.

Levemente inferior tecnicamente, o Manchester aproveitou a falta de experiência dos espanhóis contra o estilo direto de jogo, já que há anos nenhum time do continente tinha jogos oficiais contra os clubes ingleses. Enquanto o Barça tentava tocar a bola, o United abusava do jogo aéreo e das estocadas em velocidade.

Foi assim que saiu o primeiro gol já no segundo tempo, aos 23 minutos em conclusão de oportunismo de Hughes. Logo depois, o centroavante drbilou o goleiro Busquets (pai do atual volante do Barcelona Busquets) e, quase sem ângulo, chutou forte para fazer 2×0. Aos 35 do segundo tempo, Koeman(o maior zagueiro-artilheiro da história do futebol) bateu falta, o goleiro Les Sealey falhou e diminuiu para o Barcelona, 2×1. Dali em diante o Barça, mesmo com 1 jogador a menos (Nando expulso), massacrou o United, Mas a barreira defensiva inglesa se segurou e o Manchester foi campeão, primeiro título europeu de Ferguson no comando do time.


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United vs. Barcelona, round I - Recopa Europeia de 1984

26 de maio de 2011 0

De hoje até sábado, vamos contar aqui no Almanaque Esportivo a história de duelos históricos entre Manchester United e Barcelona, finalistas da Liga dos Campeões da Europa em Londres. A capital inglesa receberá dois tricampeões europeus, e somente um obterá o tetra da Liga.

Estas duas equipes já se enfrentaram em finais européias (Recopa em 1991, Liga dos Campeões em 2009), e tiveram duelos épicos nas temporadas de 1984, 1994, 1999 e 2008. Serão estas histórias a serem contadas a partir de agora, na contagem regressiva da grande decisão no templo sagrado de Wembley.

A primeira história é uma das mais marcantes. Pelas quartas-de-final da Recopa Europeia, competição extinta que reunia os campeões das copas nacionais de cada país, Manchester United e Barcelona se enfrentaram na Espanha e depois na Inglaterra. De um lado, o Barcelona com os astros Bernd Schuster e Diego Maradona. Do outro, um time que tinha os talentos de Bryan Robson e Norman Whiteside.

No primeiro jogo, o Barcelona enfiou 2×0 no Camp Nou lotado. Porém o resultado não fez jus à partida, pois o United jogou bem e merecia melhor sorte. Tanto é que os gols foram de Graeme Hogg (contra) e  Rojo, já nos acréscimos. Sendo assim, a confiança dos quase 60 mil torcedores do United no jogo de volta era grande. Todos confiavam em uma grande atuação de Robson, conhecido também como “Capitão Marvel“. E foi isto que ocorreu em uma épica noite na qual o Manchester United superou o Barcelona!

O jogo começou com uma blitz inglesa no clássico estilo de jogo vertical e bolas longas, o ‘kick-and-rush’. Foi assim que o time do técnico Ron Atkinson imprensou os catalães em seu campo até que Bryan Robson, em jogada ensaiada de escanteio após desvio do redimido Graeme Hogg, fizesse  1×0 aos 27 minutos. O United seguiu pressionando, e Maradona tentava empurrar o Barça para o ataque, sem sucesso. Depois de inúmeras chances de gols perdidas, terminava o primeiro tempo.

Na etapa final, a pressão do time da casa foi ainda superior. A saída de bola do Barcelona foi testada até seu limite, com êxito: depois de recuada errada de Pinto e rebatida do goleiro Urruti, o Manchester perdeu 2 gols no mesmo lance antes que Robson aproveitasse rebote de Urruti e fizesse 2×0.

Dois minutos depois, com o Barcelona atordoado, nova sequência de conclusões e Frank Stapleton fuzilou o arco catalão desguarnecido, Manchester 3×0. Precisando de um gol  para levar o jogo às penalidades máximas, a equipe espanhola foi para o ataque e teve chances com o gênio de Maradona, sem resultado.

Final, Manchester classificado, invasão de campo. Loucura em Old Trafford:


SÉRIE COMPLETA DOS DUELOS ENTRE BARCELONA E MANCHESTER UNITED

Manchester United na história: o soberano da Inglaterra com 19 títulos

14 de maio de 2011 2

O suado empate em 1×1 contra o Blackburn Rovers deu o título do Campeonato Inglês para o Manchester United. Mais do que isto, o time se sagrou vencedor pela 19° vez da competição, superando o arquirrival Liverpool na soberania do futebol da terra da Rainha. A conquista veio com uma rodada de antecipação, sendo inalcançável pelo virtual vice-campeão, o Chelsea. E a festa pode ser completa, pois dia 28 ocorre a final da Liga dos Campeões da Europa contra o Barcelona em Wembley, bem pertinho de Manchester.

A vitória de hoje é histórica. Desde 1976, o Liverpool tinha a hegemonia do futebol nacional ao conquistar seu nono título e superar o Arsenal. Ganhou mais nove conquistas até 1990, quando obteve seu último Inglês. Neste momento, o Manchester United amargava um longo jejum desde 1967 sem conquistas. Um presidente do Manchester City, campeão em 1968, chegou a falar nos anos 80: “O City foi o último campeão nacional de Manchester e será o próximo“. Proféticas palavras… ao contrário.

O título de hoje é a síntese do trabalho do técnico Alex Ferguson, há 25 anos no comando do time. Hoje “Sir” (Cavaleiro da Rainha), o escocês de 70 anos assumiu o time no meio do jejum, que teve direito a uma temporada na Segunda Divisão em 1976. Dez anos depois, depois de surpreendentes e contínuos títulos no futebol escocês pelo modesto Aberdeen (incluindo uma inacreditável Recopa Européia!), últimos títulos que escaparam da dupla de Old Firm (Glasgow Rangers e Celtic Glasgow).

Depois de recusar uma proposta do Arsenal (ele só não foi porque Walter Smith, que seria seu auxiliar técnico, assumiu o Glasgow Rangers), chegou a Old Trafford em um time que vivia do passado. Coube a ele reestruturar um time mágico nos anos 50 (arrasado pelo acidente aéreo de Munique) e igualmente espetacular nos anos 60 (conquistando 3 títulos nacionais e uma Copa dos Campeões da Europa), Ferguson correu risco de ser demitido em 1990, caso não vencesse o rival Manchester City em uma Copa da Inglaterra. Venceu por 1×0 e acabou conquistando aquele torneio, e depois a Recopa Européia.

Era o fôlego que precisava Ferguson. Naquele mesmo ano, a reestruturação das categorias de base lançava seu primeiro diamante. Um tímido ponteiro esquerdo galês chamado Ryan Giggs, com 17 anos. Ele iniciou o lançamento da geração chamada “Class of 92″ (campeã da Copa da Inglaterra de Juniores), que tinha ele e mais David Beckham, Paul Scholes, Gary Neville e Nicky Butt.

"Adeus Cantona e United - Voltem aqui somente quando tiverem 18 títulos"

Dali para frente… Tudo seria diferente… Para a temporada seguinte, Ferguson faria seu grande golpe: contrataria a peso de ouro o francês Eric Cantona do arquirrival Leeds United. Polêmico, sanguíneo, o astro francês comandou um período de glórias do United conquistando seu primeiro título após 25 anos, justamente no início da Premier League em 1993 e que já tinha talentos como Peter Schmeichel, Roy Keane e Mark Hughes.

Então, um momento curioso: em janeiro de 1994, a torcida do Liverpool fez uma faixa escrita “Adeus, Cantona e United. Voltem aqui quando tiverem 18 títulos” após um empate em 3×3 em Anfield Road.

A saída de Cantona, que abandonou o futebol precocemente em 1997, não abalou o time. Pelo contrário, abriu o espaço para a afirmação do inesquecível time da Tríplice Coroa, que conquistou o Campeonato Inglês, a Copa da Inglaterra (incluindo um lendário duelo contra o Arsenal na semifinais e o mágico gol de Giggs:

E a final da Liga dos Campeões, virando por 2×1 contra o Bayern de Munique com os dois gols nos acréscimos marcados por Teddy Sheringham e Ole Solskjaer.

Ver Ryan Giggs visivelmente emocionado, conquistando seu décimo segundo título Inglês no auge de seus 37 anos, é algo impressionante. Com quase 900 jogos e quase inacreditáveis 33 títulos pelo Manchester United, é realmente especial. Ele acaba de igualar o recorde mundial do goleiro português Vítor Baia, e pode superar caso vença a Liga dos Campeões (o que seria, para ele, um tricampeonato do torneio).

Finalmente, depois de 17 anos aguardando o momento certo, chegou a vez de colocar a faixa, respondendo aqueles torcedores de Anfield Road em um longínquo inverno de 1994:

Recordes de Giggs, de Ferguson, do Manchester United.

O novo soberano da Inglaterra!

HISTÓRIA DO FUTEBOL - Site com fotos raríssimas e sensacionais

01 de abril de 2011 0

Imagens raras, momentos históricos do futebol mundial. Ou lances desconhecidos de atletas que há muito já se foram. Mais de um século de imagens obtidas em um arquivo pessoal mantido por jornalistas ingleses estão disponíveis na internet.

Por uma indicação do amigo de longa data Alexandre Aníbal, conheci o site de imagens ‘The Football Archivist“, “O Arquivo do Futebol” em uma tradução literal do inglês.

O site é simplesmente espetacular. São mais de 100 fotos entre 1893 e 1982, se eu não me engano. Não vou ficar enrolando, apenas colocarei abaixo algumas das imagens mais legais. Como não consegui deduzir se posso usar as imagens ou não, deixei apenas os links.