Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Vasco da Gama"

BID DA CBF: Inter tem 144 jogadores, Grêmio tem 121 atletas

13 de agosto de 2013 7

O Inter é um dos tmes brasileiros com mais jogadores entre os times da Série A do Brasileirão no BID da CBF, que reúne os jogadores aptos para atuar em competições nacionais, sejam profissionais ou amadores. São 164 144 atletas (houve uma confusão no site da CBF que misturava o BID do Inter com o do Inter-SM, corrigda pela T.I. da CBF)  ao todo pela equipe de Porto Alegre. Estes números são inflacionados pelo fato do colorado ainda ter o time B.  O Grêmio é o sexto colocado, com 121.

BID da CBF – Reprodução http://www.cbf.com.br

Os dados foram compilados pelo jornalista paranaense Cauhê Miranda e estão atualizados até o dia 24 de julho deste ano. Me surpreendeu que o Corinthians seja o segundo e a redução drástica nos números do Atlético-PR, que já chegou a ter mais de 200 jogadores no BID e agora tem apenas 91.  Dica de post do amigo Franco Cruz.

CONFIRA O RANKING COMPLETO (dados de 24/07)

1. Corinthians – 149
2.Internacional – 144 (agora a correção)
3. Bahia – 135
4. São Paulo – 135
5. Atlético-MG – 122
6. Grêmio – 121
7. Fluminense – 112
8. Cruzeiro – 101
9. Coritiba – 98
10. Vasco – 96
11. Vitória – 95
12. Santos – 94
13. Flamengo – 92
14. Atlético-PR – 91
15. Botafogo – 91
16. Goiás – 69
17. Ponte Preta – 67
18. Náutico – 66
19. Criciúma – 60
20. Portuguesa – 53

Inter não vencia 3 partidas seguidas há 76 rodadas no Campeonato Brasileiro

22 de julho de 2013 5

A dramática vitória de 1×0 sobre o Flamengo foi o terceiro triunfo consecutivo do Internacional nesta Série A. Ela ocorreu após triunfos de 5×3 sobre o Vasco da Gama e 3×2 no Fluminense, fora de casa. Há exatos 76 jogos o Colorado não obtinha uma série tão positiva na competição. Foram 30 jogos em 2011, os 38 de 2012 e mais os 8 primeiros na atual edição.

06 de julho de 2011, 8º rodada do Campeonato Brasileiro. Com uma suada vitória de 1×0 sobre o Atlético-PR, gol de Oscar o Internacional vencia o terceiro jogo consecutivo naquele Brasileirão. Treinado por Paulo Roberto Falcão, o Inter vinha de vitórias sobre o Figueirense por 4×1 e 4×0 sobre o Atlético-MG (fora de casa), e entrava no G4. Na sequência, perderia 3 jogos e Falcão seria demitido. Reveja o gol daquela vitória:

Em competições nacionais e internacionais, descontando jogos do Estadual, o Inter não ganhava três seguidas desde este mesmo jogo, mas o jejum havia sido superado no último sábado, quando bateu o Fluiminense por 3×2, contando ainda com o 3×1 no América-MG pela Copa do Brasil.

"Era Pontos Corridos": Inter melhora, Grêmio não ganha há 4 anos em estréias

21 de maio de 2012 0

Desde 2003 o Campeonato Brasileiro é disputado em pontos corridos, todos contra todos em turno e returno. Desde então o aproveitamento da dupla Gre-Nal não é dos melhores nas partidas inaugurais.  O Inter só venceu 3 vezes, com 3 empates e 4 derrotas.

O Internacional, que desde os anos 90 se especializou em arrancadas ruins, chegou a ficar cinco anos sem vencer na primeira rodada. Foi ganhar pela primeira vez apenas em 2008, um chorado 1×0 no Vasco com gol do zagueiro Sídnei. No ano seguinte, o momento mais marcante: 1×0 sobre o Corinthians no Pacaembu, com direito ao gol antológico de Nilmar, driblando meio time alvinegro. Já o pior momento foi a derrota de 3×2 para o Botafogo em 2007, em um jogo que seria a tônica da má-campanha colorada naquela competição.

ESTRÉIAS COLORADAS

  • 2003: Internacional 1×1 Ponte Preta – EMPATE
  • 2004: Figueirense 1×0 Internacional – DERROTA
  • 2005:  Internacional 0×2 Botafogo – DERROTA
  • 2006: Vasco da Gama 1×1 Internacional – EMPATE
  • 2007: Internacional 2×3 Botafogo – DERROTA
  • 2008: Internacional 1×0 Vasco da Gama – VITÓRIA
  • 2009: Corinthians 0×1 Internacional – VITÓRIA
  • 2010: Internacional 0×1 Cruzeiro – DERROTA
  • 2011: Santos 1×1 Internacional – EMPATE
  • 2012: Internacional 2×0 Coritiba – VITÓRIA

O retrospecto do Grêmio é ainda pior: duas vitórias, três empates e quatro derrotas na primeira rodada. O Tricolor não vence desde 2008, quando surpreendeu o São Paulo em pleno Morumbi e venceu por 1×0, em uma atuação de luxo do time que dominaria totalmente o primeiro turno daquele Campeonato Brasileiro. Mas, na minha opinião, o momento emblemático ocorreu em 2006: no primeiro jogo após o retorno da Série B, um Olímpico lotado viu o Grêmio jogar muita bola e bater o Corinthians, então campeão brasileiro e com Tévez no ataque, por 2×0.

ESTRÉIAS TRICOLORES

  • 2003: Atlético-PR 2×0 Grêmio – DERROTA
  • 2004: Grêmio 0×0 Flamengo – EMPATE
  • 2006: Grêmio 2×0 Corinthians – VITÓRIA
  • 2007: Paraná 3×0 Grêmio – DERROTA
  • 2008: São Paulo 0×1 Grêmio – VITÓRIA
  • 2009: Grêmio 1×1 Santos – EMPATE
  • 2010:  Atlético-GO 0×0 Grêmio – EMPATE
  • 2011: Grêmio 1×2 Corinthians – DERROTA
  • 2012: Vasco da Gama 2×1 Grêmio – DERROTA

Grêmio atropela no centésimo jogo do Bahia pela Copa do Brasil: confira os recordistas

18 de maio de 2012 0

100. Este é o número de jogos da história do Bahia pela Copa do Brasil. Mas o Grêmio não quis saber e deu um verdadeiro “presente de grego” contra o tricolor baiano, vencendo por 2×1 em pleno Pituaçu e praticamente se garantindo nas semifinais da competição.

Fernando comemora o gol de empate do Grêmio contra o Bahia - Diego Vara/RBS

O Grêmio, apesar de dividir com o Cruzeiro o recorde de títulos na Copa do Brasil (4 conquistas), tem um número bem maior de jogos. É o recordista com 139 partidas, superando o Vasco da Gama na noite de ontem (o time carioca está fora da Copa do Brasil). Logo na sequência, Flamengo, Atlético-MG e Vitória completam o G5. Antes que me perguntem, o Internacional tem 99 jogos.

TIMES COM MAIS JOGOS NA HISTÓRIA DA COPA DO BRASIL

  1. GRÊMIO – 139 jogos
  2. VASCO DA GAMA – 138 jogos
  3. FLAMENGO – 132 jogos
  4. ATLÉTICO-MG – 128 jogos
  5. VITÓRIA – 126 jogos
  6. CORINTHIANS – 114 jogos
  7. PALMEIRAS – 108 jogos
  8. FLUMINENSE – 107 jogos
  9. CRUZEIRO – 106 jogos
  10. BOTAFOGO – 103 jogos
  11. GOIÁS – 101 jogos
  12. BAHIA – 100 jogos

Fonte: Arquivo Pessoal do pesquisador Edison Klein

Campeonato Brasileiro: Recordes e maiores goleadas desde 1971

17 de maio de 2012 5

Em 41 anos de história (não vou considerar a unificação dos títulos), o Campeonato Brasileiro teve muitos campeões: 17 equipes. A principal competição nacional também já teve um número quase insano de fórmulas, bizarras em sua maioria (uma delas tinha como critério de classificação a média de público, em 1974!) até a estabilização com os pontos corridos desde 2003. Mas e as goleadas? E os recordes? Todas as infos estatísticas foram obtidas com o sempre atento colaborador Edison Klein.

No Campeonato Brasileiro foram 2011 goleadas em 15.250 jogos desde 1971, totalizando 13,18%. Na “era pontos corridos” (isto é de 2003 em diante), a frequência de goleadas aumenta: 14,45% de goleadas, 556 em 3846 jogos. Sempre considerando goleada por 3 gols ou mais.

O time que mais goleou neste período é o Santos. A equipe paulista sapecou 113 goleadas até o momento, superando por muito pouco o São Paulo, que tem 112. Na sequência, o Cruzeiro com 107 goleadas, o Internacional com 103 e três times empatados com 95: Flamengo, Vasco da Gama e Atlético-MG. Em casa, o recordista de surras também é o Santos com 85, à frente de Cruzeiro e São Paulo com 81. Já como visitante, o São Paulo tem 31 goleadas, o Santos tem 28 e o Palmeiras 27.

No quesito negativo, o inglório líder das estatísticas é o Vitória com 67 goleadas sofridas, à frente de Goiás (61), Flamengo (57), Botafogo (54) e Cruzeiro (52). Em casa o time mais goleado da história é o Corinthians, com 20 derrotas. Depois, o Vitória com 19 e, empatados, Cruzeiro e Goiás com 14 derrotas por goleada. Já fora de seus domínios, o ‘líder’ é o Vitória com 48, à frente de Goiás com 47, Flamengo e Paysandú com 45.

As maiores goleadas de todos os tempos no Brasileirão:

  1. 09/02/1983 – Corinthians 10×1 Tiradentes/PI
  2. 14/02/1984 – Vasco da Gama 9×0 Tuna Luso/PA
  3. 02/10/1986 – Guarani 8×2 Piauí/PI
  4. 05/12/1993 – Guarani 8×2 Remo/PA
  5. 16/09/1976 – Flamengo 8×1 Sampaio Corrêa-MA
  6. 23/03/1980 – Vitória/BA 8×1 América/RN
  7. 07/02/1982 – Guarani 8×1 Ceará
  8. 04/02/1982 – Guarani 8×0 River/PI
  9. 04/02/1981 – Flamengo 8×0 Fortaleza
  10. 08/11/1997 – Internacional 7×0 Bragantino (OBS: valeu, Otávio!)

Copa do Brasil: Recordes e maiores goleadas desde 1989

13 de abril de 2012 2

Ontem tivemos mais três jogos da Copa do Brasil 2012. Curiosamente três goleadas pela mesma diferença: Atlético-PR 5×1 no Criciúma, mais os 4×0 da Portuguesa no Juventude e do Fortaleza sobre o Náutico, todos pela segunda fase da competição. Considerando-se “goleada” no critério por 3 ou mais gols de diferença. A maioria das informações deste post são do grande colaborador Edison Klein.

Até hoje foram 447 goleadas em 2245 jogos, percentual de 19,91% na competição. Para efeito de comparação, no Campeonato Brasileiro foram 2011 goleadas em 15.250 jogos desde 1971, totalizando 13,18%. Se formos considerar apenas desde 1989, foram 13,19% de goleadas, 1022 em 7746 jogos. Idêntico! Mesmo nos pontos corridos (isto é de 2003 em diante), este panorama não se inverte, pelo contrário: 14,45% de goleadas, 556 em 3846 jogos. Confesso que fiquei bastante surpreso com estes dados.

O Atlético-MG é o time que mais goleou na história desta competição nacional: 25 vezes, a última de 5×0 no Peñarol-AM fora de casa. Ele superou o Flamengo, que tem 24 goleadas, o São Paulo e o Vasco da Gama com 21 goleadas. Na sequência, Vitória, Palmeiras, Corinthians e Cruzeiro com 20. Em casa, o Atlético-MG e o Vitória tem 17 goleadas, contra 16 do Palmeiras. Já como visitante, o recordista é o Corinthians com 9, seguido por Atlético-MG e Flamengo com 8.

O outro lado da moeda: os times mais goleados da competição. O ‘recorde’ é dividido por quatro times: CSA-AL, Rio Branco-AC, Remo e América-RN, todos goleados 9 vezes. Em casa, o América-RN, o CSA-AL, o Flamengo-PI, o Náutico e, pasmem, o Vasco da Gama tem 3 goleadas sofridas. Já como visitante, o Remo ‘lidera’ com 8, seguido por Rio Branco-AC e Atlético-MG.
Como referência, as maiores goleadas da competição em todos os tempos:

  1. 28/02/1991 – Atlético/MG 11 x 0 Caiçara/PI – Belo Horizonte/MG
  2. 28/03/2001 – São Paulo/SP 10 x 0 Botafogo/PB – São Paulo/SP
  3. 10/03/2010 – Santos/SP 10 x 0 Naviraiense/MS – Santos/SP
  4. 06/04/1993 – Internacional/RS 9 x 1 Ji-Paraná/RO – Porto Alegre/RS
  5. 28/02/1996 – Sergipe/SE 0 x 8 Palmeiras/SP – Aracajú/SE
  6. 10/02/1998 – Vasco da Gama/RJ 8 x 0 Picos/PI – Rio de Janeiro/RJ
  7. 04/03/1997 – Portuguesa/SP 8 x 0 Kaburé/TO – São Paulo/SP
  8. 26/04/1995 – Flamengo/RJ 8 x 0 Kaburé/TO - Rio de Janeiro/RJ
  9. 15/03/2000 – Interporto/TO 0 x 8 Bahia/BA – Porto Nacional/TO

A "Maldição dos oito anos" vai rebaixar o 6º time: o Cruzeiro! Será?

23 de novembro de 2011 1

Os ‘números‘ são incontestáveis: o Cruzeiro será rebaixado! Ao menos é o que indica a já conhecida “Maldição dos oito anos” para deleite dos arquirrivais atleticanos.Campeão brasileiro em 2003, há exatos oito anos, a Rap0sa vive um momento desesperador no atual Brasileirão de 2011

Até hoje quatro CINCO (valeu Augusto Faber Flores!) campeões brasileiros tiveram o desprazer de serem rebaixados oito anos depois. O primeiro foi o Coritiba, campeão em 1985 e rebaixado em 1993. Depois, o Palmeiras, em 1994 e rebaixado em 2002. Depois o Grêmio, campeão em 1996 e rebaixado em 2004. A próxima vítima foi o Corinthians, campeão em 1999 e rebaixado em 2007. E o último amaldiçoado foi o Vasco da Gama, campeão em 2000 e rebaixado em 2008.

OBS: O curioso é que o Atlétic0-MG foi rebaixado em 2005 mas não foi campeão em 1997, caindo na fase semifinal da Série A.

OBS2: Os meus amigos cruzeirenses (Lincolm, Thiago) vão me matar…

Alambrado cai na Espanha; confira outros acidentes semelhantes no Brasil e Mundo

22 de janeiro de 2011 0

O jogo Granada 2×1 Recreativo Huelva, pela Segunda Divisão da Espanha, quase terminou em tragédia. Emocionados com a vitória de virada com 1 jogador a menos desde o primeiro tempo, torcedores do Granada foram comemorar com os atletas e o alambrado cedeu. Cinco ficaram feridos, sem gravidade.

O Huelva vencia por 1×0 desde o primeiro tempo, quando Roberto fez pênalti e foi expulso. Muñoz fez 1×0 para os visitantes. Em um jogo emocionante, os dois times perderam vários gols até que Orellana empatou aos quinze do segundo tempo. Faltando dois minutos para o término da partida, Mainz virou o jogo para o Granada e foi comemorar com a torcida. O alambrado cedeu, vejam imagens:

O curioso é que o acidente lembra muito outro fato igualmente ocorrido em gramados espanhóis. Foi com o atacante Martin Palermo, então no Villarreal. Em um jogo contra o Levante pela Copa do Rey, Palermo foi comemorar com a torcida um gol e o alambrado cedeu, exatamente como hoje. Porém na ocasião, Palermo sofreu uma lesão grave e quebrou a perna. Vejam as imagens:

Certa vez Marcelinho Carioca foi jogar a camisa para a torcida em um estádio do interior paulista quando o muro cedeu e vários torcedores do Corinthians tiveram lesões graves. Foi em um amistoso contra o Taubaté em 1995

Outro fato histórico ocorreu em 1964, em um jogo do Santos de Pelé contra o Corintihans pelo Campeonato Paulista. Absurdamente, mais de 33 mil torcedores foram na acanhada Vila Belmiro. Supelotado, o alambrado cedeu ao peso dos torcedores e caiu. Mais de 180 feridos naquele acidente:

O mais grave ocorreu na final do Campeonato Brasileiro de 2000, a Copa João Havelange. O Vasco da Gama recebia o São Caetano, quando uma confusão acabou causando a queda do alambrado do estádio de São Januário, causando quase 200  feridos:

Brasileirão 2010 - Balanço final, quem ficou no 'meião' da tabela

14 de dezembro de 2010 1

Continuando a análise do Brasileirão 2010, vamos avaliar os times que ficaram na zona intermediária, não da tabela, mas de seus objetivos. Ou seja, times que almejavam o título e ficaram em 3° lugar entram aqui, assim como times que não tinham grandes ambições na competição.

São os casos de: Cruzeiro, Corinthians, Atlético-PR, Botafogo, Internacional, Santos, Vasco da Gama e Avaí

Cruzeiro – Vice-Campeão

Apesar do segundo lugar, a temporada termina em frustração para o Cruzeiro. Muitos equívocos de arbitragem empataram com a falta de eficiência ofensiva do time. Alguns jogos com time reserva, a eliminação na Libertadores em maio somada à troca de Adílson Batista por Cuca também tumultuaram a temporada. De positivo, a barganha na contratação do argentino Walter Montillo e a força do elenco cruzeirense, que se segurou na Série A mesmo repleto de lesões.

Destaques positivos: Fábio, Fabrício, Montillo

Destaques negativos: Wellington Paulista e todos os zagueiros.

Corínthians – Terceiro Lugar

Coloco o Corinthians no grupo dos medianos porque era o ano do Centenário, um investimento pesado foi feito e o resultado não foi o esperado. Mano Menezes deixou o time em primeiro lugar, e foi para a Seleção Brasileira A péssima fase em setembro, com oito jogos sem vitória custou a queda de Adílson Batista e provavelmente o título. Ao menos, a vaga para a obsessão Libertadores em 2011 foi assegurada.

Destaques positivos: Elias, Júlio César e Jorge Henrique

Destaques negativos: Ronaldo, Souza



Atlético-PR – Quinto lugar

A temporada termina como começou: sem títulos. Entretanto, o time foi até além do esperado no Campeonato Brasileiro, considerando o mínimo investimento e a falta de qualidade geral do time. Para quem flertou com o rebaixamento, terminar em quinto lugar é muito bom com a melhor defesa jovem do campeonato.

Destaques positivos: Neto, Manoel, Rodolpho e Paulo Baier

Destaques negativos: Todos os atacantes e volantes

Botafogo – Sexto lugar

O campeão carioca termina o ano com a frustração de não ter obtido a vaga na Libertadores, objetivo bem plausível ao longo da competição. Porém o Fogão ficou muito longe do risco de rebaixamento durante toda a Série A, perigo comum nas últimas duas décadas. Faltou qualidade, simples assim.

Destaques positivos: Antônio Carlos, Jéfferson

Destaques negativos: Lúcio Flávio, Alessandro, Edno

Internacional – Sétimo lugar

O Inter começou o campeonato poupando jogadores para a Libertadores e terminou o campeonato poupando para o Mundial. Um time que jogou mais de 10 jogos com seu time reserva só poderia ficar longe do título. Alguns fiascos fora, outras vitórias  retumbantes mostraram a irregularidade vermelha em um torneio que não foi levado a sério praticamente nenhuma vez em sete meses de disputa.

Destaques positivos: D’Alessandro, Bolívar, Kléber

Destaques negativos: Renan, Edú e os jogos comandados por Jorge Fossati

Santos – Oitavo lugar

Exatamente como o Inter, o Santos levou muito pouco a sério o Brasileirão por já estar na Libertadores 2011. Chegou até a ficar perto do título, mas derrotas vergonhosas como a ocorrida para o Grêmio Prudente em plena Vila Belmiro mostravam a fragilidade do time. Isto somado à ausência de Paulo Henrique Ganso ao longo de todo o segundo turno, mais a instabilidade emocional de Neymar (que custou a saída do técnico Dorival Júnior), deixam o Santos na zona da marola em 2011

Destaques positivos: Zé Eduardo, Rafael, Neymar e Paulo Henrique Ganso

Destaques negativos: a saída de Dorival Júnior e o péssimo futebol de Keirrison

Vasco da Gama – Décimo-primeiro lugar

O Vasco montou um time bem ruim até a parada da Copa, correndo riscos de rebaixamento. O defensivo técnico PC Gusmão veio e com ele reforços de qualidade, como Zé Roberto, Éder Luís e Felipe. Deu certo e o time não sofreu sustos, com tempo ainda de ter brilhos individuais com alguns jogadores.

Destaques positivos: Éder Luís, Fernando Prass e Dedé

Destaques negativos: o absurdo número de empates e a falta de um centroavante nato


Avaí – Décimo-quinto lugar

Depois da histórica sexta-colocação de 2009, o Avaí fez tudo errado. Montou um time pior, esqueceu do centroavante. Trocou de treinador várias vezes, perdeu a relação com a torcida. Mas em uma reação espetacular nas últimas cinco rodadas, se recuperou e escapou da quase inexorável Série B, que sempre foi o objetivo inicial do time. Acabou na média.

Destaques positivos: O meia atacante Caio e a recuperação nas rodadas finais

Destaques negativos: lesão do atacante Roberto e falta de meio-campo

Libertadores 2011 - Ranking de participações de times brasileiros

09 de dezembro de 2010 13

Com a vitória do Independiente na final da Copa Sul-Americana, a última vaga brasileira na Copa Libertadores 2011 ficou com o Grêmio. Sendo assim, os seis times brasileiros na competição serão: Internacional (atual campeão), Santos (campeão da Copa do Brasil), Fluminense (campeão brasileiro), Cruzeiro (vice-campeão), Corinthians (3º colocado) e Grêmio (4º lugar).

Até hoje, 27 times brasileiros disputaram a principal competição continental, com 14 conquistas. Pela primeira vez desde 2003, o São Paulo não irá disputar a competição, na qual é o maior campeão brasileiro (3 conquistas) e time que mais disputou (15 participações). O Palmeiras, que disputou 14 vezes o torneio, também está de fora. Já o Grêmio vai para sua 13º participação, quatro a mais que o Internacional (9 disputas).

Confiram o ranking completo:

  1. São Paulo – 15 disputas – 3 títulos
  2. Palmeiras – 14 disputas – 1 título
  3. Grêmio – 13 disputas – 2 títulos
  4. Cruzeiro – 13 disputas – 2 títulos
  5. Santos – 11 disputas – 2 títulos
  6. Flamengo – 10 disputas – 1 título
  7. Internacional – 9 disputas – 2 títulos
  8. Corinthians – 9 disputas
  9. Vasco da Gama – 7 disputas – 1 título
  10. Atlético-MG – 4 disputas
  11. Atlético-PR – 3 disputas
  12. São Caetano – 3 disputas
  13. Fluminense – 3 disputas
  14. Botafogo – 3 disputas
  15. Guarani – 3 disputas
  16. Bahia – 3 disputas
  17. Sport – 2 disputas
  18. Coritiba – 2 disputas
  19. Criciúma – 1 disputa
  20. Paysandú – 1 disputa
  21. Paraná – 1 disputa
  22. Goiás – 1 disputa
  23. Santo André – 1 disputa
  24. Paulista – 1 disputa
  25. Náutico – 1 disputa
  26. Bangu – 1 disputa
  27. Juventude – 1 disputa