Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O terminal que ocupou a praça

17 de janeiro de 2012 11

Contam-se aos milhares as pessoas que circulam pelo Terminal Pereira Parobé, ao lado do Mercado Público, no centro de Porto Alegre. Inaugurado em 2000, o ponto ocupa uma área que já teve aparências bem diferentes ao longo das décadas. No século 19, por exemplo, o local era ocupado por uma doca para pequenas embarcações, que traziam produtos – especialmente frutas – para o Mercado Público. Veja:

Foto: Virgílio Calegari, reprodução
Pintura de 1880, de Athayde D’Ávila. Foto: reprodução

Em 1919, com as obras no cais do porto, a doca foi aterrada. Havia um projeto de ocupar o local com um teatro municipal, mas a ideia acabou não vingando. Em 1925, o então prefeito Otávio Rocha decidiu fazer ali uma praça, batizada em homenagem ao engenheiro e professor João José Pereira Parobé, ex-secretário estadual de Obras Públicas.

Foto: Acervo Tecidos Raphael Dabdab, divulgação
Foto: Acervo O. A. Fett, reprodução

Uma década depois, a praça ajardinada ganhou um abrigo para os passageiros dos bondes Navegantes e São João – prédio hoje tomado por fruteiras e lancherias. A enchente de 1941 fez grandes estragos no local, que passou a ser usado como estacionamento de carros.

Foto: Léo Guerreiro, arquivo pessoal

Mais adiante, o espaço tornou-se ponto final para várias linhas de ônibus, especialmente da Zona Norte.

O ponto de ônibus na década de 1960.  Foto: Cartão Postal Mercator, divulgação
O ponto de ônibus no final da década de 1980. Foto: Genaro Joner, BD, 1/9/1989

Essa função foi consagrada com a construção do terminal atual.

Foto: Dulce Helfer, BD, 11/1/2000

Se vai ser esse o aspecto definitivo da Praça Pereira Parobé, não saberemos.

Você lembra das outras fases da Praça Pereira Parobé? Deixe seu comentário.

Comentários (11)

  • Fernando de Oliveira diz: 17 de janeiro de 2012

    Impressionantes as modificações pelas quais passou a Praça Parobé em mais de um século. Até então, era inimaginável pensar na praça Parobé como um doca de embarcações. É curiosa tbm a foto de quando foi transformado em praça, com poucas pessoas transitando e raros veículos. Hj seria simplesmente impossível tirar uma foto assim.

  • Bruno diz: 17 de janeiro de 2012

    Eu não tinha ideia de como era bonita essa praça. É uma pena que hoje seja um dos locais mais feios e sujos do centro de Porto Alegre. Fiquei tentando imaginar aquela praça nos dias de hoje, como a cidade seria bonita, como era bonita antigamente com belas praças entre elas a Praça da Alfandega que recentemente foi aberta novamente e esta muito bonita.
    É uma pena que nada disso que tornava nossa cidade muito mais bonita exista mais.

  • Ronald diz: 17 de janeiro de 2012

    Aos poucos uma praça muito bonita e elegante cedeu espaço a um lugar sem graça e pouco atraente. Não desmereço este espaço que é muito útil, mas muitas vezes deixamos de lado o bonito para dar espaço ao prático e, assim descaracterizamos a nossa cidade e os feitos pelos nossos antepassados.

  • Fabio Viana diz: 17 de janeiro de 2012

    História ilustrada da decadência de uma cidade.
    Hoje essa parte do centro é um chiqueiro a céu aberto. Se ainda existisse a praça Parobé como em 1925, certamente estaira tomada por mendigos, usuários de crack e batedores de carteira, fora a sujeira que não seria a tal praça.

  • leandro diz: 17 de janeiro de 2012

    a praça arborizada, deveria fazer parte do terminal novamente, aquela época era linda,e a praça como esta na foto é MAGNIFICA. VELHOS TEMPOS, VELHOS DIAS, HOJE MEUS DOMINGOS SÃO DOCES RECORDAÇÕES…..

  • Cacá,”a praça é nossa”. diz: 17 de janeiro de 2012

    Realmente as fotos deixam muitas saudades de um tempo em que a cidade era mais bonita e cuidada,não só pelo poder público,mas pelos cidadãos que em vez de conservá-la limpa hoje,emporcalham-na para depois reclamar da sujeira.O ponto negativo da fotos é a presença feia e inacabada do prédio da antiga Casas Carvalho que se vê ao fundo deixando um ar de desleixo no centro da capital dos gaúchos.

  • sarita cunha diz: 17 de janeiro de 2012

    como é bom lembrar…lembro que quando criança, íamos comprar verduras fresquinhas na rua em frente ao mercado, bem cedinho.e que era uma diversão percorrer os corredores dos dois mercados, um em frente ao outro e também porque moro em Canoas e o terminal das linhas que faziam Canoas e arredores era ali..tempos felizes , ate hoje ainda curto andar pelo mercado….é muitas coisas mudaram com o tempo…

  • Natália Mansur diz: 17 de janeiro de 2012

    Os Porto Alegrenses estão implorando por espaços de lazer nessa floresta de cimento!! Será que já não basta de concreto, precisamos de verde, de espaços culturais, de lugares para sentar, relaxar e pensar “Eu amo Porto Alegre.. onde mais eu poderia ver este pôr do dol? Sentir o aroma dos ipês? E brincar com meus filhos na rua, em segurança?” – culpa de um capitalismo que abriu avenidas e passou por cima de histórias, que hoje, muita gente não conhece, nunca viu, somente através de reportagens e fotografias para saber o quanto já tivemos uma cidade agradável!

  • Marcelo Xavier diz: 18 de janeiro de 2012

    A primeira doca das frutas ficava onde hoje fica a Prefeitura Velha. Quem visitar o subsolo do prédio, vai ver, na altura da entrada do Paço, a parede de pedra onde os barcos outrora atracaram.

    Sobre a antiga praça Parobé, aquela fonte que aparece nas fotos foi posteriormente deslocada para o Parque da Redenção, ela fica ao lado do Araújo Vianna.

  • Jorge Piqué | UrbsNova diz: 29 de outubro de 2012

    Se não me engano no local da Prefeitura antiga estava a Doca do Carvão. A Doca das Frutas ficava mesmo do outro lado, onde era a Praça Parobé.

  • Susana diz: 8 de março de 2013

    Alguém lembra ou tem foto da Confeitaria Parobé?

Envie seu Comentário