Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Uma chama mantida acesa

29 de junho de 2012 1

Existe algo de muito profundo quando funcionários de uma empresa, mesmo os aposentados há bastante tempo, continuam se encontrando para confraternizar – como vai acontecer no próximo domingo, dia 1º de julho, no Sítio Conquista (de sugestivo nome), em Taquara. Eles ajudaram a construir a Cia. Brasileira de Petróleos Ipiranga S.A. e têm motivos para se orgulhar disso.

No sítio, poderá estar, e certamente teria muito para recordar, Amelito Barbosa, 93 anos, que viu pingar diante do seu entusiasmo as primeiras gotas de gasolina refinada pela Ipiranga. Em forma e inteiramente lúcido, apesar da idade avançada, ele contribuiu com importante depoimento para o livro O Pescador, do jornalista Willy Cesar Ferreira, que conta a trajetória do engenheiro Francisco Martins Bastos, fundador da empresa.

Amelito Barbosa (ao centro). Foto: arquivo pessoal

Carteira funcional de Amelito. Foto: reprodução

Amelito era um jovem de 18 anos recém-saído da Escola Técnica Parobé quando foi recrutado, com mais alguns poucos colegas, para ajudar “Chico Bastos” na difícil empreitada. Bastos fora para a cidade de Rio Grande, vindo de Uruguaiana, e Amelito apanhou um navio em Porto Alegre rumo a uma amizade que durou até a morte do engenheiro empreendedor.

Francisco Martins Bastos em 1970. Foto: banco de dados

No dia 7 de setembro de 1937, a Ipiranga foi inaugurada. Amelito já trabalhava lá desde o mês anterior, e lá ficou até se aposentar, em 1970. Além de colegas, os colaboradores da Ipiranga foram parceiros de um sonho.

Para informações sobre o encontro deste domingo, o contato é o e-mail baptista@primeiralinha.net.

Comentários (1)

  • Heitor José Hormain Barcellos diz: 29 de junho de 2012

    A pessoa da direita da foto era meu pai , Engenheiro Heitor Amaro Barcellos, falecido em 28/10/1957, naquele então Diretor Superintendente da Cia Brasileira de Petróleo Ipiranga. Ele também foi um dos Técnicos pioneiros da industrilização do Petróleo no Brasil.
    Grato
    Heitor José Hormain Barcellos

Envie seu Comentário