Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Frase do dia: Roy Orbison

06 de dezembro de 2012 3

Foto: reprodução

O cantor e compositor Roy Orbison (1936 – 1988), cuja morte completa hoje 24 anos, também foi um dos primeiros artistas a abraçar o rock’n’roll, embora sua carreira só tenha ganhado mais impulso depois de nomes como Chuck Berry, Elvis Presley e Little Richard já fazerem sucesso.

Dono de uma voz grave marcante, Orbison se especializou em canções mais melancólicas, assumindo uma figura mais discreta e misteriosa. O que não o impediu de emplacar vários hits nos anos 1960, como Only the Lonely e Oh, Pretty Woman (mais adiante aproveitada como tema de um filme homônimo, com Julia Roberts e Richard Gere).

O final da década de 1960 viu Orbison perder terreno nas paradas e sofrer duras perdas – a mulher, Claudette, morreu em um acidente de moto, em 1966, e dois dos filhos deles pereceram em um incêndio, dois anos depois.

O artista seguiu na estrada, sempre se preservando dos excessos do estrelato. “Ninguém prepara você para ser famoso”, declarou em entrevistas, em frase reproduzida no Almanaque Gaúcho desta quinta-feira. Nos anos 1980, ele estava se preparando para voltar aos holofotes, graças a canções como I Drove all Night e You Got it, além da parceria com George Harrison, Bob Dylan, Tom Petty e Jeff Lynne no grupo Traveling Wilburys.

Mas Orbison morreu, vítima de ataque cardíaco, em 6 de dezembro de 1988.

Comentários (3)

  • Marco Veiga diz: 6 de dezembro de 2012

    Claudete morreu, na verdade, em um acidente de motocicleta.

    Caro Marco,

    Obrigado pelo alerta. Já retificamos a informação.

    Mil perdões aos leitores pelo deslize.

  • Sérgio Luis Johann diz: 6 de dezembro de 2012

    Musicas como You got it realmente marcaram. Escuto-a todos os dias e não me canso.

  • Marcelo Xavier diz: 6 de dezembro de 2012

    Orbison foi cria da Sun, mas ficou um tempo de fora da história, até que ele foi contratado pela Monument. Ali ele desenvolveu aquele estilo de crooner que transformava canções em pequenas árias de ópera meio puccinianas, onde ele era quase sempre o cara frágil, que sofria por amores não correspondidos, e que foi o grande estereótipo dele. Basta ouvir, por exemplo, In Dreams. Ele sobe a voz dele uma oitava acima no fim, cujo ápice é onde ele diz “Ooooooooooonly in dreams / In beautiful dreams”.

Envie seu Comentário