Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Calor causticante

11 de fevereiro de 2013 3

A Avenida Borges de Medeiros deserta, em fevereiro de 1960. Foto: Joaquim da Fonseca, Revista do Globo

É claro que, como sempre, Porto Alegre deu aquela esvaziada neste feriadão de Carnaval. Mas duas constatações são inevitáveis: o verão, com exceção dos dias próximos ao Natal, até que vem sendo camarada, e a Capital já não fica tão deserta durante o período de férias de verão como em outros tempos.

Uma reportagem de Enéas de Souza, publicada na Revista do Globo em fevereiro de 1960, é um bom testemunho disso. Sob o título “A cidade vazia”, o texto lembra que, então, “todos os dias parecem domingos. (…) O clima mortiço, abafado, abrasador leva o porto-alegrense ao longo êxodo de três meses. (…) Na solidão, a cidade se despe, o rendimento do comércio é baixo, as rádios e os jornais veem a publicidade diminuir, os homens de negócios pouco resolvem, os cinemas apresentam as piores produções, o futebol desaparece e o namoro também, porque as garotas foram para o mar. (…) A saída da cidade é feita de qualquer maneira, naquela ânsia dos afogados, de carro próprio, de ônibus, de carona, de lambreta, de vespa, de qualquer coisa, o importante é sair deste forno detestável que é Porto Alegre no verão (…) Sobram os bares. Alguns, inclusive já possuem ar-condicionado. O bar é o último reduto de quem fica”.

O largo da Praça XV, também deserto. Foto: Joaquim da Fonseca, Revista do Globo

Pelo jeito, no passado, sobreviver ao verão daqui era mais difícil do que hoje, né?

Comentários (3)

  • André Streit Junges diz: 11 de fevereiro de 2013

    Que post bacana. Quando vim do interior para a capital este esvaziamento da cidade foi uma das coisas que mais chamaram a atenção.

    Acompanho seu blog e sua coluna. Acho muito interessantes. Obrigado pela pesquisa.

    Um abraço e bom carnaval!

  • Marcelo Xavier diz: 11 de fevereiro de 2013

    Tinha um tio-avô meu que, por causa do calor, passava a manhã lendo jornal num banco dentro do Sulbrasileiro, só prá usar o ar-condiiconado deles.

  • Luis Dal Corso diz: 13 de janeiro de 2015

    Algumas coincidências: nasci em fevereiro de 1960, ano da foto da av. Borges de Medeiros do inicio do post, e precisamente no dia 11 de fevereiro, data da publicação do post.
    Lembro muito de descer a av. Borges festejando os oito campeonatos gaúchos e os 3 títulos brasileiros do S.C. Internacional nos anos 70. Afinal eu era adolescente e vir correndo e pulando desde o Beira-rio até o centro era a maior festa!

Envie seu Comentário