Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Frase do dia: Artaud

04 de março de 2013 0

Foto: reprodução

O limite (se é que realmente existe) entre a insanidade e a criatividade é uma questão que naturalmente vem à tona quando o assunto é Antonin Artaud (1896-1948). Dramaturgo, diretor teatral, ator e poeta, ele viveu entre a arte e a loucura, consumindo ópio e derivados e inclusive passando temporadas em sanatórios, com sintomas que hoje seriam apontados como de esquizofrenia.

Essa revolução interior contribuiu para que Artaud produzisse obras provocativas e inovadoras. Uma de suas diretrizes era o chamado Teatro da Crueldade, segundo o qual a peça de teatro deve perturbar o espectador – e para isso lançava mão de efeitos de iluminação e de som. Essa filosofia está expressa nos textos do livro O Teatro e seu Duplo (1938) e em obras como a peça radiofônica experimental Para Acabar com o Julgamento de Deus (1947).

Influenciado por poetas como Rimbaud e Baudelaire, Artaud também trabalhou com cinema, atuando em diferentes produções e escrevendo o roteiro do curta La Coquille et le Clergyman (1928), que inspirou o surrealismo de Buñuel.

“A vida é um consumir-se em perguntas” é a frase reproduzida no Almanaque Gaúcho desta segunda-feira em que a morte de Artaud, em uma clínica psiquiátrica.

Envie seu Comentário