Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Vida, arte e gosto pela imagem

26 de abril de 2013 1

Propaganda do estúdio Foto Hugo em 1933.  Foto: Hugo Peretti, acervo de Marcelo Peretti

Todo mundo que nasceu e viveu uma vida inteira num mesmo lugar teve a oportunidade de acompanhar cada mudança que se passou a sua volta. Se essa pessoa tiver sido um dedicado fotógrafo, como foi Hugo Décio Peretti, certamente ela terá reunido um número significativo de imagens que constituem um minucioso inventário das transformações que se processaram em sua época.

Encantado em 1931. Foto: Hugo Peretti, acervo de Marcelo Peretti

Encantado em 1940. Foto: Hugo Peretti, acervo de Marcelo Peretti

Encantado em 1950. Foto: Hugo Peretti, acervo de Marcelo Peretti

Se ainda, por sorte, existir alguém que, anos depois, seja capaz de reconhecer o valor desse acervo e, além de preservá-lo, tiver o discernimento de colocá-lo à disposição do público, estará fechado um magnífico círculo virtuoso em favor da memória coletiva.

Hugo em 1930. Foto: Hugo Peretti, acervo de Marcelo Peretti

Hugo em 2003. Foto: Hugo Peretti, acervo de Marcelo Peretti

Hoje se completam 80 anos de funcionamento do ateliê fotográfico de Hugo Peretti (1918-2003) na cidade de Encantado. O falecido pioneiro da fotografia no Alto Taquari, certamente, ficaria feliz em ver seu neto Marcelo mantendo o negócio e recuperando o material produzido para disponibilizá-lo na Casa de Cultura Municipal. E é disso que estamos falando.

O estúdio Foto Hugo nos anos 1970. Foto: Hugo Peretti, acervo de Marcelo Peretti

Comentários (1)

  • César A. Hülsendeger diz: 26 de abril de 2013

    Tive a honra de conhecer o “seu” Hugo. Italianinho miúdo, já com cabelos e bigodes brancos, lembro dele se movimentando com uma agilidade de fazer inveja, usando uma câmera Rolley para fazer fotos em casamentos e solenidades públicas. Alguns conselhos recebi dele quando comecei minha vida profissional como fotógrafo do Jornal Opinião, de Encantado. Sério quando exercia sua profissão – especialmente quando fazia fotos 3×4 -, tinha algumas piadas na manga pra quebrar o gelo depois. E seu estúdio era referência para localização no centro de Encantado.
    Uma iniciativa meritória do Marcelo em divulgar os trabalhos do “seu” Hugo, que merece apoio de quem, como eu, conheceu essa figura que, mais que fotógrafo, era um artista.

Envie seu Comentário