Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Frase do dia: John Fante

08 de maio de 2013 0

Foto: reprodução

O nome do escritor americano John Fante (1909-1983) ganhou algum destaque nos anos 2000, quando a Hollywood que ele tanto amou e descreveu em seus livros lançou uma adaptação cinematográfica de seu texto mais famoso, Pergunte ao Pó, com Colin Farrell como Arturo Bandini e Salma Hayek como Camilla Lopez.

É certo que Pergunte ao Pó, lançado em 1939, é o livro mais célebre de Fante, admirado por nomes como Charles Bukowski. Mas o fato é que a versão para o cinema enfatizou mais os preconceitos contra os imigrantes e seus descendentes – caso do personagem principal da história, Arturo Bandini, alter ego do autor, representando o jovem aspirante a escritor, nascido no Interior de uma família de origem italiana, que ambiciona uma carreira literária de sucesso. Mas o filme passa ao largo da riqueza poética da prosa de Fante e da observação afetiva sobre o lado menos brilhante do sonho americano.

Aspectos que são fortes em Pergunte ao Pó e em outros romances importantes de Fante, como O Caminho de Los Angeles (escrito nos anos 1930 e publicado nos 1980) e Espere a Primavera, Bandini (1936), também com Arturo como figura central. E Fante também produziu para o cinema, assinando roteiros de produções como Lágrimas de Triunfo (1957) e Pelos Bairros do Vício (1962).

O escritor morreu em 8 de maio de 1983 – em decorrência do diabetes, já havia perdido a visão e as duas pernas. Um de seus últimos livros é Sonhos de Bunker Hill (1982), ditado à mulher de Fante, Joyce, e fiel à máxima de que “um autor põe seu coração e suas entranhas na página. Um bom livro pode mudar o mundo” – frase reproduzida no Almanaque Gaúcho desta quarta-feira.

Envie seu Comentário