Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Coloradismo histórico

23 de dezembro de 2013 1

Roberto guardou a carteirinha de sócio infantil.
Foto: Acervo de Roberto da Cunha Alves

 

Roberto da Cunha Alves é colorado desde criancinha, como se pode ver pela carteirinha número 1.406 de 1º de janeiro de 1951. Antes de oficializar sua condição de “sócio infantil”, como está no documento, ele já acompanhava o pai Ary Alves, “colorado doente”, nos jogos do Estádio dos Eucaliptos. Até na partida pela Copa do Mundo de 1950, entre as equipes da Suíça e do México, que aconteceu no dia 2 de julho, Roberto estava entre as 3.580 pessoas que assistiram à vitória da Suíça por 2 a 1.

 

Naturalmente, ele também estava no Beira-Rio e viu quando Claudiomiro marcou aquele primeiro gol no estádio, durante o jogo entre Inter (2) e Benfica (1), na festa de inauguração do Gigante. O ingresso para essa partida inaugural é uma relíquia que o torcedor guarda com carinho. Ele igualmente mantém o contrato (depois renovado) assinado em 13 de fevereiro de 1963, que lhe garantiu, por 20 anos, a posse da “boia cativa nº 81, da fila B”, como afirma. Nessa época, o estádio começava a ser construído, e estava tão perto das águas do Guaíba que a flauta gremista e os próprios colorados chamavam as cadeiras de boias.

Cartão-postal mostrava como deveria ficar o estádio colorado depois de pronto. Foto: Acervo de Roberto da Cunha alves

 

Roberto tem, hoje, 76 anos e, além de torcer pelo Inter, fez  outras coisas na vida, é claro. Por exemplo: casar com Maria Helena, ter um filho (Gustavo), e trabalhar por 32 anos na Caixa Econômica Federal. Também apitou inúmeras partidas de basquete, pois seu hobby era ser juiz dessa modalidade. Mais recentemente, Roberto Alves tem preferido acompanhar os esportes pela TV, mas não será nenhuma surpresa se alguém o encontrar na festa de reinauguração do estádio, ou numa das partidas da próxima Copa, sentado numa das poltronas do novo Gigante. Afinal, ali ele se sentirá sempre em casa.

 

O leitor José Rivadavia Corrêa também guardou um adesivo de para-brisa alusivo à festa de inauguração do Gigante.
Foto: Acervo de José Rivadavia Corrêa

Comentários (1)

  • Yzara Menegaz diz: 10 de janeiro de 2014

    Linda colaboração. Aproveitamos para apresentar o blog Memória do Inter – http://memoriadointer.blogspot.com.br/, oficial do Arquivo Histórico do Sport Club Internacional que pertence a divisão – Fundação de Educação e Cultura do Sport Club Internacional – FECI.

Envie seu Comentário