Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

A composição de Lupicínio Rodrigues que foi rejeitada pela Casa Guaspari

25 de março de 2014 0
O compositor porto-alegrense Lupicínio Rodrigues. Foto: Reprodução

O compositor porto-alegrense Lupicínio Rodrigues. Foto: Reprodução

Apesar da bem-sucedida carreira como compositor nos mais variados gêneros populares, incluindo a autoria do Hino do Grêmio, Lupicínio Rodrigues (1914-1974) foi rejeitado pelo menos numa tentativa de enveredar pela música publicitária. A incursão fracassada ocorreu em 1948, quando o músico Alberto do Canto (1923-2004) o convidou para uma parceria, que, a quatro mãos, faria um jingle para Casa Guaspari, tradicional loja de roupas masculinas da Capital. Autor do famoso samba-canção Rua da Praia, Alberto também produzia reclames sonoros para a Star Propaganda, uma das pioneiras gaúchas nesse ramo, e que pertencia a Arthur do Canto Jr., seu pai. Lupi encarou o desafio, focou nos homens solteiros, e o resultado foi uma marcha, animada no arranjo e melodramática na mensagem.

 

 

A culpa é tua, rapaz!

A culpa é tua,

se andas pela rua

sem achar uma mulher

 

Vai lá no Guaspari,

fazer tua roupa:

verás quanta sopa

te vem de colher

 

Mulher só gosta de moço afinado,

o Guaspari faz terno alinhado!

 

Pois vai no Guaspari

fazer o teu linho,

ou acabas maluco

vivendo sozinho…

 

Provavelmente por ser “lupiciniana” demais, a obra não agradou à direção do magazine. Música e letra permaneceram esquecidas por quase seis décadas até que, em 2009, uma filha de Alberto emprestou ao jornalista Marcello Campos um antigo disco de acetato com o áudio original, acompanhado de anotações feitas na época pelo coautor. Se acaso você chegar no Centro Municipal de Cultura (Av. Erico Verissimo, 307) às 19h de quarta-feira (amanhã), poderá ouvir o próprio Marcello contando histórias como essa. Na programação da Semana de Porto Alegre, ele fará a palestra “Um outro Lupicínio: Aspectos Inusitados do Maior Compositor Popular Gaúcho”. Vai lá, e não deixa a tua cadeira vazia.

Envie seu Comentário