Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Dona Mimi Moro, a pioneira dos programas de culinária no Estado

27 de março de 2014 1
Um dos cursos de Dona Mimi na loja Guaspari (ao fundo, aparece um singelo fogão Wallig e, sobre a mesa, garrafas de guaraná Sielva). Foto: Reprodução

Um dos cursos de Dona Mimi na loja Guaspari (ao fundo, aparece um singelo fogão Wallig e, sobre a mesa, garrafas de guaraná Sielva). Foto: Reprodução

A palavra culinária, como “a arte de cozinhar”, quase já não é empregada. Hoje é mais usado o termo gastronomia, pretensamente mais sofisticado. Desconfio que, agora, o fácil acesso as informações, tanto nos tem ajudado quanto tem contribuído para que compliquemos demais, mesmo as coisas mais simples. Na área da alimentação, então, as informações são tão contraditórias que só um gordo com critérios bastante elásticos como eu não vai à loucura. Como se sabe, o prato preferido dos avultados é o cheio e, portanto, ficar preocupado com a quantidade de sódio na água mineral seria puro cinismo.

Dona Mimi. Foto: Reprodução

Dona Mimi. Foto: Reprodução

Na TV tem mais programas de gente cozinhando e dando receitas do que a nossa disponibilidade de tempo para todas essas experiências. Tem cozinha holística, molecular, orgânica etc. Os chefes vão do debochado Tiefenthaler (do Larica Total) ao grosseiro, agressivo e insuportável Gordon Ramsay (Hell’s Kitchen), que está mais para UFC do que para as coisas sensíveis do paladar, passando pelo divertido Troisgros (Que Marravilha!). Comer com prazer, pensando simultaneamente na pressão arterial, ou no potencial cancerígeno do tomate, definitivamente não é a minha praia, e o resultado é esse que veem aqueles que me conhecem.

Uma aluna é diplomada em curso patrocinado pelos fogões Geral. Foto: Reprodução

Uma aluna é diplomada em curso patrocinado pelos fogões Geral. Foto: Reprodução

Nos anos de 1960, quando tudo era mais simples, na TV Piratini, quem cozinhava ensinando era a pioneira Dona Mimi Moro (1894-1977). Ela chegou ao vídeo, onde ficou por quase 20 anos, com 66 anos, a convite da jornalista Célia Ribeiro. Publicou três livros de receitas. Sua filha Lila e sua neta Márcia publicaram um quarto livro, “in memoriam”, em 1994. Amália Mascarello Moro, ou Dona Mimi, também ministrava cursos de culinária fora da TV. A velha e boa mesa é tão somente uma comida benfeita, como a que Dona Mimi aprendeu com a mãe e com a avó lá em Flores da Cunha, onde nasceu.

Comentários (1)

  • Paulo Reus Schuller Alves diz: 27 de março de 2014

    Que maravilha, esta matéria muitas saudades. Me recordo dos programas culinários
    da Vovó Mimi Moro. Por favor, se puder me enviar por email os nomes dos livros de receita dela se ainda existirem e onde encontra-los ficarei imensamente agradecido.

Envie seu Comentário