Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Praça da Harmonia

22 de dezembro de 2014 0

A Praça Brigadeiro Sampaio é, hoje, um triângulo formado pela Avenida João Goulart (continuação da Avenida Mauá, rumo à Zona Sul), pela Rua General Portinho e pelos primeiros quarteirões da Rua dos Andradas, que tem belas e antigas árvores e muita sombra.

Tem, também, o monumento ao patrono da infantaria brasileira, que dá nome à praça, e foi um bravo cearense, nascido em 1810 e morto em 1866, em decorrência de ferimentos sofridos na Batalha de Tuiuti, durante a Guerra do Paraguai. Aquela área da Capital teve diversas denominações e atravessou diferentes momentos de valorização e desprezo por parte da população e seus representantes.

Nos primórdios da vila, fazia parte da Praia do Arsenal e ficou marcada como o Largo da Forca, já que ali eram executados os condenados à morte.

11071974

Em 1865, o fotógrafo Luiz Terragno fez a imagem estereoscópica da Praça da Harmonia. Esse tipo de fotografia dupla, que exigia um visor especial para observar o efeito tridimensional, fazia grande sucesso naquela época…

11071973

… Ao isolar uma das fotos, pretendemos enfatizar o conteúdo, que mostra a praça como ela foi.

Em 1856, o nome adotado foi Praça do Arsenal. Por volta de 1858, ela foi melhorada sob três alegações: 1 – de que “era o ponto mais destacado para a visão dos que entravam no porto e o que mais penúria exibia”, 2 – a epidemia de cólera (1855) tinha feito ali muitos estragos pela “falta de asseio e mísera situação”, e 3 – “porque a cidade não possuía um lugar de refrigério e de passeio, além da Praça da Independência (hoje Praça Argentina), concluída há pouco.

Nessa época, passou a se chamar Praça da Harmonia. Em 1865, época destas fotos,
o logradouro foi revitalizado. O nome chegou a ser trocado outras vezes, para Praça Martins de Lima, depois para 3 de Outubro, mas para sempre o local será tratado como Praça da Harmonia.


Fonte: Porto Alegre – Guia Histórico , de Sérgio da Costa Franco

Envie seu Comentário