Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Campanha repetida 57 anos depois

18 de fevereiro de 2016 0

A batalha travada hoje em todo o país, contra o mesmo adversário, já foi desenvolvida em Porto Alegre 57 anos atrás.
A capital gaúcha vinha sendo assolada a cada verão pela praga do mosquito. Na época, não se falava em dengue ou em qualquer outro tipo de vírus. Não havia receio de doença, era apenas o desconforto da picada do inseto que os jornais passaram a chamar de Culex (definição científica do pernilongo).

O lançamento da campanha de erradicação da praga, em fevereiro de 1959, teve caráter solene. Foi presidido pelo governador Leonel Brizola, com a presença do ministro da Saúde, Mário Pinotti, que prometeu todo o apoio do governo federal. Os veículos de comunicação aderiram à iniciativa e não pouparam espaços na sua divulgação. Os jornais do centro do país também repercutiram as notícias.

O grande condutor da campanha foi o secretário estadual da Saúde, José Lamaison Porto (1926-1989), que conquistou notoriedade pela forma incansável com que se dedicou à tarefa, criando o serviço do mata-mosquito, que percorria casa por casa nas zonas mais infestadas. Para ele, tratava-se de um problema de “real envergadura”. Previa muitas dificuldades devido ao elevado número de focos existentes em toda a Região Metropolitana, e o que chamava mais atenção era o Riacho da Avenida Ipiranga.

reportagem

Os trabalhos foram além daquele verão e o resultado logo se fez sentir. Os porto-alegrenses praticamente ficaram livres das incômodas picadas. Dali para a frente, quase não se falou mais em ataques em massa de pernilongos. A matéria acima lado foi publicada no jornal A Hora, em 1959.

Envie seu Comentário