Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Luciana de Abreu (?)

24 de junho de 2016 0

1

André Worm gosta de antiguidades e de arte. Algumas peças, ele coleciona. Outras, comercializa. Frequentador assíduo do Brique da Redenção, no ano passado gostou de uma antiga pintura a óleo que lá encontrou. A única certeza, até então, era de que se tratava de um belo retrato de mulher, executado por um artista com sofisticada técnica e competência. A tela, com a moldura interna em pinho-de-riga, com curiosos cravos em madeira, atestava, pelo aspecto e confecção, ser algo elaborado há muito tempo. Worm adquiriu o quadro oval, que tem ainda uma precária moldura pintada em dourado e feita em partes unidas por grampos metálicos.

2

Colhendo uma informação aqui e outra ali, na tentativa de identificar o autor da obra, a data aproximada e quem seria a retratada, o curioso comprador ouviu especialistas e chegou a dados surpreendentes. O pintor é, provavelmente, Frederico Trebbi (Frederico Alberto Crispin Francisco Arnoldi Trebbi), nascido em Roma, em 1837, que morreu em Pelotas, em 1928. Ele foi comerciante, fotógrafo, pintor e professor de arte ativo no Rio Grande do Sul entre os séculos 19 e 20. Depois de estudos artísticos na Academia de Belas Artes, Trebbi deixou a Itália aos 20 anos e, entre 1858 e 1864, residiu no Chile, na Argentina, no Uruguai, na Bolívia e no Paraguai.

Com a eclosão da Guerra do Paraguai, mudou-se para o Brasil, para cujas Forças Armadas realizou importantes serviços de mapeamento topográfico e documentação fotográfica, sendo agraciado com o título de Comendador e Cavaleiro da Coroa. Ao término do conflito, numa visita ao Rio Grande do Sul, conheceu, em Mostardas, sua futura esposa e, com isso, veio a fixar-se definitivamente no Estado. Além de Pelotas, Trebbi morou temporariamente em Porto Alegre, onde trabalhou no ateliê fotográfico de Jacintho Ferrari. Nessa época, ou em alguma visita anterior à Capital, o pintor teria conhecido e retratado a poeta, professora e pioneira da luta pela emancipação da mulher, Luciana de Abreu (1847-1880).

Luciana era 10 anos mais jovem que Trebbi e morreu com 33 anos incompletos. Se, de fato, é ela a figura que está na pintura comprada por Worm, a tela ganha especial significado também pela importância da modelo. Nestes tempos de justo empoderamento feminino e na ausência de fotos conhecidas de Luciana de Abreu (até onde sei, só existe uma imagem em bico de pena), o quadro mereceria ser incorporado a algum acervo público.

Envie seu Comentário